Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Corvo: Uma Ilha do Tamanho do Mundo! (Parte 02)

por Robinson Kanes, em 08.04.19

IMG_5910.jpg

Imagens: Robinson Kanes e GC

 

 

Apesar da dimensão, caminhar pelas poucas ruas da vila do Corvo tem o seu interesse: respira-se o ar do mar, sente-se o isolamento - não se pode negar - mas sente-se também a distância de tudo e de todos. No caso de alguém que vive numa cidade não existe melhor refúgio. Se a isto juntarmos a simpatia e boa disposição dos corvinos temos o mote certo para voltar muitas vezes ao BBC pois rapidamente conhecemos quase todos os habitantes da ilha. Mas paremos para pensar aqui: quantas vezes, com tantas e tantas pessoas à nossa volta e também nos sentimos isolados?

 

O tempo continua a melhorar e o sol espreita - optamos por não repetir a caminhada a pé até ao caldeirão, como é conhecida a caldeira do Corvo e, se não a mais bonita, é por certo uma das três mais belas do arquipélago! Descobrimos, por mero acaso, pai da Vera! Prestável, lá nos coloca na sua carrinha e nos leva  ver a caldeira! Fazer a estrada (ou o caminho a pé) até à caldeira é uma experiência única - a proximidade com o mar, o cruzamento com o gado (ou não fosse o Corvo uma ilha dos Açores) e a oportunidade de observar algumas aves.

IMG_5893.jpg

O momento alto é a oportunidade observar a caldeira e imaginar o que terá pensado Diogo de Teive em 1452 quando se deparou com um dos monumentos mais belos que o planeta Terra tem: aquela caldeira situada a 718m de altitude - Um autêntico coliseu e cujas pequenas ilhas no seu interior se assemelham às 9 ilhas do arquipélago. 

IMG_5919.jpg

Se me perguntarem se vale a pena apanhar um voo na Nova Zelândia só para ver este caldeirão, a minha resposta é imediata: sim! É daqueles locais onde queremos ficar horas e horas a contemplar o mar pelo miradouro, a apreciar o interior da caldeira e a escutar o som do gado que por lá deambula sem restrições, afinal, aquele espaço, mais que nosso, é deles! Chegar, tirar uma fotografia e voltar é desrespeitar tão impactante local!

IMG_5917.JPG

Por ali ficámos uns bons 90 minutos, trocando impressões e absorvendo toda aquela magia natural! O dia foi passando e acabámos a contornar a ilha pelo lado oeste e a deambular pelos campos agricolas enquanto a chuva já começava a molhar. Não foi isso que impediu que sujássemos os pés e voltássemos a parar para apreciar umas laranjas directamente arrancadas da árvore - ainda não estavam doces pelo que, as do Pico continuam a merecer a nossa preferência.

 

Acabamos a tarde num espaço singular, uma das casas onde o pai da Vera, entre uma bebida e uns cigarros nos fala da ilha, dos Açores, de como é fácil e desafiante viver num pedaço de terra com pouco mais de 17 km2. Falamos das festas, da praia, da cerveja - uma instituição na ilha do Corvo - e de como todo o mundo também pode estar naquele pedaço de terra. Ficamos a saber que no Corvo, todos aqueles que chegam têm um tecto e comida na mesa e também que todos aqueles que não chegam com boas intenções rapidamente são envergonhados pelos locais - conta-se que em tempos, um desses indivíduos foi despido e amarrado no meio da aldeia ficando por lá durante mais de um dia. A verdade é que sentimos isso, até porque fomos várias vezes convidados para jantar aqui e ali!

A noite começa a dar sinais de que quer tomar conta dos céus e descemos à vila. Bebemos mais um café e um copo no BBC e preparamos o estômago para a jantarada enquanto vamos conversando com dois músicos de Ponta Delgada responsáveis por animar o serão.

IMG_5931.jpg

A festa acabou de madrugada e logo cedo, depois de um bom pequeno-almoço e de uma visita aos moinhos, voltámos ao aeroporto ainda sem saber se o voo aconteceria. O avião chegou, e as duas viaturas do bombeiros esperam sempre a chegada dos aviões com os motores ligados - Finalmente o ok do comandante - Luis Gouveia, uma lenda nos Açores - e partimos!

IMG_5870.JPG

Na Vila, mesmo ainda antes de chegarmos ao aeroporto, todos diziam não ser possível: "durmam, deixem-se estar sossegadinhos que vão ficar connosco por uns dias". A verdade é que o Q200 descolou e também é verdade que após ter chegado com uma vontade imensa de sair no primeiro voo que houvesse, fiquei com aquela saudade e também a vontade de ficar mais uns tempos! De percorrer vezes sem fim a ilha, de beber uns copos no "formidável" e no BBC entremeados por umas fatias de queijo do Corvo, de apreciar a praia que nunca apreciei e de simplesmente me deixar levar pela imensidão daquele mundo.

IMG_5880.JPG

Perdeu a parte 01? Está aqui!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Corvo: Uma Ilha do Tamanho do Mundo! (Parte 01)

por Robinson Kanes, em 04.04.19

IMG_5879.jpg

Fotos: Robinson Kanes e GC

 

Esta história começa no Faial, mais precisamente no aeroporto da Horta. É de manhã e o voo com origem em Lisboa chega a horas. O mar está agitado, o tempo também não está melhor... O destino final não é o Faial, essa linda ilha, mas sim as Flores. As Flores, aquela pista onde as aterragens são verdadeiras aventuras, eu que o diga que no espaço de seis meses já tive duas aterragens de fugir! O Q400 chega e tudo indica que a viagem vai ter lugar! Mas quem já está habituado a viajar entre as ilhas dos Açores, sabe que quando o avião está na pista e não há forma de se embarcar, é porque provavelmente vem um cancelamento a caminho - por norma, devido ao mau tempo. 

 

E assim foi - nem foi preciso o anúncio, pois quando as malas são retiradas do avião a mensagem é clara: voo cancelado! Insatisfeitos com a notícia, eis que ficámos à espera de mais novidades, eis que senão, está nesse momento a sair um Q200 para o Corvo! E porque não voltar?

 

Acorremos à porta de embarque e após uma negociação tranquila e onde a ausência de bagagem de porão foi uma mais-valia, eis que embarcamos com destino a essa ilha - sem alojamento e a acreditar que o Ariel (navio que faz a travessia entre o Corvo e as Flores) vai partir no dia seguinte. 

IMG_5884.jpg

Depois de mais uma aterragem daquelas com as poucas pessoas dentro da cabine extremamente nervosas (e um comissário de bordo com um sentido de humor único que ajudou a que um terço dos passageiros não tivesse um AVC) eis que tocamos a pista! Uma nota: as piores aterragens e descolagens que tive na vida foram sempre nos Açores, mas se há pilotos em quem podemos confiar são os pilotos da SATA! Se a SATA não aterra ou descola, também ninguém mais o fará!

IMG_5867.jpg

 

Chegamos ao Corvo, o tempo está péssimo e no pequeno aeroporto tentam-se resolver os cancelamentos, pois o Q200 que deveria descolar com destino às Flores vai descolar, mas de volta para o Faial! Ficamos também a saber que podemos adquirir um bilhete para o dia seguinte, no entanto nada é prometido! A viagem no Ariel está fora de questão, o navio está em terra e não sai há um mês! 

IMG_5892.jpg

Entre o mar agitado e a simpatia de todo o pessoal da SATA, é-nos dito sem alojamento não ficaremos (dormir no aeroporto já era uma hipótese que tinhamos considerado)! Nesta fase a SATA já nada nos deve, pois perdemos essa hipótese quando decidimos não ficar no Faial. No entanto, staff como o da SATA já pouco existe e conseguimos um alojamento muito simpático, a "Joe & Vera's Place". 

IMG_5921-2.jpg

A Vera, uma simpatia de senhora, dá-nos boleia - só porque chove, porque do aeroporto à Vila não se pode dizer que existam distâncias - e até nos cobra o valor que estava online sem se aproveitar da nossa situação! Fomos recebidos como se fôssemos convidados e até o convite para o jantar de camarão que iria juntar toda a gente na ilha nos foi facilitado. Foi no BBC que almoçámos fora de horas e onde também era o jantar. A par de outro restaurante, o BBC é dos únicos locais onde servem refeições - o nome pomposo deve-se ao facto de ser a sigla do Bar dos Bombeiros do Corvo.

IMG_5868.jpg

Entretanto o tempo melhora, mas o vento deixa adivinhar que as coisas para o dia seguinte não vão correr bem... As Flores estão tão perto que temos a sensação de que podemos ir a nado! Mau sinal para quem durante anos fez essa leitura com as Berlengas! Mau sinal para quem escuta os corvinos a dizer "amanhã o avião não sai"! Mau sinal para quem diz que conhece bem o mar mas rapidamente ouve um corvino a dizer que o Robinson deve ser doido.

 

Continua...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Em Limburgo, a Viver Maastricht...

por Robinson Kanes, em 22.02.19

IMG_4406.jpgImagens: Robinson Kanes

 

Antes de voltar à Bélgica, especialmente a Antuérpia e Leuven, e depois de bons passeios por Ghent, Brugge e Bruxelas, façamos uma entrada na Holanda.

O meu primeiro contacto com a Holanda deu-se, era eu ainda um miúdo, por intermédio de um grupo holandês que me fez sentir como um adulto. O puto português, agarrado ao seu instrumento musical, visitou a casa de uns companheiros belgas em Herent (Bélgica) e rapidamente foi colocado em destaque, a par dos demais numa oportunidade única de partilhar o palco. A noite acabou naquela localidade entre comida belga e holandesa sem esquecer  o continuar da festa onde se tocaram, cantaram e dançaram músicas populares daqueles dois países, e obviamente, de Portugal. Deve ter sido das primeiras vezes em que senti a apreciação do mérito!

IMG_4404.jpg

Mais tarde entraria na Holanda por Roterdão, Amesterdão e Arnhem, a cidade onde se encontra a famosa ponte de uma das batalhas mais dramáticas da 2ª Guerra Mundial - foi aqui que a operação "Market Garden" conheceu o seu falhanço... Mas uma outra cidade holandesa merece, apesar de bastante pacata a minha atenção: Maastricht!

IMG_4410.jpg

Maastricht é uma cidade de sossego absoluto, mesmo quando deambulamos pela "Praça  Vrijthof" - a mais famosa da cidade - com os seus cafés e a "Basiliek van St. Servaas/Basílica de São Servácio" - uma basílica onde a mistura de estilos românico, barroco e gótico é evidente e onde se encontra o túmulo do patrono que lhe dá o nome. 

IMG_4417.jpg

É por esta praça que podemos começar a conhecer esta pequena cidade! Nada como uma passagem pela "Onze-Lieve-Vrouwebasiliek/Basílica de Nossa Senhora" e depois seguir a rede subterrânea que serviu ao longo de séculos para a defesa da cidade, e mais "recentemente", como abrigo durante 2ª Guerra Mundial. O ideal é juntar a esta experiência a visita as "Cavernas" e o "Forte de São Pedro".

IMG_4418.jpg

No entanto, ir a Maastricht e não dar um passeio junto ao Mosa é uma verdadeiro sacrilégio que São Servácio não apreciaria. É a oportunidade perfeita para apreciar um pouco de natureza, a pouca movida e atravessar mais uma romântica (e românica) ponte, a "Sint Servasbrug".

IMG_4411.jpg

Esta é, aparentemente, a ponte mais antiga dos Países Baixos. Junto ao rio podemos sempre entrar nos arredores da cidade e aproveitar para correr ou andar de bicicleta nos inúmeros parques, aliar o exercício físico a uma viagem é sempre importante.

IMG_4407.jpg

Finalmente, e porque já é um hábito: o piquenique! Com tantos parques é impossível não o fazer, sobretudo se os ingredientes forem comprados nos mercados da cidade, pois... a comida holandesa não é propriamente a mais apetecível do mundo, pelo menos para mim.

 Ik wens u een prettig weekend!

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_4430.jpgImagens: Robinson Kanes

 

Depois de duas tranquilas caminhadas em Bruges e Ghent segue-se uma cidade mais cosmopolita, mais conhecida, e muito provavelmente, menos apetecível: Bruxelas. 

 

Bruxelas não é a mais bela capital do mundo, mas é uma das mais cosmopolitas e com maior diversidade! Também não me irei debruçar a falar do "Atomium", além de que acho inconcebível pagar-se mais para conhecer este monumento do que para visitar alguns dos mais importantes museus do Mundo. Também não é a Bruxelas onde o chocolate belga e os mexilhões são mais caros que merece a minha atenção... Até porque, perdoem-me a costela mais provinciana, mexilhões é por terras lusas. Perdoem-me também que deixe de parte o "Manneken Pis", um dos locais mais overated do turismo europeu. Se tivesse que escolher, muito provavelmente, até optaria mais pelo "Het Zinneke", o famoso cão que não se inibe de urinar à vista de todos.

IMG_4427.jpg

Mas caminhemos pela "Grand Place", talvez a grande atracção da cidade, completamente cheia de turistas, muitas vezes em contraste com as ruas limítrofes. A beleza é de facto única, embora tenha sempre a sensação (e não foram poucas as vezes que andei por Bruxelas) que é mais pequena do que nas fotografias, um pouco como a Praça de São Pedro. Não é de todo aqui que se sente o pulsar da Europa, mas também não se pode dizer que não a uma cerveja ou aos waffles que em alguns recantos são bem agradáveis, aliás, por lá os meus favoritos são os gofres.

IMG_4423.jpg

No entanto, há dois pontos de Bruxelas que me encantam! Não são os edifícios das instituições europeias mas sim os vitrais da Catedral de Bruxelas (Cathédrale de Sts Michel et Gudule, ou em flamengo St-Michiels en St-Goedelekathedraal"), bem perto da "Grand Place" e cuja construção começou em 1226 e teve o seu "culminar" já no reinado de Carlos V.

IMG_4434.jpg

Além das estátuas dos apóstolos que se encontram nas colunas da nave central, nada como perceber alguma presença portuguesa nos vitrais - os mais bonitos e genuínos da catedral segundo uma das funcionárias do espaço. Podemos encontrar nestes vitrais a presença das armas portuguesas e a figura de D. João III e D. Catarina - a irmã de Carlos V.

IMG_4442.jpg

Na verdade, também Carlos V era casado com a irmã de um outro monarca, D. Isabel, irmã do já citado D. João III. D. Isabel era prima de Carlos V. Como o interesse nesta matéria foi grande, acabei por encontrar alguma bibliografia e alguns websites, pelo que, quem quiser começar pode sempre fazê-lo de uma forma mais leve com um "amador" no Crow Canion Journal - antes de entrar em pormenores cientificos, pode ser a leitura ideal.

IMG_4446.jpgIMG_4450.jpgIMG_4457.jpg

Outro apontamento menos conhecido de Bruxelas está também perto da "Grand Place", perdido perto da estação central e junto de um dos parques de estacionamento que rodeiam a mesma: falo da estátua de Béla Bartók... Béla Bartók, o compositor húngaro que faleceu em Nova Iorque e só anos mais tarde encontrou o descanso eterno ao lado da esposa, em Budapeste... A história de Bartók ainda hoje é das mais interessantes, sobretudo se tivermos em conta que em vida não foi assim tão reconhecido ao ponto de apenas ter 10 pessoas no seu funeral. Bartók, para os mais incautos, foi um dos responsáveis pelo estabelecimento da etnomusicologia, embora as origens da mesma já tenham sido anteriores a Bartók.

IMG_4467.jpg

Ablakomba... Ablakomba... E bom fim de semana...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Brugge... Entre Canais e História...

por Robinson Kanes, em 28.11.18

IMG_4116.JPG

Imagens: Robinson Kanes

 

A primeira viagem que fiz de avião foi numa aeronave da Sabena, portanto, já há alguns anos. Nesse dia chuvoso, partia de Lisboa para Bruxelas, mais precisamente para Leuven. Essa primeira viagem, e embora não sendo o melhor apreciador dos países que compõem o Benelux, marcou-me, e claro está, fez com que tivesse um carinho especial por aquele país. Entre as várias viagens que fiz à Bélgica entretanto, parecia-me injusto não lhe dar o devido destaque neste espaço, até porque também tive os meus namoricos belgas, conheci muito boa gente belga, recuso-me a pagar €15 ou mais euros por meia-dúzia de mexilhões, não acho a Stella Artois nada de especial (embora até tenha conhecido a fábrica) e por aí adiante...

IMG_4106.JPG

Retomo a Brugge... Não é uma cidade fascinante, no entanto, faz-nos pensar em como é que num local tão pequeno a vibração cultural é tão grande. Faz-nos pensar em como é que se sente o peso da história e entre os pequenos canais podemos passar alguns momentos bem agradáveis. A parte nova, é a imagem típica de cidade flamenga "moderna", mas no centro histórico, podemos encontrar algum património bem interessante que pode ser conhecido a pé ou através dos passeios nos canais. Já não recomendo os passeios de carruagem, ninguém que goste de cavalos pode tolerar tal sofrimento inútil.

IMG_4115.jpgO ideal é começar o dia no "Books & Brunch", nada como um pitéu num local rodeado de livros para iniciar uma visita e assim compensar o tempo que poderemos não ter para almoçar. Seguidamente, nada como apimentar esta sedução intelectual com uma visita ao "Groeningemuseum", um local ideal e a não perder para quem adora pintura flamenga, aliás, Jan van Eyck (que até tem por lá a sua estátua - morreu nesta cidade em 1441) e Van den Berghe estão por lá. 

IMG_4131.JPG

A pintura e a escultura também estão patentes numa visita obrigatória à "Igreja de Nossa Senhora" e ao seu museu, o "Onze-Lieve-Vrouwekerk" oferece, entre muitas obras, a oportunidade de admirar "A Virgem com o Menino" de Miguel Ângelo.

IMG_4109.JPG

Brugge, para um turista, é um local bastante económico - é nas ruas e caminhando por entre os canais que conhecemos a cidade, entrando nas Igrejas e até o famoso carrilhão.

IMG_4128.JPGEstamos numa cidade, contudo, com uma imensa oferta cultural e que para amantes de teatro, música clássica e tantas outras artes, pode ser, sem dúvida uma mais-valia, aliás, é para mim o grande ponto alto de uma visita à cidade, um pouco como Hamburgo na Alemanha, que não sendo uma cidade bonita e atraente, é bastante apetecível em termos de acontecimentos culturais.

IMG_4130.JPG

Finalmente uma nota para as importantes questões ambientais. Na última visita a esta cidade, fica a memória de que um destes dias, podemos assistir a uma baleia como a da imagem acima a invadir os nossos mares... Não pensamos muito nisto, mas um dia vamos mesmo ter de fazê-lo, e não é quando a vida destes e de outros animais estiver em risco, no nosso egoísmo incorrigível, vai ser mesmo no dia em que a nós próprios estivermos em risco.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma Jóia Normanda: Bayeux

por Robinson Kanes, em 06.10.18

IMG_3522.JPG

 Fotografias: Robinson Kanes

 

 

Uma das mais belas catedrais de França está situada no departamente de Calvados, na região da Normandia, mais precisamente em Bayeux!

 

No entanto, antes de entrarmos na catedral, Bayeux tem a curiosidade de ter sido a primeira cidade a ser libertada na Batalha da Normandia! É também por isso, que acolhe o cemitério de todos os jornalistas abatidos a acompanhar guerras desde 1944! Também é nas imediações do centro de Bayeux que se encontra o maior cemitério britânico da Segunda Guerra Mundial. Mas deixando as experiências menos boas, Bayeux é conhecida pela sua tapeçaria do século XI e onde se encontra "relatada" a conquista de Inglaterra por parte dos normandos liderados por Guilherme II. Merece ser visitada até porque está catalogada pela UNESCO!

IMG_3560.JPG

Mas o que pode levar alguém como eu a Bayeux é a oportunidade de poder conhecer mais uma localidade normanda e apreciar a calma e simpatia dos seus residentes, num quase viajar ao passado. Se esperamos passar uma manhã ou uma tarde, rapidamente percebemos que temos de ficar mais tempo.

IMG_3561.JPG

Regressando à catedral, rapidamente percebemos o estilo gótico que se deve à reconstrução da mesma durante o século XI. Destaco a nave central que nos guia pelos imensos vitrais que se espalham ao longo de toda a estrutura. Para apreciadores desta arte, sem dúvida que verão aqui a sua sede de conhecimento saciada. 

IMG_3530.JPGIMG_3557.JPG

Também não podemos esquecer onde estamos, pelo que, em cada canto somos recordados de um passado não muito longínquo e onde se recordam todos aqueles que tombaram em nome da liberdade na Europa.

IMG_3535.JPG 

Se gostarmos da Normandia, por certo que não podemos deixar de conhecer Bayeux, até porque qualquer das estradas até lá é um verdadeiro passeio carregado de paisagens que são o verdadeiro postal da Normandia. 

IMG_3523.JPG

 Bom passeio...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma Cidade Portuária: Honfleur...

por Robinson Kanes, em 17.08.18

IMG_3364.JPG

Imagens: Próprias e GC

 

A minha paixão por cidades portuárias é mais que evidente... Durante toda a minha infância e adolescência (e ... idade adulta) o mar foi uma presença. Tendo uma parte da família ligada ao mar é natural que os genes cá estejam a desempenhar o seu papel.

 

Honfleur, embora não sendo um colosso, é aquela cidade onde o Sena encontra o Canal da Mancha e, segundo alguns (ou seja, eu), esse rio perde todo aquele romantismo, que alguns (ou seja, eu), não lhe reconhecem. Gosto, apesar de tudo, de Honfleur... Uma cidade pacata do Departamento de Calvados, em plena Normandia. Cidade tranquila, com uma pequena baía onde encontramos algumas embarcações de lazer que contrastam com aquelas que laboram e procuram as riquezas marinhas do Canal da Mancha. Ainda continuo a preferir que fosse ao contrário, mas o turismo, as cidades e o próprio funcionalismo a essa mudança obrigam.

IMG_3379.JPG

Gosto, sobretudo, do interior da cidade... Estar em Honfleur e não usufruir dos bares e restaurantes junto aos veleiros não é ir a Honfleur - essa área tem o nome de "Vieux Bassin". Todavia, e conhecendo relativamente bem (para um visitante) a Normandia, nunca tinha estado em Honfleur. Gosto dos cafés dentro da cidade, sobretudo, das ruas calmas, de uma forma diferente de estar numa cidade portuária que acabar por ser invadida por turistas ou não fosse uma das primeiras atracções turísticas para quem atravessa o Canal da Mancha vindo de Inglaterra ou até entrado pelo norte de França.

IMG_3369.JPG

Cidade comercial ao logo da História e uma das mais disputadas durante a Guerra dos Cem Anos (mais uma vez a proximidade com a vizinha Inglaterra), agrada-me também por ser a cidade onde nasceu Erik Satie - quem sabe, algumas das suas "Gymnopédies", não terão tido alguma inspiração por estas bandas... Não creio, todavia fica essa nota que reforça uma necessidade de visitar esta cidade. Com uma história ligada ao Impressionismo, é também uma cidade onde as artes plásticas têm o seu lugar, destaco apenas o "Museu Eugène Boudin" que alberga pinturas do artista e inclusive de Monet.

IMG_3357.JPG

Uma das grandes atracções, contudo, é a "Igreja de Santa Catarina"! Totalmente de madeira, muito por culpa da tradição naval, é deveras um encanto para quem gosta de arquitectura! Uma igreja de madeira, com o cheiro intenso da madeira velha e toda aquela austeridade particular, é uma supresa daquelas que marca!

IMG_3374.JPG

IMG_3370.JPG

Cansados do cheiro da madeira e de tão grande riqueza, nada como parar na boutique de café junto ao restaurante "Entre Terre & Mer". Sendo os mesmos proprietários, tenho a agradecer a simpatia das duas colaboradoras que, servindo apenas dois cafés, nos trataram como se tivessemos jantar lavagante ou outras iguarias daquele mar ali tão perto - sem publicidade porque paguei os respectivos dois euros por cada um.

 

Finalmente, e falar deste aspecto num país com tão belas pontes como Portugal não é propriamente fascinante, todavia, nada como aproveitar as vistas (caras) da "Ponte de Normandie" para o Estuário do Sena ou até do mesmo rio ainda confinado num espaço mais curto pela "Ponte de Tancarville" - vindos do lado de Le Havre, não há como fugir.

IMG_3354.JPG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Atrás das Cegonhas - Almodôvar

por Robinson Kanes, em 10.07.18

IMG_3342.JPG

Fonte das Imagens: Própria. 

 

 

Em qualquer viagem ao Algarve uma paragem em Almodôvar é sempre importante. É fundamental para garantir que as minhas amigas continuam tranquilamente a habitar aquele concelho e dão um colorido especial à chegada à sede do mesmo. 

 

Com os ares da Serra do Caldeirão a contagiarem este regresso, foi necessário escolher um local para o pequeno-almoço antes de voltar à minha visita com estas aves. Nada melhor que o miradouro que fica à entrada da vila e nos dá uma panorâmica da mesma. Levem pequeno-almoço, é obrigatório.

IMG_3337.JPG

Tomado o pequeno-almoço, que só acaba com um café já dentro da vila, nada como regressar ao objectivo que me fez sair da auto-estrada, até porque o tempo era pouco, posto que em Faro já me esperava muito trabalho. E é quando, bem perto, sou surpreendido por um espectáculo que é sempre singular, uma cegonha no chão, tentando encontrar algo que também lhe possa fazer dizer que tomou um pequeno-almoço.

IMG_3344.JPG

Não há nada que pague tamanho espectáculo em plena planície alentejana. Contudo, apenas uma nota: a distância de segurança foi mantida, e a aproximação não deve ser feita. São animais que estão no seu habitat e por muito que estejam habituados à presença humana não podem ver o seu espaço invadido por nós. Recomendo binóculos, caso contrário ao invés de estarem a apreciar a natureza estão a contribuir para a sua destruição!

 

E a verdade é que quem tem binóculos vê mais ao longe do que quem não os tem e está perto. A surpresa acabou por chegar e está bem representada na imagem abaixo.

IMG_3347.JPG

 É nestes momentos que percebemos que o melhor da vida não tem preço e que as coisas mais espectaculares que podemos observar, por vezes, estão mesmo ali ao virar da esquina. Admito que me considerei um privilegiado, e como eu outros, mas de facto, esta imagem fez-me ficar por ali mais tempo do que esperava.

IMG_3350.JPG

 Simplesmente maravilhoso. Mais uns minutos a apreciar e eis que é chegada a hora em que o relógio nos diz que temos de voltar. E, mais uma vez, levo comigo a imagem destas grandes e belíssimas aves e, ao invés de voltar à auto-estrada, sigo pelas planícies do Alentejo onde pequenas elevações já anunciam as curvas do Caldeirão.

IMG_3335.JPG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

"My Dear Ribatejo"

por Robinson Kanes, em 16.06.18

29102009416.jpg

Fonte das Imagens: Própria.

 

 

Em tempos, muito falei aqui do Ribatejo e da minha paixão por aquelas terras que me acolheram. O Ribatejo fez parte da minha infância, parte da minha adolescência e, no fundo, da minha idade adulta. Olho para o Ribatejo como aquela terra que sempre me acolheu bem, mesmo não tendo nascido na lezíria, na charneca ou abençoado pelas águas do Tejo quando ainda o doce não é invadido pelo salgado do oceano.

 

Nestes dias em que abordamos a selecção e os impactes na identidade nacional, eu retorno ao que é uma região onde ainda se sente o que é ser português e talvez, mais que isso, mediterrânico. É aí que estão os verdadeiros portugueses também, onde ainda encontramos campinos nos campos (e não é só no sentido de atracção turística, bem pelo contrário) e o ar tem um sabor especial, mesmo quando carregado daquele calor que nos obriga a refugiar sob a telha de uma pequena taberna enquanto cheiramos o vinho bafejado pelos ares do Tejo.

IMG_9279 (1).jpg

 Nos campos vemos sempre os seus habitantes, o gado, as aves e aqueles que trabalham desde longos tempos sempre com um espírito de sacrifício único e com um sorriso no rosto. Muitos ainda a remeterem-nos para a literatura de Redol e das vidas duras que estão associados ao trabalho no campo. Mas também as festas e as celebrações dão um ânimo peculiar ao Ribatejo, seja num arraial na Ascensão da Chamusca, seja num qualquer tasco "mal frequentado" em Alcochete!

IMG_0398.JPG

Percorrer o Ribatejo é, talvez, percorrer um dos lugares da Terra onde Natureza e Homem vivem numa simbiose quase perfeita, onde tudo se une, onde ritos e aspectos naturais ancestrais convivem em harmonia. 

IMG_0466.JPG

Olhar os olhos do gado nas pastagens é outro espectáculo único. Aí podemos passar horas debaixo de uma árvore a escutar o sons daquelas terras mas também a sentir o caminhar dos pesados animais que se alimentam nesta terra fértil. Arrisquemos em levar uma manta, comida e com sorta talvez tenhamos uma bela companhia para almoçar, só temos de apreciar o ruminar, lentamente e olhar o horizonte, por vezes a perder de vista e imaignar: "my dear Ribatejo".

IMG_0350.JPG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Em Sitges... Entre o Mar e um Café...

por Robinson Kanes, em 08.06.18

IMG_2395.jpg

Fonte Imagens: Própria. 

 

 

Conheci sempre Sitges fora da época de Verão, o que me transporta para uma experiência mais genuína, até porque esta pequena cidade chega a ser apelidada da Saint Tropez da Catalunha. Contudo, nada é mais errado, pois quem já esteve em ambas as localizações vai perceber que as diferenças são muitas e cada espaço tem as suas peculariedades. 

IMG_2371.jpg

Sitges é sempre o meu retiro de Barcelona. Rapidamente acessível de comboio pela estação de Passeig de Gràcia (Barcelona Sants ou Estació de França também são opção) é sem dúvida uma cidade para tranquilamente percorrer as pequenas ruelas, parar numa qualquer pastelaria e sentir a brisa do mar que se torna mais intensa quando apertada pelos edifícios que ladeiam as estreitas ruas. Admito que um dos melhores momentos aquando da minha vida em Barcelona era o pequeno-almoço em Sitges. Sair cedo de Ausiàs March, apanhar o comboio, atravessar o Garraf e em Sitges apreciar uma manhã com gente simpática e com o mar ali como companheiro era sem dúvida um momento soberbo.

IMG_2310.jpg

Sitges é também daquelas cidades pequenas onde as estações de caminho-de-ferro têm vida e onde o quotidiano se sente a pulsar nessas tão importantes ágoras. No Verão, a cidade enche-se de turistas e talvez muita da sua magia se perca, no entanto, mesmo em meses mais "tristes" como Novembro, as pessoas são gentis e a simpatia e alegria do povo espanhol é evidente em cada conversa. Além disso, nos meses de Inverno conseguem-se autênticos dias de Verão que enchem as ruas, sobretudo ao fim de semana, na costa desde Castelldefels até Tarragona.

IMG_2332.jpg 

Bem perto de Barcelona, é uma cidade com uma intensa actividade cultural, onde se destacam o Festival de Cinema, o  Carnaval e as "noches sitgeanas". Mas Sitges é muitos mais, é o estilo mediterrânico bem presente na arquitectura, nas varandas, nas pessoas, na brisa marítima, nos sons que ecoam e por aquele cheiro único que nenhum fragrância consegue igualar. O património é uma das suas imagens de marca e isto acontece sem ter necessidade de possuir grandes monumentos. Aqui o "small is beautiful" tem uma das suas mais maiores exaltações.

IMG_2528.jpgOutra das coisas que não se pode dispensar em Sitges é a caminhada junto ao mar... Aliás, o banho no mar é altamente recomendável. Aqui as cores do Mediterrâneo também não deixam ninguém indiferente e o todo o pitoresco do horizonte contagia-nos de uma forma que não nos faz querer voltar a Barcelona.

IMG_2472.jpg

O que podemos dizer mais desta cidade? Sentemo-nos num qualquer banco de jardim diante do mar... Temos o pequeno-almoço  tomado, o café (como tem de ser), o sol a tocar-nos no rosto e um sem número de aromas que nos limpam os pulmões... Será que é preciso dizer mais alguma coisa? Pois bem, esperemos pela noite e vamos de "copas". À noite a cidade não se transforma, não deixa que lhe tirem a identidade e é isso que também a torna mais interessante para quem aprecia ficar até de madrugada a aproveitar aquilo que só as cidades espanholas (e Argentinas) podem oferecer.

IMG_2557.jpg

Já vai ficando tarde e é preciso voltar a apanhar o comboio. É possível que hoje a noite ainda não tenha acabado, é preciso passar em Cornellà de Llobregat... Até lá, vamos discutindo porque é que Sitges é tão especial e merece o seu destaque lado a lado com Saint Tropez, até porque entre uma e outra cidade, dificil é escolher.

IMG_2396.jpg

 

Bom fim de semana... 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Mensagens

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



subscrever feeds




Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB