Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Teerão: Entre Tajrish e Darband...

por Robinson Kanes, em 11.11.19

irão_teerao.jpg

Imagens: Robinson Kanes

 

 

Voltamos a Shemiran, mais precisamente a Tajrish (estamos a mais de 1600 metros de altitude), depois de uma passagem pela "verde" Ponte Tabiat - em Teerão também é possível encontrar alguns pontos verdes, não é tudo poluição, óptimos oásis para pulmões que ainda não estão preparados.

tarjrish-bazaar_teerao.jpg

Gostamos da Praça Tajrish. Tem vida, é genuína tem o "Bazar-e-Tajrish", mais organizado e onde parece que temos mais tempo para abastecermos a mercearia. Perdido entre a praça e a mesquita, é um local fantástico, inclusive para comprar umas frutas e até comer algo. É aqui que atacamos os frutos secos: cajus, pistácios com diferentes temperos, amêndoas, tâmaras e um sem número de quilos para encher as malas. É aqui também que nos entregamos às especiarias e são tantas... Comemos fruta, comemos comida de rua (coisas que nem sabemos) e tudo e óptimo.

tajrish_teerao.jpg

Enquanto isto, queremos juntar-nos à movimentação que não cessa na Mesquita Imamzadeh Saleh, é aqui que estão sepultados os restos mortais do Imame Shelver Shia, Musa al-Khadim e que tornam este local um santuário muito especial. A beleza do mesmo com os minaretes que não nos deixam indiferentes e todo o trabalho de azulejo são uma verdadeira atracção para os nossos olhos. Estamos perante uma autêntica tela onde muita da cultura iraniana se pode encontrar retratada.

mesquita_tajrish.jpg

Não podemos, contudo, deixar Teerão sem subir mais um pouco a Darband (porta da montanha), bem nas montanhas e o ponto de partida para a grande montanha que tem o Monte Tochal como maior atracção e que nos dá óptimas vistas sobre Teerão. No entanto, em Darband e depois de deixarmos o taxi, queremos comer em alguns dos muitos restaurantes que se encontram ao longo do bairro e conhecer os "hooka lounges" (bares de shisha). A zona é agradável, onde temos oportunidade de comer em cima dos sempre fabulosos tapetes e de saborear óptimas iguarias, onde se destacam, por exemplo, o "Dizi" e um sem número de espetadas desde frango a cordeiro que nos enchem por muitas horas.

Teerão_darband.jpg

Empregados simpáticos, muita gente simpática e um espírito único, pois o ribeiro que atravessa a zona não é propriamente dos mais limpos. No entanto, a experiência é única. Iranianos e alguns turistas numa harmonia perfeita e onde podemos encontrar algumas marcas de que o Irão está em mudança, sobretudo em termos de paixões e do modo como as mesmas podem ser demonstradas...

Teerão_darband.jpg

Sentamo-nos... Bebemos algo e apreciamos uma verdadeira movida na montanha... Os rostos de Irão aqui transformam-se e ainda mais sorrisos surgem... Compramos uma espécie de doce (óptimo, por sinal) aos inúmeros vendedores ambulantes - as moscas deambulam, mas não se conhece alguém que tenha morrido por provar estas iguarias. Escolhemos a maçã e não nos arrependemos. Em Portugal, também são muitos os que não se arrependeram...

darband_irao_teerao.jpg

A noite começa a dar sinais de querer surgir e a tarde despede-se com mais um pôr-do-sol, desta vez diferente. Desta vez menos romântico e mais urbano, mais vivo e no bulício da cidade... No meio do trânsito, com vista para a Torre Azadi ou Torre da Liberdade. É uma torre que invoca o Império Persa e os seus 2500 anos (1971), no entanto o seu nome original é Shahyād. O nome sofreu a alteração com as manifestação de 1978 e que culminariam com a revolução. Aqui já temos um pequeno aperitivo de Isfahan, pois a mesma é revestida com 25 000 placas de mármore branco com origem nessa mesma zona.

torre_izad_teerao_irao.jpg

É hora de partir... O aeroporto de Mehrabad, que serve os voos domésticos para a cidade, espera por nós. Voamos com a Aseman Airlines, uma companhia que não pode operar na União Europeia e que apesar da tentativa de modernização foi impedida de adquirir novos aparelhos devido às sanções que vigoram contra o país. Apesar de tudo, para um voo de uma hora, serve melhores refeições que alguns voos de longo-curso de companhias aéreas bem conhecidas.

 

- Amanhecer em Teerão

- Teerão: A Metrópole da Pérsia

- Teerão: A Cidade de Onde é Difícil Sair

Autoria e outros dados (tags, etc)

Teerão: A Cidade de Onde é Difícil Sair

E não é só por causa do trânsito...

por Robinson Kanes, em 07.11.19

irão_teerao_mesquita_sha-3.jpg

Imagens: Robinson Kanes

 

O calor aperta, em Teerão aperta bastante e um dos taxistas que vamos conhecendo diz-nos que ainda não é nada. A tarde começa a mostrar a força da poluição, em algumas zonas é impossível respirar - onde é que já vimos isto.

palacio_golestan_irao.jpg

As ruas continuam pejadas de carros e de gentes - uns em trabalho, outros simplesmente deambulando. É notável como se sente o conhecimento que também habita este povo. Este povo que faz questão de se assumir como persa e que não precisa de engalanar um facto que está à vista: a inteligência, o saber e a forma de estar. 

irao_teerao.jpg

Dirigimo-nos agora para o Palácio de Sadabade, mais a norte da cidade. Ainda voltamos a passar por um dos pontos de referência para quem se desloca na mesma, a Torre Milad. O taxista, numa cidade onde não faltam taxis e é habitada por 10 milhões de pessoas já é um conhecido, encontrámo-lo por mero acaso em Tajrish e foi uma alegria ao ver-nos! Pelo caminho vamos vendo entrar e sair passageiros, em Teerão também é assim e sempre fica mais barata a viagem. Inesperado é também o facto dos transportes públicos terem áreas (e até carruagens no caso do metropolitano) separadas para homens e mulheres mas dentro de um taxi ter circulado várias vezes quase abraçado a muitas mulheres - as coisas estão a mudar.

terra_irao_adabade.jpg

Mas o Palácio de Sadabade? Sim, entre jardins (não fossem os persas uns autênticos mestres na arte) encontramos um edifício moderno mas bem decorado, foi aqui que viveu o último Xá da Pérsia com a família. Mohammad Reza Pahlavi deixa-nos esta herança que já vinha dos Qajars e desde o seu abandono em 1979, ficou um complexo ajardinado com vários palácios, edifícios museológicos e governamentais, inclusive o palácio presidencial.

sadabade_palace.jpg

Gostamos de estar aqui, respira-se ar puro, é bom ventilar os pulmões em Teerão e além disso as montanhas já estão perto. Passamos pela "Embaixada" dos Estados Unidos que não é mais que uma memória histórica da crise dos reféns americanos de 1979! Praticamente intacta, transporta-nos para aqueles dias e onde é inevitável a propaganda anti-americana. Salvo uma situação ou outra, não vamos encontrar no Irão propaganda anti-ocidente em tudo o que é local, ao contrário do que é transmitido por algumas publicações. Nota-se sim uma presença ainda forte da memória da guerra Irão-Iraque e dos mártires da mesma, inclusive no cinema e na televisão.

sadabade_complex.jpg

Mais um taxi, mais uma viagem onde conseguimos por meio de gestos chegar à "fala" com o condutor pois a música que este ouve é fantástica - indica-nos duas boas rádios que prontamente registamos e até nos daremos, mais tarde, ao desplante de pedir aos taxistas que sintonizem as mesmas. Chegamos ao Grand Bazaar, queremos percorrer novamente a cidade mas não deixar para trás a visita à Mesquita Shah ou Mesquita Soltani.

irão_teerao_mesquita_sha.jpg

O relógio e os minaretes compõem o edifício e dão uma alma especial a uma praça onde comerciantes e clientes se misturam num ponto de passagem obrigatória, mesmo para os locais. Ficamos a sabe, em conversa com um iraniano, que este espaço, da era dos Qajars é histórico na medida em que foi aqui que se deram os primeiros passos para a Revolução Iraniana de 1905.

irão_teerao_mesquita_sha-2.jpg

Esta revolução teve as suas raízes depois da humilhação de alguns comerciantes acusados de serem os culpados pela especulação em torno do aumento do açúcar e que, além do encerramento do Grand Bazaar, levou à revolta de todo um povo. Foi também quando se dirigia para esta mesquita em 1951, que foi morto Haj Ali Razmara, primeiro-ministro do Irão, quando se dirigia para o funeral do Aiatola Feyez e que acabou por gerar mais um período complexo na história do país.

Teerão_irão.jpg

Estamos cansados e Teerão ainda tem tanto para ver e sobretudo para sentir...

 

Amanhecer em Teerão

Teerão - A Metrópole da Pérsia

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Teerão: A Metrópole da Pérsia...

por Robinson Kanes, em 06.11.19

Teerão_grand_bazaar-2.jpgImagens: Robinson Kanes

 

 

Há que distinguir entre conhecer e experimentar. Verdade conhecida não é o mesmo que verdade experimentada. Devia haver duas palavras distintas.

Aldous Huxley, in "Sem Olhos em Gaza"

 

 

Teerão não é a cidade mais bonita do mundo, mas existe algo que a torna especial: as suas ruas sempre numa azáfama, a poluição e a aridez que não abonam a seu favor mas... mas as suas gentes são outra coisa. A ausência de qualquer conduta na condução é algo que nos obriga a esquecer que existe um código da estrada, atravessar passadeiras é outro dilema, sobretudo quando aprendemos a atravessar e a arriscar, "eles vão parar, quando nos virem no meio da estrada param". Muitas vezes não procuram parar e até nos fintam seja de mota ou de carro mas sentimos que é aí que "perigosamente" já estamos com o chip da cidade. Torna-se ainda pior quando damos connosco a resmungar duas ou três palavras em farsi - é preciso dar resposta às buzinadelas e às criticas que chegam de todos os lados nestas situações.

Teerão.jpg

Queremos conhecer mais do Irão e embora (injustamente na maioria dos casos) muita da história deste país e desta civilização se encontre em museus espalhados sobretudo pela Europa, é importante visitar o Museu Nacional. É atroz a forma como muitas das mais importantes relíquias de um povo se encontram em museus de outros países!

museu_nacional_teerao-2.jpg

Por esse motivo este espaço museológico não é tão rico! No entanto, divididas entre duas áreas (O Museu do Antigo Irão e o Museu Islâmico) - a desculpa, dada a ocidente, de que o museu é pobre esconde uma vergonha em não assumir que não é propriamente por causa da divisão dos artefactos ou até a ausência de explicações mas sim pelo simples facto das principais peças estarem noutros lugares fora do país. Após a visita fica-nos não uma vontade de procurar as peças no exterior mas de conhecer Persepólis, um verdadeiro tesouro da Humanidade.

museu_nacional_teerao.jpg

Mas Teerão tem também o Palácio Golestan, uma jóia (extravagância?) dos Qajars. Deslumbramo-nos com o exterior do palácio, com a sala dos espelhos, com os azulejos e com toda a envolvência e simpatia daqueles que lá trabalham. A mim, perguntam-me se sou iraniano, algo que estranho - ao fim de alguns dias  deixarei de estranhar e até aproveito as deixas. 

palacio_golestan.jpg

Este palácio, Património Mundial da Unesco, é uma jóia e onde as culturas ocidentais e persas se fundem numa forma única e se complementam num espectáculo de beleza singular - O "Khalvat-e Karim Khani", os tapetes, o "Emarat Badgir" e os azulejos são o nosso fascínio.

palacio_golestan-2.jpg

E com tudo isto finda-se uma manhã bem no centro da cidade, entre quartéis, edifícios governamentais e claro, uma visita aos tesouros nacionais - não somos propriamente entusiastas, mas as pedras e metais preciosos que o Banco Nacional alberga são de deixar qualquer um de boca aberta. É hora de almoçar e no Irão, seja na rua, sentados num jardim ou efectivamente num restaurante, a oferta não falta e os pistácios crús não alimentam por aí além.

Teerão_grand_bazaar.jpg

Passamos ainda uma vez (e passaremos tantas mais) pelo Grand Bazaar e como esperávamos, esquecemo-nos de almoçar! Por incrível que pareça apenas compramos alguns frutos secos mas deliciamo-nos com as gentes, mais uma vez. Dizer que estes espaços são como na Turquia, é estar completamente fora do contexto. Queremos ver as gentes, apaixonam-nos os rostos, alguns tristes mas com uma vontade enorme de esboçar um sorriso - é algo que encontramos com abundância. Deambulamos, conhecemos, conversamos e vemos gente bonita e isso em Teerão não é nada difícil.

Teerão_grand_bazar.jpg

Vamos almoçar, agora sim... 

 

- Amanhecer em Teerão

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



subscrever feeds



Mensagens

Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB