Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Som de Stelar e a Fúria de Faulkner...

por Robinson Kanes, em 15.02.18

 

IMG_20180215_081609.jpg

Fonte da Imagem: Própria.

 

 

Vem aí mais uma fim de semana, quase prolongado para este espaço, pelo que, só voltaremos lá para segunda ou terça-feira, depende se há paciência para escrever algo durante a viagem...

 

Por aqui, de vez em quando, lá se vão deixando umas sugestões, e esta semana, ouso em deixar uma que nem me apaixonou: o "Som e a Fúria" de William Faulkner. Faulkner já passou por este espaço em Outubro de 2017, aqui mesmo! Falou-se de "Os Ratoneiros" - um livro com uma leitura algo simples mas incontestavelmente mais apaixonante, sobretudo quando acompanhamos Boon num sem número de peripécias que nos divertem até um feliz desenlace.

 

Quem espera uma exploração profunda da época, nomeadamente do contexto sulista pós-revolução americana, do incesto, do amor e da decadência das famílias do sul, pode preparar-se para não encontrar aquilo que procura... Os quatro narradores, três deles personagens, acabam por nos levar para um exercício de fluxo de consciência que nem todos apreciam. Apesar de ser colocado como um livro de dificil leitura não me alongo mais na apreciação do mesmo, até porque muitas das abordagens que existem, e como acontece em tantas obras, são por vezes tão forçadas que ficamos com a sensação de que, ou somos ignorantes ou efectivamente alguém quer colocar as coisas num patamar em que não estão! No entanto, isso não nos impede de olhar para o choro de Benjy de uma forma diferente e que no fundo descreve um pouco de todo o colapso da família e das diferentes personagens, como Caddy, a inocente e pura; Quentin, o irmão incestuoso; e finalmente Jason a personagem dura e patriarca da família após a morte de Mr. Compson.

 

Finalmente, uma nota para Dilsey que só aquele narrador (Faulkner?) poderia chamar a atenção... Dilsey, talvez a grande "patriarca" activa e moral da família, a criada em nada reconhecida e valorizada, mas que é sinónimo de estabilidade emocional, moral, valores e paz!

 

E... Para que não me acusem de estar desfazado meu tempo, faço a minha primeira abordagem à música electrónica, e neste campo, não poderia deixar passar Parov Stelar, o austríaco criador do "Electro Swing"... O que me apaixona é a combinação entre a música electrónica e o jazz que conseguem criar obras, algumas delas em estilo mais underground e que naquelas noites mais ousadas nos proporcionam um misto de paz combinado com uma eterna vontade de movimento. Outras, talvez sejam a banda sonora ideal para uma Primavera em Maiorca ou no sul de França... Longe do bulício das grandes discotecas, naquela praia mais recatada e onde as mesas de bar são de madeira desgastada...

 

 

Não é dos meus compositores mais apreciados, mas é sem dúvida a confirmação de que nos anos 90 já existia alguém a adivinhar os ritmos que hoje são autênticos sucessos internacionais! Talvez por isso, a minha escolha... E talvez porque não há nada melhor (pronto, ou talvez haja) que esta banda sonora (vide abaixo) para ir de Sanremo, atravessando a Ligúria até Savona e chegando a Turim onde deixamos que as montanhas nos engulam em cada curva até à fronteira com a Suiça, já em Zermatt... 

 

 

Bom fim de semana e tomem lá mais uma... Até porque ainda é Carnaval! Gozem mais as épocas e menos o "show off" consumista ou gabarolado em torno das mesmas...

 

 Bom fim de semana...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Na Rota do Trancão...

por Robinson Kanes, em 22.11.17

Foto0062.jpg

Fonte das Imagens: Própria. 

 

O Rio Trancão é um dos rios mais conhecidos de Portugal, sobretudo por causa da poluição. É um rio que nasce na Póvoa da Galega (concelho de Mafra) e desagua em Sacavém (concelho de Loures).

 

O que talvez muitos de nós não saibamos é a importância história deste rio: foi nas margens deste que se deu a Batalha de Sacavém, o primeiro embate entre as tropas de D. Afonso Henriques e os Mouros aquando da conquista de Lisboa. Também foi por este rio que muitas materiais (sobretudo a pedra) foram transportados para as obras de construção do Convento de Mafra. Este foi também, até ao século XIX, a linha de abastecimento de Lisboa que assim recebia os produtos da zona saloia. Ainda hoje o imaginário desta época está presente nos grupos folclóricos saloios. Em qualquer festival de folclore saloio vão reparar que o rio estará sempre presente nas vestes (o pescador), nas danças e na própria música.

Foto0056.jpg

Hoje, a Foz do Trancão, particularmente, é um espaço de lazer e desporto onde podemos praticar desporto ou simplesmente contemplar o Tejo. No entanto, uma das rotas mais interessantes do Trancão é aquela que liga Granja (freguesia de Vialonga, concelho de Vila Franca de Xira) a Sacavém, passando pelo bela lezíria de Loures com os seus campos agricolas muito férteis.

 

A bicicleta é sem dúvida o parceiro ideial, afinal o caminho é longo, todavia também pode ser feito a pé, aliás, uma parte desse caminho é "Caminho de Fátima" e "Caminho de Santiago". Lembro-me da primeira vez que fiz este percurso, ainda à descoberta e com uma bicicleta "amadora", a minha BERG. Talvez tenha sido, aliás, o meu primeiro percurso BTT a doer e onde fiquei a perceber que uma bicicleta cheia de lama é um transtorno.

 

Mas todo este percurso coloca-nos numa Lisboa onde é possível atravessar pequenos montes e vales junto ao curso de um rio observando campos agrícolas, pequenas quintas, e uma riqueza faunística singular, sobretudo dominada por aves de estuário, ou não fosse o Trancão um afluente do Tejo. Podemos também encontrar alguns equinos que deambulam pelas margens do Trancão enquanto dividem o seu espaço com as garças. 

Foto0113.jpg

É difícil imaginar os barcos de mercadores a cruzarem este rio, sobretudo se nos sentarmos na relva junto ao chamado "Parque Tejo". O crescimento urbanístico torna difícil essa memória e a poluição não nos deixa perceber como foi um dia possível por ali tomar um banho. De facto, hoje o rio está mais limpo devido ao forte investimento feito na sua limpeza, sobretudo aquando da "EXPO 98", no entanto, o forte assoreamento também não ajuda.

Foto0060.jpg

E na verdade, muitos de nós já atravessámos este rio, nomeadamente quando entramos em Lisboa pela A1 ou até mesmo pela estrada nacional 10 em Sacavém.

Foto0077.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_3448.jpg

Fonte das Imagens: Própria. 

 

Desde a passagem pela Cordoama que esta temática andava adormecida, pelo que, nada como 15km a caminhar ou a pedalar até ao Cabo de São Vicente (desde a Cordoama), sem esquecer a praia da Ponta Ruiva. Também é possível seguir por estrada, via Vila do Bispo (EM1265 e EN268).

 

O Cabo de São Vicente, além de uma viagem ao nosso passado de navegadores e conquistadores, é também o local onde podemos apreciar um dos melhores crepúsculos da Europa ou despedirmo-nos do farol guardião em direcção ao atlântico profundo. Em tempos, no século IV, foi também um local de peregrinação dos cristãos que visitavam aqui o túmulo de São Vicente (até ser destruído pelos muçulmanos no século XII), daí o nome Cabo de São Vicente. Aliás, S. Vicente e a sua lenda terão grande impacte também na história de Lisboa e justificam o porquê dos Corvos no brasão da cidade, mas isso será outra matéria.

IMG_3453.jpg 

Convido a que nos abriguemos na fortaleza, não a original mandada erguer por D. João III e terminada por D. Sebastião, mas sim naquela de planta poligonal que foi erguida por D. Filipe III de Espanha, após a anterior ter sido arrasada pelo célebre Francis Drake, um dos mais famosos corsários ingleses que espalhou o terror também no Algarve. Com poucos turistas ao fim do dia, é algo único, sobretudo para aqueles que já trazem o cansaço e o encanto de um passeio pela Costa Vicentina ou pelo Barlavento Algarvio.

 

Uma das atracções deste local, além do sem número de visitantes que aqui acorre em épocas mais turísticas, é sem dúvida a presença de várias aves. Destaco algumas, nomeadamente a Cagarra (calonectris diomedea), o Ganso-Patola (Morus Bassanus) que infelizmente ainda não consegui apreciar,  e a minha paixão, nomeadamente algumas aves de rapina como o Bútio-Vespeiro (pernis apivorus), a Águia-Calçada (aquila pennata), a Águia Cobreira (circaetus gallicus) e os Grifos (gyps fulvus). Devido a número de pessoas que por ali deambulam, nem sempre é fácil observar estes reis dos céus pelo que é necessária alguma cautela a quem ousar procurar locais mais recônditos e potencialmente mais perigosos.

IMG_3455.jpg

Mas não é só no Cabo de São Vicente que podemos ter um óptimo final de tarde. Nada como continuar a caminhar e seguir em direcção à Praia do Beliche (ou Belixe) e apreciar daí também o espectáculo crepuscular e com os pés na água, na areia ou então abrigados na sua gruta que atrai imensos visitantes. Em época baixa, ou já com a noite a aproximar-se, é um espectáculo singular! Aproveitem com conta peso e medida e cedam à tentação da massificação... O segredo deste pôr do sol está na paz que se sente e no sentimento de isolamento.

 

Do Cabo de São Vicente a esta praia são somente 3,5km a caminhar, praticamente o mesmo que por estrada, pelo que poderão fazer uma pausa a meio e recuperar forças na Fortaleza do Beliche (ou Belixe) e olhar o promontório que já se começa a perder de braço dado com o oceano. Esta fortaleza, de origem ainda desconhecida, tem um percurso semelhante à Fortaleza de São Vicente, ou seja, também foi atacada por Francis Drake e posteriormente reconstruída por Filipe III de Espanha. Para quem aprecia arquitectura militar de defesa de costa vai apreciar este local e tentar imaginar as "batarias" a disparar rajadas de projectéis acompanhadas pelo fogo da Fortaleza de São Vicente contra as frotas de piratas e corsários. Em dias de sol parece impossível que em águas daquelas, tão duros combates se tenham travado, um pouco à semelhança do que sentimos em Barbate, Cádiz.  Neste monumento existe também uma pequena capela, a Capela de Santa Catarina, embora seja dedicada a Santo António.

IMG_3470.jpg 

E chegados aqui, sigamos então para a praia, estendamos a toalha, tiremos uns refrescos e umas sandes da mochila e esperemos que o sol se despeça e o cheiro do mar nos traga uma das melhores experiências do mundo... E tudo isto, todo este glamour, a um preço fantástico de zero euros. E sendo que o mesmo é grátis, colaborem reduzindo a vossa pegada ecológica ao máximo.

 

IMG_3457.jpg 

 Algumas notas:

 

 

  • Sugestões bibliográficas sobre a temática, porque aqui citamos as fontes:

Coutinho, Valdemar (1997), Castelos, fortalezas e torres da região do Algarve, Faro, Algarve em Foco Editora.

Almeida, João de (1948), Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses Volume 3, Lisboa, Edição de Autor.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

SOS EMIGRAGOSTO

por Robinson Kanes, em 10.08.17

NaDvD.jpg

 Fonte da Imagem:http://minhoemfesta.pt/história/dedicado-todos-os-emigrantes-que-estão-de-partida-o-minho-em-festa-deseja-boa-viagem

 

Num país onde dizer que um cigano (sublinho, um) não pagou impostos ou cometeu um crime é considerado racismo e extensívo a toda a uma comunidade! Num país onde dizer que um imigrante (volto a sublinhar um) não quer trabalhar é considerado xenofobia e ódio a todos os imigrantes! E quem é que protege os emigrantes que cometeram o pecado de serem portugueses e regressam em Agosto e até Julho?

 

Comecemos com uma banda sonora que está lá em baixo para vos acompanhar na leitura deste texto.

 

As redes sociais, os media, associações, que não sei bem do que vivem e o que fazem, e alguns "partidos" políticos agitam-se contra comentários isolados, muitas vezes fundamentados e confirmados por toda uma comunidade mas não defendem os emigrantes, vulgo "emigras" ou "avecs", que nos visitam em Agosto! Aliás, defendem desde que tenham adquirido "papel comercial" do BES!

 

Foi por isso que decidi criar a SOS EMIGRAGOSTO, uma associação que defende todos os emigrantes que regressam à sua terra natal no Verão! Defendemos o direito a falar um "francês de Alcochete"; a vestir roupas novas compradas em Salamanca, Ciudad Rodrigo, Vilar Formoso, Badajoz ou Elvas; a utilizar vernáculo nacional intercalado com um francês de Île-de-France e a utilizar carros carregados de presuntos, bacalhau e chouriços! Defendemos também o tuning german style, ou os vidros escurecidos à Lausanne nas viaturas automóveis com matrículas estrangeiras! Defendemos o direito aos churrascos carregados de entremeadas, sardinhas e entrecosto bem regados com vinho Cachinhos ou Almocreve! Defendemos a gasosa, o Joy e o Frutol! Defendemos a "música pimba"! Defendemos os tradicionais "eile na arretou toute suite ele tinha era que arretar", "vien ici Maria, vien a ton pére sua mula dum..." ou então o "un pain prá moi e outro aqui pó me colega".

 

Muitos dirão: essa raça emigra vem para cá exibir carros novos, muitos até são alugados, e vem também mostrar que está bem na vida com roupas novas e a pagar jantares a torto e a direito mas depois, na casa da porteira, é só sopinha! Digam-me lá, o que é que fazem os portugueses que vivem no nosso país o ano inteiro? Estes ao menos fazem-no em Agosto e estão no seu direito, começo a pensar que muitos sentem que o protagonismo lhes está a ser retirado. E não vão a Espanha fazer perguntas, pois aquilo que vocês dizem dos emigrantes é o mesmo que os espanhóis pensam de nós.

 

Para o mal ou para o bem, os emigrantes trazem vida a muitas aldeias e até cidades, essa é a realidade. Trazem vida e jovens para as ruas, animam as aldeias e acima de tudo animam também a economia local. Não se esqueçam que muitos deles ainda fazem investimentos na terras que os viram partir e outros continuam a enviar remessas de dinheiro. Também não tratemos mal os que partiram porque não os soubemos acolher no seu próprio país, porque quer queiramos quer não, a vontade de muitos é voltar. Temos o discurso (com o qual concordo) de sermos muito receptivos com os imigrantes, mas somos os primeiros a expulsar os portugueses lá para fora... E em muitos casos, mesmo lá fora, não peçam ajuda a um português sob pena de ficarem com a impressão que são mais bem acolhidos pelos nacionais desse país...

 

Não tenhamos asco de ver os restaurantes cheios de emigrantes ou as lojas cheias de indivíduos sedentos de gastarem o dinheiro ganho durante o ano. Deixemos que as ruas e os bailaricos se encham de gente bem disposta que vem à procura das suas raízes. Alguns são parvos? Alguns comem com as mãos mesmo que estejam no "Darwin"? E então, quem é que em casa não come o franguinho com as mãos? Quem é que quando abre a boca não mostra o bolo alimentar qual almôndega gigante? Quem é que não fica com os queixos besuntados com o molho das sardinhas? Nos Santos Populares não vejo outra coisa e não são emigrantes...

 

Deixem-nos andar por aí que  ao menos a economia mexe e algumas terras também. Deixemos que invadam o nosso espaço e que dinamizem as nossas praias fluviais enquanto vamos todos mendigar um lugar nos areais do Algarve... Deixemos que o direito a não ter cara de atum seja uma realidade! Não há mal nenhum em invadirem o nosso pequenino mundo, não abram só as fronteiras territoriais, abram também as fronteiras da vossa cabeça...

 

A SOS EMIGRAGOSTO está cá para defender todos os emigrantes que queiram entupir as fronteiras do Caia e de Vilar Formoso, de Tui a Vila Real de Santo António estamos cá para vos apoiar! Mesmo nos voos low-cost em Charlles de Gaulle, Lyon, Basileia ou Dusseldorf estamos lá para vos apoiar! Não são só os estrangeiros que recebemos de "braços abertos".

 

Emigrante que escutas Graciano Saga ou Alizée na tua viagem de regresso à Pátria, a SOS EMIGRAGOSTO está contigo! 

 

P.S: só agora é que reparei que escrevi extensível ao invés de extensivo.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dijsselbloem ou Dissaborem?

por Robinson Kanes, em 23.03.17

Untitled.png

Gerrit van Honthorst, O Violinista Alegre (Museu Thyssen-Bornemisza)
Fonte da Imagem: Própria

 

Racismo: teoria sem quaisquer fundamentos científicos que defende a existência de uma hierarquia entre grupos humanos, definidos segundo carateres físicos e hereditários como a cor da pele, atribuindo aos grupos considerados superiores o direito de dominar ou mesmo suprimir outros considerados inferiores,

racismo in Dicionário infopédia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-03-22 16:15:58]. Disponível na Internet: https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/racismo

Xenofobia: antipatia ou aversão pelas pessoas ou coisas estrangeiras; preconceito ou atitude hostil contra o que é de outro país

xenofobia in Dicionário infopédia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-03-22 16:16:47]. Disponível na Internet: https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/xenofobia

Sexismo: discriminação de pessoas ou de grupos de pessoas de determinado sexo, feita com base em noções de superioridade de um sexo sobre o outro (geralmente do masculino sobre o feminino)

sexismo in Dicionário infopédia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-03-22 20:28:56]. Disponível na Internet: https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/sexismo

 

E o senhor Dijsselbloem, “dijsse” aquilo que ninguém queria ouvir...

 

Não é em Amesterdão que as prostitutas são colocadas em montras como carne no talho? Já estive no Red Light District e foi o que vi. Também estranho é o coro daqueles que achavam ser muito para a frente essa forma de actuação agora criticarem a mesma. Também não é na Holanda que se assistem a autênticas pielas que chegam a acabar com corpos a boiar no rio ou no mar? Isto para dizer que alguém tem de olhar para dentro de casa antes de atirar uma pedra à janela do vizinho... mas o vizinho também...

 

Nem vou para Espanha, nem para Itália (que na defesa dos países do sul nem mencionou Portugal), França (sim, também é um país do sul), Grécia, Malta ou Chipre. Vou ficar pelo nosso país.

 

Reparo que Primeiro-Ministro, Governo, Presidente da República, deputados e outros ficaram bastante ofendidos com as palavras do "Sr. Dissaborem". O "Dissaborem" só teria feito sentido se alguém dissesse que os portugueses são um povo que gosta de brinquedos caros (citando um antigo embaixador Americano em Lisboa) e de luvas.

 

Censuro a atitude, mas acusar ao mais alto nível diplomático uma opinião vulgar (infeliz ou não) e catalogar a mesma com conceitos de racismo, xenofobia e sexismo não é ir longe demais?

 

Hoje em dia não posso dizer que gosto mais de "Paella" do que de "Cozido à Portuguesa" que já estou a ser xenófobo! Também não posso dizer que não gosto de porco preto porque estou a ser racista! Não posso chamar preguiçoso a um nórdico, porque este vai partir do principio que estou a dizer que o mesmo é magrebino. E em Portugal? Não existem prostitutas? Mas onde é que está uma ofensa às mulheres? Quando muito é aos homens!

 

O circo, contudo, permite a alguns países desviarem as atenções de temas, esses sim que mereceriam uma palavra, pelo que… pergunto?

 

Que nome se dá a um indivíduo que diz que o um país tem milhares e milhares de casos de crime de colarinho branco provados e só umas poucas dúzias de penas aplicadas?

Que nome se dá a um Governo que sustenta Secretários de Estado que se deixaram comprar a troco de bilhetes de futebol e continuam no Governo em processo sensíveis com as mesmas organizações que pagaram os bilhetes e as viagens?

Que nome se dá a uma política totalmente corrompida e ao serviço de aparelhos partidários ao invés dos interesses da res publica?

Que nome se dá a um Primeiro-Ministro que acusa um Ministro das Finanças de Racismo e Xenofobia, mas é oriundo de um país (à época sob governação portuguesa) onde o sistema de castas vigora? Aliás, o mesmo esteve lá recentemente e não o vi chocado.

Que nome se dá a um Presidente da República que dá um puxão de orelhas a um ministro porque este não deu o dinheiro dos contribuintes para que os amigos continuassem a ter um teatro que não era rentável?

Que nome se dá a um país que, ao invés de limpar a casa dentro de portas, insiste em mostrar-se lá fora com uma propaganda que desaponta muitos empresários estrangeiros quando estes se debatem com a realidade intra-muros?

Que nome se dá a comissões de inquérito a bancos e off-shores que não trazem resultados e perpetuam a impunidade?

Que nome se dá a um Primeiro Ministro que alegadamente tentou obstruir a justiça num caso de pedofilia?

 

Pedofilia: atração sexual patológica de um adulto por crianças

pedofilia in Dicionário infopédia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-03-22 16:37:48]. Disponível na Internet: https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/pedofilia

 

Foram comentários infelizes, mas não temos moral para punir alguém que deu um soco em outrem, com um pelotão de fuzilamento e… sobretudo, quando os vidros do nosso telhado estão a estalar. Os comentários a que tenho assistido mostram uma resposta de metralhadora a alguém que nos arremessa pedras. Quem são os piores?

 

E porque não pensar que, tendo em conta o meio onde o Sr. Dijsselbloem se move, que é a política, não é também daí que encontra uma base para os comentários?

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Mensagens

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



subscrever feeds




Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB