Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Anselmo e os erros ertográficos em televisão...

por Robinson Kanes, em 03.09.19

transferir.jpg

Créditos: https://mag.sapo.pt/showbiz/artigos/erro-da-rtp3-sobre-catalunha-inspira-trocadilhos-nas-redes-sociais

 

 

Quem nunca deu um erro ortográfico, mesmo que por gralha? Eu já! Dizem que as minhas mãos falam, e quando o tempo é pouco, lá se escapa qualquer coisa - sim, os textos do Robinson raramente são revistos. 

 

A propósito de alguns artigos publicados no Delito, venho procurar uma explicação para tanto erro ortográfico nos canais de televisão e até nos jornais (online e não só): agradeço ao Pedro o facto de nos dar algumas pérolas porque eu não tenho nem vejo televisão.

 

Uma das explicações poderá estar na história que vou contar. Em tempos, tirava eu o meu primeiro curso e dividia a minha casa com um colega de Gaia - vamos chamar-lhe "Anselmo". O "Anselmo" era um indivíduo que gostava de carros e velocidade e que tinha acabado de entrar numa outra faculdade, mais precisamente para o curso de Engenharia Mecânica.

 

Gostava do "Anselmo", fazia-me rir e era um verdadeiro maluco, não gostava era de estudar. Admito que ainda tentei, mas o "Anselmo" passava mais tempo a fazer street racing e em encontros de malta que gosta de acelerar do que propriamente na faculdade e até na cidade onde deveria estudar. Deixem o "Anselmo", eu também não fui nenhum menino...

 

Os pais do "Anselmo", indivíduos com poucas dificuldades, mais tarde, lá arranjaram forma de colocar o filho na residência de estudantes, sempre se poupam uns "cobres" e o contacto assim foi sendo perdido, mesmo que o pobre "Anselmo" em dois anos tivesse comprado dois carros novos - a troca deu-se, porque o primeiro, a gasolina e topo de gama, já não servia e era preciso apostar em mais cavalagem, mas a diesel. Percebem agora porque é que os serviços sociais tiveram pena do "Anselmo": pagar uma vida de luxo, os estudos e um apartamento/quarto, não está ao alcance de um "pobre" indivíduo.

 

Tudo isto para chegar ao dia em que o "Anselmo" (ou alguém por ele), mexeu os cordelinhos, que isto de estudar não ía dar em nada e de repente se vê a trabalhar em part-time na RTP. E que trabalho (bem cunhado) foi esse? Legendas e rodapés de programas de televisão! O "Anselmo" não era bom de letras, mas afinal para entrar na RTP também nunca foi preciso um grande CV, enquanto existir quem pague todos os meses a contribuição audiovisual há lugar para "todos". Numa coisa, no entanto, o "Anselmo" foi bom: conseguiu a trabalhar para o Estado, enganar o próprio Estado e manter todos os apoios escolares mesmo sendo trabalhador-estudante, lá está e repito, no próprio Estado.

 

Mas, como o "Anselmo" existiam mais, na RTP não, mas a trabalhar no sector público (ainda hoje tento perceber como se é Técnico Superior sem curso superior). Aliás, pelas residências de estudantes pululavam estes parasitas, ou não fossem estas, alvo de brincadeira por parte de muitos perante o facto de possuírem o melhor parque automóvel da faculdade. Alguns e algumas até se vangloriavam dos supostos esquemas para enganar os serviços sociais ou então ostentavam a sua rede de contactos para afirmar o porquê de tais regalias.

 

O primeiro ano passou, o "Anselmo" chumbou (quase a todas as cadeiras), e eis que no segundo ano, pouco ou nada mudou, a não ser o carro, como referi. Também não mudou um certo grau de deficiência escrita e oral, o que pouca importa para se escrever rodapés num canal de televisão público e auferir mais que um gestor de algumas empresas. Mudou o carro e o "Anselmo" passou de part-time a full-time o que levou o "profissional" de televisão ao abandono da faculdade. O "Anselmo" podia não ser bom em muita coisa, mas a fazer pela vida sem muito trabalho era exímio.

 

Talvez, não faltem por aí muitos "Anselmos"... E assim sendo, pois Pedro, muitas das suas inquietações poderão estar esclarecidas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Candidato a Emprego em Portugal. Um Exemplo.

por Robinson Kanes, em 20.08.19

ee788eb436efe391d18d272ab28052e8.jpg

Créditos: https://i.pinimg.com/originals/ee/78/8e/ee788eb436efe391d18d272ab28052e8.jpg 

 

 

Em nada o homem está, ainda hoje tão perto do macaco como no que diz respeito aos negócios.

Elias Canetti, in "Massa e Poder"

 

Em Portugal existe a tendência para o queixume em relação à forma como os candidatos a um emprego são tratados pelas organizações. É um facto que existe uma mais que proeminente tendência para a ausência de clareza e respeito nos recrutadores, no entanto, não são raras as situações em que nem sempre o "lado negro da força" está na entidade recrutadora/empregadora.

 

Partilho uma situação que me chegou, e que me leva a crer que em Portugal existem vários mundos, mesmo entre candidatos: o mundo daqueles que se mexem muito bem em termos de compadrio e nem se podem considerar candidatos, o mundo daqueles que pouco fazem para conseguir um emprego mas ele lá acaba por surgir (muito networking, muito show off, muitos louros por intermédio de outros e falta de ética) e ainda aqueles que, por mais que se esforcem, não conseguem um emprego com facilidade. Ainda há espaço, curto, para aqueles que se esforçam e até conseguem alguma coisa.

 

A situação que relato é verídica e encontra-se, muito provavelmente, no segundo patamar. Portugal é um país de corporativismos que se reflectem também nas classes profissionais e por isso, embora existam muitos profissionais no mercado, só meia-dúzia parece ter a atenção dos recrutadores.

 

Imaginem um indivíduo que não é genial mas vos é remetido por uma empresa de recrutamento (genial é, pelo menos na forma como se promove). Não é o vosso preferido, mas também não são vocês que têm de escolher, é dada a liberdade para o supervisor directo o fazer. Este indivíduo, não sendo brilhante, sofre do excesso de confiança de quem está confortável num emprego e está alheio a muitas dificuldades - sobretudo as que virão num futuro não longínquo. Em todo o processo e com o indivíduo a merecer a preferência, é tida em conta a oferta de um salário bruto acima dos €3000 - bastante acima - viatura (algo que nem estava no plano) e os habituais seguros e benesses que já vão sendo prática em algumas empresas.

 

A verdade é que existem red flags que alguns de nós já vão conseguindo identificar, nomeadamente o medo de sair da actual empresa (porque se tem um contrato efectivo e com alguns anos de permanência) e a interpelação ao recrutador com perguntas do género, e passo a citar: "Qual é a marca,o modelo, tipo de combustível e qual o plafond de combustível?". É importante focar que este profissional, no seu trabalho, não tinha nem metade dos benefícios e muito menos viatura própria para uso pessoal - sim, porque a função mal exige que se desloque. Bons tempos em que um Fiat Uno ferrugento servia muito bem para mim e nem isso tive! E não sou assim tão velho, aliás, já nem sou do tempo do Fiat Uno.

 

Apesar de tudo, e porque existem boas pessoas neste país (por mim tinha sido imediatamente descartado), são dados todos os esclarecimentos. São prestados os esclarecimentos e ao fim de alguns dias chega o compromisso de que a oferta vai ser aceite. 

 

A organização mobliza-se, tudo se prepara para receber o candidato e eis que, o departamento de recursos humanos recebe um email numa madrugada de um fim de semana. O grande candidato, esse "terror" do LinkedIn, o "profissional top" (ainda estou para perceber onde) informa que vai voltar atrás na proposta - na segunda-feira era o primeiro dia. 

 

Contactado pela organização, ignora todas as chamadas! Fá-lo também em relação à empresa de recrutamento e, até hoje, ainda não existe retorno. Entretanto, já se passaram umas semanas e casos destes não faltam. Talvez seja um aviso à navegação, talvez para procurar naqueles currículos que são enviados por candidatos que ainda acreditam que alguém um dia vai olhar para os mesmos e reconhecer todo o seu valor.

 

Em relação à nossa "estrela cadente" (porque o mundo é pequeno), "profissionais" destes não faltam, sobretudo num país onde são sempre os mesmos, onde não existe abertura para recrutar pessoas diferentes e até com diferentes backgrounds. Ainda por estes dias, à procura de uma pós-graduação, em várias instituições de ensino dou sempre comigo a ter de ver os suspeitos do costume, sempre a mesma gente e em alguns casos, sempre a mesma súcia.

 

São também estes mercenários que não permitem a "ascensão" ou chegada ao mercado de trabalho de outros indivíduos que efectivamente são bons, se esforçam, e perdoem a expressão, dão o litro! Dão o litro, e sejamos francos e racionais, até trabalham por muito menos - embora eu não defenda políticas de baixos salários só porque sim. Os outros, os outros são os "profissionais" que trabalham apenas por ganância e com total ausência de ética, que trabalham para a viatura que impressiona amigos e vizinhos mas que, na realidade, o trabalho em si, pouco os move.

 

Mas afinal, talvez seja eu que estou errado e não consigo conceber um emprego sem uma dose de paixão. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

its-always-sit-peter-steine.jpgCréditos: https://condenaststore.com/featured/its-always-sit-peter-steiner.html

 

Defende-se uma doutrina com a mesma tenacidade e idêntica paixão que se procura preservar esta contra a aniquilação ou uma perspectiva comprovada ou o saber de uma  cultura antiga depurada mediante a sua selecção. Quem não está de acordo com tal opinião, sofrerá a sua parte, pois será estigmatizado como herege, será caluniado, e se possível será desacreditado, em suma, descarregar-se-á sobre ele a reacção altamente especializada do «mobbing», do ódio social.

Korand Lorenz, in  "Os Oito Pecados Mortais da Civilização".

 

 

Confesso que esta semana tinha em mente continuar com uma escrita mais polite, digamos assim. O lado bom é que não se arranjam inimigos e inimizades na gestão, no entanto...

 

No entanto, já começa a ser exagerado esta preocupação com o que se passa no Brasil e nos Estados Unidos da América (EUA), como se o que estivesse a acontecer em ambos os países fosse alguma espécie de novidade (basta um pestanejar fora de contexto e temos o caos montado) - e contra mim falo que ligo mais ao que se passa lá fora do que às pequenas coisas que por cá ocorrem, já que às grandes, todos passam ao lado.

 

Mas enquanto andamos a criticar a polícia montada nos EUA que prende um indivíduo e o leva atado a uma corda para a esquadra deixamos que o Governo vigente e o presidente cool de Portugal continuem a defender a existência de portugueses de primeira e de segunda (e em alguns casos de terceira). Preferimos lamentar um atentado (e bem) mas não deixamos a toalha de praia enquanto o país arde! Terrorismo é invadir uma academia de futebol, incendiar um país é um lapso, invadir supermercados e esquadras de polícia são crimes menores. Terrorismo é termos um primeiro-ministro que não se mostra para não prejudicar a imagem e envia o Ministro da Propaganda Iraquiano, Augusto Santos Silva, o porta-voz de todos os Governos PS dos últimos anos - todos sabemos como Santos Silva se mexe nos media. Importa lembrar que Augusto Santos Silva é Ministro dos Negócios Estrangeiros mas tem tido a palavra em tudo o que é assunto/escandaleira de política nacional. Santos Silva diz "assunto encerrado" e todos os media se calam!

 

Mas voltando ao Texas... É isso, estamos no Texas (ao menos tivessem assistido ao "Walker, O Ranger do Texas") - esta gente urbana vê alguém com um chapéu à cowboy e pensa que o Texas é uma espécie de Namíbia! Até aqui se vê um Portugal a duas velocidades de pensamento. Na Venezuela, na Coreia do Norte, na Rússia ou na China aquele senhor teria sido imediatamente abatido ou transportado com os queixos a bater numa unimog! Trump também se enganou no nome da cidade onde teve lugar recentemente um atentado e é o colapso em Portugal! Pelo menos Trump tem um país daquele tamanho para pensar, por cá, com meia-dúzia de quilómetros, muitos nem sabem onde ficam as principais cidades do interior. Reforço, não sou defensor de Trump...

 

O selfie man demonstra também que ainda não perdeu os tiques corporativistas que traz do Estado Novo e "aumenta" os juízes em 700 euros! Não está mal, afinal também deixou que passassem dois ordenados mínimos, um para funcionários públicos e outro para cidadãos de segunda. Interessante em Marcelo é que aprova e depois condena, uma espécie de assassino da Democracia que dispara o tiro contra a senhora mas depois diz que não é bem assim que as coisas devem ser... Se isto não é populismo ou conivência com uma política podre, não sei o que será! Não esqueçamos que é este mesmo senhor que acha que sabe mais que o Tribunal Constitucional. Um dia admirem-se da ascensão do populismo que tanto temem... Só lhe estão a dar espaço.

 

Marcelo também é especialista em dividir o povo, já o fez em vários episódios e agora está a fazer o mesmo com os motoristas, tentando virar o país contra estes, agora até tem a companhia do raríssimo Vieira da Silva (alguém que num país verdadeiramente democrático já estaria preso!). Já não é a primeira nem a segunda vez que Marcelo o faz, seguindo a tendência do Governo! Que o Governo o faça, até se entende, mas um Presidente da República? É feio, é desonesto, já para não mencionar o contínuo desrespeito pelas polícias (excepto pela GNR, guarda pretoriana do regime) e pelos militares - não tivessem sido estes a destruir o seu sonho de ser Presidente do Conselho antes do 25 de Abril. Marcelo vai sorrindo cinicamente dos portugueses enquanto vai actuando na sombra! Marcelo só não se revolta com algumas figuras públicas com muitos telhados de vidro, com a Igreja, com as rádios e televisões e claro, com a "bola", onde o perdão de impostos e a corrupção é uma coisa aceitável, defendendo inclusive esse atentado (terrorismo político?) com compromissos internacionais. Nem a humilhação na OCDE mudou a atitude deste senhor que se vai comportando como uma espécie de político mexicano comprado pelos cartéis da droga, qual filme americano dos anos 80 sobre estas temáticas.

 

Reafirmo, não percebo a critica ao que se passa no outro lado do Atlântico, ou pelo menos o exagero. Nos EUA, Trump, o alvo perfeito, e Bolsonaro porque uma pseudo-elite brasileira (não todos os brasileiros) que se instalou em Portugal parece monopolizar a opinião em muitos media e até no panorama cultural nacional. No entanto, na Rússia, estamos a assistir à aniquilação da oposição e à tomada de poder no sentido de reactivar a União Soviética: Crimeia e Geórgia que o digam! Silêncio total... É mais fácil falar de encontros nacionalistas e querer uma democracia desde que seja com a minha vontade e lei. Não vejo ninguém a criticar as brigadas anti-fascistas e de extrema-esquerda que desfilam pelas ruas deste país, qual legião hitleriana invertida aquando do 1º de Maio, 25 de Abril e outras tantas manifestações. No entanto, vejo muitos destes criticos a partilharem as democráticas fotos das férias em países autoritários como a Tailândia, China, Vietname, Laos e Emiratos Árabes Unidos!

 

Debate em duas direcções precisa-se... Agora chamem-me o que quiserem, mas recuso ser alguém cuja embriaguez democrática atinge de tal forma o pensamento que o transforma num caos totalitário! Citando um dos grandes heróis de muitos destes senhores, Lenine, cada vez mais "a liberdade é um bem de tal modo precioso que tem de ser controlado", sobretudo face àqueles que a estão a usar para imporem o seu autoritarismo camuflado de bondade. Isto acontece sempre que a política se julga intocável e as pseudo-elites intelectuais julgam ter a desenvoltura mental que o comum dos mortais não consegue atingir!

 

P.S.: Deixo duas questões: Sr. Presidente, alguém em Maio/Junho prometeu o "fim" da corrupção em Julho, já estamos em Agosto? Como comentador profissional e autor dessa promessa, terá algo a dizer? Também prometeu que não se recanditaria se as tragédias dos incêndios se repetissem - em que está  pensar? Monchique, Mação, Vila de Rei e tantas outras tragédias com feridos e mortos, não são tragédias, são meros churrascos? Cuidado, não se faz política com a carne queimada daqueles que foram apanhados pelo desleixo do Estado. E ainda falta Tancos...

Autoria e outros dados (tags, etc)

1000.jpegCréditos: AP/Sam Mednick

 

O Sudão do Sul é mais um daqueles países que, pontualmente, tem 20 segundos de atenção nas notícias e pouco importa para todos nós! O "folclore" dos refugiados no Mediterrâneo tem mais impacte, no entanto, esquecemos que a origem não está nas águas deste mar... Está em locais mais longínquos.

 

Num país devastado pela guerra e consequente violência, travam-se guerras "anónimas". São guerras travadas entre guardas armados de metralhadoras automáticas e caçadores furtivos. Os primeiro defendem as reservas da tirania dos segundos e também da invasão humana. Muitos destes guardas são também antigos soldados que combateram na guerra e agora travam uma guerra que já não é civil mas sim contra aqueles que querem destruir uma das, se não a maior, riquezas do Sudão do Sul: os parques nacionais! São seis parque nacionais e 13 reservas de caça (13% do território).

 

Num país onde a guerra matou mais de 400 000 pessoas e cuja paz ainda é recente e frágil, procura-se agora estimular um turismo sustentável e promover o estudo de todos estes espaços - alguns passos já foram dados em relação ao elefantes da floresta e à grande migração dos antílopes, uma das maiores do continente. No entanto, a tarefa não é fácil: a disseminação de armamento e a sede de consumo dos países desenvolvidos são promotores da caça furtiva! Também os recursos são escassos, num país que investe, mesmo assim cerca de seis milhões de dólares na defesa da natureza (é pouco, mesmo assim, mas acredito que bem mais que num país como Portugal - mais rico, por sinal).

1000 (1).jpeg

Créditos: AP/Sam Mednick

 

Esta é uma guerra que não pretende dar tréguas - para que se tenha uma ideia, os guardas do parque dormem sempre separados, pois os ataques dos caçadores furtivos a estes são constantes e a garantia de que pelo menos alguns possam sobreviver já é uma conquista! Estes são os verdadeiros guardas da Natureza, ou melhor, os soldados da Natureza que além de lidarem com autênticos guerrilheiros ainda têm de conter o avanço das populações que, com a exploração agricola, vão devastando importantes áreas protegidas. Juntem-se a isto as ameaças de morte e temos um cocktail explosivo!

 

Todavia, entre a crueldade existem sempre focos de esperança. É importante ter em conta que estamos num país em ruinas e no centro de África, mas surgem iniciativas no sentido de mostrar e explicar este valioso património às crianças, de fazer viagens de campo colocando as crianças "em contacto" com os animais - só assim a destruição poderá dar lugar à preservação e criar uma mentalidade de união nacional na defesa daquele que é um património do Sudão do Sul e de todos nós! Também assim, o Sudão do Sul está a investir em futuros soldados da Natureza e também em, quiçá, futuros técnicos de turismo ambiental e sustentável ou até biólogos e investigadores!

 

Com o apoio de entidades estrangeiras mas ainda sem o peso de muitas associações ou ONG (que, não raras vezes, atrasam o processo e não criam empowerment nas populações), podemos ter aqui um exemplo para o mundo. Talvez assim, também possamos ser mais activos na defesa do ambiente no nosso país, até porque andamos preocupados com as políticas ambientais de um país (sempre o mesmo) do outro lado do Atlântico e fechamos os olhos ao que se passa por cá e no resto do mundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Padeiro que pôs a mão na Massa...

por Robinson Kanes, em 30.07.19

padeiro_incendios.jpg

Créditos: https://franschhoek.org.za/event/bread-making-course-bread-wine-restaurant/

 

 

Se descobrires uma vida melhor do que governar, para os que devem governar, podes conseguir um Estado bem . administrado. Pois só nesse mandarão aqueles que são realmente ricos, não em dinheiro, mas naquilo em que deve abundar quem é feliz - uma vida boa e sensata. Se, porém, os mendigos e os esfomeados de bens pessoais entrarem nos negócios públicos, pensando que é daí que devem arrebatar o seu benefício , não é possível que seja bem administrado. Efectivamente, gera-se a disputa pelo poder, e uma guerra dessas,  doméstica e interna, deita-os a perder, a eles e ao resto da cidade.

Platão, in  "República"

 

 

Em tempos, ouvi a história de um senhora cujo filho não estava a aproveitar os milhares de euros que eram investidos pelos pais, trabalhadores incansáveis, num curso superior na Universidade Católica. Fiquei imediatamente a pensar se o indivíduo não andaria nos copos e nas farras que a vida de estudante encerra, aquela vida pobre e de muito sacrifício. Para mim sempre foi, sobretudo quando visitava alguns colegas em residências universitárias e não conseguia estacionar o 206 porque as mesmas estavam com os estacionamentos ocupados por carros de alta cilindrada.

 

Na verdade, o que retirava o jovem das aulas durante o dia e durante a noite era outro vício bem mais perigoso que as drogas, as mulheres da vida ou a bebida: a juventude partidária! Com efeito, quando questionado pela mãe sobre a má-vida, a resposta foi "estudar agora não é muito importante! Importante é dar-me com esta malta que isso é que vai fazer o meu futuro". 

 

A verdade é que os licenciados em juventudes partidárias tendem a ser um cancro para o país, sobretudo quando nem fazem a licenciatura e escolhem carreiras mais modestas mas, sem dúvida, em muitos casos, mais interessantes, porque não padeiro? Uma nota: vejo mais arte num padeiro que num administrativo que "apenas" actualiza folhas de Excel.

 

Ser padeiro, profissão antiga e que merece o meu maior respeito, pode também abrir portas para ser especialista em protecção civil! E quando isto acontece... Temos a empresa que vende golas (uma empresa de Turismo de Aventura criada, aparentemente só para aproveitar a onda financeira dos incêndios de 2017), que por sinal é do amigo e da esposa (que por mero acaso é militante do nosso partido), a vender serviços ao Estado. Temos esse famoso especialista a colocar em risco a vida de todos os portugueses que possam necessitar das respectivas golas... E isso é normal, porque padeiros de Gaia não faltam, só lamento é que a "Padeira de Aljubarrota" tenha sido uma lenda que poucos ousam, actualmente, tornar real.

 

Num país onde tantos especialistas, em tantas áreas, têm de emigrar ou aceitar empregos para os quais não estudaram (o que não é mau) e com salários miseráveis... Num país onde tenham desistido das suas valências e dos seus sonhos por culpa destes padeiros que continuam a contaminar as instituições públicas e privadas, não raras vezes em posições de elevada responsabilidade técnica e funcional... Continuamos de olhos fechados perante estas situações! Continuamos a valorizar mais aquele que tem mil e um cargos e não desempenha qualquer tarefa na maioria deles, temos os profissionais das revistas e das palestras e continuamos a ocultar quem tem realmente valor e competências para tantos e tantos cargos neste crónico atrasadismo mental - já não é cultural! 

 

Se a todos estes juntarmos os padeiros que acumulam cursos superiores só porque sim, temos um país governado não por padeiros mas por autênticos sapateiros!

 

P.S.: entretanto, soube-se à data da publicação deste artigo que também as carcacinhas andaram a querer imitar os pães de quilo com contratos públicos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

1000.jpegCréditos: AP Photo/Mahmoud Illean

 

O mais recente bode expiatório da comunidade internacional (a Ocidente) é o Irão. Se por um lado temos os Estados Unidos da América (EUA) a quererem impor a sua lógica de perversão económica e militar aos demais aliados, por outro, temos a Europa a pensar, mais uma vez, não por si mas a reboque dos EUA. O Reino Unido tenta, com a saída eminente da União Europeia, ter todos os aliados comerciais e militares possíveis. Por sua vez, um país como Portugal - no seu crónico "lambe-botismo" e com um incapaz Ministro dos Negócios Estrangeiros Auguto Santos Silva, o também crónico sósia do Ministro da Propaganda Iraquiano de outros tempos, Mohammed Saeed al-Sahhaf - adopta uma atitude de servilismo que pode abalar as excelente relações que temos com o Irão.

 

No entanto, uma das principais vozes contra o Irão e contra a hipotética ameaça deste país vem de Israel (e mais uma vez, Estado de Israel, não os judeus israelistas). Não esqueçamos a Arábia Saudita que tem no Irão o seu grande inimigo e é um óptimo comprador de material militar aos EUA, tal como Israel. O Estado de Israel continua numa base diária (e é mesmo diária) a violar os direitos humanos enquanto a comunidade internacional (e os próprios media ocidentais) enterra a cabeça na areia. Todos os dias são desalojados e mortos muitos palestinianos numa guerra sem fim à vista e onde Golias continua a sair vencedor.

 

Ontem, Israel regressou às demolições em larga escala a leste de Jerusalém. É o fim de uma guerra judicial que todos conhecíamos o deselance, ou não fossem os tribunais israelitas dotados de total parcialidade quando o tema é a Palestina. Ao contrário de demolições "à prédio coutinho", em Israel estas são acompanhadas por soldados e veículos militares que em minutos criam um cenário de guerra! Israel é conhecida pela limpeza que vai fazendo na região e este é só mais um episódio - o Estado que apela sempre para a memória do Holocausto, tende, por vezes, a repetir os erros dos nazis e a dar uma certa força ao discurso hitleriano.

 

Portanto, o normal, é um palestiniano estar em sua casa, muitas vezes no seu próprio país, e ver irromper um sem número de soldados, ser retirado à força, quando não vem já deitado cravejado de projectéis, e assistir à demolição da sua casa - e a história termina aqui.

 

As Nações Unidas são criticas deste comportamento por parte dos israelitas, mas até agora nada tem sido feito para acabar com estas violações de décadas aos direitos humanos! Com que moral a Ocidente se exige à Rússia que "liberte" a Crimeia? Com que moral andamos a querer iniciar uma guerra com o Irão? Benjamin Netanyahu já provou ser um ditador, ser um tirano... Entre Netanyahu e Hitler, as diferenças vão sendo cada vez menores e, à semelhança do que aconteceu antes do início da Segunda Guerra Mundial, também agora, continuamos a ignorar as atrocidades que estão a ser cometidas no médio-oriente.

 

Em suma, ainda ficamos espantados quando o Hezbollah ou Hamas (e são só dois exemplos) criam também tensão na região e encontram cada vez mais recrutas para as suas fileiras... Um pouco como sucedeu com o IRA após o "Bloody Sunday" (o famoso massacre de Bogside) um episódio que deveria envergonhar todo e qualquer britânico!

Autoria e outros dados (tags, etc)

image_23.jpgCréditos: https://www.nvinoticias.com/nota/109336/acoso-callejero-en-oaxaca-suplicio-cotidiano

 

Um destes dias, numa conversa fútil de café, voltou a temática dos piropos, nem sei a que propósito. A verdade é que alguém atirou para cima da mesa que tinha lido algures que era um tema que estava a voltar: É Verão, como em Portugal nada se passa (passa-se tanta coisa, mas não se apontam para aí os holofotes que ninguém quer chatices) e dá trabalho saber o que acontece no Mundo, inventa-se para não se ser esquecido.

 

O piropo! De repente o piropo transformou-se na maior ameaça às mulheres! Aliás, a Humanidade foge desse tema com um medo atroz, ninguém quer saber em violações ou mutilações genitais quando o piropo anda por perto. De repente, um pouco na lógica de "Me Too", um grupo de iluminados decidiu que as mulheres sofrem muito com o piropo! Não conheço uma que alguma vez se tenha sentido em estado de choque com um piropo na rua, muito honestamente!

 

Tenho, inclusive, conhecimento de um caso em que um piropo até deu azo à seguinte resposta: "aí em cima és o maior, vem cá abaixo e não fazes um terço do que dizes pá"! Desde esse dia, esta mulher sofreu muito e teve de ser acompanhada... Não! E não, as mulheres não têm medo de andar na rua por causa dos piropos (quantas vezes já repeti esta palavra?) e não andam em grupo porque têm medo de serem atacadas por "piropeiros" - em alguns casos, muitas até nem se importavam! Muitas e muitos! Sim, porque também as há que deitam o seu piropo ao cavalheiro! Ainda me lembro (há muito tempo) de partilhar a cabine com cinco mulheres, praças da Força Aérea, no regional que ligava o Entroncamento a Santa Apolónia... O que não faltaram foram piropos. E eu detestei, foi uma coisa horrível! O que mais detestei foi quando tiveram de sair em Vila Franca de Xira para irem para a Ota! Já pensaram, soubesse eu e tinha dito "oh aviãozinho, vais para o aeroporto?" - sim, há época falava-se do aeroporto na Ota.

 

É inacreditável como os "anti-piropo", se dão ao luxo de ofender na praça pública e com cobertura de meios de comunicação que não devem fazer avaliação de desempenho, um sem número de indivíduos e não hesitam em ditatorialmente querer obrigar os outros "à sua boa onda", muitas vezes também, camuflada de humor.

 

De facto, temos de corrigir velhos comportamentos na nossa sociedade, mas não é com hypes, com contadores de likes e com uma necessidade tremenda de dar saltos para que reparem em nós que lá vamos! Aproveitem sim para tocar na ferida em temas fracturantes e deixem lá o indivíduo mandar o seu piropo - por este andar, qualquer dia, elogiar a beleza de uma mulher ainda vai colocar alguém na cadeia! Um destes dias, olhar uma mulher nos olhos e dizer que a amamos e que tem umas formas que só me dão vontade de a agarrar e... ainda vai dar cadeia - simplesmente porque um grupo de indivíduos criado entre videojogos, entradas à borla em espectáculos, bares do Bairro Alto e um sem número de cunhas, sobretudo nos media, se lembra de impor as suas liberdades aos outros.

 

O que deveria ser ilegal, por exemplo, era indivíduos que escrevem mal, carregam no vernáculo (porque ser mal-criado é "cool") e passam o ar de "boa onda" só porque usam barba e/ou t-shirt enquanto defendem as nobres causas, sentados na esplanada de um café a chorar pelas criancinhas em África ao mesmo tempo que marcam as próximas férias (ou tentam que alguma revista ou canal de televisão o faça) na Tailândia e em hotéis de 5*****! Não vão as criancinhas pobres serem "piropeiras" e dessas queremos distância! Quem é que não troca um "acoso callejero" por um bom "acoso hotelero"?

 

P.S.: isto tudo será porque os "Piropo", há muito tempo, lançaram um disco com o nome de "Russians" e com o emblema da União Soviética? Será uma espécie de retaliação?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sobre a Corrupção e um Obrigado ao Sapo!

por Robinson Kanes, em 01.07.19

1600x-1.jpg

 

Créditos:https://www.bloomberg.com/news/features/2017-06-08/no-one-has-ever-made-a-corruption-machine-like-this-one

 

Tenho de iniciar este artigo com um agradecimento especial à "página principal" do portal SAPO, sobretudo pela partilha do meu último texto dedicado à corrupção. Tenho de admitir que não esperava, quer pelo teor quer pelo "esticar da corda" com que abordei o tema. O SAPO e eu nem sempre estamos de acordo, mas também tenho de reconhecer quando faz um bom trabalho e quando tem em conta os meus artigos e de outros que, embora menos divulgados, também vão tendo o seu destaques. Obrigado! E admito que é com um grande sorriso que vejo que também estão atentos a temáticas que são verdadeiramente interessantes, mesmo que a partilha deste género de conteúdos nem sempre possa gerar a simpatia de todos os vossos visitantes. OBRIGADO!

 

Aproveito também este artigo, porque não deixei de pensar nas palavras que ouvi num programa de rádio (Bloco Central, na TSF - 28/06/2019) onde, mais uma vez, uma rádio que já foi de algum nível dá espaço de comentário a indivíduos que ninguém consegue perceber o porquê: o típico comentador de tudo que tanto está num programa a comentar política e/ou economia como num outro a comentar futebol e cuja vida gira em torno de tecer comentários - pior que isso, o jornalista comentador que não quer perceber a linha entre ser jornalista e ser, de certo modo, influencer e arrogante na exposição da sua "verdade"... Nem que seja na Rádio Voz do Sardoal, não consigo perceber.

 

Não posso deixar de ficar estupefacto com o facto de um desses mesmos indivíduos, que estão numa rádio de expressão nacional, vir dizer, por outras palavras, que a corrupção não é um problema, ou quando muito, não é um problema grave! Um dos argumentos, até faz sentido, não fosse surgir com o intuito de não dar importância ao que foi anunciado pelo Conselho da Europa e que se  debatia com o facto de termos leis a mais no combate à corrupção! Aliás, vai mais longe e diz que muitas delas violam a Constituição e vão além daquilo que deveriam ir! Até pode fazer sentido, mas aí também fará sentido debater a Constituição noutras matérias - tema pouco abordado! Também não vi nesse programa ser defendido o facto de que se temos tantas leis, porque é que não são aplicadas como deveriam ou o porquê dos meios não serem reforçados.

 

Um outro argumento, está relacionado com o facto de se encarar o tema da corrupção como sendo populista e como uma forma de que, quem não tem sustento, poder ganhar dinheiro a falar e a denunciar a corrupção! Face a um argumento destes, chego a pensar se na cabeça de quem profere isto não se procura promover as práticas de corrupção ou, no mínimo, abafar a discussão em torno desta - já não questiono o porquê de tal pensamento. Se falar e combater a corrupção for populista ou pindérico, pois bem, chamem-me tudo isso! Melhor isso do que corrupto ou vendido encartado.

 

As pérolas não se ficam por aqui, e uma outra é o facto de garantir que o Ministério Público e quem investiga a corrupção tem meios e campo de actuação mais que suficientes! Sugiro que fale com quem trabalha, só a título de exemplo, no Ministério Público ou na Polícia Judiciária. Parece que o intuito aqui é responsabilizar quem combate a corrupção, pela existência da mesma - no mínimo, vergonhoso!

 

Finalmente, o argumento de que a Justiça condiciona a acção de determinado partido que está refém do "caso Sócrates"! A Justiça não condiciona ninguém e ao contrário do que foi veiculado por alguns media nos últimos dias, não vive de derrotas nem vitórias - ao contrário da política, a Justiça não é um jogo, embora seja o desejo de muitos jornalistas, comentadores de WC e políticos.

 

Espero que, de facto, quem acompanhe estes programas - cuja ideia é interessante - não se deixe levar pelas alarvidades que são ditas por indivíduos mandatados por outrem ou que simplesmente vivem de opinar sobre tudo e sobre nada e que têm também os seus expedientes. Temo que esta espécie de comentadores tenha demasiado tempo de antena e pouca avaliação/crítica por parte de quem vê/lê/ouve... Temo que o comentário de outrem seja o "delegar do nosso pensamento e espírito critico". Temo que não se avalie a credibilidade, conhecimento e competência destes indivíduos...

 

Em alguns casos, chego a "temer" que num país sem corrupção, indivíduos destes também não existiriam...

 

P.S.: Não deixem de visitar este espaço que nos fala da importância de preservamos o nosso Tejo! Tenho a vaga ideia de que esta temática vai andar por lá e por cá nos próximos tempos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Peste dos Porcos!

por Robinson Kanes, em 07.06.19

7c704135364206be43b58b37d6aaad06.jpg

Créditos: https://sg.news.yahoo.com/dead-pig-found-beach-cheung-060130076.html

 

A sexta-feira tende a ser um dia dedicado a algumas sugestões ou algo mais descontraído, no entanto, não posso deixar escapar uma notícia que não tem tido o eco que deveria ter - por cá é daquelas que passa completamente à margem.

 

O sudoeste asiático está a debater-se com aquela que já é considerada a maior pandemia animal de sempre - inclusive em comparação com doenças que ficaram conhecidas pelo grande público como "doença das vacas loucas" e a "gripe das aves".

 

A febre suína africana começou na China, alastrou-se ao Vietname, Cambodja Mongólia, Coreia de Norte, Hong Kong e é possível que já esteja na Coreia do Sul e na Tailândia. Entretanto, os próximos alvos já estão sinalizados pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO): Myanmar, Filipinas e Laos.

 

Acresce que não existe qualquer vacina e por isso os suínos ficam sujeitos a uma hemorragia interna ate à morte e que obriga ao abate imediate dos mesmos pois o risco de contaminação é altíssimo entre animais - não em pessoas, pelo menos para já (afinal as mutações existem).

 

Nestas situações, os riscos acabam também por aumentar devido ao medo em informar as autoridades - até porque não existe compensação pelo abate dos animais - e também devido à falta de informação, sem esquecer as dimensões destes países e as fracas condições de vida em alguns deles. Consequências? Disseminação da doença e surgimento de um mercado negro altamente descontrolado e com riscos inimagináveis. Escusado será também falar do aumento do preço da carne de porco, afinal em muitos destes países, o consumo desta carne está também na base da alimentação.

 

Estamos a falar de milhões de animais abatidos, de muitos milhões de "euros" e de um risco muito grande para o Mundo - apesar do tema, o "ébola dos porcos" não preencher capas de jornais - um pouco como o ébola dos humanos, afinal um está na Ásia e o outro em África.

 

... ainda.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hellofriend - Uma "Rede Social" em Blockchain...

por Robinson Kanes, em 23.05.19

1_aF6wfKMlgMmf55ssIKPjVg.png

Créditos: https://medium.com/joinhellofriend/announcing-hellofriends-community-engagement-program-proof-of-friendship-28c8c47092d8

 

Este artigo deveria começar com uma descrição do que é "blockchain", no entanto, dada a complexidade do tema não é de todo o local ideal, além de que o grande objectivo do mesmo é chegar à necessidade e não propriamente ao processo.

 

Redes sociais como o "Facebook", por exemplo, estão apenas preocupadas em gerar dados e capturar insights para que estes possam ser rentáveis, mais uma vez a título de exemplo, em publicidade. O "Facebook", como outras redes sociais estão pouca interessadas na verdadeira interacção entre indivíduos, chegando a ser uma espécie de paradoxo. No entanto, e porque existem indivíduos que ainda pensam, e de uma forma empresarial, existe a "Hellofriend" que não é mais do que uma rede social que tem por base blockchain.

 

Mas em que difere a "Hellofriend" de outras redes sociais? A "Hellofriend" não grava e muito menos utiliza (é o que nos dizem) os dados dos seus utilizadores! Tal leva-nos à grande questão... E como é que gera revenue? A "Hellofriend" é paga - paga quando a interacção tem lugar! Talvez soe estranho para a maioria das pessoas, embora eu seja defensor que, se utilizamos algo, devemos pagar.  

 

Esta rede social, vive basicamente da promoção e concretização da interacção entre os indivíduos/amigos! Procura efectivamente servir de plataforma para a promoção de redes sociais no mundo real, sendo uma espécie de facilitador de contactos e de relações! Entremos mais a fundo no funcionamento da rede... Cada membro pode ser um facilitador capaz de organizar um sem número de actividades, desde festas, encontros em cafés até viagens em grupo! Por sua vez, este facilitador factura um valor aos participantes e a rede social recebe 10% de comissão - simples, não é? Ou seja, quanto mais vezes os indivíduos estiverem longe da rede social, melhor é para a mesma e além disso ainda retira daí proveitos! Por norma, os valores procuram, sobretudo, suportar a organização e os custos inerentes.

 

A utilização de blockchain é importante na medida em que além de eliminar qualquer espécie de advertising  protege os dados e a fiabilidade dos utilizadores. A "presença" de blockchain permite também a utilização de tokens e que os pagamentos sejam feitos em criptomoeda.

 

Em resumo, se a ideia é óptima, porque olhando à oferta o é efectivamente, tudo isto tem um lado interessante e social: também nos faz pensar no porquê de terem que existir este género de plataformas para promover a interacção entre seres-humanos...

 

Vejamos se terá o sucesso esperado...

Mais informações sobre a Hellofriend aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Mensagens

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB