Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Les Divas du Taguerabt

por Robinson Kanes, em 22.10.20

taguerabt.jpg

Créditos: https://mk2films.com/en/film/taguerabt-divas/

 

 

A sabedoria só nos chega quando não serve para nada.

Gabriel Garcia Marquéz, in "O Amor nos Tempos de Cólera"

 

Em Portugal, ficou famoso um indivíduo que deu a ópera como morta e constantemente faz questão de reforçar essa temática. Compreendo as palavras do mesmo, o Ser alpinista que bebendo da vontade das elites pseudo-intelectuais e que estranhamente ocupa o espaço radiofónico sem ter qualquer dicção poderá encontrar na realidade nacional um São Carlos deprimido sempre com os mesmos espectadores, uma maioria a convite ou que simplesmente não paga e uma outra que só vai à ópera porque sim.

 

Todavia, Portalegre e Lisboa não são o centro do mundo e a cultura não se adquire com uma viagem aqui ou acolá para preencher CV, pelo que, caminhemos até à terra que viu Camus nascer. Foi através da Ópera National de Paris que ficou famosa a construção de uma sala de ópera em Argel com capacidade para 1400 pessoas.Estamos a falar de Argel, capital de um país sem grande tradição operática mas de uma riqueza cultural imensa. Foi também neste contexto que no passado mês de Setembro saiu para a rua o pequeno documentário de Karim Moussaoui, "Les Divas du Taguerabt".

 

Moussaoui partiu em busca de uma espécie de ópera ancestral, das mulheres que cantam nas grutas melodias que encantam e seduzem todos aqueles que escutam estas vozes com atenção. E encontrou-as... Encontrou-as e descobriu um opíparo Património da Humanidade que, sem dúvida, também terá o seu lugar na nova sala de Argel.

 

Neste imenso país, de ancestrais tradições, de nascimento, passagem e queda de muitos impérios, Moussaoui deu a conhecer ao Mundo as vozes da terra, as vozes do Norte de África, um cântico feminino de valor incalculável e que pode ser apresentado lado-a-lado com qualquer ópera, com qualquer outro espectáculo até, prova de que, por muito que queiramos porque é "cool", existem coisas que não poderemos destruir, mesmo julgando-nos grandes (e só mesmo isso) no nosso pequeno rectângulo. É importante perceber que também todos os dias são compostas novas óperas, novas peças e não são somente as mais conhecidas que marcam a agenda que queremos destruir - argumentar contra isto, é seguir um discurso "ovelhoa" encomendado entre uma cerveja artesanal e um prato vegan em bares do Bairro Alto. 

 

Vejam o documentário, são só 15 minutos e está no Youtube e deixem-se encantar por estas Senhoras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

29jiw7.jpg

 

Créditos: https://imgflip.com/tag/cultural+appropriation?page=6

Como é habitual à terça-feira, venham de lá quebrar as regras morais e comer uma sardinhas, é aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Menos "influencers" e mais "brand advocates"...

por Robinson Kanes, em 12.10.20

5cb6185323982.jpegCréditos: https://www.memedroid.com/memes/tag/influencer

 

Advocacy is vouching for something because you believe in it. Advocacy is earned by cultivating relationships, reputations, and trust.

Lisa Grimm

 

Influencer... Há uns tempos seria impensável que este tipo de prática (ainda é discutível se é uma profissão) faria muita gente ganhar dinheiro e visibilidade. Actualmente, é um instrumento de marketing "poderoso" e tem impactes nas vendas de forma séria. Não obstante, e como apreciamos tanto falar de sustentabilidade, do ser genuíno, temo que estejamos a caminhar na direcção errada, até porque muitos dos influencers pagam para também terem a respectiva promoção: uma espécie de investimento inicial para a visibilidade se assim quisermos. Não é preciso ir longe para termos muitos exemplos, desses e dos demais cuja visibilidade mediática (não raras vezes paga ou impingida) também acaba por ser uma mais-valia para esta prática. Não afirmo isto em tom de ataque mas sim como uma constatação de factos, pois com o investimento certo ou para quem não quiser investir, com o empurrão certo, facilmente se transforma uma anormalidade num caso de sucesso. São factos e alguns dos que fazem este trabalho (agências, por exemplo) fazem-no de uma assombrosamente profissional.

 

Esta introdução surge a propósito do recente caso de um restaurante que foi abordado pelos "pedintes do costume". Segundo o mesmo, e fazendo fé na veracidade desta história, estes indivíduos ofereciam publicidade a troco de uma jantarada grátis pelo que, a gerência decidiu mostrar que não se identificava com esta prática e sugeriu que os influencers pagassem pelas refeições, revertendo o valor das mesmas para instituições de caridade. Em meu entender, a ideia foi excepcional... Mas não para os influencers que, segundo o mesmo restaurante, não aderiram, nem um... O "anti-influencer" acabou aqui por ser favorável ao estabelecimento que vê agora o número de pedidos aumentar, colocando a descoberto que nem sempre um bom influencer significa muitas vendas. Aliás, e a título pessoal, muita gritaria ou determinadas personagens, já fizeram com que deixasse de comprar determinadas marcas ou escolher determinados serviços.

 

É então neste contexto que surge outro instrumento de marketing e outra prática bem mais genuína, infelizmente, ainda colocada de parte por muitas marcas que preferem ouvir e oferecer brindes a um número altamente restrito de indivíduos ao invés de escutarem os seus clientes, especialmente os seus melhores clientes. Falo do conceito de brand advocate. De forma clara, o conceito é isso mesmo, "o advogado da marca". O brand advocate é o cliente (ou até um parceiro ou colaborador) que - normalmente - adquire um produto ou um serviço, o experimenta e não raras vezes dá retorno e até apresenta ideias para eventuais afinações. Enquanto uns promovem apenas porque sim e porque lhes é oferecido, este indivíduo ou grupo de indivíduos paga pelo produto ou deseja-o, elogia o mesmo (nas redes sociais, por exemplo) e ainda apresenta ideias e sugestões - e também apresenta criticas negativas. No entanto, uma boa gestão dos brand advocates leva a que também, em momentos infelizes para a marca, estes entendam as falhas e até (ao contrário de alguns influencers) defendam a mesmas quando são alvo de hostilidades.

 

Imaginem que faço um ataque feroz a uma marca... Experimentem que seja o influencer a defender a mesma. São muitos os contextos em que não tem o talento para esse papel como também não mostra interesse devido à "imagem" que tem de defender - aliás, pontualmente até se descarta da marca e toma partido pelo lado mais forte. Porém, imaginem que face ao meu ataque, um sem número de desconhecidos diz que as coisas não são como eu as interpreto... Quem nos dará melhores resultados?

 

Idealizem do mesmo modo, quantas marcas já não enfrentaram dissabores provocados pelo simples facto do seu(s) influencer(s) ficar(em) envolvido(s) em escândalos ou com uma imagem menos boa no mercado... Um brand advocate mal comportado não terá um efeito tão nefasto, é um cliente e a marca nada tem de relação comercial com o mesmo em termos de imagem e até identificação.

 

Em resumo, ambas as metodologias, se assim quisermos entender, são viáveis, mas é incostestável que começa a fazer mais sentido um maior investimento, não só conhecer melhor os nossos clientes em termos de comportamento mas também criar relações duradouras - gerindo estas de uma forma muito mais próxima e com consideráveis ganhos, sem artificialismos, sem despesas desnecessárias e desenvolvendo dentro daquilo que é o customer engagement uma forte componente de interacção com os brand advocates. No final, são esses que escolhem e são esses que fazem o sucesso da marca e alavancam o seu crescimento e como nos diria Dave Kerpen, "os nossos brand advocates são mais valiosos que qualquer campanha publicitária que alguma vez possamos vir a lançar", além de que nunca, como hoje, as marcas tiveram a oportunidade de estar tão perto dos seus clientes 24/7 sem ignorar que o tão eficaz word of mouth continua tão forte como antes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não Podemos Mais...

por Robinson Kanes, em 09.10.20

A-Pablo-Iglesias-le-contestan-con-la-misma-medicin

Créditos: https://www.diarioprogresista.es/pablo-iglesias-contestan-misma-medicina-tic-tac/

 

En política no se pide perdón, en política se dimite.

Pablo Iglesias

 

Admito, com ligeira perplexidade, que nos preocupemos tanto com as idas à casa-de-banho de Bolsonaro e Donald Trump (e só destes dois... e sempre para o mal), do outro lado do Atlântico mas deixemos escapar, por exemplo, o que se passa em Espanha. O que se passa por cá, já não me espanta, o efeito avestruz elevado ao seu estado mais normal.

 

É neste contexto que o terramoto político e social que pode rebentar em Espanha também pode trazer consequências para o nosso país ou não fosse o epicentro localizado num dos partidos mais adorados em Portugal, o Unidas Podemos. A sede de poder de Pedro Sánchez levou, à semelhança do que acontece em Portugal, à aliança com a extrema-esquerda espanhola, sobretudo republicana e pouco moderada. Aquela esquerda dos cidadãos, do "Podemos" que vinha salvar o mundo como o fracassado Syriza na Grécia e o Bloco de Esquerda em Portugal.

 

Todavia, temos assistido a uma demonstração de ausência de ideias para o país (apenas o foco no discurso - e só no discurso - de ajudar os pobres, estar do lado dos criminosos "okupas", a independência da Catalunha e o fim da monarquia) e casos atrás de casos de corrupção e movimentações totalitárias dignas de uma URSS, bem como uma repetição à portuguesa da grande família: Iglesias e a mulher partilham a liderança de um partido e influenciam ambos as decisões governamentais.

 

Sob a égide de Pablo Iglesias, o "Podemos" tem sido alvo de vários escândalos de corrupção dos quais se destaca a famosa "Caja B", adjudicações fraudulentas, relações promíscuas com jornalistas, as movimentações de del Olmo, os famosos casos Calvente e Dina Bousselham, falsas denúncias para ter vantagem eleitoral e um sem número de "sacos azuis". A táctica, quando confrontado com a situação, também à semelhança do que acontece em Portugal, é desaparecer (Marcelo nisso é exímio quando o assunto não lhe é favorável) ou então atacar os adversários com um "vocês também fizeram" ou ainda "assunto encerrado" à boa maneira de António Costa e do Ministro da Propaganda, Augusto Santos Silva.  Em relação a falsas denúncias e com tantas similitudes no modus operandi, só me recordo de um caso de correspondência com ameaças e que até fizeram (mais uma vez sem qualquer sentido) que os mais altos cargos da nação viessem pressionar a Investigação e a Justiça - já existirão desenvolvimentos acerca de quem foi ou foram os autores dessa correspondência? Os resultados rápidos tardam em aparecer...

 

Não obstante, à semelhança de tantos outros casos na Península Ibérica, o líder do Podemos, foi o mesmo que em tempos (2016) dizia que perante as suspeitas de casos de corrupção ou similares no seu partido, a demissão seria a opção única! Hoje, diz-se vitíma daqueles que querem vingar os impetos da independência catalã e ostenta o total apoio que lhe é dado por Sánchez - o poder, custe o que custar, mesmo que no Senado espanhol já se grite (sim, grite) pela demissão de Iglesias. Isto aconteceu enquanto a senadora do PP, Elena Muñoz, anteontem, denunciava muitos destes casos e inclusive o desrespeito pelas mulheres - logo o partido que tanto apregoa a causa embora o seu porta-voz (Pablo Echenique) até já tenha sido condenado por fraude à Segurança Social! Estranhos tempos onde o algo e o seu contrário começam a ser a tónica dominante dos heróis... 

 

A História ensina-nos que nem sempre aqueles que inicialmente surgem como os grandes salvadores da Humanidade, os defensores de todos os direitos e das causas sociais, da justiça social (ainda ninguém sabe bem o que quer dizer este conceito, mas fica sempre bem utilizar) são aqueles que, tendo o mínimo acesso ao poder, normalmente do Estado (mas até em muitas organizações empresariais vemos isso), são os primeiros a fazerem um Nicolae Ceaușescu parecer um menino aos olhos dessa mesma História.

 

Unidas Podemos parece estar mais a desunir Espanha do que propriamente a unir, sobretudo numa altura em que o vírus que nos assola mata milhares de espanhóis e a própria economia. A ausência de debate e soluções sérias, o ataque constante à unidade de Espanha na pessoa do Rei, não auguram nada de bom para o futuro... Além de que, muitas destas cenas, também não são diferentes na antiga província espanhola, apenas mudam os actores.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ninguém merece...

por Robinson Kanes, em 08.10.20

Lasagna Bianca di Pesce e Granceola e Lamponi.jfif

"Lasagna Bianca di Pesce e Granceola e Lamponi" - Toma lá!!!

Imagem: Robinson Kanes

 

Depois da "Lasagna Bianca di Pesce e Granceola e Lamponi" e das calorias que a mesma provoca (receita a pedido), não resisti à quarentena de exercício físico de um mês e cedi a 10 quilómetros de corrida - acabaram por ser só 11 quilómetros. Quero acreditar que o Dr. Bexiga e a Dra. Patricia não vão ficar decepcionados comigo. Talvez a Enfermeira Sara que é quem me atura mais... Se por acaso meto o pé numa urgência deste país, bem vou ter que os aturar.

 

Quase quatro semanas no estaleiro, onde só posso fazer caminhada no ginásio (e mesmo assim furo as regras pois inclino a passadeira ao máximo) deixam qualquer um louco, convenhamos. E assim foi, depois de um jantar bem comido e bem regado no dia anterior, lá calcei as Asics (escolhi as mais júnior para não existirem tentações de ir além) e até resisti subir ao Sameiro. A opção foi Braga - Gualtar - Este - Braga.

 

Tudo tranquilo, não fosse a estrada de Braga até à Póvoa ter inclinação. Tentei enganar-me com uma subida mais leve, menos mal. Todavia, parece que estava destinado ao castigo: mal passo a Universidade em Gualtar, levo com o olá de um Pastor Alemão que me fez saltar do passeio... Estava  no território dele, mas não ganhei para o susto, mesmo tendo um matulão igual com quarenta e dois quilos.

 

Direcção a Este, aí vou eu... Quando surgem as "Farturas da Inês", e que cheirinho bom tinham as malditas das farturas... Não se faz, além de que depois de quatro semanas a encher o bandulho, fartura menos fartura... Não! Não! Não! Acelerar com o pensamento de voltar um destes dias e derreter-me de prazer com aquela massa carregada de óleo (vegetal, espero).

 

Chegado a S. Mamede, nada como dar a volta, o Garmin aponta cinco quilómetros e meio, e vir pela circular. Tudo normal, não fosse estar sempre a levar com o "xunning" que andava a testar o seu "Evolution" (Evolution, termo para Mitsubishi Lancer Evo, todo quitado de origem, por sinal, uma máquina) e sempre que passava por mim, fazia o habitual "vruuuuum...". Não bastando, e quatro semanas obrigam a repor o batimento cardíaco mesmo em corridas curtas, sou ultrapassado à grande por um indivíduo que tinha idade para ser meu avô. Quando entrei em Braga já ele deveria estar em Famalicão! 

 

Pensando que já tinha sofrido tudo (não esquecer que ainda passei por uma das pastelarias Braga Parque...) levo com uns tipos num Corsa a gritarem: "Ganda Nélson Évora!". "Ganda" Nélson Évora... Ainda dizem que Portugal é um país racista! É que comparar o Nélson Évora comigo é como comparar o Angela Merkel com o Barack Obama! Além disso, a mim sempre me disseram que tenho um cabelo forte, e o Nélson Évora não é propriamente conhecido por mostrar o cabelo. Não bastando, o cavalheiro é campeão em Salto e Comprimento. Enchi-me de orgulho e recordei aquele dia em que no autocarro à saída do avião em Fiumicino, sobraram apenas o Nélson, o seu treinador, eu e a alemã. Motivação extra, mesmo roçando praticamento os 5 minutos por quilómetro.

 

Finalmente, e talvez pela falta de treino recente, sobretudo agachamentos e trabalho de pernas, o joelho dá sinais de não estar a 100%, precisa de treino mas apresentou dor. Tanto sítio e tinha de ser logo o joelho que está óptimo!

 

Enfim, se isto não foi castigo...  Para me vingar, a  minha punição foi mesmo um Branco de Pegões, uma perna de perú assada além do café na São Brás - e sem ajuntamentos, jogava a selecção e estava tudo lá dentro, a esplanada ficou por nossa conta.

 

É razão para dizer: "tá a txober tá, tá a txober txorichas".

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não sejas mariquinhas...

por Robinson Kanes, em 02.10.20

london_imperial_war_museum.jpg

Imperial War Museum - London

Imagem: Robinson Kanes

 

Não possuindo uma cultura própria também não revela interesse em adquiri-la. Ao contrário do proletário do início da Era Industrial, que se organizava em clubes que, muitas vezes, eram também associações operárias que aspiravam a uma formação, o membro da classe baixa moderna parece há muito ter desistido de si próprio.

Gabor Steingart, in "O Conflito Global ou a Guerra da Prosperidade"

 

 

 

Enquanto os velhos continuam a morrer miseravelmente em lares ilegais, enquanto vão sendo aprovadas leis e atropelos às mais variadas liberdades, pois alguns temas fracturantes, sobretudo nos países da Península Ibérica vão sendo colocados em segundo plano, o que em Espanha já começa a gerar alguma contestação, por terras lusas uma das prioridades actuais é condicionar a formação militar por intermédio da não utilização de algumas expressões. Apenas um aparte: serei apenas eu, ou actualmente falamos de lares ilegais como se fosse a coisa mais normal do mundo? "Morreram 10 idosos num lar ilegal", "os lares ilegais estão a adoptar medidas para...", "o director de um lar ilegal diz que está tudo sob controlo". Acho que "lar ilegal", subinho o "ilegal" deveria ser suficiente para... Afinal, se colocar uma nota publicitária na janela do meu estabelecimento e não pagar a respectiva licença arrisco-me à multa e ao encerramento.

 

Todavia, parece que o Ministério da Defesa quer proibir algumas expressões em meio militar e que podem ser ofensivas, quer para mulheres quer para não heterossexuais (perdoem-me a não utilização do L+ uma série de letras, mas o espaço aqui é pouco) e para indivíduos de outras raças. Voltamos a dar um salto por cima da educação para a cidadania e a promover a obrigação de comportamentos ao invés de tentarmos trabalhar a sociedade de forma coerente. Actualmente é comum, sobretudo em países ocidentais e com importações de um país maior, se procurar alterar a ferros a weltanschauung e sempre que isso acontece, alguém acaba fuzilado no longo prazo.

 

Destacam-se, neste âmbito, expressões como "não sejas mariquinhas" ou "até pareces uma menina". Em meu entender, sobretudo em relação à primeira, não sei quem é mais homofóbico, se quem utiliza a expressão se aquele que entende a mesma como ofensiva à sua pessoa. Não acredito em agendas pré-preparadas, mas admito que existem situações que começam a extravasar aquilo que é admissível e com sérias consequências (negativas) ao nível social e cultural. Um país com tantos pedófilos à solta e com tantos processos controversos deste âmbito, alguns oriundos do antigo regime, "completamente abafados", está preocupado se o Sargento Meireles chama "mariquinhas" ao Soldado Rodrigues!

 

No caso dos meios militares, este género de ideias só pode vir de quem nunca colocou o pé num quartel, quanto mais em combate. Em termos de instrução a pressão faz também parte, e sim, chamar nomes à mãe, à mulher e aos filhos, levar o ser-humano à condição mais humilhante possível. Terror? Quem não quiser tem a hipótese de não se submeter, mas importa lembrar que é isso que lhe pode salvar a vida, por exemplo, se for capturado pelo inimigo. O que não pode acontecer é assistir a um soldado revoltado e muito incomodado que deixa as armas e os camaradas para trás porque do outro lado do terreno o inimigo gritou "seus maricas!". 

 

Começamos a desenvolver nichos perigosos em que, por estes dias, só uma troca de olhares já vai servir de mote para colocarmos alguém na cadeia. Como também alguém diria, "nos entretantos" muitas situações vão ocorrendo sem que exista inquietação, um pouco como aqueles que criticam ou forçam teorias sobre Trump ou Biden por serem indecorosos e vivem obcecados com o primeira mas são os primeiros a pactuar com muitos dos males que assolam o seu país, estão os deuses com vida difícil na medida em que escasseiam os espíritos livres, como nos diria Nietzche... E em suma, entre ter lares ilegais e velhos a morrer por lá (e é só um exemplo) como se ambas as situações fossem as mais normais do mundo, andamos mais cogitativos com o "pareces uma menina, pega na G3 como deve ser"...

 

E sim, ainda hoje a alemã me disse "não sejas maricas" porque estava todo abrigadinho da chuva e parecia um totó!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Freud também comia sardinhas...

por Robinson Kanes, em 29.09.20

0633a08c3fba2df3dff13a9c43af93ae.jpg

 

Créditos: https://www.pinterest.es/pin/446067538073729058/?amp_client_id=CLIENT_ID(_)&mweb_unauth_id={{default.session}}&amp_url=https%3A%2F%2Fwww.pinterest.es%2Famp%2Fpin%2F446067538073729058%2F&from_amp_pin_page=true

 

E para "acabar" o dia em cheio e porque é terça-feira... Convidámos Freud a comer umas sardinhas. Temo que lhe sejam indigestas mas... Acompanhem-nos aqui!

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Fim da Duralex...

por Robinson Kanes, em 26.09.20

206d1b0ec10d3bda133ba7208a210a25.jpg

Créditos: https://www.pinterest.pt/pin/374502525257023726/

 

Foi por Espanha, nomeadamente pelo El País, que soube do fim anunciado da Duralex. Talvez muitos não o saibam, mas a Duralex era o fabricante da "inquebrável" louça de vidro, aquela de aspecto âmbar. Uma imagem de marca dos anos 60 e 70!

 

Recordo-me de, em casa dos meus pais, existirem dois conjuntos: um que se utilizou e mais tarde se deu a uma família carenciada e o outro, intocado que, muito recentemente, me foi doado pela minha mãe - lembro-me dessa primeira doacção, parecia novo apesar do muito uso. Como me recordo, à semelhança de outros, de ouvir dizer "este conjunto que comprámos em Espanha". A Duralex era um ícone das louças mais comuns, em Espanha teve um tremendo sucesso, uma espécie de louça de Sacavém e até teve destaque no original da série "Conta-me como Foi", uma "cópia do original "Cuéntame". 

 

Ao longo dos anos assisti à morte de muitas louças caras, mas a Duralex sobreviveu ao passar dos anos e à minha capacidade de partir pratos e copos devido a umas mãos escorregadias para louças.

 

Dura lex, sed lex, seria a inspiração e slogan para o nome da marca, por incrível que pareça. Desenvolvida pelo actual gigante "Saint-Gobain", os franceses detentores da antiga COVINA em Portugal, e depois de vários investimentos, não resistiu à crise actual causada pela quebra no consumo e no fecho da economia e cedeu.

 

A louça utilitária (ainda me causa alguma impressão o conceito de "louça decorativa") que já era uma peça vintage, despede-se assim e encerra mais uma recordação de um velho/novo Mundo. Talvez agora, seja a oportunidade de sair das cozinhas e das salas dos menos abastados e ocupar a mesa dos mais ricos ou dos locais mais nobres, afinal, a morte transforma a miséria em nobreza.

 

Não estou presente na casa que agora está mais rica com estas peças, mas por certo, aquelas peças, daquele conjunto, terão ainda um maior valor afectivo, pois além da memória dos meus pais serão também a memória de uma época.

 

Duralex, eterna lutea...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Filhos em Lata...

por Robinson Kanes, em 22.09.20

tiziano_madonna_del_Coniglio.jpg

Imagem: Robinson Kanes

 

Hoje, no SardinhaSemLata e na habitual participação à terça-feira, falaremos de filhos e pressão social. 

Acompanhem o nosso texto aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sentido de Oportunidade!

por Robinson Kanes, em 10.09.20

eroi_in_divie.jpg

Créditos: Eroi in Divisa

 

É importante iniciar este texto sublinhando que a violência policial não é um facto inexistente, e como tal, deve merecer a nossa atenção. Penso que aqui a opinião é unânime. 

 

Com efeito, não têm sido raros os casos em que assistimos a uma mediatização excessiva e ao nascimento de novos heróis (e não são as vítimas) alicerçados numa retórica de luta contra o poder onde a polícia, por incrível que pareça, surge como um dos elos mais fracos. Pelos jornais, pela política e até por um certo humor altamente parcializado (algo que em Portugal é já uma instituição) e inclusive pelo anormal poder dos comentadores, vai sendo criada a ideia de que é uma prática diária.

 

Bater nas polícias, especialmente nas polícias nacionais e não militarizadas tem sido uma prática comum nos últimos tempos. Não censuro que se faça em relação a casos justificáveis, mas tenho de assumir algum espanto com a descontextualização e distorção dos factos, o não entendimento do contexto e a provocação em off seguida de filmagens em on

 

Como as armas são um meio de defesa mas ao mesmo tempo, na mão de humanos imbecis, podem ser um meio de ataque, também os telemóveis podem ser uma arma de ataque letal. Numa sociedade aberta onde alegadamente as aulas de cidadania podem servir para abrir horizontes, estimular o empowerment e o espírito critico, talvez não estejamos a fazer o nosso papel fundamental que é promover todos esses aspectos e com visíveis consequências na avaliação e participação dos cidadãos na vida pública. Possivelmente, nessa sociedade, muitos dos jornais e televisões actuais teriam de fechar portas devido às parcas audiências, não obstante, o país e o mundo teriam muito mais a ganhar e com toda a certeza os extremos seriam menos.

 

No final de contas, não deve existir nada mais humilhante, sobretudo quando as coisas ficam mais complicadas, que é requerermos a protecção daqueles a quem quotidianamente aplicamos a nossa "soma zero".

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Instagram



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sardinhas em Lata

Todas as Terças, aqui! https://sardinhasemlata.blogs.sapo.pt/

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog





Mensagens







Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB