Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os Amigos são para as Ocasiões...

por Robinson Kanes, em 04.02.19

 

mw-860.jpg

Imagem: https://tribunaexpresso.pt/um-azar-do-kralj/2018-06-28-Ronaldo-a-presidente--E-bem-capaz-de-resultar

 

Os amigos são para as ocasiões e não é só Rui Rio que se lembra disso quando se trata de defender os seus, mesmo quando cospem nos votos de todos os cidadãos e simulam presenças na Assembleia da República. Mas a política, mais do que sentido de dever, é uma praça de amizades, sobretudo quando também envolve futebol, e, desta vez foi o intocável património nacional (futebol) que saiu impune de mais uma vergonha para qualquer cidadão nacional.

 

A recente atitude de não retirar as condecorações a Cristiano Ronaldo demonstrou - mais uma vez - o poder do futebol em Portugal. O que o Presidente da República quis dizer ao não retirar as condecorações a um criminoso que fugiu aos impostos e até foi condenado a pena de prisão, foi que, desde que o assunto seja futebol, mexa com populismos e votos, tudo é permitido. Também Marcelo cuspiu em todos os portugueses que pagam os seus impostos e não gozam uma vida melhor porque continuam a alimentar instituições que tudo absorvem e viagens a roçar o privado de algumas altas entidades do Estado. Depois da amnistia a um padre que era tido como um ser repugnante e por isso foi condenado, já tudo se espera - afinal, também Marcelo tem de pagar os seus favores, sobretudo à santa Igreja que é um dos pilares da sua popularidade na trilogia, assistencialismo, media e religião. Pelo menos para mim, maior criminoso que o próprio, é aquele que conhece o crime, assiste ao crime e o legitima!

 

Mas deixemos Marcelo e pensemos na forma como toleramos isto: temos em Portugal um jogador de futebol (e toda uma instituição futebolística) que goza de total impunidade, aliás, a clubes e jogadores os portugueses tudo perdoam e tudo dão mas são os primeiros a julgar na praça pública aquele que roubou um quilo de laranjas para alimentar a família. Que cidadania completamente inebriada é esta que se vende desta forma tão... fácil? Que cidadania é esta que pede a cabeça de um bando de desocupados (E até os acusa de terrorismo...) que invade uma academia de futebol mas permite que o terrorismo diária afunde o país num buraco sem fundo?

 

José Sócrates, Zeinal Bava e outros perderam as condecorações da República, os intocáveis que afinal não são mais intocáveis que um jogador de futebol... Andamos de facto inebriados, resta saber até quando, porque não hesitamos em ameaçar e aplaudir a prisão de quem pede uma revisão dos impostos ns combustíveis e na forma como é administrado o Estado mas batemos palmas aos criminosos que, muito provavelmente, sustentam a nossa popularidade. E quando assim é, por norma, as coisas não acabam bem... Pelo menos em países onde o povo ainda pensa e deseja um futuro melhor e não uma embriaguez imediata...

Autoria e outros dados (tags, etc)

É Carnaval... Ninguém Leva a Mal...

por Robinson Kanes, em 12.02.18

f1118163e5fc49cea7d6bbb11daca09b.jpg

Fonte da Imagem: https://www.vice.com/da/article/av9za8/why-i-hate-notting-hill-carnival-876

 

 

É Carnaval, ninguém leva a mal... Até já coloquei uma música lá em baixo para acompanhar este artigo... "Hey, hey Amigo Charlie Brown, dir kann keiner trau'n"... Cantem todos!

 

É Carnaval...

 

Ninguém leva a mal que Mário Centeno siga as pisadas de Rocha Andrade, João Vasconcelos e Costa Oliveira e prejudique o erário público a troco de uns bilhetes para a bola...

 

Ninguém leva a mal que exista corrupção desde que a mesma tenha sempre um clube de futebol por trás... Queime-se um ex-Primeiro Ministro, mas nunca o presidente de um clube!

 

Ninguém leva a mal que a segurança do Estado seja posta em causa como foi em Tancos e venha um Chefe de Estado Maior dizer que o assunto está encerrado após meia-dúzia de "desgraçados" terem sido proibidos de sair dos quartéis durante meia dúzia de dias...

 

Ninguém leva a mal que se diga mal do Banco Alimentar Contra a Fome (e eu sou um dos que diz) mas se for "ReFood" já é mais porreiro e sempre abre portas para dinamizar o networking e passar a imagem do solidário... Além disso, o nome é mais pomposo...

 

Ninguém leva a mal que os sindicatos com ligações a partidos, ditos de tabalhadores, estejam a destruir a Autoeuropa...

 

Ninguém leva a mal que em Portugal as concessionários de pontes e auto-estradas façam o que bem entendam e ainda tenhamos de pagar um extra se os lucros não forem os esperados... Mesmo que as estradas e respectivas manutenções estejam mais que pagas...

 

Ninguém leva a mal que Ricardo Araújo Pereira (outro Papa nacional) receba cerca de €15 000 por uma hora em que debita uma mão cheia de nada - inclusive com o público a nem alinhar muito na coisa - mas critique (inclusive Araújo Pereira) o desgraçado do empresário que consegue tirar €2000 por mês, ou então aquele que até ganha milhões mas suporta toda uma economia...

 

Ninguém leva a mal que um povo hospitaleiro e amigo se junte todo e aplauda quando se faz uma critica a alguém, mas quando se faz um elogio ou um reconhecimento sincero desapareça ou faça de conta que nem ouviu...

 

E porque afinal é Carnaval, neste país tropical do sul da Europa, também não se leva a mal que em temas estruturais para o desenvolvimento do país, os partídos não cheguem a acordo, mas quando o tema é o Financiamento dos mesmos, já o consenso é quase total... Sobretudo entre aqueles que criticam o próprio regime...

 

E porque é Carnaval, nunca percebi porque é que um furto de duas laranjas dá prisão e um roubo/desvio/favorecimento de milhões dá termo de identidade e residência, quando dá...

 

E porque é Carnaval, porque é que ninguém sabe explicar bem o perdão fiscal de 125 milhões à Brisa? Isso é que seria um baile carnavalesco...

 

Ninguém leva a mal que o presidente que vai a todas... Afinal... Só vai a quase todas... Existem algumas que foge como o diabo da cruz... Por falar em "diabo", foi preciso Passos Coelho abandonar a presidência do PSD para Marcelo elogiar a obra deste? Sempre é menos arriscado para a propaganda presidencial... Isto é para onde vão os ventos e sempre existe mais uma vitória no futebol para acalmar os ânimos e passar entre os pingos da chuva.

 

Ninguém leva a mal que seja Carnaval e este artigo só sirva para dizer mal... Mesmo que a falar verdade...

 

Bom Carnaval...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Marcelo e a Direcção dos Ventos...

por Robinson Kanes, em 04.12.17

 

marcelo_rebelo_de_sousa_foto_jose_coelho_lusa5073b

Fonte: http://rr.sapo.pt/noticia/79354/canonizacao_dos_pastorinhos_e_motivo_de_jubilo_para_portugal

 

No Portugal do século XXI os novos heróis não conquistam territórios, não criam empresas, e por arrasto, emprego... No Portugal do século XXI os novos heróis não demonstram trabalho e garra, no entanto, os novos heróis de Portugal dividem-se em duas categorias: aqueles que se movem no silêncio de alguns submundos e dos quais pouco ou nada se fala, importa recordar que, para alguns, a família Montalbano é uma família de heróis... Depois temos os outros, aqueles que se movem em círculos mais mediáticos mesmo que nada tenham feito pelo seu país. Aliás, se em alguns círculos fumar umas drogas ou mostrar comportamentos menos morais e legais é sinal de grande reconhecimento, noutros, naqueles onde se movimenta a maioria dos portugueses é um crime hediondo e um com direito ao selo da ostracização com consequente patrocínio do rendimento mínimo para que ninguém se revolte e procure empowerment.

 

Isto a própósito do facto de ter estado fora de Portugal, e para o bem ou para o mal, ter percebido que morreu um dos mais importante empresários da nossa história. Todavia, fiquei com a sensação de que entretanto também havia morrido algum Primeiro-Ministro ou uma outra qualquer figura que tenha tido um verdadeiro impacte na vida de todos nós... Mas afinal foi um guitarrista que por vontade de alguns também em breve se juntará aos jantares do Panteão.

 

Sempre igual a si próprio, aquele que se diz o presidente de todos os portugueses, com o apoio de toda a classe política, lá veio escolher e mostrar o seu “cata-ventismo”, tratando um guitarrista de uma banda nacional como se fosse um qualquer Vasco da Gama ou até um Pedro Álvares Cabral! Não sei qual era o a relação quando este ainda era vivo, mas são muitos os esquecidos que de repente ficam rodeados de amigos quando morrem... Sobretudo se aparecerem nos jornais.

 

Começamos a ver é que o Presidente de todos os portugueses é mais presidente de uns do que de outros e até se arroga no direito de exaltar indivíduos e organizações (agora lembrei-me da campanha que Marcelo fez a favor do Banco Alimentar – uma organização de cariz privado e que levanta muitas reticências inclusive na área social) com as quais a esmagadora maioria dos portugueses não se revê.

 

Marcelo descobriu que a fama e o “papagaismo” saloio podem ter uma grande arena nas tragédias. São as acções de solidariedade cronometradas com os jornalistas para que o presidente de todos os portugueses surja com uma caixa de laranjas na mão e são também as colagens à morte deste e daquele depois de bem estudada a lição e de se perceber que vai ter efeitos mediáticos. Honestamente, Marcelo é um narcisista carente de atenção e que não perde uma para se mostrar. Honestamente, prefiro também múmias que trabalhem (sem qualquer relação com outro presidente) a indivíduos que falem muito mas mostrem pouco.

 

E, se para o bem cá estamos a celebrar acontecimentos desportivos, desde que sejam do agrado dos portugueses, para o mal, nada como exaltar a morte daqueles que frequentam o seu círculo de amizades enriquecendo assim, o falatório e o show off bacocos enquanto os reais problemas continuam a existir. Enquanto o presidente que transforma a solidariedade numa forte arma para se promover continua, por exemplo, a alimentar os suspeitos do costume. Marcelo confunde solidariedade com dádiva, o que é estranho para quem diz ler muito... Marcelo só não alimenta uma causa que está relacionada com o caso Espírito Santo, sobretudo depois de ter amuado ao não ser convidado para a passagem de ano na ilha da família Espírito Santo em Angra dos Reis, Brasil. Desde então, o sliêncio é sepulcral...

 

"Kim Jong Marcelo", uma espécie de grande lider mas sem grande poder, é tão presidente de todos os portugueses que já escolhe quem são as referências da nação, as madrinhas, os padrinhos, os inspiradores rockeiros, mas não toca em temas sensíveis como a reforma da administração pública ou num dos maiores atentados à democracia que são os “jobs for the boys”. Enquanto prepara a consoada debaixo de câmeras de filmar em Pedrogão, estranho que o presidente de todos os portugueses ainda não tenha feito o devido seguimento ao “doa a quem doer” a propósito dos incêndios do passado Verão, dos crimes de corrupção nas forças armadas (das quais é Comandante Supremo, importa não esquecer), da corrupção na administração central e local e ainda relativamente a Tancos. Doa a quem doer, desde que não doa ao presidente de todos os portugueses, porque é preciso ganhar eleições e este, mesmo com um país a arder, não hesitou em colocar esse tema em cima da mesa... O mesmo que dizia que tudo o que podia estava a ser feito, mas quando o povo pediu responsabilidades voltou atrás e disparou na direcção do Governo... É também Marcelo que permanece calado quando se fala de corrupção em instituições como a Cáritas e outras tantas do sector social... Esse sector que Marcelo tanto apadrinha. O povo esquece-se rápido, mas ainda há quem vá tendo auxiliares de memória...

 

Espero que o povo não deixe Marcelo ser uma espécie de Fernão Lopes que nas suas crónicas criou alguns dos verdadeiros heróis de Portugal, mesmo que muitas das histórias tenham sido deturpadas. Esperemos que aquele que defendeu em tempos um ataque ao Irão com armas nucleares, não crie uma enorme cratera na História de Portugal.

 

Esperemos que aquele que defendeu que jovens mal preparados morressem em África numa violenta guerra, apelidando alguns de não amarem a pátria, mas que fugiu ao serviço militar quando a isso foi "chamado", não tape uma certa incompetência com o preenchimento massivo de capas de jornais...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Grande Inspirador de Marcelo!

por Robinson Kanes, em 21.11.17

naom_52f68835adf8f.jpg

605783.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Marcelo não fugiu à tradição e lá tratou de condecorar, mal chegou a Belém, os amigos e talvez aqueles que foram sustentando a sua presença por aí, uma espécie de pagamento por muitos almoços. Todavia, Marcelo Rebelo de Sousa esqueceu-se de condecorar o seu grande mentor e precursor na arte de aparecer a todo o custo em todo os lugares mesmo que seja para trazer uma mão cheia de nada: o emplastro! E convenhamos, até o emplastro é cata-vento, pois não aparece só nos jogos do Futebol Clube do Porto. Estranhamente, condecora futebolistas mas não condecora heróis que salvam um país das chamas, não condecora tantos outros anónimos quando se diz o Presidente de todos os portugueses, discurso esse que, mais recentemente, foi alterado para os portugueses (os que nele votam) e os distraidos (os que nele não votam) ...

 

Acredito, no entanto, que a "Ordem do Mérito" tem de ser atribuida ao "emplastro". E porquê? Sobretudo porque está a nascer mais uma profissão com grande futuro. Claramente não podemos apelidar a mesma de "emplastrista", como muitos já fizeram. Não é "fashion" e não gera "likes". Que tal "Show Off Segment Leader" ou "Selfie Key Account Manager"?

 

Esta actividade está tão desenvolvida que até já existem duas vertentes interessantes: o que vive de se mostrar ao lado dos outros e o que vive de aparecer ao lado dos outros, há diferenças. O primeiro é uma espécie de "Senior Show Off Leader" ou então "Head of Selfie Sticks" o outro é... Enfim, eu sei o nome que lhe posso chamar em inglês mas prefiro não o fazer.

 

O primeiro é aquele que, mesmo involuntariamente, é perseguido por tudo e por todos para tirar uma "selfie". Estamos perante uma espécie de pai natal dos centros comerciais em que as crianças fazem fila para aparecer e consequentemente serem fotografadas ao lado do mesmo. O objectivo das crianças? Uma foto com o pai natal! O objectivo dos adultos? Tirar uma fotografia junto àquele indivíduo e passar a mensagem de que "também" se é importante, mesmo que na verdade não se passe de um lambe-botas aproveitador que não mostra trabalho mas mostra um sorriso ao lado de alguém conhecido. Já estou a pensar em inventar para mim uma personagem - vou fingir-me de indivíduo que fez fortuna a vender espinhas de perca na Tanzânia e que tem agora um negócio de gindungo no Lesoto. Até aqui é simples, paga-se uma campanha, apareço nos locais certos, isto será o que me vai custar menos, depois basta aparecer e começar a cobrar por cada fotografia com a minha pessoa! É preciso financiar a actividade, ao contrário de muitos, o Robinson não é apologista de um "Estado Papá". Alpinistas não faltam. Ainda vou ter um "pivot", imparcial e de Telejornal de canal generalista, a apelar que votem um dia em mim para Presidente da República. Será isso ou uma pequena questão de tempo até alguém dizer que sou eu o padrinho dos portugueses. Não se admirem, existem jornalistas  que o fizeram, todavia, não será de admirar quando também fizeram, e fazem, a apologia de um indivíduo, já falecido, que enganou um sem número de pessoas com empresas fachada.

 

Não esqueçamos o segundo: este é o que aparece sempre junto aos outros, aquele que precisa de estar sempre rodeado de alguém. Existem indivíduos que passam os dias em conferências, seminários, encontros da terceira idade, matinés dançantes, torneios de xinquilho e jogos de futebol das distritais a tirar fotografias. De dois em dois minutos lá vem uma fotografia no palco das redes socias, fotografias tiradas nas piscinas municipais de Cabeceiras de Basto ou na mercearia "O Emigrante" em Virtudes. Convenhamos que isto tem de ser lucrativo, caso contrário estariam a desenvolver outra actividade ou a trabalhar. Estes são uma espécie de Chief Executive Officer (CEO) de uma indústria de papalvos que, ou aparece enquanto outros fazem aquilo que estes dizem fazer, ou vivem somente disso mesmo, de aparecer. E convenhamos, quando aparecemos muito, podemos dizer tudo e mais alguma coisa que somos sempre levados a sério, mesmo quando num dia dizemos uma coisa e no outro o seu contrário. Até no LinkedIn já existem especialistas em... LinkedIn. Estes debitam fotografias com este e com aquele e recomendam os outros a fazer o mesmo de modo a serem atractivos para o mercado... Reparem que não escrevi mercado de trabalho por achar que o conceito de "trabalho" não entra na equação.

 

Entretanto, Lili Caneças e Jô Caneças celebraram já um cessar-fogo temporário pois contam formar uma união para manifestarem o seu descontentamento por aquilo a que acusam de abuso do poder presidencial, posto que a Constituição não permite que o Presidente da República apareça em mais de 5 publicações semanais da chamada imprensa "cor-de-rosa" e em mais de 1500 fotografias ao lado de alguém. 

 

Convidámos tanta gente inútil para estar na "Web Summit" (felizmente por lá passaram também indivíduos de destaque) que nos esquecemos de convidar o "emplastro", pois é ele o grande guru de uma das profissões mais lucrativas em Portugal e bem mais rentável que o "robot Sophia". Aliás, seguidores do "aparecer" não faltaram também neste evento, onde muita gente saiu de lá com selfies mas poucos com ideias... E as boas ideias até andaram por lá...

 

 Fonte das Imagens:

Imagem 01: Semanário Sol

Imagem 02: https://static.noticiasaominuto.com/stockimages/1920/naom_52f68835adf8f.jpg 

Autoria e outros dados (tags, etc)

AR-309309987.jpg&updated=201709300118&MaxW=800&max

 Fonte da Imagem:http://www.dailyherald.com/storyimage/DA/20170930/news/309309987/AR/0/AR-309309987.jpg&updated=201709300118&MaxW=800&maxH=800&noborder

 

Se há país pelo qual nutro grande simpatia é Espanha, e a região da Catalunha tem, também para mim, um valor especial. Não irei falar do referendo nem de todas as peripécias acerca do mesmo, até porque já se falou tudo. Actualmente, é fundamental ter opinião sobre tudo mesmo que não se saiba nada... Muitos dos comentadores de bancada (incluam aqui a minha pessoa) e não só, olham para a Catalunha como Barcelona, esquecem-se é da dimensão da região e da importância de outras cidades. É o que dá passar uns dias em Barcelona, ou fazer um excursão até Montserrat e achar que se conhece uma região inteira.

 

Mas o referendo da Catalunha teve em Portugal fervorosos adeptos e já nem vou falar numa certa extrema esquerda que adora o caos para se instalar nele e trocar de nome com os porcos, numa alusão à "A Quinta dos Animais" de Orwell. Como é estranho ver que os portugueses estão (ou alguns que querem que os portugueses estejam) tão interessados no referendo em Espanha e pouco interessados com o que se passa em Portugal. De facto, é uma forma de ocultar uma mentalidade provinciana fornecendo-lhe uma capa de cosmopolitismo: eu português, cidadão do mundo mas tacanho como aquando de 1143. E porque digo isto? Porque enquanto andamos (até a imprensa) interessados em fazer campanha pela independência da Catalunha esquecemos que:

 

- Para as eleições autárquicas o número de violações à lei foi elevado e a Comissão Nacional de Eleições não tem mãos a medir, punições?

 

-Ainda nas eleições autárquicas temas o protagonismo de candidatos que têm/tiveram problemas com a lei e chegaram inclusive a prejudicar-nos a todos. Votamos nesses que nos defraudaram em milhões, mas defendemos a prisão e queremos distância daquele que roubou uma peça de fruta de um hipermercado. O concelho mais desenvolvido do país, ou pelo menos um deles, mostrou que a corrupção e as máfias são uma coisa boa. Dá que pensar o conceito de desenvolvimento em Portugal...

 

-Tivemos um Presidente da República (eu sei que não ganho pontos com isto, sobretudo nesta plataforma, talvez tenha de começar a fazer elogios ao mesmo) que esta semana dividiu os portugueses em dois: os distraidos e os que gostam dele. Fica sempre bem ao Presidente que se diz de todos os portugueses. Esse mesmo presidente que, mais uma vez, fez chantagem com o povo e dividiu os portugueses nos que votam e nos que não votam. Parece-me que um especialista da área e o defensor máximo da Constituição tem de fazer reciclagem nesta matéria. Marcelo por vezes parece deslizar ao seu passado anterior a 1974...

 

-Tivemos um Primeiro-Ministro criminoso (e não estou a falar de José Sócrates) que, e com a conivência da lei, travou um caso judicial, o célebre caso das escutas que, segundo o Ministério Público, se revestia de crimes de extrema gravidade para o país e para o Estado Democráctico. Também pactuou com o crime quando "ignorou" um parecer da Procuradoria Geral da República que dizia, mais ou menos desta forma, que esta legislação permitia que alguns interesses instalados se perpetuassem mesmo lesando ao mais alto nível o Estado Democrático. Se isto não é ser criminoso, o que será? Pouco falado foi também este caso...

 

- A investigação à Caixa Geral de Depósitos, prometida pelo Primeiro-Ministro, continua por fazer. Dos incêndios e da prevenção, pouco ou nada se sabe (o povo merece ser informado), dos donativos, todos "sacudiram água do capote", como se  ninguém soubesse o cancro são muitas instituições sociais, associações e ONG em Portugal. Talvez no Natal se volte a falar dos incêndios quando o folclore já prometido pelo nosso Presidente da República tiver lugar.

 

- Por acaso alguém sabe do Partido Comunista e do Bloco de Esquerda? Não os tenho visto... E no fundo, ondem andam também os outros? Um deles anda mais preocupado com a Catalunha, para ocultar desaires nas eleições - afinal as licenciaturas em teatro têm aplicação prática na política.

 

Mas o mais importante é o referendo na Catalunha, isso sim, deve tirar o sono aos portugueses. Não é por querer mostrar que estou muito interessado num referendo inconstitucional na Catalunha que varro para debaixo do tapete o meu provincianismo. Até ficamos espantados e veiculamos notícias de cargas policiais que, supostamente, chocaram o Mundo. Não chocaram nada! Violou-se claramente a lei e foi preciso restablecer a mesma! Atacar violentamente uma autoridade no cumprimento do dever não é um crime, mas proteger a lei já é? Em muitas situações estivemos perante um bando de arruaceiros a desafiar a autoridade policial e um outro sem número de cidadãos a tentar evitar que os muitos agitadores o fizessem... Mas, mais uma vez, a comunicação social foca-se apenas num dos lados e num pseudo-poder (ou retiro o "pseudo") que é um clube de futebol a tomar partido por uma independência e a ter um destaque como se de um grande movimento revolucionário se tratasse. O futebol, esse símbolo de boas práticas...

 

Finalmente: e se a Madeira, os Açores ou até o Algarve decidirem ser independentes? Também vamos ser assim tão defensores dessas causas? E por acaso, não estarão os portugueses esquecidos de Olivença? Tanto folclore em torno da independência da Catalunha, mas a questão de Olivença continua sem ser resolvida desde o Congresso de Viena em 1815 onde a própria Espanha reconheceu a soberania portuguesa sobre aquela área. Sugiro sim um referendo a Olivença e aí talvez tenhamos a surpresa ao perceber que quem lá habita não quer fazer parte de Portugal. 

 

Falar e querer ver o caos nos outros é fácil, desde que não nos toquem nas feridas e assim possamos ir alimentando a decadência disfarçada de prosperidade... Pelo menos para alguns... 

 

Finalmente, fazer o que nos apetece sem ter consequências dos actos não é Democracia... Tem outro nome e não é Democracia, mas é melhor não o dizer, sob pena de ferir susceptibilidades e despertar paradoxos de pensamento.

 

Boa semana...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sr. Presidente, Não Somos Nada Bons!

por Robinson Kanes, em 18.07.17

598837.jpeg

Fonte da Imagem: https://imagens.publicocdn.com/imagens.aspx/598837?tp=KM&db=IMAGENS&w=823

 

É fácil a voz da grandeza, quando a pequenez está calada.

Vergílio Ferreira, in "Rápida a Sombra"

 

 

Por estes dias o Sr. Presidente da República anunciou ao mundo que nós, portugueses, somos mesmo muito bons!

 

Proferir estas palavras com meio país a arder é sem dúvida um momento ideal para reforçar a alma lusitana que se encontra a banhos e pouco interessada com o que se passa no resto do país. A grande "vantagem" de Alijó e Almeida é que não existiram mortos e como não existiram mortos não há problema! Em Portugal, para se "abrir os olhos", é sempre necessário para cima de 50 mortos, no mínimo.  

 

Talvez enquanto estivesse no México, o Sr. Presidente não estivesse em Alijó intoxicado pelo fumo como eu estive ou não tivesse sentido a nuvem de fumo que já se sentia quando se entrava em Espanha por Calvos! Calvos, Sr. Presidente, são 176km! Talvez enquanto estivesse no México a falar de alegrias não se deparasse com o desespero, mais uma vez, das populações. De facto, Portugal é um país de gente maravilhosa mas que continua a não compreeender, por exemplo, como é que somos o único país do sul da Europa que não tem meios-aéreos de combate a incêncios afectos à Força Aérea! Interessante... Pois somos também aquele que tem maior número de área queimada. Também ninguém consegue perceber porque é que tarda a decidir-se acerca da responsabilidade na gestão dos donativos no incêndio de Pedrogão... Há muitos abutres da "solidariedade" interessados em gerir este bolo riquíssimo, afinal são 13 milhões e sempre estas reuniões devem ser mais concorridas do que as pequenas reuniões municipais e nacionais do "choradinho" de fundos para os pobres com a malta do "social"! E denotem... Não sou eu que lhes atribuo este estatuto, são os próprios que gostam de dizer que são do... Social!

 

Interessante é também o discurso dos mais velhos, e aqui perdoem-me os politicamente correctos, que dizem que no "tempo do Salazar e do padrinho do actual Presidente da República não se viam tantos incêndios, mas depois do Verão Quente de 1975 nunca mais pararam"!. Não me venham dizer que são só as alterações climáticas! Eu nem vivi esses tempos...

 

Somos realmente muito bons, só ainda não descobrimos como é que podemos sobreviver sem andar sempre a reboque da máquina do Estado e de como responsabilizar o Estado por falhar nos seus deveres primordiais para com todos nós. Ou talvez perceba, porque a única coisa que faz com que os estudantes (o futuro do país) se revoltem nas Universidades é um aumento de 10 euros nas propinas e que pode significar menos uma noite de cervejas à conta do erário público. E nunca é de bom tom não ter acesso a uma bolsa quando se quer ir de carro novo para a Universidade.

 

Por enquanto o país vai ardendo, mas não se salvam pessoas, animais, árvores, infraestruturas e todo um país com minutos de silêncio, discursos, comentários e homenagens protocolares! O país também não se salva com a hipocrisia partidária que hoje defende uma coisa, amanhã já defende outra porque afinal... Afinal, por muito que nos doa, é a ânsia de poder que domina o actual sistema partidário e os portugueses são somente marionetas que sustentam esse sistema mas pouco obtêm dele. Talvez por isso, quando alguém mete o dedo na ferida e denuncia as tranches de dinheiro que continuam a ser enviadas para muitos indivíduos que poderiam trabalhar e obedecer à lei, mas não o fazem, sejam imediatamente criticadas... Afinal, enquanto o dinheiro chegar também não se revoltarão... Nisto também somos muito bons, Sr. Presidente.

 

Pessoas, animais, árvores, infraestruturas e todo um país, salvam-se sim com acções no terreno, sobretudo preventivas. Pois somos muito bons efectivamente, mas todos temos os nossos limites de paciência! Até porque o fogo não abranda com um beijinho nem com um afecto e muito menos com propaganda a fazer lembrar tempos idos...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dijsselbloem ou Dissaborem?

por Robinson Kanes, em 23.03.17

Untitled.png

Gerrit van Honthorst, O Violinista Alegre (Museu Thyssen-Bornemisza)
Fonte da Imagem: Própria

 

Racismo: teoria sem quaisquer fundamentos científicos que defende a existência de uma hierarquia entre grupos humanos, definidos segundo carateres físicos e hereditários como a cor da pele, atribuindo aos grupos considerados superiores o direito de dominar ou mesmo suprimir outros considerados inferiores,

racismo in Dicionário infopédia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-03-22 16:15:58]. Disponível na Internet: https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/racismo

Xenofobia: antipatia ou aversão pelas pessoas ou coisas estrangeiras; preconceito ou atitude hostil contra o que é de outro país

xenofobia in Dicionário infopédia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-03-22 16:16:47]. Disponível na Internet: https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/xenofobia

Sexismo: discriminação de pessoas ou de grupos de pessoas de determinado sexo, feita com base em noções de superioridade de um sexo sobre o outro (geralmente do masculino sobre o feminino)

sexismo in Dicionário infopédia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-03-22 20:28:56]. Disponível na Internet: https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/sexismo

 

E o senhor Dijsselbloem, “dijsse” aquilo que ninguém queria ouvir...

 

Não é em Amesterdão que as prostitutas são colocadas em montras como carne no talho? Já estive no Red Light District e foi o que vi. Também estranho é o coro daqueles que achavam ser muito para a frente essa forma de actuação agora criticarem a mesma. Também não é na Holanda que se assistem a autênticas pielas que chegam a acabar com corpos a boiar no rio ou no mar? Isto para dizer que alguém tem de olhar para dentro de casa antes de atirar uma pedra à janela do vizinho... mas o vizinho também...

 

Nem vou para Espanha, nem para Itália (que na defesa dos países do sul nem mencionou Portugal), França (sim, também é um país do sul), Grécia, Malta ou Chipre. Vou ficar pelo nosso país.

 

Reparo que Primeiro-Ministro, Governo, Presidente da República, deputados e outros ficaram bastante ofendidos com as palavras do "Sr. Dissaborem". O "Dissaborem" só teria feito sentido se alguém dissesse que os portugueses são um povo que gosta de brinquedos caros (citando um antigo embaixador Americano em Lisboa) e de luvas.

 

Censuro a atitude, mas acusar ao mais alto nível diplomático uma opinião vulgar (infeliz ou não) e catalogar a mesma com conceitos de racismo, xenofobia e sexismo não é ir longe demais?

 

Hoje em dia não posso dizer que gosto mais de "Paella" do que de "Cozido à Portuguesa" que já estou a ser xenófobo! Também não posso dizer que não gosto de porco preto porque estou a ser racista! Não posso chamar preguiçoso a um nórdico, porque este vai partir do principio que estou a dizer que o mesmo é magrebino. E em Portugal? Não existem prostitutas? Mas onde é que está uma ofensa às mulheres? Quando muito é aos homens!

 

O circo, contudo, permite a alguns países desviarem as atenções de temas, esses sim que mereceriam uma palavra, pelo que… pergunto?

 

Que nome se dá a um indivíduo que diz que o um país tem milhares e milhares de casos de crime de colarinho branco provados e só umas poucas dúzias de penas aplicadas?

Que nome se dá a um Governo que sustenta Secretários de Estado que se deixaram comprar a troco de bilhetes de futebol e continuam no Governo em processo sensíveis com as mesmas organizações que pagaram os bilhetes e as viagens?

Que nome se dá a uma política totalmente corrompida e ao serviço de aparelhos partidários ao invés dos interesses da res publica?

Que nome se dá a um Primeiro-Ministro que acusa um Ministro das Finanças de Racismo e Xenofobia, mas é oriundo de um país (à época sob governação portuguesa) onde o sistema de castas vigora? Aliás, o mesmo esteve lá recentemente e não o vi chocado.

Que nome se dá a um Presidente da República que dá um puxão de orelhas a um ministro porque este não deu o dinheiro dos contribuintes para que os amigos continuassem a ter um teatro que não era rentável?

Que nome se dá a um país que, ao invés de limpar a casa dentro de portas, insiste em mostrar-se lá fora com uma propaganda que desaponta muitos empresários estrangeiros quando estes se debatem com a realidade intra-muros?

Que nome se dá a comissões de inquérito a bancos e off-shores que não trazem resultados e perpetuam a impunidade?

Que nome se dá a um Primeiro Ministro que alegadamente tentou obstruir a justiça num caso de pedofilia?

 

Pedofilia: atração sexual patológica de um adulto por crianças

pedofilia in Dicionário infopédia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-03-22 16:37:48]. Disponível na Internet: https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/pedofilia

 

Foram comentários infelizes, mas não temos moral para punir alguém que deu um soco em outrem, com um pelotão de fuzilamento e… sobretudo, quando os vidros do nosso telhado estão a estalar. Os comentários a que tenho assistido mostram uma resposta de metralhadora a alguém que nos arremessa pedras. Quem são os piores?

 

E porque não pensar que, tendo em conta o meio onde o Sr. Dijsselbloem se move, que é a política, não é também daí que encontra uma base para os comentários?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cristiano-Ronaldo-Airport-main.jpg

Fonte da Imagem:https://www.newsbreak.ng/wp-content/uploads/2016/07/Cristiano-Ronaldo-Airport-main.jpg

 

Hoje era dia de escrever sobre o fim de semana. Contudo, não posso deixar passar em claro, até porque temo ser detido caso não aborde o tema, a questão que mais preocupa os portugueses e que é:

 

Os offshores?

Os casos de corrupção em vários sectores da sociedade, inclusive até naqueles que andam sempre a mendigar apoios?

O Montepio ou a Caixa Geral de Depósitos com certeza?

A dívida pública que teima em não parar de aumentar?

A manipulação da sociedade portuguesa pelos media?

 

Não! O nome do Aeroporto da Madeira. O Aeroporto da Madeira tem gerado um buzz (excelente palavra) na medida em que se vai tornar mais... fashion (outra excelente palavra). O “novo” aeroporto vai ser “adquirido” pela CR7, o primeiro aeroporto público, embora concessionado, a ter um nome de uma marca associada a “luxo”. Ainda vou ver a Gucci, a Hugo Boss, ou até a C&A e porque não a Primark a terem o seu próprio aeroporto. Porque não? Aeroporto Primark só para Low Cost! CR7 é uma marca comercial, parece que nos esquecemos disso... os do costume também vão boicotar a promiscuídade com o poder político?

 

Ao que sei, até o Presidente da República vai inaugurar o espaço, mas... o Aeroporto da Madeira não existe há anos? Porque é que vamos gastar mais uns milhares de euros de fundos públicos para inaugurar um aeroporto que já funciona há mais de 60 anos? Perdoem a crítica ao Pop President mas ainda guardo rancor por não me pagarem, como outros fizeram, para dizer bem de políticos num blog. Ainda vou ver a marca MRS4 a ser vendida em lojas portuguesas de recordações turísticas, pelo menos marketing não lhe irá faltar. Por vezes tenho a sensação de que vivo num país como os que são satirizados em filmes de autor de leste...

 

Mas eu até concordo, afinal chamar João Gonçalves Zarco a um aeroporto de uma ilha descoberta pelo próprio é no mínimo... descontextualizado, ninguém sabe quem era este senhor. Ninguém sabe quem era este senhor e ninguém sabe quem foi Gago Coutinho ou até Sacadura Cabral... eu digo-vos, foram jogadores de futebol do União da Madeira. Mas... a Madeira é Cristiano Ronaldo, Portugal é Cristiano Ronaldo, por isso... nada como homenagear em vida alguém que é admirado, não pelo futebol que pratica, mas pela riqueza que acumulou em tão pouco tempo e somente a jogar futebol. Ganhasse Cristiano Ronaldo mil euros por mês e gostaria de ver se era admirado... mesmo a praticar um bom futebol.

 

Mas de facto, concordo com o nome e com a chancela de MRS4 para esta nova denominação, afinal Munique tem o aeroporto Franz Joseff Strauss, Veneza o Marco Polo, Lyon o Saint-Exupéry, Madrid o Adolfo Suárez, Granada o Garcia Lorca, Nova Iorque o JFK e até Budapeste tem o Ferenc Lizt (Franz Liszt).

 

Também concordo que o conhecimento histórico dos portugueses ou é fraco ou então reconhecer aqueles que fizeram alguma coisa pelo país é algo que não é muito comum... sabem que o Aeroporto até tem nome? Chama-se Santa Catarina.

 

Permitam-me que deixe uma sugestão: eu acredito piamente que o Aeroporto de Porto Santo deveria ser chamado de Aeroporto Internacional Santa Dolores.

 

Finalmente, também acredito que alguns dirão: “mas o nome de Ronaldo está em todo o lado e quando se fala de Portugal é o Ronaldo que vem à tona”... pois vem, e é isso mesmo que me deixa infeliz. Porque quando se fala de Espanha, é todo um povo que é recordado, quando se fala da Alemanha, são séculos de história e toda uma indústria que é recordada, quando se fala em França são todas as políticas e inovações sociais que são recordadas, quando se fala na Irlanda (um país no mesmo patamar de Portugal) é a inovação e crescimento que saltam à vista e até... quando se fala na Grécia, é todo um passado glorioso que vem à nossa memória.

 

Bom fim de semana... 

 

P.S: E se querem engalanar o Aeroporto da Madeira, tratem de homenagear aqueles 131 indivíduos que perderam a vida em 1977 no voo TP425.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Marcelonite Aguda!

por Robinson Kanes, em 28.12.16

Untitled.png

 El Greco, A Cura do Homem Cego (Gemäldegalerie Alte Meister)

 

Esta época de Natal fez-me passar mais tempo em casa de familiares e, como tal, o acesso à informação televisiva foi maior (infelizmente).

 

Na verdade, e não querendo focar-me na questão política, não é isso que venho aqui abordar, sou só eu que sinto que existe uma “Marcelomania” nos media nacionais?

 

Confesso que não quis chegar aqui e debitar matéria ao acaso, pelo que aproveitei a disposição e parti em busca de matéria por outros meios de comunicação para além da televisão.

 

De facto, pessoas como as Kardashians encontraram um rival à altura: o nosso Presidente da República. Deduzo que o tempo de antena de Marcelo é superior ao destas e... reparem que os Estados Unidos são um país bem maior.

 

Tive oportunidade de reparar que o senhor comenta tudo, desde as fotografias do ano em semanários, aparece na capa da “Caras” – grande órgão de informação – comenta a morte do gato da D. Matilde que vive no Samouco, comenta uma rixa popular em Sendim, sem esquecer de sugerir a ceia de Natal e a bucha ideal para qualquer montador de andaimes. Denoto que comenta também o facto de existir muita gente que coloca xarope nas panquecas ao invés de doce ou mel.

 

Também reparei, juntando toda a matéria recolhida, que existe uma máquina poderosa de comunicação, paga pelos contribuintes, a dar azo a toda esta patologia... pois, até a mais “inocente” visita a um hospital à meia-noite foi seguida por um batalhão de jornalistas... e não é que cerca da meia-noite, no dia de consoada, nessa mesma visita "informal" a um hospital central, ainda por lá estava o Director Geral de Saúde... contudo, para mim, o melhor ficou guardado para o fim, com aquele beijo a uma agente da PSP.

 

Falamos de Trump, mas fomos nós os primeiros a ter um Presidente Pop (como já li ser apelidado) que utilizou os media (ou foi utilizado) como ninguém para atingir um objectivo... apesar de tudo, mal ou bem, Trump ainda deu ideias.

 

Ao pensar neste estado de coisas, só me consigo recordar de um dos pensamentos de Vergílio Ferreira... na obra Pensar e que dizia o seguinte:

 

Fala baixo, não te estafes a falar alto, deixa que os outros se esfalfem até ficarem calados. Falar alto é compensar o que em ideias é baixo. E essa é a compreensão dos que escutam. Não te esforces a falar alto. Serás ouvido quando os outros se esfalfarem e já não tiverem voz. Como o que se ouve num recinto depois que o comício acabou.

 

Temo que o nosso Presidente da República esteja a esquecer o essencial e a acompanhar uma tendência com repercussões nefastas a longo prazo.  Estamos perante o “não importa o que faço, o que importa é aparecer”. Para um povo descuidado de cidadania, a estratégia é brilhante... mas para o país... aguardemos para ver se não estaremos perante mais um mau exemplo de Liderança camuflado por uma cegueira colectiva.

 

Fonte da Imagem: Própria

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog





Mensagens

Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB