Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Playlist para um gin junto ao Tejo!

por Robinson Kanes, em 28.08.19

tejo_.jpg

Imagem: Robinson Kanes

 

Um destes dias fui "convidado" para um gin, foi o Filipe da Caneca. Não o provaria mas alguém estaria por certo habilitado a consumi-lo por mim, e acredito, que com muito vontade. Dei comigo a pensar um destes dias, com o Tejo mesmo ali à frente e os phones nos ouvidos. Era uma zona do Tejo, sem turistas, apenas com os locais nas suas vidas deambulando entre aquela esplanada e os passeios.

Hoje, e como vem sendo habitual, partilho a playlist desse momento. Foram mais que dez músicas, mas penso ser capaz de rapidamente escolher as 10 que poderiam acompanhar um gin com vista para o Tejo... Um "Real Gin", assim era apelidado pelo barman responsável pela carta.

Começo talvez pela música que ainda vinha no carro, até porque as demais pouco terão a ver. É uma das malhas preferidas para a condução, embora não tenha tiques de Rainho. Os Kasabian e a sua "Club Foot" são daquelas que transformam o mais tranquilo festivaleiro num verdadeiro maluco da poeira ou da lama. Para rolar no alcatrão ou encher as cavas das rodas com terra, "Club Foot"!

Mas um gin com vista rio quer-se mais calmo, sobretudo enquanto se espera e se vai tentando perceber o que aí virá. Faz sol... Faz sol, o tempo convida e volto-me para outros ritmos, não consigo deixar Itália... Aquele momento, não sei porque motivo, lembrou-me Como, a cidade, a porta do Lago e a Georgia (aqui em dueto com Eros Ramazzotti). Pouco tem a ver, mas talvez a companhia, talvez as curvas e todo aquele lago até lá chegar, no fundo, "Inevitabile".

É notória a calma e o percurso da força da música para algo mais leve. Chego a Lorenzo Jovanotti, em Portugal, ficou em tempos conhecido pelo "apelido" mas depois desapareceu... Como tantos outros. Em Itália vai tendo o sucesso habitual. Fica "Chiaro Di Luna", uma música que me tem acompanhado desde o final do ano passado!

E enquanto os meus olhos navegam pelo Tejo e pela senhora que é arrastada por um Labrador... Pelo cavalheiro que, ao meu lado, troca a música por um cigarro, continuo por Itália e não mudo de pasta. Quererá isto dizer alguma coisa? Por norma sucede mais com Espanha. Quem não gostar pode já deixar este espaço. Estou em querer que vamos andar por aqui, e agora com Ermal Meta com "A Parte Te".

Temos dias assim, o copo ainda nem vai a meio. Vou abandonar os italianos, prometo... Mas avanço e tenho de acabar com duas das melhores vozes de Itália. Duas cantoras singulares e com timbres tão diferentes - o resultado não poderia ter sido melhor, novamente Giorgia, mas agora Gianna Nannini (e como eu adoro ambas). Salvami... De quê, não sei...

Os ouvidos voam agora para os Estados Unidos, para o CD Metropolis, o quarto de Peter Cincotti e que alguém há "muito" tempo meu deu a conhecer e desde então, a cada lançamento, o Robinson corre para o comprar! Peter Cincotti é um indivíduo bem disposto, lutador e que se deu bem mas não perde o seu lado sofredor! Gosto disso e com este gin, com este sol, só me poderia recordar de "Madeline"... "Oh Madeline... Always in the back on my mind".

Uma coisa leva à outra e agora é mesmo preciso tragar o gin, calmamente... Lembro-me de uma história que acabava com um "glass of wine" mas não a vou contar aqui, até porque pouco tem a ver com o estado de espírito do momento.  Por falar em momento, talvez uma das melhores vozes internacionais da actualidade, Jacob Banks! Uma espécie de Seal mas que se arrisca a ser ainda mais intenso na sua música, na sua voz. "Unknown (to you)" é um hino ao amor, à música... A tantas e tantas outras coisas. Esta tarde tinha de estar ao meu lado. Wow...

Wow... Por isso me repito e volto à carga com Jacob Banks. Abano a cabeça, o indivíduo do cigarro olha para mim. É ele que tem a nicotina na mão mas sou eu que percorro o alcatrão dos pensamentos que uma tarde soalheira junto ao Tejo traz. "Chainsmoking" é o tema escolhido, não pode ser outro, agora não.

O tempo está-se a esgotar, vão chegando mais pessoas... Gosto do movimento humano, sobretudo quando respeita os demais humanos. Mas admito, estou na minha bolha e quero sossego, vou aproveitando o que sobra do gin e entra Lloyd Cole com "Like a Broken Record". Música à Lloyd Cole e que contagiou a plateia em tempos quando apresentou o albúm por estas terras. Com esta música acabo por "entrar" num dos barcos ancorados e olhar a terra desde o rio. É interessante, sentimo-nos protegidos. Os verdadeiros homens do mar chegam a ter medo da terra...

Acaba a bebida, obrigações cumpridas e pagamento saldado. Escolho uma música para me acompanhar nos últimos minutos deste momento. Procuro... Tem de estar por lá. Surge Nick Cave (com os The Bad Seeds, claro) com a sua voz poderosa! "Into my Arms" é uma música forte, não deveria concluir este pedaço da tarde desta forma, mas Nick Cave não é homem para nos deixar indiferentes. É hora de sair com as ideias baralhadas, o que, pontualmente, também nos ajuda a organizar o nosso mundo... Nosso mundo? Nah...

E  no final, é interessante perceber como tudo começou e como tudo acabou. O copo vazio, a tarde a perder o seu sol mas a minha cabeça bem cheia...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Playlist" para uma Madrugada...

por Robinson Kanes, em 05.06.18

IMG_2965.JPG

Fonte Imagem: GC 

 

 

Ultimamente a condução noctura e madrugadora tem feito parte da minha vida... As saídas tardias atiram-me para uma necessidade de escape mesmo que entre o asfalto e o conforto dos estofos. Tenho aproveitado, sobretudo, para ouvir algumas músicas que vão compondo a minha playlist ao longo dos anos e assim podendo também partilhar um pouco do que vou sendo por aqui, posto que não é propriamente a minha imagem de marca... 

 

Este Sábado, e já passava das três da manhã, uma marginal junto ao mar e a Lisa Ekdahl a adivinhar o início de um novo dia com o seu "Daybreak". É uma música de amor, mas tem o seu quê de boa disposição, que nos faz mexer no banco do carro, na cadeira ou até de pé no escritório ou seja lá onde for, além disso... Música simples, mas apaixonante e que nos carrega baterias na madrugada rumo a um novo dia ou a um novo beijo ou abraço.

E como estamos numa onda de vozes femininas que podem preencher os bons momentos de uma madrugada não poderia deixar uma descoberta já com o seu tempo... Falo de Sophie Milman e "Something in the Air Between Us". É impossível resistir ao amor e ao romance, mas afinal, é isso que nos pode esperar quando a cacimba nos afronta o vidro do carro e nos obriga a um esforço extra de condução até um destino em que o ar está recheado de sentimentos de paixão.

Uma das minhas músicas de eleição dentro do registo "Oceano Pacífico" teria de ter destaque numa madrugada ao volante: Cutting Crew e "I've Been in Love Before". Não vivi propriamente os anos 80 como o viveram muitos, até porque nasci em meados dessa década, no entanto, tenho de reconhecer que acabaram por fazer parte da minha vida. Foi uma espécie de últimos anos de boa música - a prova disso é o impacte que ainda hoje têm face a "êxitos" actuais que são facilmente esquecidos. No entanto, quando temos irmãs que têm idade para serem nossas mães, acontece que possamos ser muito influenciados pelos gostos das mesmas. Não conheci esta música nos anos 80 e muito menos nos anos 90, no entanto é uma daquelas que nos faz dançar na sala, entre um Rosso e um Bianco ou então enquanto preparamos o jantar com quem gostamos. Presença obrigatória cá por casa.

Outra das músicas que obrigatoriamente devem preencher uma madrugada é "My Valentine" de Paul McCartney. Ouvi esta música pela primeira vez ainda não tinha saído, ouvi-a por acaso perto de Bath e nunca mais me largou e obrigou à compra de um brilhante disco de McCartney, "Kisses on the Bottom". Quando pensamos que este senhor já não nos pode surpreender aí está mais uma grande música! Tenho uma tendência para descobrir sempre os novos lançamentos de McCartney fora do país, um dos últimos foi em Berlim. Mais uma que não deixa de tocar por estas bandas... Influências do amor, quiçá...

Uma madrugada ou até uma noite tranquila, ou onde os pensamentos dominam o nosso espírito, ou onde até um bom momento com quem amamos tem lugar não pode ficar completa sem "Hold On My Heart" dos Genesis! Do albúm "We Can't Dance" é sem dúvida um dos hinos à música! É a sonoridade ideal para acompanhar a luz dos faróis entre curvas e rectas até ao destino que nos acolhe. De deitar na cama ou até de sentar no sofá após o regresso e permitir, ainda com a melodia nos ouvidos, que possamos deixar que a nossa mente ande por aí a vaguear num turbilhão de emoções e pensamentos enquanto o corpo relaxa.

Diana Krall e "The Look of Love", mais um albúm que habita cá em casa. A música, a voz de Diana Krall e tudo o resto dispensam palavras... Desde sempre uma presença obrigatória no carro, em casa e onde quer que esteja! Palavras para quê, simplesmente brilhante.

Regresso aos anos 80 para mais um albúm que tem presença cá em casa, sobretudo com a música "Everybody Wants to Rule The World". Conhecida sobretudo pelo seu ritmo e sonoridade, a letra desta música dos Tears For Fears permite-nos retirar um pouco mais de sumo daquilo que nos é apresentado.

It's my own desire
It's my own remorse
Help me to decide
Help me make the most Of freedom and of pleasure
Nothing ever lasts forever
Everybody wants to rule the world

É uma daquelas músicas que nos atira para a frente, que nos fazer erguer a cabeça e nos acompanha em qualquer viagem... Seja nesta madrugada ao volante ou então nessa viagem bem mais curta... Sim, bem mais curta que é a vida.

Outro dos meus cantores e músicos preferidos, aliás, com todos os albúns presentes na sala, é Peter Cincotti. Devo esta descoberta à "alemã" que trouxe até mim este senhor. Foi sem dúvida uma das melhores descobertas no mundo da música, pelo menos para mim. Optei por escolher uma que também me acompanhou esta madrugada, embora possa enumerar um sem número de músicas que me apaixonam - "Madeline" do albúm "Metropolis". Poucos hoje em dia conseguem conjugar a autoria, composição, interpretação instrumental e vocal como Cincotti. Sem dúvida um músico a acompanhar.

Não sou propriamente o maior simpatizante dos The Cult, mas não me é permitido não gostar de "Painted On My Heart". Foi banda sonora do filme "Gone in 60 Seconds" e embora o filme não seja propriamente brilhante, a música é qualquer coisa. Mais uma daquelas que se gosta e, talvez nesta madrugada, apesar da cacimba, convidasse a apertar um pouco mais o acelerador. Eu sei que não é o melhor conselho, mas quem nunca prevaricou que atire a primeira pedra...

Finalmente, e já com o lar bem perto, seleccionei Dave Matthews Band. É talvez daquelas bandas que é giro gostar-se, no entanto existem aqueles que, como eu, e perdoem-me a sobranceria, gostam, apaixonam-se e não mais conseguem largar este contágio. Conheci a banda com a música que apresento aqui: "The Space Between". Dave Matthews Band surgiu numa fase algo estranha da minha vida - não posso dizer que foi boa ou má, foi estranha e não terá sido no mau sentido, deduzo... São épocas em que conhecemos tantas pessoas, sobretudo mais velhas que nós, e que aprendemos tanto que chega a ser complexo fazer uma gestão de toda essa carga de vida que existe à nossa volta... Uma espécie de retalhos de diferentes vidas que observamos - quando ainda nós não temos a nossa vida propriamente definida, se é que algum dia a temos. Chamem-lhe maturidade, vivência, experiência ou simplesmente palermice... Mas é assim...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_20170630_092216.jpg

Fonte da Imagem: Própria 

 

É sexta-feira e lá vou ter de regressar ao ferro. Levantar pesos e ser o rei do ginásio? Não! Ser mesmo o rei do ferro de engomar! Três calças, umas 6 camisas, duas t-shirts, duas toalhas de mesa, guardanapos e mais umas coisas. Lamento... Não passo roupa interior e por vezes nem lençóis! Há vida para além do ferro...

 

E, como sempre que passo a ferro, surgem-me sempre algumas ideias. Por exemplo, e sabendo vós que me considero mediterrânico por excelência (excepto no trabalho), vou ter a companhia de um dos meus guilty pleasures, nomeadamente música italiana (eu sei, não se pode ser perfeito)! Tenho um gosto especial por música italiana e espanhola... Decidi assim que, quem me vai acompanhar vai ser a napolitana e giríssima Simona Molinari! Destaco duas músicas, até porque uma delas tem outro dos meus artistas de eleição, o norte-americano Peter Cincotti. A primeira, "Dr Jekyll Mr Hyde" (2013), um dueto super animado e que convida à dança e a muitos sorrisos! A outra, "Egocentrica" (2019), vincadamente actual e com a voz de Molinari  em todo o seu esplendor. Esta senhora é um espanto!

 

Como vem aí o fim de semana, e como o Verão não é só praia, porque não uma leitura? Actualmente encontro-me a ler "Uma Fenda na Muralha" de Alves Redol. Ao fim de 179 páginas, posso dizer que me fez reencontrar o espírito da Nazaré e voltar a sentir uma paixão especial por aquele lugar! A Nazaré, do ponto de vista etnológico teve um grande significado para mim, sobretudo por influência do grande Professor Trindade e da forma espectacular (ou este não fosse nazareno) com que falava daquela sociedade matriarcal! Lançou, aliás, um livro “A Nazaré dos Pescadores – Identidade e Transformação de uma Comunidade Marítima”. Foi o Professor Trindade que me apresentou a obra de Jan Brogger, "Pescadores e pés-calçados", uma viagem a mundo real e duro daquela comunidade! Mas voltemos a Alves Redol que, nesta obra, nos transporta para a luta e vida dos "embarcadiços", do medo, do pânico e dos desafios em terra... O neo-realismo português no seu expoente máximo e de uma intensidade apaixonante, ou não fosse um filho de Vila Franca de Xira! A ler, sem dúvida... Até nos dá lições de liderança, que tanto se fala, mas tanto escasseia:

 

Mais do que os outros, menos no medo para fora, porque para dentro todos os homens são iguais. Quando digo «vamos à vante!» apetece-me dizer «vamos para terra» […] Ser arrais é bom, mas sem esta coisa danada de não poder chamar um camarada para junto de mim e dizer-lhe também o que sinto.

Alves Redol, in   "Uma Fenda na Muralha"

 

Bom fim de semana...

 

Ah! A Simona...

Simona Molinari e Peter Cincotti - Dr. Jekyll Mr. Hyde

 Simona Molinari - Egocentrica

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog





Mensagens

Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB