Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Filhos em Lata...

por Robinson Kanes, em 22.09.20

tiziano_madonna_del_Coniglio.jpg

Imagem: Robinson Kanes

 

Hoje, no SardinhaSemLata e na habitual participação à terça-feira, falaremos de filhos e pressão social. 

Acompanhem o nosso texto aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

As polícias que se lixem! Viva a ETA!

por Robinson Kanes, em 17.09.20

 

215744_photo5985443987252687482_thumb_722.jpg

Créditos: Chema Barroso - https://www.madridiario.es/policias-y-guardias-civiles-protestan-en-el-congreso-por-el-pesame-de-sanchez-a-un-etarra

 

 

O pior das humilhações  é que fazem quem as sofre sentir-se  culpado.

Javier Cercas, in "As Leis da Fronteira".

 

Espanha vive tempos conturbados, à semelhança de Portugal, onde a extrema-esquerda com a conivência do centro-esquerda impõe a agenda atropelando muitos dos valores mais básicos. Parece subsistir, numa base diária, um claro exemplo para demonstrar o cataclismo político e social para onde algumas áreas caminham. Acresce a este facto, uma direita fraca e uma extrema-direita em franca ascenção - não incluo o VOX neste rótulo de extrema-direita, ao contrário do que muitos tentaram fazer sem sucesso.

 

A mais recente, e permitam-me a expressão, escandaleira, foi protagonizada pelo Primeiro Ministro Pedro Sánchez que veio a público e com toda a solenidade prestar as suas condolências e grande pesar pelo suícido de um Euskadi Ta Askatasuna (ETA) na prisão onde se encontrava a cumprir pena. Num país que, nos tempos actuais, precisa de estar mais unido que nunca, ver um chefe de Governo a assumir esta posição face a um violento separatista é, no mínimo, rocambolesco e sem qualquer sentido de Estado. Fazer ressurgir feridas ainda mal fechadas de um passado muito recente não é próprio de um Governo e atentará até contra a própria Constituição e unidade de Espanha.

 

Por certo, a pressão de Iglesias, alguém que acredita piamente que irá conquistar o poder e transformar Espanha num campo de batalha emergindo como um totalitarista travestido de suino orwelliano, terá tido os seus efeitos. Iglesias, contudo, à semelhança daqueles que lutaram na Guerra Civil espanhola, não tem ideais e não procura a paz entre os seus concidadãos apenas a vontade em se assumir como uma espécie de Demiurgo com tiques estalinistas.

 

No entanto, em Espanha, o povo e as próprias polícias não vão no discurso da serenidade (e até algo totalitarista), encetado por muitos dirigentes e que sai sempre da cartola, sobretudo do nosso Presidente da República, nomeadamente quando as coisas podem correr mal. Foi neste contexto que todo um povo e especialmente os agentes da ordem, particularmente a Guardia Civil e o Corpo Nacional de Polícia, mostraram o seu descontentamento, colocando inclusive, no Palácio das Cortes, um sem número de urnas encenando os funerais dos agentes da autoridade mortos pela ETA, que cometeram suícido ou que foram mortos no cumprimento do dever nunca tendo merecido qualquer palavra deste e de muitos governos espanhóis. Acresce aos factos, um pouco à semelhança do que também acontece por cá, a irresponsabilidade de ainda não se ter desenvolvido um programa de prevenção do suicídio nas forças de autoridade e que em Espanha é um dos principais cavalos de batalha destas.

 

É é trazendo a discussão para Portugal, que é notório que temos assistido a selfies tiradas pelas mais altas individualidades do Estado junto dos heróis que apedrejam ou disparam sobre a polícia ou então que simplesmente desprezam toda e qualquer indicação das autoridades. Pensar que ter os militares na mão, sobretudo mantendo incompreensíveis regalias, é a solução para se manter um Estado em paz e sob controlo, pode ser um erro crasso no longo prazo, até porque, não vivemos no país "orgulhosamente só" que em muita alta esfera política, sobretudo aquela que adora mergulhos no mar, ainda causa saudade.

 

E se, à semelhança do que vai sendo sublinhado por muitos, o discurso que acabei de ter é populista, aliás, como o próprio combate à corrupção, então é com muito orgulho que o sou. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sardinhas com libretto dos tempos modernos...

por Robinson Kanes, em 15.09.20

polizia_italy.jpg

Imagem: Robinson Kanes

 

Hoje é dia de andarmos pelo SardinhaSemLata... Decidimos escrever um libretto enquanto se devoram algumas sardinhas, sardinhas essas, que ainda pingam no pão. Acompanhe-se com "vinho tostão" e temos o manjar perfeito para uma pós-modernidade, eventualmente imperfeita. É só seguirem-nos aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sentido de Oportunidade!

por Robinson Kanes, em 10.09.20

eroi_in_divie.jpg

Créditos: Eroi in Divisa

 

É importante iniciar este texto sublinhando que a violência policial não é um facto inexistente, e como tal, deve merecer a nossa atenção. Penso que aqui a opinião é unânime. 

 

Com efeito, não têm sido raros os casos em que assistimos a uma mediatização excessiva e ao nascimento de novos heróis (e não são as vítimas) alicerçados numa retórica de luta contra o poder onde a polícia, por incrível que pareça, surge como um dos elos mais fracos. Pelos jornais, pela política e até por um certo humor altamente parcializado (algo que em Portugal é já uma instituição) e inclusive pelo anormal poder dos comentadores, vai sendo criada a ideia de que é uma prática diária.

 

Bater nas polícias, especialmente nas polícias nacionais e não militarizadas tem sido uma prática comum nos últimos tempos. Não censuro que se faça em relação a casos justificáveis, mas tenho de assumir algum espanto com a descontextualização e distorção dos factos, o não entendimento do contexto e a provocação em off seguida de filmagens em on

 

Como as armas são um meio de defesa mas ao mesmo tempo, na mão de humanos imbecis, podem ser um meio de ataque, também os telemóveis podem ser uma arma de ataque letal. Numa sociedade aberta onde alegadamente as aulas de cidadania podem servir para abrir horizontes, estimular o empowerment e o espírito critico, talvez não estejamos a fazer o nosso papel fundamental que é promover todos esses aspectos e com visíveis consequências na avaliação e participação dos cidadãos na vida pública. Possivelmente, nessa sociedade, muitos dos jornais e televisões actuais teriam de fechar portas devido às parcas audiências, não obstante, o país e o mundo teriam muito mais a ganhar e com toda a certeza os extremos seriam menos.

 

No final de contas, não deve existir nada mais humilhante, sobretudo quando as coisas ficam mais complicadas, que é requerermos a protecção daqueles a quem quotidianamente aplicamos a nossa "soma zero".

Autoria e outros dados (tags, etc)

A pensar Istambul...

por Robinson Kanes, em 08.09.20

istambul (1).jpgImagem: Robinson Kanes

 

Hoje é terça-feira, é dia de andarmos pelo SardinhaSemLata... Atravessamos o Bósforo e pensamos a cidade... Podem encontrar-nos aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

No SardinhaSemLata com as Akashinga

por Robinson Kanes, em 01.09.20

GPJNews_Zimbabwe_KM_Rangers_Action_Shots_Images_2-Créditos: https://globalpressjournal.com/africa/zimbabwe/australian-training-women-stop-poachers-zimbabwe-right-man-job/

 

Hoje é terça-feira e como tal é o dia de andarmos pelo SardinhasSemLata. Visitem-nos aqui e acompanhem-nos até ao Zimbabwe onde vamos conhecer as Akashinga.

Boa viagem!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sardinhada ao Crepúsculo em Acciaroli

por Robinson Kanes, em 18.08.20

chiuso per tramonto-2-kC7D-U3130654345319ysF-656x4

Créditos:  https://www.corriere.it/buone-notizie/19_luglio_16/chiuso-tramonto-l-avviso-clienti-libraio-romantico-1805d84a-a7cd-11e9-87b1-16eba1cb2125.shtml

 

Hoje lemos o Corriere della Sera e vamos até Acciaroli no nosso espaço habitual à terça-feira do SardinhaSemLata.

Leiam-nos aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O que aprendi nos últimos seis meses...

Por Luísa de Sousa

por Robinson Kanes, em 14.08.20

IMG_20200719_111807.jpg

 

Créditos: Luísa de Sousa

 

O que aprendi nos últimos seis meses ….

 

Já conhecia esta rubrica do Robinson Kanes e quando recebi o seu convite para participar, que desde já agradeço imenso, fiquei sem saber o que escrever ….

Sim, porque, os meus dias foram sempre iguais, os mesmos de sempre, com as minhas rotinas de sempre ….

Ora vejamos:

Nunca deixei de trabalhar. Tenho funções numa Empresa Pública, considerada prioritária nos seus serviços, logo, nunca estivemos fechados. Todos os dias saía à mesma hora, contemplava o mesmo caminho, trabalhava com muita motivação e regressava à mesma hora …

Sempre fiz os meus treinos em casa desde que fui mãe, já lá vão uns 30 anos. Tenho um plano de treinos que sigo à risca, que vou ajustando conforme as necessidades e que me dá a força, motivação, energia e saúde que necessito para envelhecer bem.

Passei pela pandemia Covid 19, de mansinho, “bem ao lado”, ouvindo e lendo notícias aqui e ali, sem me preocupar em demasia (porque não tinha tempo para preocupações), sem me stressar (porque sou muito despreocupada), acreditando que não passaria de uma fase (porque sou muito otimista) e continuando com a “minha vida” que adoro e me faz muito feliz.

Nunca deixei de escrever nos meus blogs sobre a felicidade, o amor, a alegria, a paixão, a amizade, o otimismo, a motivação, a saúde e o bem-estar, porque são o meu “mantra” diário.

O pouco que aprendi, talvez muito, mas nada surpreendente, foi que, todos fomos postos à prova enquanto seres humanos, do quanto somos vulneráveis e frágeis psiquicamente, do que somos capazes de fazer (para o bem e para o mal) em situações de atípicas como a que estamos a viver, e que o Mundo não é o lugar seguro que pensávamos que era.

 

Luísa de Sousa

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sardinhada com uma Balada do Pequeno Soldado

por Robinson Kanes, em 11.08.20

419408622_2df93e6459_o.jpg

Créditos: http://worldpolicy.org/2012/03/26/nicaragua-forlorn/

 

Hoje, no espaço habitual à terça-feira, estamos no "SardinhasSemLata"... Falamos de indígenas e de crianças-soldado. E também não precisamos de sardinhas para engolir... em seco. Estamos aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O que aprendi nos últimos seis meses...

Por Mami...

por Robinson Kanes, em 30.07.20

Szépművészeti Múzeum Tiziano vecellio.jpg

Tiziano Vecellio - Retrato de Settimia Jacovacci (Szépművészeti Múzeum)

Imagem: Robinson Kanes  (imagem da exclusiva responsabilidade do autor do espaço)

 

Os meus últimos seis meses foram anómalos; foram-no para toda a humanidade, sei-o bem.

 

Quiçá esta é uma das poucas vezes em que, enquanto pessoas, num mesmo momento histórico, vivemos preocupações tão semelhantes.

 

Claro que uns somos mais próximos do que outros, quer pelas nossas condições económicas, quer pelas nossas convicções morais. este facto aproxima-nos ou distancia-nos na forma de viver esta nova realidade mundial.

 

O meu filho nasceu no início da pandemia. sai para a maternidade em “liberdade”, regressei a casa em confinamento. não vou fingir que foi um horror, não foi. estar em casa com os meus dois tesouros e com o meu companheiro – que habitualmente está fora em trabalho-, foi bom, foi reconfortante, foi até apaziguador nos tempo que vivíamos. não havia preocupações de emprego - temos uma situação estável e ele estava em teletrabalho. inquietava-nos o isolamento da família alargada, a vontade de estar “nos braços da minha mãe”, de lhe apresentar o neto, de ouvir a casa cheia com os meus sobrinhos e a minha princesa a correr por todo lado.

 

Havia e há uma preocupação latente por não saber o quanto tempo durará a situação.

 

Sai de casa pela primeira vez, para ir às compras, no início do mês de junho. senti-me como uma criança pequena abandonada no bosque. sentia perigo em todo lado, estava nervosa, sentia-me a sufocar. saí apressada, não comprei metade do que estava na lista e comprometi todo o processo de “higienização”. estava confinada, por opção, há demasiado tempo.

 

Começo a trabalhar dentro de quinze dias. daqui a trinta, o meu filho vai para a creche e a minha filha para o pré-escolar. e, se por um lado, sinto que temos de assumir a nova realidade em que vivemos, por outro, sinto-me num filme de ficção científica em que o que me apetece é ficar com a vida “adormecida” até esta invasão passar.

 

Regressando à questão que hoje me trouxe a este poiso “o que aprendi nos últimos seis meses” tenho de confessar que nada aprendi, desculpem a falta de poesia ou dramatismo. posso, com falsa modéstia, assumir que reiterei o que há muito descobri: não vale a pena planear muito a nossa vida, criar expectativas ou sofrer por antecipação. a vida surpreende-nos sempre!

 

Nota: lembrei-me agora, aprendi a fazer pão!

 

Mami

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Instagram



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sardinhas em Lata

Todas as Terças, aqui! https://sardinhasemlata.blogs.sapo.pt/

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


subscrever feeds




Mensagens







Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB