Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Recursos Humanos: "Jobs for the Boys".

por Robinson Kanes, em 07.11.17

gettyimages-152216249_custom-f5763ffd4816aec3fa6ec

Fonte da Imagem: http://www.npr.org/2016/11/15/502250244/to-make-the-godfather-his-way-francis-ford-coppola-waged-a-studio-battle

 

 

Deve ter cuidado. Ser um homem honesto é perigoso. 

Mario Puzo, in "O Padrinho"

 

 

Há muito tempo, remeti esta carta a um Director de Recursos Humanos para Portugal de uma multinacional:

 

Bom dia, Estimado C.,

 

Espero que este meu email o encontre bem, e escrevo em português porque sei que domina a língua como ninguém. Poderia fazê-lo em francês, mas porque não utilizar a língua do país em que está.

 

Este meu email,vem no seguimento de uma apresentação que vi sua onde mostrou a importância de detectar talento na "X" e a sua visão sobre essa área, gostei imenso da parte da "servidão" em relação à chefia, sobretudo porque sempre tive uma relação aberta com as minhas chefias e isso sempre foi interessante, não fossem muitas delas estrangeiras. Mas enfim, os portugueses gostam de servos e aí eu não me encaixo.

 

Espero também que o rigor de recrutamento da "X" seja esse que aponta. Sabe, não sou adepto do networking e muito menos do personal branding e se tenho LinkedIn foi porque começou como trabalho e lá foi ficando. Para mim não, mas entendo a importância que as redes sociais têm em termos de mercado, talvez por isso as trabalhe, mas não me deixe contagiar, sim não tenho uma vida propriamente feliz para lá expor. Digamos que networking em termos de RH é o novo nome para "cunha/compadrio" espero que perceba o que digo. Perdoe-me, mas sou daqueles que acredita no trabalho e mais do que em competências técnicas (muitas vezes empoladas), acredita nas competências "soft" ou se quiser "sociais".

 

Sim, também já me candidatei várias vezes à "X" via "black hole" dos HR, o recrutamento online por candidatura espontânea, ou seja, aquele em que acreditamos que um dia alguém vai olhar para a nossa candidatura mas... "nunca" olha.

 

A minha questão é simples: não sendo adepto de networking pessoal, nem de grandes favores deste e daquele, como é que é possível nos dias de hoje ser reconhecido no mercado de trabalho? Sobretudo porque já poderia ter um CV ainda melhor se tivesse cedido à tentação dos favores.

 

Espero também, que nessa sua leitura, os seus colaboradores também um dia possam olhar para o meu CV e dizer: "bem, este indivíduo merece pelo menos uma oportunidade".

 

Um Abraço,

 

"Robinson Kanes"

 

 

A verdade é que tive uma resposta bastanto positiva, pois o C. respondeu-me e pediu-me uma data e hora para agendarmos uma reunião. Todavia, o C. copiou o responsável de recrutamento daquela organização, a típica chefia intermédia portuguesa. A partir desse ponto as coisas alteraram-se, a resposta tardou e só foi obtida com o seguimento que fiz a posteriori. Dois dias depois, pelas 14h, recebo finalmente um email do responsável de recrutamento que me faculta um número de telemóvel e me pede para falarmos às 15h... Deduzi que a reunião presencial ficara sem efeito e que quem estava ao comando era agora o indivíduo que me contactava e assim com aquele espaço temporal, varria a situação para debaixo do tapete. Aliás, a forma como agendou o contacto era claramente para boicotar a reunião. Por sinal, acedi ao email antes das 15h. Vamos chamar-lhe E.

 

O E., estava no perfil de LinkedIn como se tendo formado numa área e ter começado a carreira pela porta grande numa outra totalmente diferente. Confesso que pensei de imediato que iria falar com a pessoa errada, e assim foi... Estas coisas cheiram-se.

 

Perante as minhas questões a resposta que obtive foi "oh Robinson desculpe, eu recebo muitos CV por dia, acho que tenho tempo para ler algum? Agora só referências ou contactos, não tenho tempo para ver CV e alguém com a experiência que você já tem se não o fizer ninguém o chama". Sempre pensei que o screening fosse uma das principais funções de um recrutador, mas pelos vistos não, as relações públicas (privadas?) são agora uma das suas mais extensas funções. Mas este indivíduo foi mais longe: "o mercado é assim, ou você se adapta ou já era, sem contactos que o coloquem aqui e acolá nunca vai arranjar emprego. Tem de pensar que os amigos são quem melhor o conhece e melhor o pode ajudar" ou então pode sempre abordar no LinkedIn e pedir-me! Muitos não fazem isso, mas eu faço muito, vejo os contactos que a pessoa tem também e nunca se sabe".

 

Finalmente, questionei: "então e as ofertas que colocam no V/site?". A resposta foi de que não havia tempo para olhar para as mesmas. Ainda pensei porque é que se faziam campanhas para atrair talento para aquela organização (até porque a mesma se gaba da transparência e por ser óptima a atrair talento), mas apercebi-me que estava a falar com um corrupto e não iria mudar a opinião do mesmo.

 

A conversa ficou por ali, até porque o E. já tinha em mente dar um salto para uma outra organização empresarial, algo que acabei por saber semanas depois. A verdade é que desisti daquela conversa, era uma luta que não faria sentido, pelo que, optei por boicotar as marcas vendidas pela organização. Vem este texto bem a propósito de mais uma recente notícia em que o interesse, neste caso do país, é posto em causa, quando os amigos são os preferidos para ocupar cargos de responsabilidade, e assim vai a ANPC (Autoridade Nacional de Protecção Civil).

 

Lembram-se da carta aberta que enviei a um director-geral de uma empresa de recursos humanos? Tive resposta. Uma resposta cordial, acompanhada com um pedido de desculpas (corporativo e pessoal) e com uma promessa do próprio em iniciar uma investigação interna para detectar estas más práticas que, segundo o mesmo, não vão de modo nenhum ao encontro do que é defendido na organização. Por motivos óbvios, não colocarei aqui a resposta completa sob pena de deixar transparecer a organização em causa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quando a Cunha Solidária é Cega...

por Robinson Kanes, em 22.02.17

 

Untitled1.png

El Greco, A Cura do Homem Cego (Gemäldegalerie Alte Meister) 

 

 

 

Vi, recentemente, na rede profUntitled.pngissional LinkedIn a pérola que se encontra na imagem ao lado: um grito de desespero de um profissional de recursos humanos, daqueles que até gosta de aparecer, em prol da solidariedade! Confirma-se a minha tese em relação a muitas conversas que se vão tendo em seminários balofos e sem conteúdo, e que têm em vista tornar socialmente aceite um comportamento desprezível.

 

Solidariedade, afecto e carinho por todos aqueles cuja última coisa que querem fazer é abrir o “net-empregos”, o “Indeed” ou o “Reed” e procurar um trabalho. Solidariedade para com aqueles que ao invés de se dedicarem de alma e coração a um projecto colocam o ónus total dos resultados nas equipas e passam o dia em redes sociais, contactos e “encontros” de profissionais para se autopromoverem! Solidariedade para quem precisa de um favor e não tem tempo para trabalhar! Lá do sítio de onde eu venho isso tem um nome e... não é solidariedade.

 

Devemos ser solidários uns com os outros e censurar aqueles que, quando nós já não somos importantes para os mesmos, não nos dão aquela mãozinha para subir na carreira ou nos tirarem do buraco. Malditos “amigos” que agora não me meteram aquela “cunha”! Cambada de interesseiros que são fiéis aos seus valores! Como é possível alguém ser tão tacanho.

 

Como é possível vivermos num mundo onde ainda existem pessoas que valorizam mais um bom profissional pelas suas qualificações e capacidade de ir à luta do que pela sua capacidade em mover influências e alimentar amizades e esquemas baseados num networking que mais parece um monte de silvas... um monte de silvas que, no meio, bem entre os ramos, encerra o conceito de favorecimento.

 

Perante isto, sugiro que se criem leis que limitem estas práticas, que excluam aqueles que ainda olham para um curriculum vitae e procurem saber mais sobre o candidato! Isto tem de acabar e a solidariedade de todos é importante! Sugiro uma manifestação em frente ao Palácio de S. Bento contra estes canastrões. Quem os manda ser honestos...

 

Mas numa coisa este desabafo teve razão... um dia, o presente do outro pode ser o futuro desse alguém e, quando esse dia chegar, ao invés de um telefonema para aquele “amigo”, eu sugiro uma revisão do curriculum e a preparação para tempos difíceis de procura de um emprego!

 

Na verdade, a pessoa em questão apreciou a frase de  Kafka, mas... se tivesse lido os Aforismos de Zurau, do mesmo autor, depressa perceberia que “não se deve prejudicar ninguém, nem mesmo o mundo, para alcançares uma vitória”. Esta afirmação, não reflecte mais, que o pensamento daqueles que são prejudicados quando os amigos, no seu networking, são tão solidários e bondosos, que não hesitam em prejudicar centenas ou milhares em prol de um favorecimento solidário... sempre solidário...

 

Fonte da Imagem 01: Própria.

Fonta da Imagem 02: LinkedIn.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Mensagens

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB