Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Persépolis: A Cidade Persa

por Robinson Kanes, em 21.11.19

persepolis_iran-6.jpg

Imagens: Robinson Kanes

 

A poucos quilómetros de Shiraz, e debaixo de um intenso calor, encontra-se aquela que foi uma das capitais do Império Aquemênida: Persépolis! Iniciada por Dario, a construção deu-se durante séculos até a mesma ser conquistada por Alexandre Magno. Persépolis foi sempre uma capital mais espiritual, até pelos difíceis acessos, as capitais administrativas acabaram por ser Pasárgarda, Susa, Ecbátana e Babilónia. Com Alexandre Magno, em 330 a.c. a cidade seria ocupada, saqueada e parcialmente destruída. Era o início do declínio de umas das pérolas de todo o império.

persepolis_iran-4.jpg

Falar da história de todos os pormenores da cidade é matéria para centenas e centenas de artigos, por isso, nada como a consulta da imensa bibliografia, sobretudo a técnica, que existe acerca da cidade. Na internet, existem centenas de documentários e animações 3D, acerca da cidade, uma delas está aqui.

persepolis_iran-2.jpg

No entanto, debaixo de um calor abrasador, e onde nos imaginamos nas montanhas do Afeganistão, fascinou-nos sobretudo a grandeza do império, também nestas pedras contada. Para se ter uma ideia, o império iniciado por  Ciro, "o Grande", acabou por ser o maior da antiguidade, nomeadamente uma extensão para ocidente até aos balcãs e leste europeu, uma rota de estradas onde se incluem as da Rota da Seda, o uso de uma língua ao longo de todo o território e o canal que ligou o Nilo ao Mar Vermelho.

perepolis_iran.jpg

A este aspecto junta-se o facto de que, ao contrário de muitas outras edificações da Antiguidade, Persepólis, como outras grandes construições do império eram realizadas com trabalho remunerado, ou seja, não escravo. Foi com Ciro também que, apesar de muitos povos terem sido conquistados, que existiu o respeito por todos os costumes e religiões de todos os povos. Como nota de curiosidade, também é Ciro, o responsável pelo "Cilindro de Ciro", aquele que é considerado a primeira declaração de Direitos Humanos da história. Infelizmente para o povo iraniano, encontra-se no British Museum em Londres. No Museu Nacional, em Teerão, encontramos apenas uma réplica. Admito que nas duas visitas ao British, bem que já me apeteceu trazer o cilindro e devolver o mesmo ao povo que o escreveu e que é o seu legítimo detentor! Este cilindro, é talvez um dos mais importantes documentos da Humanidade!

persepolis_iran-3.jpg

Agora é tempo de percorrer este espaço, de fechar os olhos e com a ajuda dos óculos de realidade virtual, admirar a escultura e a arquitectura, donde se destacam o Terraço, a Escadaria de Persepólis; a magnifica Porta de Todas as Nações; a Apadana e a sua escadria; a Tachara, ou Palácio de Dário, um dos mais belos, o Hadixe, ou Palácio de Xerxes; o Palácio Central e o grandioso Palácio das 100 Colunas.

persepolis_iran-2.jpg

Ao alto, podemos vislumbrar e percorrer também, os túmulos de Artaxerxes II e Artaxerxes III com esculturas de nos deixarem de boca aberta onde são claros os símbolos Zoroastras e do próprio império - um pouco à semelhança do que acontece em todo o edificado de Persépolis. A sul, existe também um túmulo que não foi concluído e que consta que teria em vista ter como hóspede Dario III.

persepolis_iran-5.jpg

Pisar o solo de Persépolis é viajar na História, é pisar cada pedaço daquele espaço com um sentimento especial, sentir cada pedra como pudessemos recuar séculos e séculos para trás. É repensar a própria história e acima de tudo é termos a sensação de que somos tão pequenos. É termos a noção de que uma certa História, bem lá atrás ainda tem tanto por contar... É termos respeito e perder a arrogância de que a Ocidente é que esteve/está o patamar máximo do desenvolvimento, até porque, se existiu império que não ficou atrás (bem pelo contrário) de outros como o Grego e o Romano, foi este. E ainda hoje, tal se nota em cada iraniano, desde o mais letrado até àquele que não foi bafejado com a sorte de uma educação mais formal.

persepolis_iran-2.jpg

Uma coisa é certa... De Persépolis, saíremos mais ricos, mais ricos do que se comprássemos qualquer produto de luxo no Harrods. Mais ricos do que se trouxéssemos meia-dúzia de lingotes de ouro na mão!

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_1701.JPGImagens: Robinson Kanes

 

Amanhece em Shiraz, o sol brilha logo cedo e nem sentimos a diferença de horário. Preparar um jantar iraniano foi fantástico, abençoada suite de hotel que nos permitiu, nesta estada, também tomar parte neste cultura de forma mais profunda.

shiraz_iran-2.jpg

Não deixámos de passar uma noite agradável e na companhia de duas jovens iranianas que nos mostraram um pouco das ruas do norte da cidade e ainda nos fizeram prometer que faríamos compras no supermercado dos pais. Uma sem sonhos ainda definidos, outra com um desejo de ser professora de inglês. Quiseram saber tantas e tantas coisas da nossa vida e que nos interrogaram mil e uma vezes do porquê de não poderem ter um namorado não-iraniano.

qavam_house_shiraz_iran.jpg

Mas temos de seguir caminho pela cidade, há tanto para ver e sentir. Depois do "Jardim Eram" e das suas águas límpidas, a "Casa Qavam/Museu Nerenjestan", construída em finais do século XVIII por ricos comerciantes de Qazvin.

qavam_house_shiraz_iran-2.jpg

Os jardins e o espaço são mais uma demonstração do encontro da cultura ocidental com a cultura persa - uma curiosa representação de como ambas podem combinar muito bem arquitectonicamente. A rua movimentada lá fora, não nos deixa permanecer por lá muito tempo, chama por nós... Não obstante, à saída, paramos, olhamos mais uma vez os jardins, recordamos os espelhos, inalamos o odor das flores do jardim e saímos para um sumo de romã.

nasir_ol_molq_shiraz_iran.jpg

Entre talhos, lojas de ferragens, lojas de comida, enfim... lojas de tudo, percebemos que está a chegar a melhor hora para visitar a "Mesquita Nasir ol Molk", também conhecida como "Mesquita Rosa". No bairro de Gawd-i Arabān, encontramos esta herança dos Qajars. Amplamente conhecida, esta é uma mesquita singular pelos seus vitrais que, escolhida a hora certa da posição do sol, se tornam ainda mais encantadores! É um local muito procurado pelos turistas para as fotos, mas é no pico da sua beleza que encontramos menos gente e nos permite apreciar toda a sua arquitectura. Podemos examinar o seu pátio e deixar que as cores dos vitrais se possam reflectir no nosso rosto, nos tapetes persas e transformar-nos também em parte daquele mundo de maravilhas. É um monumento único, belo e onde nos sentimos a viajar por contos e lendas da pérsia.

nasir_ol_molq_shiraz_iran.jpg

Alguns turistas "irritam-nos" tentanto simular orações e uma certa pose para a fotografia, o banalismo habitual... Fascina-nos, contudo, a condescendência da segurança que com um sorriso no rosto sente que partilha um pouco de si com todos aqueles que deliciam perante um património de uma riqueza invejável... Fascinam-nos aqueles que lá se encontram em recolhimento... E é junto desses que também nos sentamos antes de abandonar o local e voltar às movimentadas ruas da cidade. No entanto, a sensação de que saímos de um mundo grandioso e mirífico contido numa sala tão pequena não nos abandona.

nasir_ol_molq_shiraz_iran-2.jpgnasir_ol_molq_shiraz_iran-3.jpg

E é tão difícil deixar este templo, no entanto, mal sabemos que ao longo dos dias ficaremos a perceber que uma das imagens de marca do Irão está longe de ser apenas esta e mais uma ou duas que conhecemos até agora. É hora de almoçar e pela rua vamos comendo aquilo que nos oferecem, temos que passar pela famosa "Universidade de Shiraz" e pela "Porta Quran" - queremos apenas sentir se o conhecimento que já temos destes locais se reflecte de poderosa forma nas nossas emoções.

quaran_gate_shiraz_iran.jpg

É hora de começar a pensar no "Santuário de Ali Ibn-e Hamze" que se apresenta hoje como mais uma reconstrução pois os sismos em Shiraz são frequentes.

Ali Ibn-e Hamze_iran_shiraz.jpg

Ao entrarmos sentimos o peso da religião e da história. Sentimos o peso da amizade, nenhum dos acessos nos é vedado, tomamos chá, comemos doces e ainda temos um diálogo sobre o Islão e o Cristianismo. O diálogo e a experiência acaba por se sobrepor à beleza do espaço, dos seus espelhos, da sua arquitectura. Para nós é interessante na medida em que sendo pouco crentes (pelo menos eu), do outro lado temos um crente fervoroso mas com uma abertura de espírito tal que reconhece as fragilidades da sua religião e entre esse reconhecimento (até porque o tema das mulheres acaba sempre por surgir) nos prova que a própria Bíblia é muito mais castradora em relação às mulheres do que o Alcorão.

Ali Ibn-e Hamze_shiraz_iran.jpgÉ interessante esse diálogo... A abertura religiosa é, aliás, uma das imagens de marca deste povo. Como já havíamos sentido noutros países, por vezes, algum desconforto religioso sucede dentro da própria confissão e não com crenças exteriores. Conversamos largos minutos... Sentados dentro do santuário enquanto outros estudam e fazem as suas orações, o diálogo inter-religioso (e até entre quem não é crente) a acontecer e o respeito permanente entre os três vértices deste triângulo. 

vakil_mosque_shiraz_iran.jpg

Terminamos a conversa com um convite para a "Mesquita Vakil", um edifício que ocupa uma área de mais de 8500m2 e que foi construído no terceiro quartel do século XVIII durante a dinastia Zand, sendo restaurado já no século XIX sob a liderança dos Qajars.

vakil_mosque_shiraz_iran-2.jpg

A entrada, o pátio das orações, os minaretes e os pilares são algumas dos seus aspectos mais peculiares. O pôr-do-sol é também o momento perfeito para apreciar este espaço. A luz do crepúsculo cria uma imagem perfeita que, se complementada com aqueles que vêm aqui prestar o seu culto, se torna ainda mais pulcra.

shiraz_iran.jpg

"Acompanhamos" as orações e voltamos ao exterior. Hoje ainda lá anda o "nosso" declamador de poesia persa. E é com ele que deixamos que o anoitecer se intensifique... E é com a poesia de Hafez e de tantos  outros que nos entregamos novamente às delicias astronómicas iranianas...

vakil_mosque_shiraz_iran.jpg

Uma nota final para o facto de Shiraz ser também a região onde, no Irão, se produz/produzia um vinho fantástico. Até hoje, ainda é controverso se a casta Syrah vem de Shiraz. Testes genéticos dizem que não, todavia, também a produção deste vinho (deste e de outros) em terras iranianas não é permitida desde a revolução de 1979.

 

Sobre Shiraz

Shiraz: Cidade dos Jardins e dos Poetas

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hess e Bartoli numa Sociedade Karōshi...

por Robinson Kanes, em 15.11.19

troia_arrabida_sado.jpg

Imagens: Robinson Kanes

 

Uma hora assim com vinho e um amigo, quando se tem um, e uma conversa bem humorada sobre esta vida estranha, é de facto o melhor que se poder. Também tem de ser assim, e nós temos de ser felizes, pelo facto de ainda termos isto. De quanto tempo é que precisa um pobre diabo para fazer um belo foguete e a alegria não dura um minuto! Por isso há que poupar a alegria e a paz de alma e a boa consciência para que haja de vez em quando uma hora assim.

Hermann Hesse, in "Gertrud"

 

 

Entre o sol e a chuva, este Outono vai tendo cores fantásticas... Época maravilhosa e que será mais escura além fronteiras daqui a alguns dias. Por isso, para celebrar o Outono, o habitué da sexta-feira dará lugar a uma Cecilia Bartoli que "elogia" a grande Maria Malibran - polémica e que teve uma curta vida de 28 anos.

cecilia_bartoli.jpg

Recordam-se alguns concertos onde encontramos trechos de Vicenzo Bellini ("La Sonnambula", "I Puritani" e "Norma"), Mendelssohn ("Infelici"), Persiani ("Ines de Castro") e tantos outros onde destaco também Hummel. O Outono terá outro sabor... Mesmo entre castanhas e jeropiga,

Para uma leitura ligeira mas nem por isso leve, Gertrud de "Hermann Hesse". Um amor frustrado, um elogio da música e da vida, o ideal para ler antes de ficarmos a meditar ao som de Bartoli. Uma obra bem ao estilo de Hesse, que já passou muitas vezes por aqui, e que não deixará ninguém indiferente.

gertrud_hermann_hess.jpg

E porque não uma ida ao D. Maria II? Brilhantes encenações de "O Bando" com o "Purgatório - A Divina Comédia" que dispensa apresentações e "Karōshi" (na sala estúdio) uma encenação brilhante do trabalho actual, dos dias de hoje e de uma sociedade em colapso. Uma peça para pensar, por certo é o que acontecerá no Sábado. Cumprimentamo-nos lá enquanto assistimos ao "Teatro da Cidade" no seu melhor?

 

E finalmente, para quem gosta de uma boa amizade, para quem ainda gosta de um bom filme sem ir muito lá para trás... "Fried Green Tomatoes". O filme de Jon Avnet que de comédia tem pouco. Um leque brilhante de actrizes onde destaco Jessica Tandy (a eterna Miss Daisy) e Kathy Bates. A vida como ela era, numa realidade dos Estados Unidos que não está assim tão longe. A amizade entre Ruth e Ninny Threadgoode não nos deixará indiferentes, e por certo nos deixará, mais perto do fim, com uma amargura rapidamente ultrapassada por Ninny - e quantos de nós não gostariam de ser Ninny?

 

Bom fim-de-semana,

Autoria e outros dados (tags, etc)

Shiraz: Cidade dos Jardins e dos Poetas!

por Robinson Kanes, em 14.11.19

shiraz_iran-2.jpg

Imagens: Robinson Kanes

 

 

Apesar de distarmos cerca de 1000Km de Teerão, continuamos a quase 1600m de altitude! Embora não pareça, dentro da cidade temos até a sensação de que estamos numa planície. E pensar que ainda nos faltam pouco mais de 550km para chegar a Bandar Abbas, no Estreito de Ormuz.

shiraz_iran.jpg

Aterramos, literalmente, na capital da província de Fars: Shiraz, ou Xiraz. Já sentimos o forte calor da terra, é de madrugada mas é a hora em que o solo respira e a humidade é uma presença que não deixa a nossa respiração e os tecidos que nos cobrem indiferentes. Esta é uma das cidades mais antigas da Pérsia, tem mais de 4000 anos (registos actuais) e acompanhou todas as "revoluções" que possamos imaginar ao longo da história desta região. Chegou inclusive a ser a capital durante a dinastia Zand erguida por Karim Khan - os Vakilol Ro'aya, ou "defensores do povo" como se intitulavam e que criaram, pelo menos em termos de imagem, uma oposição a um certo sentimento de autoritarismo.

shiraz.jpg

Estamos também na Rota da Seda e Shiraz foi um importante entreposto, sobretudo pela sua localização e  interface entre a rota marítima e a rota terrestre. Andamos por terras que os imperadores aqueménidas, sobretudo Xerxes e Dario ajudaram a erguer e a dinamizar comercialmente. E encontramo-nos a cerca de 60Km de Persépolis, outro sonho (lá iremos)... Estaríamos meses a falar sobre a história da região, por isso, nada como nos deixarmos encantar pela "Cidade dos Jardins" como é conhecida. "Cidade dos jardins" e "cidade dos poetas", pois é também a terra de Hafez (que iremos escutar mais tarde a ser declamado perto do bazaar) e de tantos outros... E por mera curiosidade, foi também aqui que nasceu Siyyid `Alí Muhammad Shírází, o inspirador do Babismo. 

shiraz_iran.jpg

Andar pelo Irão é inalar história, é tropeçar em cultura, é fazer uma travessia pelo quase nascimento da civilização até aos dias de hoje, contudo, com uma riqueza que muito poucos países/regiões acompanham. Contudo, é em Shiraz que estamos e é em Shiraz que queremos percorrer as ruas, conhecer gente que terá muitos dos seus genes num passado rico e singular.

shiraz_iran.jpg

E em Shiraz essas ruas são movimentadas, é mais uma daquelas cidades iranianas que se deita tarde e em alguns pontos questionamos se chega realmente a dormir. Quem descansa em paz, e na terra que o viu nascer, é o próprio Hafez que se encontra sepultado a norte da cidade, mais precisamento nos jardins de Musalla. Quiçá o poeta e herói (no Irão os poetas são heróis) esteja a pensar como os seus poemas influenciaram a sociedade iraniana e não só, como ainda hoje são um elogio ao comportamento da natureza e da Humanidade. O muezim chama, é hora da oração, não sem antes prestarmos a devida homenagem ao poeta no seu mausoléu e com a protecção da grande "Cordilheira de Zagros" que nos seus 1500Km tem início entre a Turquia e Iraque e termina no Estreito de Ormuz. Fascina-nos fazer parte também dessa natureza, até porque a vamos reencontrar e testemunhar a força da sua extensão e altitude.

hafez_shiraz_iran.jpg

Enquanto caminhamos pelas ruas não dispensamos também uma passagem pela Karim Khan, a Cidadela que nos fascina pelos seus relevos e torres inclinadas - a conselho de um local, visitamos também ao pôr-do-sol, pois é quando se torna mais bela e onde muitos habitantes da cidade se reunem para confraternizar, além disso a sua proximidade com o Vakil Bazaar, o maior de Shiraz, é um atractivo extra.

shiraz_iran_hafez.jpg

Voltamos ao final da tarde, início da noite, é hora de nos sentarmos perto de Karim Khan e sermos abordados por um sem número de pessoas. As crianças querem posar para a fotografia. Acabamos por conhecer um turquemeno e torna-se impossível não termos sido remetidos para a história das tribos turcas do hoje cazaquistão e que ocuparam aquele território no século X. É viajar no tempo estando no presente... É único e ocupa-nos muitos minutos de conversa, sobretudo com o auxílio de um iraniano que vai servindo de tradutor. Nós, os portugueses, um iraniano e um turcomeno, sentados na cidadela a estudar história, ou melhor, a senti-la e a quebrar todas as barreiras fronteiriças e religiosas.

Karim_khan_shiraz_iran.jpg

Deixamos aquele local e seguimos para o Vakil Bazaar, não mais que cinco minutos... E, mais uma vez, deixamo-nos contagiar pela número de tecidos, ou não fosse Shiraz um importante entreposto da Rota da Seda. No entanto, e para não variar, o que mais nos fascina são as especiarias, as frutas e os frutos secos. Abastecemo-nos de sumac ou sumagre, e recordamos a Turquia... O aneto abunda e também não o deixamos fugir (ainda não sabemos o que fazer com tanto, mas que é do outro mundo é...),  e não esquecemos mais alguns temperos porque hoje queremos cozinhar umas almôndegas de carne e vegetais, "khofteh". Compramos várias misturas e claro, voltamos ao açafrão Iraniano, o ouro que nem sempre é fácil de encontrar se quisermos qualidade.

vali_bazaar_shiraz.jpg

São horas de sair, deixar que o canto dos pássaros que se encontram em algumas gaiolas na extremidade do bazaar se fiquem com as vozes de comerciantes e compradores... Não são mercados ruídosos como noutros locais, nomeadamente Marrocos ou até Turquia, mas têm a magia dos iranianos e isso é mais que suficiente para que um sem número de sons se funda sem um se sobrepor ao outro.

kharim_khan_iran_shiraz.jpg

As "almôndegas" ficaram óptimas e agora é hora de descansar, o dia amanhã promete numa cidade que respira o perfume da História...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Agora!

por Robinson Kanes, em 13.11.19

naoequenaohouvesse.jpg

Imagem: Robinson Kanes

 

 

Há a felicidade simples de estar ainda em vida e mais do que tudo, o amor, da vida, partilhada com os que ama enquanto lhe for dada. Não será a vida o dom inaugural.

Paul Ricouer, in "Vivo até à Morte"

 

 

Existem momentos em que não queremos esperar. Existem momentos em que não queremos saber de nada e do próprio nada de viver. Esgotamos na nossa vontade de querer quebrar todas as regras e simplesmente procuramos a harmonia no descontrolo das emoções.

 

Existem momentos em que simplesmente somos só nós, eventualmente alguém a nosso lado e o mundo e a natureza levada à profundidade do nosso sentir onde a sua exaltação é tal que rebenta sobre diferentes contornos! Um grito, um silêncio, um sonho de amor ou até na comunhão intensa entre o nosso corpo e o de outrem, ou apenas entre o nosso ser e o cosmos, entre o pó, entre as areias e todas as partículas que sou eu e que se fundem no passar dos dias até recolherem ao solo e voltarem com novo impulso.

 

Serás um homem novo, não serás nada... Vive agora, apaixona-te, vence e diz o que tens a dizer, entrega-te e não desperdices tempo nessa sede de viver. Arranca as tuas roupas, entrega-te ao amor, abraça como nunca abraçaste, ama como nunca amaste, entrega-te languidamente à luxúria e deixa que nesse momento dois corpos sejam um. Deixa que os gemidos inundem o universo e o grito da paixão ecoe pelo cosmos navegando perdido durante milhões e milhões de anos! Deixa que essa união pura e sem metafísicas preencha a terra da vossa exsudação e que ambos transpirem, transpirem numa união entre tudo e o nada.

 

Serás um homem novo, não serás nada... Viverás como todos os outros, morrerás como todos os outros. Não procures deixar história, essa história não te vai alimentar quando só de pó e de terra a tua boca se saciar.  Não procures deixar história quando já ninguém se lembrar de ti e fores apenas o nome de uma rua ou uma pequena menção num livro. Não procures deixar história quando as tuas cinzas se sumirem naquilo que do mundo resta e não se vê. Não procures ser história na morte.

 

Cria e recorda a tua história agora, cria a tua história vivendo essa mesma história. Não temas o passado, não te inquietes com o futuro, o teu passado e o teu futuro são agora... Só agora, enquanto os teus braços voam, enquanto o teu sorriso é genuíno e enquanto o teu ser efémero é real, enquanto está no arrebatamente de sentir e de tocar. Entrega-te ao mundo enquanto ainda não és uma criança dataísta, não és uma criação de ti próprio na destruição do que tens de humano!

 

Cria, sente, sê e vive tudo, agora!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ruído de Vizinhança - Uma Praga que "Mata"

por Robinson Kanes, em 12.11.19

Willem Witsen - De Voorstraathaven in Doordrecht (

Willem Witsen - De Voorstraathaven in Doordrecht (Rijksmuseum)

Imagem: Robinson Kanes

 

 

 

Mas realmente, basta um, que mantenha a cidade obediente, para executar tudo aquilo em que agora não se acredita.

Platão, in "República"

 

Portugal é daqueles países em que existe a tradição de produzir muitas leis, o que leva ao velho problema das mesmas serem uma obstrução à própria justiça e ao próprio bem-estar entre os cidadãos. Uma das leis está relacionada com o ruído de vizinhança que, raras vezes, tem um efeito disuasor sobre quem pratica actos que prejudicam os demais.

 

O ruído de vizinhança ainda é um tema tabu, mesmo que afecte uma vasta camada da nossa população. Os efeitos são nefastos, quer em termos de produtividade quer em termos de saúde mental e ambiente familiar. Não são raros os casos, e não preciso de recorrer a estudos, em que famílias se desintegram, têm problemas de sono e de stress e cuja produtividade no trabalho sai claramente afectada.

 

Na realidade, se em Espanha nos podemos queixar do ruído nas ruas (e não é em todas as cidades), por Portugal podemo-nos queixar do ruído dentro dos apartamentos - existe uma clara sensação de impunidade de muitos (muitos mesmo) portugueses em relação a esta matéria, até porque as autoridades policiais pouco mais podem fazer do que levantar autos, quando o fazem. Os casos que chegam aos tribunais tornam-se morosos e dispendiosos e as coisas ficam como estão. 

 

A impotência dos lesados é tal que existem milhares de casos em que a saúde mental é afectada de tal forma que o acompanhamento médico é recomendado ou então o velho e estúpido recurso (tão português) do "quem está mal muda-se". 

 

Indivíduos cujo volume da música parece a de um festival de verão, indivíduos que falam/gritam alto independentemente de ser dia ou noite, o arrastar constante, as jantaradas com o pretexto do "é fim-de-semana" e as crianças ("afinal são crianças") que correm e gritam sem que os pais façam algo são apenas alguns dos exemplos que podemos ver por aí. Também não são raros os casais que ficaram a "odiar" crianças por motivos relacionados com o ruído. Em Portugal já estamos a ter o reflexo da infantocracia vigente, mas também é tema tabu e ai daquele que se atreva a falar sobre isso...

 

Recordo também as abordagens para que se faça silêncio e do outro lado surge uma reacção hóstil. No entanto, também ocorre o contrário e perante determinados exageros e inacção da justiça, não são raros os casos de aplicação da "lei de Fafe". Sou totalmente contra, mas se nos colocarmos na pele do condenado de Victor Hugo talvez consigamos nutrir alguma sensibilidade em relação a este.

 

Não somos um povo com respeito pelo próximo, é um facto. Estamos a perder a noção do que é viver em comunidade e temos a lógica do "eu primeiro, os outros que se danem" e isso tem consequências na nossa sociedade.

 

Associada a estas questões, junta-se a má construção do parque habitacional. Agora preocupa-nos em ter casas, sobretudo nos concelhos do Barreiro, Moita e Seixal que possam estar isoladas ao ruído por causa de um hipotético novo aeroporto (ridículo), mas não nos lembramos de inspecionar e punir os construtores que, mais uma vez à boa maneira portuguesa, se esquecem que as casas precisam de isolamento acústico e térmico. Em termos pessoais, também nunca percebi a paixão dos portugueses por pavimento flutuante e parquet, que afinal nada isolam e são um enorme foco de ruído.

 

Finalmente, temos uma outra questão que são as autorizações dadas a alguns estabelecimentos para que exerçam a sua actividade em prédios habitacionais. E estabelecimentos desses nem são os tradicionais cafés mas, por exemplo, os infantários ou a praga de infantários disfarçados de centros de estudo - porque de outro modo não teriam autorização da Segurança Social e dos municípios. Até deixo um conselho, se querem acabar com o ruído destes e até encerrar os mesmos, nada como a queixa na Segurança Social antes do município. Muitos destes casos existem, mais uma vez, porque o compadrio é parte da nossa sociedade e quem conhece o amigo do amigo... Dou um exemplo que uma câmara municipal autorizou uma salão de festas num prédio habitacional! Um salão de festas no R/C de um prédio com cerca de 4 pisos!

 

Com tantos partidos preocupados com a natureza, os animais e os cidadãos (será que algum o é?), que aprovam leis à pressa e com maus resultados tal é a ausência de uma análise profunda, estranho que ainda nenhum se tenha debruçado sobre este problema que afecta em muito a qualidade de vida dos portugueses. Há quem diga que os deputados não têm este tipo de problemas... Compreendemos o porquê.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Teerão: Entre Tajrish e Darband...

por Robinson Kanes, em 11.11.19

irão_teerao.jpg

Imagens: Robinson Kanes

 

 

Voltamos a Shemiran, mais precisamente a Tajrish (estamos a mais de 1600 metros de altitude), depois de uma passagem pela "verde" Ponte Tabiat - em Teerão também é possível encontrar alguns pontos verdes, não é tudo poluição, óptimos oásis para pulmões que ainda não estão preparados.

tarjrish-bazaar_teerao.jpg

Gostamos da Praça Tajrish. Tem vida, é genuína tem o "Bazar-e-Tajrish", mais organizado e onde parece que temos mais tempo para abastecermos a mercearia. Perdido entre a praça e a mesquita, é um local fantástico, inclusive para comprar umas frutas e até comer algo. É aqui que atacamos os frutos secos: cajus, pistácios com diferentes temperos, amêndoas, tâmaras e um sem número de quilos para encher as malas. É aqui também que nos entregamos às especiarias e são tantas... Comemos fruta, comemos comida de rua (coisas que nem sabemos) e tudo e óptimo.

tajrish_teerao.jpg

Enquanto isto, queremos juntar-nos à movimentação que não cessa na Mesquita Imamzadeh Saleh, é aqui que estão sepultados os restos mortais do Imame Shelver Shia, Musa al-Khadim e que tornam este local um santuário muito especial. A beleza do mesmo com os minaretes que não nos deixam indiferentes e todo o trabalho de azulejo são uma verdadeira atracção para os nossos olhos. Estamos perante uma autêntica tela onde muita da cultura iraniana se pode encontrar retratada.

mesquita_tajrish.jpg

Não podemos, contudo, deixar Teerão sem subir mais um pouco a Darband (porta da montanha), bem nas montanhas e o ponto de partida para a grande montanha que tem o Monte Tochal como maior atracção e que nos dá óptimas vistas sobre Teerão. No entanto, em Darband e depois de deixarmos o taxi, queremos comer em alguns dos muitos restaurantes que se encontram ao longo do bairro e conhecer os "hooka lounges" (bares de shisha). A zona é agradável, onde temos oportunidade de comer em cima dos sempre fabulosos tapetes e de saborear óptimas iguarias, onde se destacam, por exemplo, o "Dizi" e um sem número de espetadas desde frango a cordeiro que nos enchem por muitas horas.

Teerão_darband.jpg

Empregados simpáticos, muita gente simpática e um espírito único, pois o ribeiro que atravessa a zona não é propriamente dos mais limpos. No entanto, a experiência é única. Iranianos e alguns turistas numa harmonia perfeita e onde podemos encontrar algumas marcas de que o Irão está em mudança, sobretudo em termos de paixões e do modo como as mesmas podem ser demonstradas...

Teerão_darband.jpg

Sentamo-nos... Bebemos algo e apreciamos uma verdadeira movida na montanha... Os rostos de Irão aqui transformam-se e ainda mais sorrisos surgem... Compramos uma espécie de doce (óptimo, por sinal) aos inúmeros vendedores ambulantes - as moscas deambulam, mas não se conhece alguém que tenha morrido por provar estas iguarias. Escolhemos a maçã e não nos arrependemos. Em Portugal, também são muitos os que não se arrependeram...

darband_irao_teerao.jpg

A noite começa a dar sinais de querer surgir e a tarde despede-se com mais um pôr-do-sol, desta vez diferente. Desta vez menos romântico e mais urbano, mais vivo e no bulício da cidade... No meio do trânsito, com vista para a Torre Azadi ou Torre da Liberdade. É uma torre que invoca o Império Persa e os seus 2500 anos (1971), no entanto o seu nome original é Shahyād. O nome sofreu a alteração com as manifestação de 1978 e que culminariam com a revolução. Aqui já temos um pequeno aperitivo de Isfahan, pois a mesma é revestida com 25 000 placas de mármore branco com origem nessa mesma zona.

torre_izad_teerao_irao.jpg

É hora de partir... O aeroporto de Mehrabad, que serve os voos domésticos para a cidade, espera por nós. Voamos com a Aseman Airlines, uma companhia que não pode operar na União Europeia e que apesar da tentativa de modernização foi impedida de adquirir novos aparelhos devido às sanções que vigoram contra o país. Apesar de tudo, para um voo de uma hora, serve melhores refeições que alguns voos de longo-curso de companhias aéreas bem conhecidas.

 

- Amanhecer em Teerão

- Teerão: A Metrópole da Pérsia

- Teerão: A Cidade de Onde é Difícil Sair

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Vergílio e o Sapolsky bebem Moscatel e comem Pistácios.

Entretanto vão ao teatro, ouvem Rachmaninov pelas mãos de Ashkenazy e assistem ao Bloody Sundae...

por Robinson Kanes, em 08.11.19

teerão_irao.jpg

Imagens: Robinson Kanes

 

 

Que poderia sobrar de um homem, em face de um irmão assassinado? os mortos cantavam a promessa, o sangue tingia a madrugada. E um deus que revivesse poderia ter anunciado a recriação do mundo, porque tudo o prometia em perfeição.

Vergílio Ferreira, in "Cântico Final"

 

 

Para este fim-de-semana, mais do que uma partilha de sentido único, decidi "convidar" alguns seguidores habituais para me ajudarem. De certo modo não foram convidados mas os gostos cruzaram-se e assim é também em espécie de dedicatória aos mesmos nesta iniciativa que já vai tendo lugar semanalmente.

 

Para uma leitura de fim-de-semana, não serão os livros ideais, mas poderão acompanhar, sem dúvida, muitos de vós durante dias e até semanas. Falo de "Cântico Final", de Vergílio Ferreira, livro que sei estar a ser lido pelo nosso amigo "Folhas de Luar". Vergílio Ferreira já é presença habitual neste espaço, por isso, nada melhor do que acompanhar Mário numa reflexão sobre arte, sobre vida e morte. Um livro forte, de 1960, e bem ao estilo que Vergílio Ferreira nos habituou.

IMG_20191108_085038.jpg

Também sei que o nosso amigo Vorph Valknut está a ler uma bíblia, o livro "Comportamento" de Robert Sapolsky. Sem ser indecifrável mas com um rigor extremo, já o disse, é um livro de leitura obrigatória! Tornar-nos-ía melhores seres-humanos, aliás, ajudar-nos-ía a conhecermo-nos como tal ao nível do nosso comportamento. Genial!

 

É óptimo se o nosso córtex frontal nos levar a evitar tentações. Mas geralmente é mais eficaz quando fazê-lo se tornou tão automático que já não é difícil. E em geral é mais fácil evitar tentações com o uso de distinção e reavaliação do que com força de vontade.

Robert Sapolsky, in "Comportamento"

 

Para ver? Depois da polémica da McDonald's, nada como perceber o que foi o verdadeiro Bloddy Sunday, um massacre que ainda hoje envergonha Inglaterra. A 30 de Janeiro de 1972, o IRA ficou mais reforçado na sua acção sobretudo depois do saldo se ter cifrado nos 14 mortos... 14 inocentes que se manifestavam e que viram o exército indiscriminadamente disparar sobre estes. A verdade é que apesar de tudo, a tensão, ainda hoje é latente apesar de alguma acalmia e procura de chegar a uma paz permanente. Não critiquei a campanha, mas simplesmente a hipótese do facto ter passado por tanta gente "competente" e ninguém ter percebido do que estávamos a falar... Grande e premiada obra de Paul Greengrass e que encontram no Youtube - é história e uma lição de que a liderança (hoje tão badalada) é uma coisa muito complicada. Só com David Cameron as desculpas chegaram, uma vitória tardia da justiça!

Passem também pelo São Luiz e assistam ao texto de Mário Benedetti encenado por Marta Carreiras e Romeu Costa, "Pedro e o Capitão". Ivo Canelas e Pedro Gil em altas! 

IMG_20191108_093647.jpg

Finalmente, algo para descontrair, uma música... Mantenho-me pelos clássicos: Rachmaninov pelas mãos de Vladimir Ashkenazy! Fica aqui um pequeno aperitivo de "Morceaux de salon, op.10"... O piano é mágico mas com notas de Rachmaninov e Ashkenazy torna-se em algo... Escutem o CD e o vosso fim-de-semana será bem diferente.

Finalmente, e para pensarmos... No país da "Web Summit", no país evoluído e da alta tecnologia, será que ninguém ainda percebeu (e já nem falo dos impactos na natureza, muito repetidos por aqui) que a subida do nível dos mares é uma realidade e portanto o novo aeroporto do Montijo tem uma duração mais do que limitada? Também no país da tecnologia é preciso que na televisão se fale de um bebé num caixote do lixo para de repente termos tanta sensibilidade quando o que não faltam são bebés para adopção mas esses estão melhor dentro de muros? Quanto vale uma "selfie" nos dias de hoje se for no momento certo, com as pessoas certas e com o circo mediático certo? E por fim... No país da tecnologia, como se esperava, e no espaço de menos de 3 meses, escuto (com muita apreensão e receio) o discurso de que combater a corrupção não traz assim grande coisa... A Universidade de Coimbra (ou parte dela) no seu eterno bafio...

 

Bom fim-de-semana.

 

Esperem! Não se vão embora... Agora é a minha vez de, com a Alice, partilhar um Moscatel SIVIPA Roxo de 2013 (ai aquele sabor de caramelo) e uns pistácios com açafrão do Irão. Agora sim, com estas iguarias podemos ir de fim-de-semana...

IMG_20191017_145712.jpgIMG_20191027_190624.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Teerão: A Cidade de Onde é Difícil Sair

E não é só por causa do trânsito...

por Robinson Kanes, em 07.11.19

irão_teerao_mesquita_sha-3.jpg

Imagens: Robinson Kanes

 

O calor aperta, em Teerão aperta bastante e um dos taxistas que vamos conhecendo diz-nos que ainda não é nada. A tarde começa a mostrar a força da poluição, em algumas zonas é impossível respirar - onde é que já vimos isto.

palacio_golestan_irao.jpg

As ruas continuam pejadas de carros e de gentes - uns em trabalho, outros simplesmente deambulando. É notável como se sente o conhecimento que também habita este povo. Este povo que faz questão de se assumir como persa e que não precisa de engalanar um facto que está à vista: a inteligência, o saber e a forma de estar. 

irao_teerao.jpg

Dirigimo-nos agora para o Palácio de Sadabade, mais a norte da cidade. Ainda voltamos a passar por um dos pontos de referência para quem se desloca na mesma, a Torre Milad. O taxista, numa cidade onde não faltam taxis e é habitada por 10 milhões de pessoas já é um conhecido, encontrámo-lo por mero acaso em Tajrish e foi uma alegria ao ver-nos! Pelo caminho vamos vendo entrar e sair passageiros, em Teerão também é assim e sempre fica mais barata a viagem. Inesperado é também o facto dos transportes públicos terem áreas (e até carruagens no caso do metropolitano) separadas para homens e mulheres mas dentro de um taxi ter circulado várias vezes quase abraçado a muitas mulheres - as coisas estão a mudar.

terra_irao_adabade.jpg

Mas o Palácio de Sadabade? Sim, entre jardins (não fossem os persas uns autênticos mestres na arte) encontramos um edifício moderno mas bem decorado, foi aqui que viveu o último Xá da Pérsia com a família. Mohammad Reza Pahlavi deixa-nos esta herança que já vinha dos Qajars e desde o seu abandono em 1979, ficou um complexo ajardinado com vários palácios, edifícios museológicos e governamentais, inclusive o palácio presidencial.

sadabade_palace.jpg

Gostamos de estar aqui, respira-se ar puro, é bom ventilar os pulmões em Teerão e além disso as montanhas já estão perto. Passamos pela "Embaixada" dos Estados Unidos que não é mais que uma memória histórica da crise dos reféns americanos de 1979! Praticamente intacta, transporta-nos para aqueles dias e onde é inevitável a propaganda anti-americana. Salvo uma situação ou outra, não vamos encontrar no Irão propaganda anti-ocidente em tudo o que é local, ao contrário do que é transmitido por algumas publicações. Nota-se sim uma presença ainda forte da memória da guerra Irão-Iraque e dos mártires da mesma, inclusive no cinema e na televisão.

sadabade_complex.jpg

Mais um taxi, mais uma viagem onde conseguimos por meio de gestos chegar à "fala" com o condutor pois a música que este ouve é fantástica - indica-nos duas boas rádios que prontamente registamos e até nos daremos, mais tarde, ao desplante de pedir aos taxistas que sintonizem as mesmas. Chegamos ao Grand Bazaar, queremos percorrer novamente a cidade mas não deixar para trás a visita à Mesquita Shah ou Mesquita Soltani.

irão_teerao_mesquita_sha.jpg

O relógio e os minaretes compõem o edifício e dão uma alma especial a uma praça onde comerciantes e clientes se misturam num ponto de passagem obrigatória, mesmo para os locais. Ficamos a sabe, em conversa com um iraniano, que este espaço, da era dos Qajars é histórico na medida em que foi aqui que se deram os primeiros passos para a Revolução Iraniana de 1905.

irão_teerao_mesquita_sha-2.jpg

Esta revolução teve as suas raízes depois da humilhação de alguns comerciantes acusados de serem os culpados pela especulação em torno do aumento do açúcar e que, além do encerramento do Grand Bazaar, levou à revolta de todo um povo. Foi também quando se dirigia para esta mesquita em 1951, que foi morto Haj Ali Razmara, primeiro-ministro do Irão, quando se dirigia para o funeral do Aiatola Feyez e que acabou por gerar mais um período complexo na história do país.

Teerão_irão.jpg

Estamos cansados e Teerão ainda tem tanto para ver e sobretudo para sentir...

 

Amanhecer em Teerão

Teerão - A Metrópole da Pérsia

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Teerão: A Metrópole da Pérsia...

por Robinson Kanes, em 06.11.19

Teerão_grand_bazaar-2.jpgImagens: Robinson Kanes

 

 

Há que distinguir entre conhecer e experimentar. Verdade conhecida não é o mesmo que verdade experimentada. Devia haver duas palavras distintas.

Aldous Huxley, in "Sem Olhos em Gaza"

 

 

Teerão não é a cidade mais bonita do mundo, mas existe algo que a torna especial: as suas ruas sempre numa azáfama, a poluição e a aridez que não abonam a seu favor mas... mas as suas gentes são outra coisa. A ausência de qualquer conduta na condução é algo que nos obriga a esquecer que existe um código da estrada, atravessar passadeiras é outro dilema, sobretudo quando aprendemos a atravessar e a arriscar, "eles vão parar, quando nos virem no meio da estrada param". Muitas vezes não procuram parar e até nos fintam seja de mota ou de carro mas sentimos que é aí que "perigosamente" já estamos com o chip da cidade. Torna-se ainda pior quando damos connosco a resmungar duas ou três palavras em farsi - é preciso dar resposta às buzinadelas e às criticas que chegam de todos os lados nestas situações.

Teerão.jpg

Queremos conhecer mais do Irão e embora (injustamente na maioria dos casos) muita da história deste país e desta civilização se encontre em museus espalhados sobretudo pela Europa, é importante visitar o Museu Nacional. É atroz a forma como muitas das mais importantes relíquias de um povo se encontram em museus de outros países!

museu_nacional_teerao-2.jpg

Por esse motivo este espaço museológico não é tão rico! No entanto, divididas entre duas áreas (O Museu do Antigo Irão e o Museu Islâmico) - a desculpa, dada a ocidente, de que o museu é pobre esconde uma vergonha em não assumir que não é propriamente por causa da divisão dos artefactos ou até a ausência de explicações mas sim pelo simples facto das principais peças estarem noutros lugares fora do país. Após a visita fica-nos não uma vontade de procurar as peças no exterior mas de conhecer Persepólis, um verdadeiro tesouro da Humanidade.

museu_nacional_teerao.jpg

Mas Teerão tem também o Palácio Golestan, uma jóia (extravagância?) dos Qajars. Deslumbramo-nos com o exterior do palácio, com a sala dos espelhos, com os azulejos e com toda a envolvência e simpatia daqueles que lá trabalham. A mim, perguntam-me se sou iraniano, algo que estranho - ao fim de alguns dias  deixarei de estranhar e até aproveito as deixas. 

palacio_golestan.jpg

Este palácio, Património Mundial da Unesco, é uma jóia e onde as culturas ocidentais e persas se fundem numa forma única e se complementam num espectáculo de beleza singular - O "Khalvat-e Karim Khani", os tapetes, o "Emarat Badgir" e os azulejos são o nosso fascínio.

palacio_golestan-2.jpg

E com tudo isto finda-se uma manhã bem no centro da cidade, entre quartéis, edifícios governamentais e claro, uma visita aos tesouros nacionais - não somos propriamente entusiastas, mas as pedras e metais preciosos que o Banco Nacional alberga são de deixar qualquer um de boca aberta. É hora de almoçar e no Irão, seja na rua, sentados num jardim ou efectivamente num restaurante, a oferta não falta e os pistácios crús não alimentam por aí além.

Teerão_grand_bazaar.jpg

Passamos ainda uma vez (e passaremos tantas mais) pelo Grand Bazaar e como esperávamos, esquecemo-nos de almoçar! Por incrível que pareça apenas compramos alguns frutos secos mas deliciamo-nos com as gentes, mais uma vez. Dizer que estes espaços são como na Turquia, é estar completamente fora do contexto. Queremos ver as gentes, apaixonam-nos os rostos, alguns tristes mas com uma vontade enorme de esboçar um sorriso - é algo que encontramos com abundância. Deambulamos, conhecemos, conversamos e vemos gente bonita e isso em Teerão não é nada difícil.

Teerão_grand_bazar.jpg

Vamos almoçar, agora sim... 

 

- Amanhecer em Teerão

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog





Mensagens

Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB