Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um Fim de Semana Com o Felix!

por Robinson Kanes, em 31.03.17

Untitled.png

 

Almada Negreiros, Sem Título (Colecção Privada)
Fonte da Imagem: Própria

 

 

No momento em que escrevo este texto encontro-me numa turbulência (não é metáfora) daquelas em que até os “palradores” do costume se calaram. Mas senti que devia escrever, será que começo a sentir o peso da responsabilidade para com quem ainda perde algum tempo a ler-me?

 

Como é sexta-feira, (ou vai ser porque estou a escrever isto numa quinta-feira) é o dia em que falo de algumas coisas que me agradam, que me deixam contente e de bem com a vida - para trás Satanás, hoje nada me farás pois o Senhor é o meu Pastor!

 

Esta quinta-feira, pela manhã, que afinal é sexta-feira, dei comigo a percorrer a ponte Vasco da Gama e a usufruir de uma sonoridade que, quem fosse ao meu lado, julgaria que na minha humilde viatura se ouvia AC/DC ou Rolling Stones, mas não... estava a “curtir uma bela de uma malha” de Mendelssohn, mais propriamente “Die Hebriden” também conhecida como "Fingal's Cave". Se acrescentar Opus 26 acham que soará muito a pedante da Antena 2?

 

Surgiu por acaso... num CD de clássicos que tenho no carro. E não é que soube mesmo bem atravessar o Tejo qual falua em busca de amêijoa ilegal! O Pastor Alemão que ia atrás adorou, aliás, contemplou o Tejo, como é seu hábito, naquele ar nobre e distinto que tal figura arrogante teima em não perder. Não lhe conhecia a faceta de Mendelssohn, devo confessar... talvez seja por partilharem a nacionalidade.

 

O poema sinfónico, embora dedicado ao Principe da Prússia e apresentado em Londres durante o ano de 1832, não é mais que uma abertura de homenagem à Gruta de Fingal, em Staffa, uma das ilhas Hébridas Interiores na costa da Escócia. 

 

Uma leitura para o fim de semana? O “Inverno do Nosso Descontentamento” de Steinbeck, bastante actual quando muita gente parece nem sequer questionar os valores que regem a vida em sociedade, em família e até do ponto de vista do indivíduo... onde vale tudo por um salário, pelo pagamento de um empréstimo ou simplesmente por um show off bacoco. Ler este livro é viver muito do que se encontra no nosso quotidiano.

 

 

Na pobreza é invejosa. Na riqueza pode ser arrogante. O Dinheiro não altera a doença, apenas os sintomas. John Steinbeck, in "O Inverno do Nosso Descontentamento".

 

Bom fim de semana e vão ver o Almada Negreiros à Gulbenkian!

 

Ah! O Felix, e logo com a London Symphony e o Mestre Sir John Eliot Gardiner:

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Posts mais comentados



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog





Mensagens

Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB