Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



"My Dear Ribatejo"

por Robinson Kanes, em 16.06.18

29102009416.jpg

Fonte das Imagens: Própria.

 

 

Em tempos, muito falei aqui do Ribatejo e da minha paixão por aquelas terras que me acolheram. O Ribatejo fez parte da minha infância, parte da minha adolescência e, no fundo, da minha idade adulta. Olho para o Ribatejo como aquela terra que sempre me acolheu bem, mesmo não tendo nascido na lezíria, na charneca ou abençoado pelas águas do Tejo quando ainda o doce não é invadido pelo salgado do oceano.

 

Nestes dias em que abordamos a selecção e os impactes na identidade nacional, eu retorno ao que é uma região onde ainda se sente o que é ser português e talvez, mais que isso, mediterrânico. É aí que estão os verdadeiros portugueses também, onde ainda encontramos campinos nos campos (e não é só no sentido de atracção turística, bem pelo contrário) e o ar tem um sabor especial, mesmo quando carregado daquele calor que nos obriga a refugiar sob a telha de uma pequena taberna enquanto cheiramos o vinho bafejado pelos ares do Tejo.

IMG_9279 (1).jpg

 Nos campos vemos sempre os seus habitantes, o gado, as aves e aqueles que trabalham desde longos tempos sempre com um espírito de sacrifício único e com um sorriso no rosto. Muitos ainda a remeterem-nos para a literatura de Redol e das vidas duras que estão associados ao trabalho no campo. Mas também as festas e as celebrações dão um ânimo peculiar ao Ribatejo, seja num arraial na Ascensão da Chamusca, seja num qualquer tasco "mal frequentado" em Alcochete!

IMG_0398.JPG

Percorrer o Ribatejo é, talvez, percorrer um dos lugares da Terra onde Natureza e Homem vivem numa simbiose quase perfeita, onde tudo se une, onde ritos e aspectos naturais ancestrais convivem em harmonia. 

IMG_0466.JPG

Olhar os olhos do gado nas pastagens é outro espectáculo único. Aí podemos passar horas debaixo de uma árvore a escutar o sons daquelas terras mas também a sentir o caminhar dos pesados animais que se alimentam nesta terra fértil. Arrisquemos em levar uma manta, comida e com sorta talvez tenhamos uma bela companhia para almoçar, só temos de apreciar o ruminar, lentamente e olhar o horizonte, por vezes a perder de vista e imaignar: "my dear Ribatejo".

IMG_0350.JPG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

De Montjuïc te Contemplo...

por Robinson Kanes, em 31.01.18

IMG_1311.jpg

Fonte das Imagens: Própria.

 

 

Saimos do bulício da cidade, da multiculturalidade do Raval e da multidão do Port Vell e subimos a Montjuïc ou "Monte de Jove"... Barcelona tem daqui uma das mais belas vistas - não terá sido por acaso que, desde os momentos pré-históricos, muitos povos se foram aqui estabelecendo. Por este monte, por exemplo, passaram os romanos que aqui ergueram o monumento a "Jove", daí o outro nome desta elevação.

IMG_1385.jpg

Quando subimos via "Passeig Josep Carner" - zona de "Drassanes" - a primeira imagem com que ficamos é arrebatadora: os "Jardins Mirador", onde se encontra o "Mirador de L'Alcaide", dão-nos uma vista única do Porto, da zona central e litoral da cidade. Mas não nos fiquemos por aqui, ganhemos forças e subamos até ao "Castell de Montjuïc", uma fortaleza do século XVII, um autêntico mirador de 360º da cidade e onde até os entusiastas da aviação podem observar o movimento no "El Prat". Podem dar uma vista de olhos pela interessante história deste espaço no website cultural do "Ajuntament" de Barcelona. Os que gostam de estudar a Guerra Civil têm aqui uma óptima fonte de conhecimento que inclui fotografias singulares dos bombardeamentos da aviação italiana e das peripécias (menos felizes) que tiveram lugar naquela fortaleza - recomendo vivamente. Admito que subir toda aquela colina de bicicleta e acabar no "Castell" era uma das coisas que mais satisfação me dava durante aqueles tempos em Barcelona.

IMG_1392.jpg

E se é de desporto que falamos, não poderemos deixar de falar do "Anella Olímpico", ou "Anel Olimpico", nascido aquando dos Jogos Olímpicos de Barcelona e que hoje inclui o "Estádio Olímpico Lluís Companys", o "Palau Sant Jordi" as fantásticas piscinas "Bernat Picornell" e a "Torre Calatrava", uma torre de telecomunicações projectada pelo mesmo arquitecto que projectou também a Gare do Oriente, Santiago Calatrava. Não é o mais fascinante que vamos encontrar, mas é algo que encontramos no caminho.

IMG_1349.jpg

Mas Montjuïc não é apenas um espaço com belas vistas ou com um cariz histórico-cultural, é também um lugar onde a Natureza por si só conquista todos aqueles que por aí passeiam ou fazem desporto - com intervenção humana, o Jardim Botânico é o mais emblemático, até porque as suas origens remontam a uma antiga lixeira.

IMG_1345.jpg

Depois de deixar a Carrer Ausiàs March de bicicleta, Montjuïc era o local ideal para preencher um dia de actividades onde não poderia faltar uma refeição ao ar-livre. Um local singular onde se conjugava a natureza, a história, a cultura e o desporto, sem esquecer todo um entorno paisagístico único! E se é de cultura que falamos, também é aí que encontramos a "Fundação Joan Miró" - não sou entusiasta do artista, mas as referências daqueles com quem privei eram óptimas. A par do "Poble Espanyol", foram dois espaços que nunca visitei - o último sempre o encarei como uma espécie de "Portugal dos Pequenitos" pois é o espaço onde podemos encontrar, em miniatura, alguns dos lugares mais belos de Espanha. Esta construção ainda é parte do que restou da Exposição Mundial de 1929 e que teve lugar naquela cidade. Mas já estamos a descer com uma vista espectacular sobre a zona de Llobregat. É por aí que encontramos o  "Museu Nacional de Arte da Catalunha".

IMG_1303.jpg

Este Museu, mesmo para quem não aprecia, merece no mínimo uma caminhada pelo seu exterior. Situado no "Palau de Montjuïc", é edificio classicicista (erguido para a Exposição Mundial de 1929) e que apresenta uma das mais belas colecções de românico do mundo - em termos de dimensão, é considerada a mais completa. Além da parte arquitectónica, nomeadamente o Salão do Trono e a Cúpula, sem dúvida que a visita às secções de arte românica e gótica são fundamentais, vejam as "Carpideiras". Claro que não poderia deixar passar um dos meus pintores de eleição como El Greco ("São João Baptista e S. Francisco de Assis", Tintoretto, Zurbarán,. Caliari, Tiepolo ou Tiziano que estão incluídos na colecção "Cambó" (uma nobre família Catalã) - por pouco me esquecia, mas tenho de me ajoelhar, também podemos encontrar nesta colecção pinturas de Rubens e Goya! E se pensarmos que estes e muitos outros também se encontram na colecção "Thyssen-Bornemisza"? Uma verdadeira "barrigada" de pintura que tornará qualquer dia mais especial e onde nem falta Canaletto.

 

Sei que já estou a ir longe, mas não poderia deixar de falar no acervo de pintura moderna que nos faz querer regressar, na eventualidade do nosso cérebro já não conseguir processar correctamente, perante tantas obras-primas. Não deixem passar o "Auto-Retrato" de Esquível, o espectauclar "Auto-Retrato" de Sorolla, as esculturas de Meunier e Rodin, a "Santa Madalena" e as paisagens de Jubany entre um sem número de obras que apaixonam até os menos entusiastas.

IMG_1356.jpg

Anoitece, regresso agora, na minha imaginação, depois de descer pela escadaria do museu com a bicicleta na mão, passo pela "Fonte Mágica" que emana as suas luzes mágicas (à noite e pontualmente) enquanto me preparo para fazer à estrada em direcção à "Plaça Espanya", não sem antes passar pelos pavilhões da "FIRA"... Decido se vou pela "Gran Via de les Corts Catalanes" ou desço a "Avinguda del Mistral" até ao "Raval" onde me posso encontrar com a Helena e o Felip e passar o resto da noite em boa companhia, entre uma ou outra cerveja e uma boa "escalivada".

IMG_1249.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

charles-bronson.jpg

 Fonte da Imagem:https://myfavoritewesterns.files.wordpress.com/2014/06/charles-bronson.jpg 

 

...Esta história de amor tinha de acabar com uma banda sonora romântica. Se está cansado de dançar com o Bonga e já encheu a barriga de fruta, sugiro que desça as escadas até ao final do capítulo e que se deixe levar pela música enquanto lê...

 

 

Look into my Eyes, Robinson... Tell me what you see...

Olha para os meus olhos, Robinson... Diz-me o que vês...

 

Novo compasso de espera que foi interrompido pelas despedidas. Não me peçam para explicar, aconteceu simplesmente. 

 

Contudo, a nossa heroína percebeu que deveria perguntar ao candidato se este tinha questões. Devia estar a consultar aqueles artigos muito "cientificos" com títulos como: "cinco perguntas que deve sempre colocar a um candidato numa entrevista".

 

Respondi que tinha uma  - tinha mais, mas percebi que estava a perder o meu tempo -, estava relacionada com os objectivos da posição e quais os desafios e ambiente que iria encontrar. Deixei claro que talvez fosse melhor questionar o cliente se passasse à segunda fase mas... Eis que irritei a Cidalina que, mexendo-se na cadeira, subiu ao palco e com um olhar à Charles Bronson, proferiu:

 

-Não! Não! Não! Isso também é connosco, nós é que temos essa informação.

 

Percebi a mensagem e olhei a Cidalina como alguém que está à espera da resposta. E atentemos na resposta, passo a citar: "É um novo projecto e os investidores precisam de ajuda de alguém para o lançamento, nestas coisas sabe como é, pode ser bom mas também pode ser um presente envenenado". 

 

Depois de um peculiar toque de cinismo português,  o "eh eh eh", que se seguiu ao "presente envenenado", devo dizer que fiquei esclarecido. Até porque esperei mais retorno, mas sem sucesso. Cidalina Bronson e um olhar de desafio, qual duelo entre dois cowboys a terminar com tiros de pólvora seca!

 

Mas a Cidalina continuava a olhar para o computador. Eu aproveitei para dar mais uma vista de olhos pelos documentos do Ministério Público e pelos os demais currículos.

 

Depois de ter esgotado o meu lado "comadreiro" tossi lentamente, ou seja, a onomatopeia de: “Acabámos ou não? Convidas-me a sair ou é agora que vai sair daí a garrafinha de 1920 e dois copos? Vamos mas é rir disto tudo, inclusive dessa voz de bagaço”.

 

Percebendo isso, a Cidalina lá agradeceu a minha presença e despediu-se com um " obrigado por ter vindo", não sem antes dizer que depois me telefonava. Não! Voltou atrás e disse que enviava email... Assim vai um para todos e está terminado.

 

Levantei-me e esperei que a Cidalina também se levantasse. Cidalina, qual rainha no trono basic da Staples, só o fez quando o meu compasso de espera foi tal que se sentiu obrigada a tal. Apertei-lhe a mão, algo que a mesma não esperava e, também percebi que não seria acompanhado à porta que dava para a rua.

 

Despedi-me dos presentes na sala com um “continuação de um óptimo dia e bom trabalho". A verdade é que todos disseram em uníssono: "obrigado, para si também".

 

...Não disseram nada...

 

Em suma, fiquei com pena dos clientes da empresa da Cidalina, fiquei com pena de mim por ter gasto o meu tempo e gasóleo com a empresa da Cidalina, fiquei também a saber que os “pretos de Angola” andam a correr com os “brancos de Portugal” e que, mais uma vez, no meio de tanto ruído e de tanto folclore, não fui a uma "best place to work" mas sim a uma "best place to die".

 

Regressei e ainda parei para almoçar em Paço de Arcos. Casa da Dízima? Não, lamento, foi mesmo numa tasca já com sardinhas que nem estavam más para o mês de Maio... E mais bem servido que na Casa da Dízima.

 

Porque quem dita o meu destino achou que eu precisava de fechar esta história em grande, ao meu lado estavam “pretos de Angola” a falar de negócios.  Ainda pensei em  abordá-los e sugerir a compra de uma certa empresa, pois davam ares de compradores de sucata.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

19c0078.jpg

 Fonte da Imagem: http://streetetiquette.com/wp-content/uploads/2012/11/19c0078.jpg

 

Cidalina , a  personagem de Robinson Kanes que abriu as portas para uma interpretação séria da época pós-modernista.

Odeceixe Mirror

 

Depois de ler "A Entrevista de Emprego, Apoios e os Pretos de Angola" comecei a encarar a pessoa de José Eduardo dos Santos com amizade.

Luaty Beirão

 

 Uma clara intromissão de uma cidadã portuguesa nos assuntos internos angolanos.

Jornal de Angola

 

 

(Caro leitor, desça as escadas e vá até ao fim deste artigo, ligue a banda sonora e deixe ficar ao longo deste capítulo).

 

Comeram a fruta e o balaio que é a Cidalina ficou chão...

 

Dê-me o seu NIF e cartão de cidadão? – Nova interpelação de Cidalina.

 

Fiz o olhar de quem não estava a perceber, pelo que a Cidalina tomou a iniciativa disse que era para ver junto da Segurança Social se eu tinha apoios! Eu respondi que obviamente não recebia apoios e que provavelmente não teria direito aos mesmos nem queria porque, enfim... Cidalina, olhe para o meu currículo, acho que é óbvio...

 

A Cidalina, não contente com a minha expressão facial, acabou por dizer que com apoios é mais fácil para levar o cliente a decidir. Segundo Cidalina Krugman, o método processa-se da seguinte forma: apresentam-se candidatos que custem o mínimo ao cliente, ou seja, não importa se são bons ou maus, mas que possam levar este a ter apoios do Estado. Por sua vez a organização da Cidalina Krugman, que também faz consultoria nessa área, encaixa mais uns euros (esta parte sou eu a deduzir). O que a Cidalina se esquece é que estivermos perante um bom candidato podemos sempre tentar sugerir o mesmo ao cliente e, quem sabe, aumentar o nosso revenue! Uma espécie de upsell! Ganham todos, o cliente contrata um bom profissional, a Cidalina brilha sem perceber como se recruta e o profissional é bem remunerado e não destrói o mercado.

 

Foi aqui, exactamente aqui, qual Professor José Hermano Saraíva, que percebi porque é que naquela empresa existiam tantos indivíduos com deficiência! A responsabilidade social estava presente porque existiam benefícios da Segurança Social com a contratação destes indivíduos. Ou seja, mais uma daquelas organizações que vive de apoios e sem eles já era.

 

Após a brilhante exposição de "como sacar mais dinheiro ao Estado", Cidalina olhava para mim e para o computador, como quem me dizia “isso vem ou não?”.

 

Pedi à Cidalina que me falasse da posição e a Cidalina falou-me da mesma dizendo que era um novo projecto e que andavam à procura de uma pessoa que ajudasse os novos investidores que nada sabiam do negócio (Cidalina tem a certeza que quer um estagiário?). 

 

Fantástica descrição, porque se ficou por isto mesmo, ipsis verbis.

 

No entanto, e numa tentativa de me abraçar neste "tango fatal", de me colocar pressão nas pernas, Cidalina foi mais longe e disse-me que recebia muitos currículos. Currículos de muita gente e com mais experiência. Deixei a Cidalina conduzir a dança qual senhora de meia-idade marota nas matinées dançantes do Mercado da Ribeira, até que percebi que o climax da entrevista ainda não tinha chegado, ao contrário do que eu pensava -  senão que Cidalina tem esta brilhante afirmação:

 

-Sabe, antes colocava-mos um anúncio apareciam dois ou três, agora com aqueles que vieram lá dos pretos, temos centenas de gente muito boa. Até tenho vergonha de lhes dar algumas posições quando os recebo aqui. Sabe que os salários em Portugal são uma porcaria, não sabe? Coitadinhos.

 

Posto que o meu interesse já tinha caído há muito pensava não estar a disfarçar o meu espanto, mas estava, porque a Cidalina continuou:

 

-Temos currículos muito bons, então estes que vieram lá dos pretos são mesmo bons. É uma pena, eles estão todos a voltar. Mas desde que os pretos de Angola os mandaram embora...

 

O meu interior ria-se desalmadamente, penso que nem consegui disfarçar um sorriso ou outro, sobretudo quando Cidalina enfatizou o "vieram lá dos pretos, lá dos pretos". Por outro lado, a veia colonialista da senhora estava bem presente no seu discurso acerca dos “Pretos de Angola”. Também estava presente que, para Cidalina, os "pretos" só existem em Angola e que África é constituida somente por Angola, Moçambique e Cabo Verde, onde Cidalina terá ido passar umas férias...

 

-Pois, e outros que nem lhes pagam! Aquilo lá está mau. Coitados! - Atira o Robinson mais umas cavacas de lenha de pinheiro para a fogueira.

 

Cidalina entusiasma-se e continua a sua dissertação sobre os espoliados pelos pretos de Angola, de como deve ser dificil ir para um país daqueles e vir de lá sem dinheiro  - "Maldita Pretalhada"!

 

Techila nizala zalaya frutas de vontade... Ai Curruuuuuumba!

 

Amanhã, o último capítulo...

 

  • Capítulo 01, clique aqui
  • Capítulo 02, clique aqui
  • Capítulo 03, clique aqui

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

giovanni_bellini_e_atelier_a_virgem_e_o_menino_nat

Giovanni Bellini e Atelier -  A Virgem e o Menino (National Gallery)

Fonte da Imagem: Própria 

 

O estudo da fauna humana recebe o seu mais glorioso "input" na pessoa de Cidalina.

National Geographic 

 

Ter filhos ou não ter, eis a questão.

William Shakespeare, Hamlet

 

Parece que entramos no filme Delicatessen.

Sónia Pereira, in Quimeras e Utopias

 

A paternidade e a maternidade segundo o Evangelho de Santa Cidalina...

 

Chegou a minha vez com um “é o Robinson?”. Percebo a questão, se é para ser tudo ao molho convém sempre certificarmo-nos de quem se trata.

 

Peço para me sentar, pois a Cidalina, já sentada, estava a olhar para o computador que tinha em cima da mesa e não me dizia nada. 

 

Depois de um “sim, sim”, observo a sala. Uma sala de reuniões comum, com um computador em cima da mesa, correspondência do Ministério Público à vista de todos e um sem número de outros papéis.

 

A Cidalina, além da voz de bagaço, tinha uma atitude demasiado pesada e um total desmazelo em relação aos dentes. Contudo, o dinheiro não chega sempre para todas as coisas. O reflexo do desmazelo também era visível no estado em que se encontrava a mesa.

 

Esperei mais uns momentos até que a Cidalina percebeu que eu estava ali. Fazendo aquele suspiro que um GNR do Posto Territorial de Ansião faria depois de almoço, disse:

 

-É o Robinson, deixe ver se tenho aqui o seu currículo.

 

Sou o Robinson. Sou o Robinson e também já percebi que nem olhou para o meu currículo. Mais interessante ainda, passa por eu conseguir apreciar os currículos de todos os outros candidatos enquanto a Cidalina procurava o meu. Confidencialidade no seu melhor, mais uma vez. "É esse! O meu é esse"...

 

Nova pausa, com o computador a tirar-me o protagonismo e eis que no típico ar gingão da fauna lusitana:

 

-Oh Robinson, fale-me de si, mas não me fale do currículo. É uma pessoa feliz, é casado e tem filhos?

 

“Fale-me de si, é uma pessoa feliz, é casado e tem filhos”! Tendo em conta que é sempre difícil fugir às duas últimas (e até concordo que se façam), mesmo que contra a lei, não é propriamente o mote para começarmos uma entrevista. Lá disse que era feliz, que não corria atrás da felicidade e que tinha de saber apreciar cada momento bom que a vida me dava. Mencionei que era importante gerir os maus momentos e também aqueles que a vida não me dá, mesmo quando luto por isso. Sugeri que tinha de criar um balanço entre prazer e propósito.

 

Percebi que não tinha dado a resposta certa! Devia ter mentido e ter dito que adorava festas e passeios, que adorava fazer compras e viajar pelo mundo ou então que sonhava com uma vida no Butão. Que o meu sonho era ser feliz como todos os outros, mesmo que todos os outros (eu incluido) não saibam o que é ser feliz.

 

Nova questão, fundamental para o trabalho em si:

 

-É casado, tem filhos?

 

Respondi que não era casado nem tinha filhos e comecei a criar o clima para iniciar a Terceira Guerra Mundial. Numa sala triste a sem qualquer cor, num edifício soturno e também sem cor dos arredores de Lisboa, as coisas iam começar a aquecer. A Cidalina insiste neste ponto:

 

-Mas vive com alguém? Não tem filhos porque?

 

Foi aí que eu pausei o meu discurso e considerei várias opções:

  1. Dou eu a entrevista por terminada pois perdi toda e qualquer vontade de continuar a conversa?
  2. Dou mais uma oportunidade e pode ser que a entrevista tome outro rumo, afinal não é o cliente final?
  3. Adoro conhecer as pessoas, avaliar o comportamento humano e aprender acerca daquilo que não devo fazer, pelo que fico mais um pouco?
  4. Confirmo a minha expectativa de que hoje em dia é maior o ruído que o profissionalismo?
  5. Tenho um blog, ou seja, fico e estico isto até dar um artigo daqueles?

 

Optei pela situação dois e respondi que vivia com alguém e que não tinha filhos.

 

Nova abordagem e a Cidalina começa a acusar desconforto:

 

-Mas não tem filhos? 

 

Respondi que nunca tinha pensado nisso. Mencionei que um dia poderia ter ou não, que não fazia com que a minha vida fosse controlada sob a expectativa de ter um filho e muito menos acusava pressões sociais. Além disso, mencionei a minha juventude e, consequentemente, o facto de ainda ter uma vida pela frente. Neste momento já estávamos a esgrimir argumentos sobre o ter ou não ter filhos.

 

-Então e a pessoa com quem vive, não quer ter filhos também? Que idade tem? O que é que faz? – Insistia a Cidalina.

 

A opção dois caía por terra e neste momento ficavam apenas as opções 4 e 5. Como a 4 estava confirmada, optei pela 5! Tenho um blog, isto vai dar mais sumo que um pomar com 100 hectares de laranjeiras!

 

Respondi que também não era do interesse da mesma, aumentei a idade e disse o que esta fazia. E pronto, estavam lançados os dados para mais um interpelação:

 

-Mas com essa idade, é que depois começa a ficar difícil! Mas como é que não querem ter filhos? Mas nem falam disso?

 

Ainda pensei em explicar que embora os riscos aumentassem com a idade, hoje, é possível colmatar até bem tarde essa situação. Não percebi que alguém tão preocupado com a maternidade não tenha pensado na adopção ou nem sequer tenha percebido que pode não ser possível a um dos indivíduos ter filhos e que é um tema que pode melindrar alguns casais. Ainda pensei em falar sobre isso, mas já seria ir longe de mais e perder tempo com quem não merece. 

 

Respondi que não estava nos planos e não fazíamos desse tema uma preocupação constate, que quando tivesse que acontecer lá aconteceria. Percebi no olhar da mesma que eu era uma carta fora do baralho. Por sinal, eu não precisei de chegar tão longe para perceber isso. Penso que a questão ficou "arrumada" quando comecei a citar Malthus numa tentativa de quebrar o gelo. Senti-me um "alien", o indivíduo jovem que já devia ter filhos, uma casa, uma station-wagon na garagem e um monte de hipotecas desde os 20 anos! 

 

O sorriso de desdém no rosto da Cidalina era qualquer coisa de genial e de repente o estilo matrafona transformou-se num estilo de habitante de Dogville, o filme de Lars von Trier. Acredito que a Cidalina terá pensado "que grande anormal, como é que não tem filhos!". Também já fiquei com uma carta na manga: quando alguém me vier com a história que foi discriminado porque tinha filhos que se prepare.

 

E ainda não tinhamos falado de trabalho... O meu lado alemão já me deveria ter obrigado a cortar e a ir directo ao assunto mas... Se o fizesse, ia perder o que ainda estava para vir! 

 

Continua...

 

Capítulo 01, clique aqui

Capítulo 02, clique aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

mr-spark-hayatini-kaybetti-h1425065881.Jpeg

Fonte da Imagem: http://cdn.yeniakit.com.tr/images/news/625/mr-spark-hayatini-kaybetti-h1425065881.Jpeg

 

A personagem de Cidalina é uma referência para os profissionais de Recursos Humanos, uma verdadeira "best practice".

Fogueteiro Business Review

 

Uma leitura obrigatória para acompanhar um vinho do Dão.

Carregal do Sal Zeitung

 

Robinson Kanes consegue encontrar a personagem que me faltou na tela os Bêbados.

José Malhoa, num jantar nas Caldas da Rainha

 

 

20 minutos para as 12 horas.

 

Eis que chego ao local da entrevista - um prédio antigo, daqueles típicos dos anos 70, com armários e caixas de correio já com a madeira desgastada. Lá dentro, um porteiro, que tinha todo o aspecto de porteiro - um homem dos seus cinquenta anos, forte e sempre com aquele ar de sentinela de depósito de material de guerra. Aquele que nos olha de cima abaixo à espera da nossa acreditação e depois nos solta vagamente o número do piso que procuramos.

 

Subo de elevador e bato à porta para entrar, apesar da mesma estar encostada. Surge um indivíduo que fica a olhar para mim qual "Spock" a tirar-me as medidas com aquele semblante peculiar. Olhei para o mesmo e disse o tradicional “bom dia”. Perante a ausência de retorno senti que tinha de ir mais longe - seria surdo? Seria mesmo um aprendiz do "Spock"? - disse que estava ali para uma entrevista com a Cidalina às 12 horas. O indivíduo, de camisa aos quadrados azuis e vermelhos qual pescador da Nazaré  faz-me um gesto com o braço. Deduzi que fosse um convite para entrar e entrei. Sei que soltou um esgar qualquer, mas confesso que não consegui perceber. Ainda hoje imagino como aquela interessante personagem ficaria se tivesse a farda da "Enterprise" vestida.

 

Era um indivíduo estranho e sem um sorriso num dia de sol daqueles, como era possível? Mas falava, tanto que falou quando entrámos num open space e soltou um quase inaudível “sente-se”, sempre acompanhado pelo gesto com o braço.

 

Olho à minha volta e vejo que estou numa sala onde toda a gente está a trabalhar, ou seja, onde a confidencialidade, a minha e a de quem lá trabalha, estava comprometida, sobretudo porque me dediquei a ver o revenue da organização no computador do senhor sem braço que estava à minha frente. Também me detive a ver o facebook do outro senhor que estava ao lado e que usava o chat do mesmo como se estivesse a telegrafar pedidos de socorro. Até consegui ver que apesar dos muitos smiles, os mesmos não se reflectiam na expressão do mesmo. Aposto que era um daqueles totós que tinha uma vida secreta de sedutor nas redes sociais e era conhecido no Cais do Sodré como o "Viking de Oeiras".

 

Mas... Ao meu lado, o meu rival. Um senhor dos seus quarenta e muitos anos que ignorou a minha saudação de bom dia mesmo tendo levantado os olhos de uma revista que lia: guerra é guerra e não há tempo para grandes cumprimentos entre as diferentes partes.

 

Fiquei a olhar para o meu rival, não que tivesse muito para olhar. Vestia fato cinzento e a armação dos óculos era como todos os senhores daquela idade que usam óculos e vestem fato. Aquele estilo de massa que a personagem Reuben Toshkoff do "Ocean's Eleven" usa. Tinha a perna cruzada enquanto o pesado corpo se afundava no sofá como se o mesmo o fosse engolir e só ficassem à vista os sapatos mal engraxados. Por momentos pensei que fosse necessário alugar um guindaste para retirar o senhor do sofá quando fosse chamado.

 

É sempre bom ter os candidatos, ali frente a frente, dispostos a tudo e até a encetarem uma luta sem quartel pela posição. Confesso que o estudei, no entanto percebi que se aquele indivíduo se atirasse a mim, não me faltaria tempo para fugir, a não ser que me atirasse entretanto com a pesada mala de pele que um administrativo da Lisnave usava nos anos 60.

 

Observo a sala e apercebo-me que a empresa em questão tende a recrutar muitos indivíduos com algum tipo de deficiência. Foi uma coisa que me deixou contente, afinal também é dar uma oportunidade aos demais e promover uma verdadeira Responsabilidade Social. Pensava eu...

 

Tirando o tagarela de um dos colaborados que, ao invés de trabalhar, insistia em interromper os colegas com conversas sem interesse absolutamente nenhum, reinavam as caras de peixe cozido entre os colaboradores. Quero acreditar que estavam assim porque todos tinham perdido um familiar naquele dia.

 

De repente, uma porta abre-se e vejo um possível candidato à posição a sair acompanhado pela senhora com voz de bagaço e que alia a isso o facto de parecer uma autêntica matrafona, algo que eu não tinha visto no photoshop do website da empresa e no LinkedIn da mesma.

-Ai que bom, consegui juntar todos à mesma hora! - Disse, acompanhando com uma gargalhada.

 

"Ai que bom, consegui juntar todos à mesma hora"! Obviamente, nem que seja preciso fazer-vos esperar, porque se vocês estão à procura de emprego, é porque não têm mais nada que fazer! Ai que bom seria ter aqui uma garrafa de aguardente Aldeia Velha para  atirar a essa cabeça com voz de bagaço.

 

Entrou o meu rival, também sem um sorriso, aliás, o ânimo era imenso. Quem é que não quer recrutar uma pessoa assim? Lá fui esperando, lá consegui perceber que o meu rival conhecia alguém que conhecia o Director da empresa (podiam ter fechado a porta nessa parte) e que ali estavam apresentados e que o “Y” era amigo de “X”. Os risos aí foram muitos, aqueles risos cínicos e "very corporate". A entrevista deste não durou 10 minutos. 

 

Continua... 

 

Clique aqui para aceder ao Capítulo 01

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Mensagens

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB