Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Cuidado senhor Trump, o perigo para si está em Portugal... Depois de ir a Washington fazer a figura de provinciano gingão com a mania que pode gozar com os grandes, Marcelo voltou ao ataque a Trump esta semana após nova visita... Estranho é ouvir Marcelo a contestar o unilateralismo quando foi um partidário da cátedra "orgulhosamente sós" durante um regime ditatorial... Será que é inveja porque Trump tem mais mediatismo? Será que se deve ao facto de Trump também já ter feito algo pelo seu país (pois nem tudo o que o senhor faz é mau) e que vai para além de beijinhos e abraços? E porque não fala Marcelo da Venezuela e até de Angola? É motivo para mais um "facepalm"...

donald-trump-facepalm.jpg

 

E por agora, mais não digo... Até porque Trump já nem vai dormir depois de ter percebido que Marcelo não é propriamente o seu melhor amigo...

 

P.S: esta semana deu-me para isto, enfim...

 

Créditos: https://fabiusmaximus.com/2018/03/25/last-days-of-trump-rise-of-pence/

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Som de Stelar e a Fúria de Faulkner...

por Robinson Kanes, em 15.02.18

 

IMG_20180215_081609.jpg

Fonte da Imagem: Própria.

 

 

Vem aí mais uma fim de semana, quase prolongado para este espaço, pelo que, só voltaremos lá para segunda ou terça-feira, depende se há paciência para escrever algo durante a viagem...

 

Por aqui, de vez em quando, lá se vão deixando umas sugestões, e esta semana, ouso em deixar uma que nem me apaixonou: o "Som e a Fúria" de William Faulkner. Faulkner já passou por este espaço em Outubro de 2017, aqui mesmo! Falou-se de "Os Ratoneiros" - um livro com uma leitura algo simples mas incontestavelmente mais apaixonante, sobretudo quando acompanhamos Boon num sem número de peripécias que nos divertem até um feliz desenlace.

 

Quem espera uma exploração profunda da época, nomeadamente do contexto sulista pós-revolução americana, do incesto, do amor e da decadência das famílias do sul, pode preparar-se para não encontrar aquilo que procura... Os quatro narradores, três deles personagens, acabam por nos levar para um exercício de fluxo de consciência que nem todos apreciam. Apesar de ser colocado como um livro de dificil leitura não me alongo mais na apreciação do mesmo, até porque muitas das abordagens que existem, e como acontece em tantas obras, são por vezes tão forçadas que ficamos com a sensação de que, ou somos ignorantes ou efectivamente alguém quer colocar as coisas num patamar em que não estão! No entanto, isso não nos impede de olhar para o choro de Benjy de uma forma diferente e que no fundo descreve um pouco de todo o colapso da família e das diferentes personagens, como Caddy, a inocente e pura; Quentin, o irmão incestuoso; e finalmente Jason a personagem dura e patriarca da família após a morte de Mr. Compson.

 

Finalmente, uma nota para Dilsey que só aquele narrador (Faulkner?) poderia chamar a atenção... Dilsey, talvez a grande "patriarca" activa e moral da família, a criada em nada reconhecida e valorizada, mas que é sinónimo de estabilidade emocional, moral, valores e paz!

 

E... Para que não me acusem de estar desfazado meu tempo, faço a minha primeira abordagem à música electrónica, e neste campo, não poderia deixar passar Parov Stelar, o austríaco criador do "Electro Swing"... O que me apaixona é a combinação entre a música electrónica e o jazz que conseguem criar obras, algumas delas em estilo mais underground e que naquelas noites mais ousadas nos proporcionam um misto de paz combinado com uma eterna vontade de movimento. Outras, talvez sejam a banda sonora ideal para uma Primavera em Maiorca ou no sul de França... Longe do bulício das grandes discotecas, naquela praia mais recatada e onde as mesas de bar são de madeira desgastada...

 

 

Não é dos meus compositores mais apreciados, mas é sem dúvida a confirmação de que nos anos 90 já existia alguém a adivinhar os ritmos que hoje são autênticos sucessos internacionais! Talvez por isso, a minha escolha... E talvez porque não há nada melhor (pronto, ou talvez haja) que esta banda sonora (vide abaixo) para ir de Sanremo, atravessando a Ligúria até Savona e chegando a Turim onde deixamos que as montanhas nos engulam em cada curva até à fronteira com a Suiça, já em Zermatt... 

 

 

Bom fim de semana e tomem lá mais uma... Até porque ainda é Carnaval! Gozem mais as épocas e menos o "show off" consumista ou gabarolado em torno das mesmas...

 

 Bom fim de semana...

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_2309.JPG

Peter Paul Rubens - Guerra nos Céus/Pormenor (Alte  Pinakothek)

Fonte da Imagem: Própria

 

Os lugares mais sombrios do inferno são reservados àqueles que se mantêm neutros em tempos de crise moral.

Dante Alghieri in “A Divina Comédia” (Inferno)

 

Um dos traços que marca a postura de Trump é louvável: cumpre o que promete! Trump prometeu tomar uma atítude em relação ao "Acordo de Paris" e fê-lo! Mas Trump não o fez sozinho. Trump penas deu azo ao cumprimento de uma promessa eleitoral. Os americanos, e Trump é só mais um, votaram a saída do Acordo de Paris.

 

Não vou perder o meu tempo com análises políticas e geo-estratégicas, teremos quem o faça, mesmo sem dominar o tema. Também espero que percebam que muito desta política se deve à perda de hegemonia por parte dos Estados Unidos no cenário internacional, num cenário internacional onde o peso do petróleo é cada vez menor. Não é por acaso que a Europa se vira para a China e para a Rússia com olhar atento...

 

No entanto, aqui no bairro, aqui no bairro não vivemos de comentadores nem de discursos vazios... Aqui no bairro olhamos uns para os outros e juntamos mais uma preocupação ao nosso quotidiano e ao futuro de todos nós... Ou talvez não... Ou talvez estejamos mais preocupados com quem quer comprar casa em Lisboa e quem é que está à espera de um filho, em quem é que disse um sem número de trapalhadas nas redes sociais... Porque aqui no bairro, aqui no bairro até nos ensinaram algumas coisas, mas nem sempre nos permitiram pensar. E os que pensaram... Os que pensaram nem ouvimos falar deles.

 

Aqui no bairro olhamos para Manila, muitos de nós nem sabe onde fica... Amanhã estará esquecido, como já está esquecido que as Filipinas há muito que são um barril de pólvora no sudoeste asiático. Aqui no bairro olhamos para as alterações climáticas como um problema dos Estados Unidos. Ou talvez não... Talvez sintamos o sofrimento de quem morre lá ao longe bem perto de nós... Porque aqui no bairro muitos fugiram da guerra.

 

Ou então, no bairro, o nosso nível de inteligência é tal que perdemos a esperança na cidadania e em mudar o mundo. E é nesse momento... Nesse momento, aqui no bairro, que percebemos que a Democracia é a forma mais perfeita de Ditadura.

 

Tinha planeado um artigo bem mais simpático, mas no bairro... No bairro também nada é previsível.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog





Mensagens

Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB