Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Verdades na Estrada...

por Robinson Kanes, em 21.11.18

 

IMG_5865.JPGImagem: Robinson Kanes

 

Uma carrinha de caixa aberta, uma estrada movimentada e uma verdade bem latente, logo abaixo da matrícula. E razão para recordar as palavras do mestre Vergílio Ferreira e pensar  em "quantas vidas se fariam com o que a nossa não utilizou"...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

L'Amitié...

por Robinson Kanes, em 26.10.18

IMG_4074.JPG

 

Imagem: Robinson Kanes

 

 

Não procuro fazer uma homenagem a Françoise Hardy e à eterna música "L'Amitié" mas sobretudo à amizade... Uma amizade celebrada nos bancos de jardim entre pingas de chuva extemporâneas e vendavais que não nos tiram a vontade de abandonar aquele com quem estamos, com quem trocamos uma experiência única e que, não raramente, nos vem à memória.

 

Como cantará Hardy "Ils ont fait la saison des amitiés sincères", e na verdade, quão sinceras serão as amizades de hoje, ou pelo menos, a maioria delas? Quanto não valerão algumas gotas de chuva, algum pó na cara arrastado pelo vento, enquanto ali, sentados, podemos ter todo o mundo a dois...

 

Qual o valor de uma conversa num banco de jardim, entre as compras do fim de tarde e o regresso do labor diário? Serão aqueles dois vestidos pretos a celebração de um momento tão humano ou o luto por um comportamento cada vez mais singular.... 

 

Talvez volte a colocar essa questão quando novamente cruzar o 4me arrondissement.... 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vending de Bens Intangíveis...

por Robinson Kanes, em 22.08.18

1522098729-intangiblegoods-highres-7446.jpg

 Imagem: Art & About Sidney

 

 

O mundo das artes tem, cada vez mais, de estar aberto ao mundo real. Muitos artistas e correntes que vivem fechados em autênticos mausoléus ou em bairros das grandes cidades, como se estivessem acima dos demais mortais têm os dias contados, sobretudo quando os financiamentos públicos de projectos inúteis começarem a terminar - financiar cultura só porque sim não é o caminho, sobretudo em sociedades onde a grande maioria dos cidadãos já não são propriamente analfabetos.

 

É nesse âmbito que destaco um projecto, "Art & About Sidney" e um dos seus subprojectos, nomeadamente o "Intangible Goods", ou seja, bens intangíveis. Em relação ao projecto mãe, o "Art & About Sidney" não é mais que um projecto que procura, sobretudo junto dos artistas, a promoção de ideias que possam ajudar à definição do espaço urbano quer em termos de identidade quer em termos de desenvolvimento e bem-estar. Procura-se que artistas e público trabalhem juntos e criativamente desenvolvam projectos com real impacte no dia-a-dia de uma metrópole como Sidney.

 

Foi neste âmbito que um dos projectos mais interessantes teve lugar e por isso, também chamou a minha atenção. O "Intangible Goods" não é mais que uma iniciativa que, numa sociedade onde tudo se compra e tudo se vende, procura também trazer para o mercado algo que ainda ninguém consegue vender, e muitos parecem nem sequer perceber que se pode comprar... Que se pode sentir... Falamos de coisas como bem-estar, um propósito, paz, relações e mais um sem número de estados de espírito e emoções que não encontramos no supermercado.

 

Imaginem que numa "vending machine", aquelas máquinas onde colocamos umas moedas e nos sai uma sandes ou um café, conseguimos colocar à venda um pacote de "calma" ou de "repouso", ou então até de" amor" ou "auto-estima". Quais poderão ser os resultados? Sobretudo se estes produtos forem desenvolvidos por profissionais de saúde mental e artistas? E imaginem que alguns dos lucros acabam por reverter para instituições que trabalham na área da saúde mental, sobretudo do ponto de vista cientifico? Parece estranho, mas como qualquer produto de sucesso, também este passou por uma fase de teste e estudo de necessidades junto de uma amostra da população de Sidney.

 

De facto, parece-nos estranho comprar, por exemplo, um estado de alegria, todavia, mais estranho é poder viver essa alegria quase todos os dias, afinal Camus era o primeiro a dizer ("Entre Oui et Non") que tudo era simples, somente os homens é que complicava as coisas... No entanto, praticamente esquecermo-nos anos a fio que, por exemplo, a alegria existe e depende, em muito, de nós próprios.

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Playlist" para uma Madrugada...

por Robinson Kanes, em 05.06.18

IMG_2965.JPG

Fonte Imagem: GC 

 

 

Ultimamente a condução noctura e madrugadora tem feito parte da minha vida... As saídas tardias atiram-me para uma necessidade de escape mesmo que entre o asfalto e o conforto dos estofos. Tenho aproveitado, sobretudo, para ouvir algumas músicas que vão compondo a minha playlist ao longo dos anos e assim podendo também partilhar um pouco do que vou sendo por aqui, posto que não é propriamente a minha imagem de marca... 

 

Este Sábado, e já passava das três da manhã, uma marginal junto ao mar e a Lisa Ekdahl a adivinhar o início de um novo dia com o seu "Daybreak". É uma música de amor, mas tem o seu quê de boa disposição, que nos faz mexer no banco do carro, na cadeira ou até de pé no escritório ou seja lá onde for, além disso... Música simples, mas apaixonante e que nos carrega baterias na madrugada rumo a um novo dia ou a um novo beijo ou abraço.

E como estamos numa onda de vozes femininas que podem preencher os bons momentos de uma madrugada não poderia deixar uma descoberta já com o seu tempo... Falo de Sophie Milman e "Something in the Air Between Us". É impossível resistir ao amor e ao romance, mas afinal, é isso que nos pode esperar quando a cacimba nos afronta o vidro do carro e nos obriga a um esforço extra de condução até um destino em que o ar está recheado de sentimentos de paixão.

Uma das minhas músicas de eleição dentro do registo "Oceano Pacífico" teria de ter destaque numa madrugada ao volante: Cutting Crew e "I've Been in Love Before". Não vivi propriamente os anos 80 como o viveram muitos, até porque nasci em meados dessa década, no entanto, tenho de reconhecer que acabaram por fazer parte da minha vida. Foi uma espécie de últimos anos de boa música - a prova disso é o impacte que ainda hoje têm face a "êxitos" actuais que são facilmente esquecidos. No entanto, quando temos irmãs que têm idade para serem nossas mães, acontece que possamos ser muito influenciados pelos gostos das mesmas. Não conheci esta música nos anos 80 e muito menos nos anos 90, no entanto é uma daquelas que nos faz dançar na sala, entre um Rosso e um Bianco ou então enquanto preparamos o jantar com quem gostamos. Presença obrigatória cá por casa.

Outra das músicas que obrigatoriamente devem preencher uma madrugada é "My Valentine" de Paul McCartney. Ouvi esta música pela primeira vez ainda não tinha saído, ouvi-a por acaso perto de Bath e nunca mais me largou e obrigou à compra de um brilhante disco de McCartney, "Kisses on the Bottom". Quando pensamos que este senhor já não nos pode surpreender aí está mais uma grande música! Tenho uma tendência para descobrir sempre os novos lançamentos de McCartney fora do país, um dos últimos foi em Berlim. Mais uma que não deixa de tocar por estas bandas... Influências do amor, quiçá...

Uma madrugada ou até uma noite tranquila, ou onde os pensamentos dominam o nosso espírito, ou onde até um bom momento com quem amamos tem lugar não pode ficar completa sem "Hold On My Heart" dos Genesis! Do albúm "We Can't Dance" é sem dúvida um dos hinos à música! É a sonoridade ideal para acompanhar a luz dos faróis entre curvas e rectas até ao destino que nos acolhe. De deitar na cama ou até de sentar no sofá após o regresso e permitir, ainda com a melodia nos ouvidos, que possamos deixar que a nossa mente ande por aí a vaguear num turbilhão de emoções e pensamentos enquanto o corpo relaxa.

Diana Krall e "The Look of Love", mais um albúm que habita cá em casa. A música, a voz de Diana Krall e tudo o resto dispensam palavras... Desde sempre uma presença obrigatória no carro, em casa e onde quer que esteja! Palavras para quê, simplesmente brilhante.

Regresso aos anos 80 para mais um albúm que tem presença cá em casa, sobretudo com a música "Everybody Wants to Rule The World". Conhecida sobretudo pelo seu ritmo e sonoridade, a letra desta música dos Tears For Fears permite-nos retirar um pouco mais de sumo daquilo que nos é apresentado.

It's my own desire
It's my own remorse
Help me to decide
Help me make the most Of freedom and of pleasure
Nothing ever lasts forever
Everybody wants to rule the world

É uma daquelas músicas que nos atira para a frente, que nos fazer erguer a cabeça e nos acompanha em qualquer viagem... Seja nesta madrugada ao volante ou então nessa viagem bem mais curta... Sim, bem mais curta que é a vida.

Outro dos meus cantores e músicos preferidos, aliás, com todos os albúns presentes na sala, é Peter Cincotti. Devo esta descoberta à "alemã" que trouxe até mim este senhor. Foi sem dúvida uma das melhores descobertas no mundo da música, pelo menos para mim. Optei por escolher uma que também me acompanhou esta madrugada, embora possa enumerar um sem número de músicas que me apaixonam - "Madeline" do albúm "Metropolis". Poucos hoje em dia conseguem conjugar a autoria, composição, interpretação instrumental e vocal como Cincotti. Sem dúvida um músico a acompanhar.

Não sou propriamente o maior simpatizante dos The Cult, mas não me é permitido não gostar de "Painted On My Heart". Foi banda sonora do filme "Gone in 60 Seconds" e embora o filme não seja propriamente brilhante, a música é qualquer coisa. Mais uma daquelas que se gosta e, talvez nesta madrugada, apesar da cacimba, convidasse a apertar um pouco mais o acelerador. Eu sei que não é o melhor conselho, mas quem nunca prevaricou que atire a primeira pedra...

Finalmente, e já com o lar bem perto, seleccionei Dave Matthews Band. É talvez daquelas bandas que é giro gostar-se, no entanto existem aqueles que, como eu, e perdoem-me a sobranceria, gostam, apaixonam-se e não mais conseguem largar este contágio. Conheci a banda com a música que apresento aqui: "The Space Between". Dave Matthews Band surgiu numa fase algo estranha da minha vida - não posso dizer que foi boa ou má, foi estranha e não terá sido no mau sentido, deduzo... São épocas em que conhecemos tantas pessoas, sobretudo mais velhas que nós, e que aprendemos tanto que chega a ser complexo fazer uma gestão de toda essa carga de vida que existe à nossa volta... Uma espécie de retalhos de diferentes vidas que observamos - quando ainda nós não temos a nossa vida propriamente definida, se é que algum dia a temos. Chamem-lhe maturidade, vivência, experiência ou simplesmente palermice... Mas é assim...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Na Flor da Rosa com "La Traviata"...

por Robinson Kanes, em 04.08.17

IMG_20170730_002454.jpg

Fonte das Imagens: Própria. 

 

Dizem que este espaço andou à boa vida por estes dias... É possível, desde que não seja atacado pela silly season ainda se vai tolerando...

 

Esta semana, e posto que ainda se vai relendo o Sr. Garcia Márquez e o seu "Amor em Tempos de Cólera" - Fermina Daza volta a pensar em Florentino Ariza, mas lá acaba por se aproximar mais uma vez de Juvenal Urbino - deixo apenas uma sugestão que combina música e representação: a ópera "La Traviata" de Verdi... Por aqui até costumamos dizer, "Não é que não houvesse, haver havia, mas eram verdis".

 

IMG_20170729_201840.jpg

E porquê "La Traviata"? Primeiro porque tivemos a experiência de assistir a esta ópera em exterior, mais propriamente no jardim da Pousada do Convento da Flor da Rosa (localidade no concelho do Crato), numa noite quente e onde a companhia "Ópera del Mediterráneo" deu um espectáculo daqueles, sobretudo a Soprano Gema Scabal (Violetta) e o Barítono Carlos Andrade (Giorgio Germont). Falta "Alfredo", mas Vicenç Esteve Madrid poderia ter estado melhor. O facto de se ter realizado no Convento da Flor da Rosa e de ser "La Traviata" não nos fez hesitar um minuto, sobretudo quando já tinhamos visto Rolando Villazón e Anna Netrebko nos papéis de Alfredo e Violetta. O cenário é fascinante, não se nota tanto pseudo-elitismo e o convento fica situado dentro da aldeia - enquanto a ópera se desenrolava sob a luz das estrelas conseguíamos ouvir pontualmente os cães a ladrar e os sinos a tocar - ao invés de prejudicarem a peça, só lhe deram mais força!

 

Mas a "La Traviata"... Adoro esta ópera, apesar de algum dramatismo exagerado, talvez pela inspiração que a mesma tem na obra de Alexandre Dumas Filho, "A Dama das Camélias" (o libretto é de Francesco Maria Piave). No entanto, é também apaixonante na medida em que estreou em 1853 numa das mais belas salas de ópera que conheço, a "La Fenice" (em Veneza) e depois porque tem árias como "Libiamo ne' lieti calici", "Sempre Libera" e "Addio del passato"... Verdadeiramente brilhantes e das quais partilho convosco alguns vídeos. 

 

A história? Tudo começa com um baile em casa de Violetta, uma cortesã mundana, e a quem é apresentado Alfredo, um nobre que se apaixona por esta, mesmo sabendo que existe um amante: o Barão Douphol. Perante a abordagem de Alfredo, Violetta admite sempre ser incapaz de amar pois mais uma vez é uma imoral mundana! A ária "Sempre Libera" vem daí e perante a insistência de Alfredo à qual Violetta acaba por ceder. Acabam ir viver juntos para a casa de campo da cortesã.

 

Será também na casa de campo que Alfredo descobre as dificuldades financeiras de Violetta e secretamente se oferece para as colmatar. Contudo, O Sr. Germont, pai de Alfredo e regressado da Provença, receando ver o seu filho enamorado por uma cortesã de má fama, pede a esta que se afaste do seu amado sob pena da irmã de Alfredo não ser desposada e do nome da família ficar manchado. Violetta acaba por ceder, contra todos os seus desejos, e abandona Alfredo. Já vi isto em qualquer lado...

 

O reencontro dá-se quando Violetta aceita o convite para uma festa em casa da amiga Flora e se faz acompanhar pelo Barão... Nessa festa está também Alfredo que entra em vários desafios com o Barão, quer no jogo (onde o vence) quer depois quando o desafia para um duelo! Este desafio surge porque, a sós com Violetta, Alfredo tenta reaver a sua amada mas esta, satisfazendo o pai de Alfredo, diz amar só e só o Barão! Alfredo humilha e trata Violetta como uma prostituta, chama todos os convidados e atira o dinheiro ganho no jogo para cima desta e sente o repúdio de todos, inclusive do pai que entra em cena já no fim do segundo acto.

 

Violetta abre mais um acto numa Paris que celebra o Carnaval, tísica e esquecida pelos amigos, excepto Grenvil, médico e amigo (mais um toque de Verdi à sociedade da época). É aqui que recebe uma carta do pai de Alfredo e onde este confessa ter falado ao filho do sacrifício de Violetta. Giorgio Germont diz também na carta que Alfredo se encontra a caminho para pedir o seu perdão. Violetta, contudo, teme que Alfredo não chegue a tempo e é aqui que canta "Addio del passato bei sogni ridenti"... Maravilhoso!!! A gravação da albanesa Ermonela Jaho (último vídeo) é um hino!

IMG_20170803_170920.jpg

Alfredo chega entretanto, acreditando que o amor vencerá a doença mas... Logo após a chegada deste, de Grenvil e de Giorgio Germont, Violetta cai sob os seus braços e morre, não sem antes ter conseguido forças e esperança para acreditar num amor tão poderoso capaz de desafiar o destino cruel.

 

Como muitos lhe chamaram, uma ópera imoral... Eu iria mais longe e diria que é uma ópera romântica e real que aos morais de capote provoca o asco de se reverem em alguns comportamentos. Uma ópera cujo amor vence tudo, mas só não vence a doença. Um amor que não pode escapar ao destino mortal mas tem de escapar ao, muitas vezes, desejo de morte e à moral.   Sobre isso, dizia Ferreira de Castro (in "A Experiência") que "uma moral, qualquer que seja, se, por um lado, se renova, por outro envelhece, e há normas de moralidade colectiva que, com o tempo, revelam toda a sua desumanidade e tornam-se, portanto, imorais".

 

Apesar da morte de Violetta, talvez seja a lição de que o amor por nada deve ser trocado e contra tudo e contra todos deve ser defendido, porque só a morte tem o direito natural de pôr fim a tudo.

 

Bom fim de semana...

 

As três árias para vos contagiar:

 

"Libiamo ne'lieti calici"

 

 

"Sempre Libera"

 

 

 

"Addio del passato"

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Desumanização de Mortos e Vivos.

por Robinson Kanes, em 06.06.17

IMG_2855.JPG

 Fonte da Imagem: Própria

 

Inegável... O facto de que quanto mais mortes ocorrem mais insensíveis nos tornamos às mesmas. Procuramos criar mecanismos de defesa de modo a que possamos afastar essa morte de nós, até porque é fugindo dela com elementos distractores, como o quotidiano, que podemos conceber uma vida normal.

 

Será que recusamos essa responsabilidade e queremos afastar-nos desse fardo, do peso desse caixão? Será que Aristóteles teria razão quando dizia que “a morte é morte de alguém e tê-lo sido de alguém não é levada pelo moribundo mas sim pelo sobrevivente”?. Será por isso que fugimos dessa e da nossa própria morte que será herança que outrem nos deposita? O alguém que só existe porque nós existimos?

 

Costumo afirmar que morro sempre um pouco quando perco as pessoas que realmente interferiram na construção do meu ser - as pessoas que, para o bem e para o mal, fizeram aquilo que eu sou. As pessoas que me acompanharam na criação da minha essência, que por elas foi influenciada e não por um qualquer Deus, seja através de uma predestinação, seja pela bondade do mesmo em relação a um livre-arbítrio. Vejo-me um pouco na imagem de Vergílio Ferreira quando nos diz no seu Conta-Corrente (Volume II) que “o homem viveu até hoje pelo que acumulou da humanidade – e viverá amanhã pelo que acumulou de desumanização”.

 

Por vezes sinto que carrego um pouco desses mortos comigo e que provavelmente vivo essa desumanização. Que os sustento a combater a desumanização, ou seja, de não encontrar a minha morte e, no fundo, também a dos outros mesmo antes de morrer. Mas o peso é grande demais e paradoxalmente tendo a perder a guerra...

 

Talvez não seja mais que isso mesmo: a dificuldade, não em encontrar uma nova Humanidade, mas em encontrar uma forma de ser novo perante uma velha Humanidade e, com isso, percorrer o caminho que um dia acabará na desumanidade de uma boca cheia de terra ou um corpo transformado em cinzas.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Foto0205.jpg

Fonte das Imagens: Própria 

 

Chegamos ao último de cinco artigos em que procurei encontrar algumas das coisas boas que temos por Portugal. 

 

Dediquei este último artigo ao Ribatejo. Mais uma vez, culpa da minha paixão pela região e também pela parca divulgação que a mesma tem. Para muitos, infelizmente, o Ribatejo continua a ser apenas uma boa almoçarada em Almeirim. Contudo, também muitos são aqueles que ainda desconhecem as verdadeiras riquezas deste lugar, inclusive eu, que não me canso de ser surpreendido.

 

Para conhecer muito do que este território nos dá, é essencial que as quatro rodas fiquem pelo caminho, aliás, as duas rodas (sem motor) serão fundamentais para percorrer parte do caminho que leva Muge à Ponte Rainha D. Amélia - o ideal será mesmo deixar o automóvel em Benavente e fazer a estrada do campo até Muge. É perto dessa localidade que podemos seguir lado-a-lado com a linha de caminho-de-ferro do Ramal de Vendas Novas e que liga Setil (perto do Cartaxo) à vila que lhe dá o nome, já no Alentejo. É um ramal de mercadorias e que atravessa paisagens deveras interessantes. 

 

Foi o início da construção deste ramal que levou também à construção de uma das mais bela pontes que temos em Portugal: a Ponte Rainha D. Amélia, inagurada pela própria e pelo Rei D. Carlos a 14 de Janeiro de 1904. Esta ponte liga o concelho do Cartaxo a Salvaterra de Magos e permite uma fabulosa panôramica do Tejo já com Santarém à vista. Com projecto de António de Vasconcellos Porto, esta ponte foi, à data, considerada a ponte ferroviária mais extensa da Península Ibérica. Outra curiosidade, não menos interessante, é o facto desta ponte ter sido a única travessia ferroviária sobre o Rio Tejo em Portugal até à adaptação da Ponte 25 de Abril em anos mais recentes.

Foto0207.jpg

Em 1987, a ponte viria a ser substituida por uma outra de betão, contudo, como forma de preservar um património singular e também permitir a deslocação das populações dos dois concelhos que abrange, a Ponte Rainha D. Amélida foi, em 2001, inaugurada como ponte pedonal e rodoviária. Parar durante a travessia da mesma é possível, sobretudo se circularmos a pé ou de bicicleta. É aí que podemos ver a imensidão do Tejo na sua deslocação para a Azambuja, antes de chegar a Vila Franca de Xira onde começa a sentir o sal do oceano.

Foto0212.jpg

Percorrer o Ribatejo é sempre uma aventura e uma descoberta e, para os mais aventureiros, além da companhia do Tejo e dos carris é fácil deixarmo-nos envolver pela imensidão dos férteis campos agrícolas e pela avifauna que percorre todas as margens daquele rio. Com um pouco de sorte, podemos encontrar também vários amigos de quatro patas, os "filhos do vento" que por aí deambulam.

Foto0200.jpg

E claro... Se conseguirem pedalar, voltem a Muge e sigam em direcção Almeirim porque já não fica longe. A Sopa da Pedra, a Espetada de Lulas ou a Perna de Borrego do Minhoto são divinais, isto sem mencionar a simpatia e boa disposição que encontramos sempre no Ribatejo. Se a boa disposição é importante, também não posso deixar de mencionar o Toucinho e aí prepare-se para sentir o Ribatejo à mesa em cada gargalhada forte ou em cada animada discussão sobre touros. Também é comum encontrarmos indivíduos de nacionalidade espanhola e com eles entrarmos numa animada festa! (recomendações imparciais e sem qualquer componente publicitária, baseadas somente numa experiência de quem já frequentava estes dois espaços ainda era um feto). 

 

Podem também, aproveitar para fazer um piquenique nos vários recantos que se encontram ao longo das margens do Tejo. Não será difícil encontrar um onde se possa comer e relaxar um pouco  e apreender toda a tranquilidade que aquela região nos traz e à qual, até o próprio Tejo não é indiferente na sua lenta e pacífica deslocação até ao mar...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não Me Apetece...

por Robinson Kanes, em 29.03.17

IMG_1168.JPG

Francisco de Goya, Três de Maio de 1808 (Original no Museu do Prado, esta cópia está cá em casa a decorar a sala)

Fonte da Imagem: Própria (ver nota)

 

 

"Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o coronel Aureliano Buendía haveria de recordar"...

 Gabriel García Márquez, in Cem Anos de Solidão

 

Talvez seja esse sentimento de Aureliano Buendía que não me traz vontade absolutamente nenhuma de escrever. Talvez seja a vontade de recordar, talvez seja o pelotão de fuzilamento e o cheiro a pólvora de todos os cartuchos anteriormente disparados e cujo odor me faz, apesar de tudo, ficar tranquilo. Talvez... uma alternativa à prisão que pode ser bem mais penosa, o halo protector do chumbo que no seu pesado estalido traz tranquilidade. Talvez... Talvez... Talvez... e porquê talvez? Não sei...

 

Nota: no Prado não deixam tirar fotografias, deveria ser crime.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um Fim de Semana no "Cinema Paradiso"

por Robinson Kanes, em 13.02.17

3new.jpg

 

 

Precisava de me comover um pouco, mas não tenho importância que chegue. Comover-nos é estarmos cheios de nós e eu estou vazio.

Vergílio Ferreira, in “Para Sempre”

 

Este fim de semana, precisei de me comover. Talvez porque a chuva a isso convidava, talvez porque a noite sinistra e escura exercesse em mim, aliás, em nós, uma necessidade de extrapolar os limites da vedação civilizacional e regressar a um certo lugar onde tudo é possível.

 

Foi assim que, no Sábado à noite, fui buscar o “Cinema Paradiso”. Se existe obra completa, esta é sem dúvida um grande exemplo... uma realização soberba, e claro, com Philippe Noiret (Alfredo) entre as personagens não seria difícil assim o ser. A tamanha obra acresce uma banda sonora genial, quase perfeita, criada pelo grande Mestre de quem já falei aqui, Ennio Morricone. Não é difícil deixar o CD a rolar e cair no sofá, ficando absorto em pensamentos e memórias, tal como Salvatore (ou Toto) na cena final do filme. Somos imediatamente agarrados para uma espécie de mundo paralelo, mas ao mesmo tempo tão... real... tão nosso...

 

Mais uma vez, assistindo a este filme, foi-me possível assistir a uma certa decadência do cinema (algo tão actual), mas também, questionar se, por mais que possamos fugir, não estaremos somente a criar um muro que nos afasta das memórias. Um muro que é tão ténue quanto a parede que separa um apartamento de má construção do outro. Se mesmo com esse muro, tudo não está presente, nem que por intermédio de fantasmas... Toto questionou-se e... na verdade terá chegado à mesmo conclusão que eu.

 

Sartre, dizia na sua “Náusea”, e a propósito da irreversibilidade do tempo, que “o passado é um luxo de proprietário [...] possuo apenas o meu corpo, um homem sozinho, só com o seu corpo, não pode reter as recordações, elas passam através dele.”. Pois bem, mas Sarte esquecia-se, muito provavelmente de emoção e de que todos talvez sejamos proprietários das nossas emoções. De como, mesmo com a transformação de Giancaldo (embora a praça que surge no filme, na realidade, corresponde Palazzo Adriano, perto de Palermo) e com a demolição do Cinema Paradiso e a importância de não regressar, as memórias ficam, o apego fica e, mesmo que rodeados de fantasmas, uma certa marca de nós e dos outros não se apaga... porque dessas emoções e marcas somos nós proprietários vitalícios. 

 

Deixo-vos uma cena, uma das mais interessantes e que foi eliminada do filme (quem visualizar o filme ou até voltar a vê-lo vai perceber o porquê da minha escolha e questionar-se se... não foi melhor ter sido eliminada)... porque não... uma fantástica interpretação do tema principal do filme (e logo naquela Praça que me diz tanto em Veneza) para que, aqueles que o desejem, sejam proprietários das mesmas. Penso que será uma boa forma de começar uma semana... aguardo pelos sentimentos suscitados.

 

E... talvez a vida nem sempre tenha de ser recheada de finais felizes... mesmo no cinema... ou... o que é um final feliz?

 

Fonte da Imagem: http://www.dvdbeaver.com/film/dvdcompare/cinema-paradiso/3new.jpg

 

Cena Eliminada

 

 

 

 

 

Tema Principal do Filme

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Mensagens

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB