Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



el Zegri e Ronda...

por Robinson Kanes, em 30.01.17

IMG_5449.JPG

 

No seguimento da minha leitura da Crónica da Conquista de Granada (podem acompanhar aqui), dou comigo a ser transportado para mais um Pueblo que me deixa sempre boquiaberto, isto por mais vezes que lá acorra – Ronda.

 

Conheci Ronda pela primeira vez em... Córdoba. Lembro-me de estar à espera para visitar a Catedral/Mesquita, ou seja, esperava pela celebração da eucaristia, pois assim conseguiria visitar a Catedral gratuitamente – um bom negócio, em

meu entender.

 

IMG_5435.JPG

Enquanto esperava, esta incansável vontade de falar com todos, acabou com uma conversa de mais de uma hora  com um cordovês e com a esposa a prestarem-nos uma autêntica lição de história e etnologia sobre Andaluzia. Estaria tudo bem, até eu dizer que Andaluzia para mim não tinha segredos... mas eis que Ronda saltou para a discussão e afirmei não conhecer aquela localização.. “hombre, si no conoces Ronda, no puedes conocer Andalucia!”.

 

E pronto, dei comigo a ter uma aula de história sobre Ronda, aliás, terra que já não me era estranha da leitura do “Último Cabalista de Lisboa”, de Richard Zimler - s menções ao importante Judeu de Ronda. Fiquei com uma vontade enorme de me aventurar, mais uma vez, por aquelas montanhas andaluzas e conhecer o seu Carnaval peculiar que inclui desfiles a cavalo e a “obrigação” de comer migas na Plaza de los Descalzos. Infelizmente, nesse dia, o destino seguinte era Jaén e só mais tarde viria a perceber que realmente não conhecia Andaluzia.

 

Ronda surge, na “Crónica da Conquista de Granada”, como uma praça fortíssima e de grande importância para os Mouros! Ouso até dizer, que foi o primeiro rude golpe contra o reino de Granada.

 

Entretanto, depois da conquista de Zahara por Aben Hácen, já os cristãos haviam conquistado praças como Medina Sidonia, Alhama (mesmo às portas de Granada), Zahara (reconquistada) e Loja. Também em Granada, a governação, era agora disputada por Aben Hácen e pelo seu filho Boabdil (o infortunado) e em Málaga, nas montanhas, os cristãos tinham sofrido uma pesada derrota. Contudo, os mesmos cristãos, haviam conseguido capturar Boabdil em Lucena (uma das mais importantes batalhas da reconquista) e vencido os mouros em Lopera. Boabdil seria mais tarde libertado sob promessa de prestar vassalagem à coroa espanhola... imagino que não tenha caído bem aos mouros.

 

Ronda era agora a conquista fundamental para animar as tropas e... vingar Málaga! Para isso, os de Castela, teriam de vencer um dos mais temidos alcaides mouros - Hamet el Zegri – que já havia retirado em Coín e Lopera. Contudo, nem foi preciso ir tão longe, pois temendo a conquista de Málaga pelos cristãos, el Zegri saiu com uma guarnição para essa cidade. Quando regressou, viu Ronda ser sitiada e destruída por uma recém-chegada a esta guerra: a artilharia pesada. Sem conseguir dominar os cristãos pelo exterior, teve de abandonar os arredores de Ronda, sendo a cidade obrigada a capitular. A rendição permitiu a libertação de muitos daqueles que foram capturados na batalha de Málaga.

 

IMG_5509.jpg

Hoje, Ronda ainda espanta todos os visitantes - gloriosa e altiva naquele morro singular e unida pela puente nuevo (construída muito depois da derrota moura, nomeadamente entre 1751 e 1793) que é hoje, uma das suas maiores atracções. Do coreto, é possível imaginar o cerco cristão e os exércitos conquistadores reunidos nas várias montanhas que rodeiam a cidade, as baterias de artilharia, bem posicionadas, tendo em vista a destruição das torres e das muralhas que defendiam o “morro”. Imagino a angústia daquelas gentes e dos “governadores” de Ronda no Palácio do Rei Mouro. A expectativa e o desespero naquelas varandas que enfrentam a dura rocha e que permitem uma vista sobre os vales e montanhas a sudeste da cidade.

 

Ainda é possível ver muito da Izn-Rand Onda muçulmana e facilmente se percebe porque é que Orson Wells e Hemingway ficaram tão fascinados com esta terra que não é só famosa pela sua Praça de Touros, para muitos a mais antiga do Mundo. Eu também fiquei fascinado e... não vou esquecer uma espécie de flash mob involuntária que seu deu perto da Calle Manuel Montero aquando do término desta e numa lateral da Igreja de Santa Maria Maior: assobiei, inocentemente, o Concerto de Aranjuez e tive a companhia de mais de metade dos indivíduos que se encontravam na praça... eram só uns 15, mas já foi qualquer coisa.

 

O Reino de Granada, esse, estava a ficar cada vez mais pequeno e, na verdade, a deixar-nos uma lição para o nosso dia-a-dia pessoal e profissional: se andamos muito ocupados com guerras de poder internas, provavelmente não vamos conseguir enfrentar as dificuldades externas, mesmo que tenhamos os melhores guerreiros e conheçamos o terreno como ninguém.

 

Fonte das Imagens: Prórpia

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados


Mensagens

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB