Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Corvo: Uma Ilha do Tamanho do Mundo! (Parte 02)

por Robinson Kanes, em 08.04.19

IMG_5910.jpg

Imagens: Robinson Kanes e GC

 

 

Apesar da dimensão, caminhar pelas poucas ruas da vila do Corvo tem o seu interesse: respira-se o ar do mar, sente-se o isolamento - não se pode negar - mas sente-se também a distância de tudo e de todos. No caso de alguém que vive numa cidade não existe melhor refúgio. Se a isto juntarmos a simpatia e boa disposição dos corvinos temos o mote certo para voltar muitas vezes ao BBC pois rapidamente conhecemos quase todos os habitantes da ilha. Mas paremos para pensar aqui: quantas vezes, com tantas e tantas pessoas à nossa volta e também nos sentimos isolados?

 

O tempo continua a melhorar e o sol espreita - optamos por não repetir a caminhada a pé até ao caldeirão, como é conhecida a caldeira do Corvo e, se não a mais bonita, é por certo uma das três mais belas do arquipélago! Descobrimos, por mero acaso, pai da Vera! Prestável, lá nos coloca na sua carrinha e nos leva  ver a caldeira! Fazer a estrada (ou o caminho a pé) até à caldeira é uma experiência única - a proximidade com o mar, o cruzamento com o gado (ou não fosse o Corvo uma ilha dos Açores) e a oportunidade de observar algumas aves.

IMG_5893.jpg

O momento alto é a oportunidade observar a caldeira e imaginar o que terá pensado Diogo de Teive em 1452 quando se deparou com um dos monumentos mais belos que o planeta Terra tem: aquela caldeira situada a 718m de altitude - Um autêntico coliseu e cujas pequenas ilhas no seu interior se assemelham às 9 ilhas do arquipélago. 

IMG_5919.jpg

Se me perguntarem se vale a pena apanhar um voo na Nova Zelândia só para ver este caldeirão, a minha resposta é imediata: sim! É daqueles locais onde queremos ficar horas e horas a contemplar o mar pelo miradouro, a apreciar o interior da caldeira e a escutar o som do gado que por lá deambula sem restrições, afinal, aquele espaço, mais que nosso, é deles! Chegar, tirar uma fotografia e voltar é desrespeitar tão impactante local!

IMG_5917.JPG

Por ali ficámos uns bons 90 minutos, trocando impressões e absorvendo toda aquela magia natural! O dia foi passando e acabámos a contornar a ilha pelo lado oeste e a deambular pelos campos agricolas enquanto a chuva já começava a molhar. Não foi isso que impediu que sujássemos os pés e voltássemos a parar para apreciar umas laranjas directamente arrancadas da árvore - ainda não estavam doces pelo que, as do Pico continuam a merecer a nossa preferência.

 

Acabamos a tarde num espaço singular, uma das casas onde o pai da Vera, entre uma bebida e uns cigarros nos fala da ilha, dos Açores, de como é fácil e desafiante viver num pedaço de terra com pouco mais de 17 km2. Falamos das festas, da praia, da cerveja - uma instituição na ilha do Corvo - e de como todo o mundo também pode estar naquele pedaço de terra. Ficamos a saber que no Corvo, todos aqueles que chegam têm um tecto e comida na mesa e também que todos aqueles que não chegam com boas intenções rapidamente são envergonhados pelos locais - conta-se que em tempos, um desses indivíduos foi despido e amarrado no meio da aldeia ficando por lá durante mais de um dia. A verdade é que sentimos isso, até porque fomos várias vezes convidados para jantar aqui e ali!

A noite começa a dar sinais de que quer tomar conta dos céus e descemos à vila. Bebemos mais um café e um copo no BBC e preparamos o estômago para a jantarada enquanto vamos conversando com dois músicos de Ponta Delgada responsáveis por animar o serão.

IMG_5931.jpg

A festa acabou de madrugada e logo cedo, depois de um bom pequeno-almoço e de uma visita aos moinhos, voltámos ao aeroporto ainda sem saber se o voo aconteceria. O avião chegou, e as duas viaturas do bombeiros esperam sempre a chegada dos aviões com os motores ligados - Finalmente o ok do comandante - Luis Gouveia, uma lenda nos Açores - e partimos!

IMG_5870.JPG

Na Vila, mesmo ainda antes de chegarmos ao aeroporto, todos diziam não ser possível: "durmam, deixem-se estar sossegadinhos que vão ficar connosco por uns dias". A verdade é que o Q200 descolou e também é verdade que após ter chegado com uma vontade imensa de sair no primeiro voo que houvesse, fiquei com aquela saudade e também a vontade de ficar mais uns tempos! De percorrer vezes sem fim a ilha, de beber uns copos no "formidável" e no BBC entremeados por umas fatias de queijo do Corvo, de apreciar a praia que nunca apreciei e de simplesmente me deixar levar pela imensidão daquele mundo.

IMG_5880.JPG

Perdeu a parte 01? Está aqui!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Corvo: Uma Ilha do Tamanho do Mundo! (Parte 01)

por Robinson Kanes, em 04.04.19

IMG_5879.jpg

Fotos: Robinson Kanes e GC

 

Esta história começa no Faial, mais precisamente no aeroporto da Horta. É de manhã e o voo com origem em Lisboa chega a horas. O mar está agitado, o tempo também não está melhor... O destino final não é o Faial, essa linda ilha, mas sim as Flores. As Flores, aquela pista onde as aterragens são verdadeiras aventuras, eu que o diga que no espaço de seis meses já tive duas aterragens de fugir! O Q400 chega e tudo indica que a viagem vai ter lugar! Mas quem já está habituado a viajar entre as ilhas dos Açores, sabe que quando o avião está na pista e não há forma de se embarcar, é porque provavelmente vem um cancelamento a caminho - por norma, devido ao mau tempo. 

 

E assim foi - nem foi preciso o anúncio, pois quando as malas são retiradas do avião a mensagem é clara: voo cancelado! Insatisfeitos com a notícia, eis que ficámos à espera de mais novidades, eis que senão, está nesse momento a sair um Q200 para o Corvo! E porque não voltar?

 

Acorremos à porta de embarque e após uma negociação tranquila e onde a ausência de bagagem de porão foi uma mais-valia, eis que embarcamos com destino a essa ilha - sem alojamento e a acreditar que o Ariel (navio que faz a travessia entre o Corvo e as Flores) vai partir no dia seguinte. 

IMG_5884.jpg

Depois de mais uma aterragem daquelas com as poucas pessoas dentro da cabine extremamente nervosas (e um comissário de bordo com um sentido de humor único que ajudou a que um terço dos passageiros não tivesse um AVC) eis que tocamos a pista! Uma nota: as piores aterragens e descolagens que tive na vida foram sempre nos Açores, mas se há pilotos em quem podemos confiar são os pilotos da SATA! Se a SATA não aterra ou descola, também ninguém mais o fará!

IMG_5867.jpg

 

Chegamos ao Corvo, o tempo está péssimo e no pequeno aeroporto tentam-se resolver os cancelamentos, pois o Q200 que deveria descolar com destino às Flores vai descolar, mas de volta para o Faial! Ficamos também a saber que podemos adquirir um bilhete para o dia seguinte, no entanto nada é prometido! A viagem no Ariel está fora de questão, o navio está em terra e não sai há um mês! 

IMG_5892.jpg

Entre o mar agitado e a simpatia de todo o pessoal da SATA, é-nos dito sem alojamento não ficaremos (dormir no aeroporto já era uma hipótese que tinhamos considerado)! Nesta fase a SATA já nada nos deve, pois perdemos essa hipótese quando decidimos não ficar no Faial. No entanto, staff como o da SATA já pouco existe e conseguimos um alojamento muito simpático, a "Joe & Vera's Place". 

IMG_5921-2.jpg

A Vera, uma simpatia de senhora, dá-nos boleia - só porque chove, porque do aeroporto à Vila não se pode dizer que existam distâncias - e até nos cobra o valor que estava online sem se aproveitar da nossa situação! Fomos recebidos como se fôssemos convidados e até o convite para o jantar de camarão que iria juntar toda a gente na ilha nos foi facilitado. Foi no BBC que almoçámos fora de horas e onde também era o jantar. A par de outro restaurante, o BBC é dos únicos locais onde servem refeições - o nome pomposo deve-se ao facto de ser a sigla do Bar dos Bombeiros do Corvo.

IMG_5868.jpg

Entretanto o tempo melhora, mas o vento deixa adivinhar que as coisas para o dia seguinte não vão correr bem... As Flores estão tão perto que temos a sensação de que podemos ir a nado! Mau sinal para quem durante anos fez essa leitura com as Berlengas! Mau sinal para quem escuta os corvinos a dizer "amanhã o avião não sai"! Mau sinal para quem diz que conhece bem o mar mas rapidamente ouve um corvino a dizer que o Robinson deve ser doido.

 

Continua...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Mensagens

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



subscrever feeds




Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB