Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Fim dos Anúncios de Emprego!

por Robinson Kanes, em 01.03.19

rsz_deadendjob.jpg

Créditos: https://www.etcconsult.com/career-guidance/15-worrying-signs-that-youre-stuck-in-a-dead-end-job/

 

 

Admito! Tenho de me dar como derrotado... As últimas experiências demonstram que estava completamente enganado, afinal também tenho humildade para reconhecer quando falho. Não parece, mas é verdade... De facto, às vezes talvez não...

 

Sempre fui um acérrimo defensor do mérito e sempre acreditei que, embora com oscilações e "hypes" o envio de um CV ou até a resposta a um anúncio poderia trazer muitos frutos. Sempre acreditei que, como chefia, tinha de me rodear dos melhores e até catapultá-los para outros voos mais interessantes. Nunca censurei as referências honestas (as quais têm de ser filtradas) mas, por sua vez, sempre censurei o compadrio - e como isso me trouxe e tem trazido tanta discussão.

 

Todavia, se já tinha percebido que uma grande maioria dos anúncios de emprego só vem a público quando não existem "amigos" para o lugar, ou porque não há ninguém na lista que queira o trabalho, ou até porque se vai promover alguém mas as regras obrigam a que seja feito um concurso (perfeita perda de tempo e de recursos) começo a perceber algo ainda mais grave e essas são as experiências dos últimos tempos.

 

Já é um facto que em Portugal só são anunciados os empregos que ninguém quer, seja na base da pirâmide hierárquica seja no topo, até aqui, nada de novo. Pelo meio vão ficando outros bem mais interessantes que as maçonarias e determinados grupos de indivíduos vão partilhando entre si - é verdade, a Maçonaria em Portugal não tem grande visibilidade porque aquilo que não falta são cópias da mesma, a uma escala mas pequena mas que andam por aí como cogumelos - alguns até se reunem pontualmente em jantares para decidir quem é que vai daqui para acolá e não havendo interessados quem é que todos querem que seja - e no meio disto vão circulando também informações confidenciais das empresas onde cada um trabalha.

 

Todavia, e tentando não me perder, o que tenho sentido é que, se temos uma boa oferta de emprego e a publicamos, começa a ser muito complicado ter candidatos, e é isto que me assusta. Assusta-me pensar que os candidatos perderam a esperança neste meio, quer queiramos quer não, o mais imparcial e independente de todos. Não é fácil encontrar bons candidatos, ou até candidatos para boas posições. 

 

Foi por este motivo que fui tentar perceber o mercado. Não fiz um estudo exaustivo e também não fiz um estudo daqueles que algumas entidades fazem com 20 ou 30 testemunhos (e vendem como se fosse um grande estudo) que nem sempre são o alvo que queremos estudar. Falei com as pessoas... E ainda falei com algumas...

 

As respostas foram aquilo que esperava: para ter um emprego em Portugal é importante ter contactos, esta foi notória. Uma outra com bastante peso foi a de que responder a anúncios é pura perda de tempo e além disso ou são falsos ou então já é porque somos mais que décima escolha. A outra é de que, mais do que trabalhar é preciso trabalhar uma imagem, ou seja, mais que produtividade é preciso popularidade e se, estivermos numa posição de chefia, o ideal é tapar e aproveitar quem está abaixo. Ou seja, o ideal é assumirmos o papel daquela senhora que corre pela rua com as mamas à vista de todos e grita "look at me, look at me". 

 

Uma outra ainda, e que acaba por resumir tudo isto, é o "real compadrio". Andamos a falar em combater a injustiça e a corrupção quando praticamente todos... Deixo ao vosso critério o fim da frase...

 

Em suma, mais do que tudo o que está acima enumerado, assustou-me o facto da procura, ou uma grande parte dela, ter perdido a esperança, até porque ainda são muitos aqueles que, normalmente por motivos económicos e sociais não têm outro meio e, ou acabam por não sair de um poço sem fundo ou ficar dependentes de instituições "solidárias" que, em alguns casos, alimentam essa mesma dependência para sempre.

 

O resto são meios que já fazem parte do nosso quotidiano e cabe a cada um escolher o seu, no entanto, não era preciso termos chegado a tanto... Tenho, contudo, esperança no futuro... Um futuro em que o sobreaquecimento do mercado de trabalho vai dar lugar a um outro ciclo...

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados


Mensagens

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB