Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Sem Destino no Adriático...

por Robinson Kanes, em 23.05.20

albania.jpg

Imagem: Robinson Kanes

 

A maioria dos homens não tem destino.

Manuel Vilas, in "Ordesa"

 

Já tão perto, o mar Adriático arrasta-nos para a Costa Albanesa com o Parque Natural de Llogara a Norte. Terras perigosas dizem, em tempos talvez, hoje mais seguras apesar da distância que nos separa de Tirana a nordeste. Sem destino, apenas com o gelado italiano na memória e com águas que brotam história, cada salpico traz consigo milhares de anos de diálogos e de sangue. O mar tem a capacidade de nos retirar o peso do mundo mas também de nos fazer reflectir sobre o mesmo, apreende-nos e faz-nos querer ir mais longe... Talvez o desabafo para percorrer a Albânia, a Macedónia e entrar em Istambul pela Bulgária, percorrer o Mar Negro até Batumi ou Poti, já na Geórgia, e aí repousar antes do regresso à Arménia.

 

Sem destino, "como barcos contra a corrente, arrastados incessantemente", para citar Scott Fitzgerald, ao sabor das vagas... Ensina-nos a vida moderna, que o destino não existe, ou simplesmente acontece e todos os dias se renova numa espécie de conceito cuja formulação deixo aos pensadores deste século. Absorvem-se já os ares da terra albanesa, pois as suas águas territoriais já nos acolheram. Nesse embalo rimo-nos de como é que é possível acreditar e viver num mundo em que damos tudo como um dado adquirido e tamb´ém troçamos daqueles que, evidentemente, se riem de pensarmos dessa forma... Como era bom que a pandemia que assola o mundo em 2020 tivesse sido há uns anos. Talvez aqueles que perdendo o estrelato, o topo da hierarquia em prol da verdade tenham a razão do seu lado, talvez até não. Quiçá o herói de Kazantzakis tenha toda a razão do mundo enquanto dançava nas areias das não distantes praias gregas. Quiçá nenhum de nós tenha real noção e no conforto de uma paz sustentada em tenros pilares tenha sucumbido ao drama do conforto, mesmo que aponte os tempos actuais como um período de mudança. Também nos podemos rir, afinal a mudança há muito que começou e só um jerico pode afirmar que, agora nestes meses, é que é o tempo de mudar. 

 

Cheira a Tavë Kosi, ou melhor, talvez nós queiramos que esse aroma e o que vem atrás dele nos entre pelo estômago... O Souvlaki há muito para trás já não nos engana o apetite. Podemos atravessar a Macedónia e ficar pelas praias da Bulgária antes de seguir caminho? Mil e um destinos, mil e um de nadas e naquele momento, onde a água e a terra albanesa se beijam e levam o que ainda de mediterrânico existe até aos balcãs, seja também o momento oportuno para selarmos com um beijo e um sorriso o destino. Para o escrever e transformá-lo em passado, porque não me quero mover no contínuo mas sim ficar extremamente sensível naquilo a que Cortázar chamava de descontinuidade vertiginosa da existência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_0874.jpg

Orazio Borgianni -  "A Visão de São Jerónimo" (Musée du Louvre)

Imagem: Robinson Kanes

 

 

Whenever two people meet, there are really six people present. There is each man as he sees himself, each man as the other person sees him, and each man as he really is.

William James in, "The Principles of Psychology"

 

 

Agora que já todos assassinámos os dois suspeitos pela morte de uma criança em Atouguia da Baleia. Agora que todos nós, que falamos de direitos e democracia como paladinos do bom comportamento, já enforcámos sumariamente no pelourinho dois suspeitos de um crime - suspeitos, importa reforçar - é importante perceber que talvez estejamos apenas a analisar e a adquirir opiniões emocionais e de revolta popular com base em apenas 1% do processo.

 

Enquanto somos rápidos a tecer julgamentos na praça pública (e ainda bem que existe a Justiça para não ceder às nossas emoções), não somos tão rápidos a perceber o que é que tantas vezes está à nossa volta. Não somos tão rápidos, a denunciar o crime de violência doméstica (e violência doméstica não é só o matulão a bater na mulher indefesa) que acontece mesmo ao nosso lado. Não somos tão rápidos a perceber as circunstâncias sociais que revestem este tipo de casos. Somos rápidos a defender o politicamente correcto e a cair rapidamente na onda mediática da espuma dos dias, acabando, por intermédio do nosso comportamento por tropeçar naquilo que repudiamos.

 

Na verdade, enquanto não largamos a onda geral e paramos para pensar de forma critica, não reparamos que estes episódios, salvo muito raras excepções, não se concretizam num dia - existe todo um historial por detrás e que, mais uma vez, é do conhecimento das instituições, das autoridades e inclusive dos vizinhos, os tais que não se inibem de opinar dizendo que "já sabiam que aquilo acontecia".

 

Na realidade, ao exigirmos a morte imediata de suspeitos, e volto a reforçar, suspeitos, estamos de uma forma ou de outra a procurar na morte de outrem, que também tem direitos consagrados na Constituição e em todas os códigos abaixo desta, a nossa forma de exclusão de responsabilidade.

 

É utópico pensar que salvaremos todas as crianças, todas as mulheres e todos os homens, pensar o contrário é tolo. No entanto, não é utópico estarmos mais atentos, ao nosso pequeno bairro, ao nosso pequeno mundo e acima de tudo às nossas instituições. É a elas que devemos exigir trabalho e competência, é a nós próprios que devemos exigir deveres (sim, deveres, palavra tão complexa) de cidadania. 

 

É necessária cautela, porque condenar alguém sem o devido processo judicial pode levar a erros gravosos, pode inclusive levar à "condenação" de inocentes. Não podemos defender um Estado de Direito uns dias, e defender milícias populares nos outros. Importa também, ter em conta que os resultados destes processos, devem servir para acautelar situações futuras. Tanto profissionais judiciais, como profissionais de saúde mental, profissionais de serviço social e nós cidadãos devemos acompanhar e analisar com toda a atenção, porque também nos cabe a nós garantir que este tipo de situações não atinge uma escalabilidade que acaba por se consumar em crimes hediondos.

 

E depois do show off mediático e do "eu também tenho opinião" (como se alguém se importasse com isso), quantos de nós nos debruçamos sobre o processo, sobre o desfecho e sobre as conclusões? Preferimos a poesia ou a revolta do momento...

 

Finalmente, uma nota, embora sem total conhecimento do processo: está aí mais um alerta para provar que a saúde mental não é o caixote do lixo do sistema de saúde. A saúde mental, não é nem pode ser um tema de lifestyle, um tema de programas de televisão em que o profissionalismo de alguns deixa a desejar, sem contar com aqueles que falam de saúde e bem-estar mental como se fosse uma trend new age ou porque lemos meia dúzia de coisas na internet e achamos que somos bons conselheiros.A saúde mental é um tema sério, e que tem de ser gerido com a devida honestidade e valor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Somos todos uma bela cambada de mendazes...

por Robinson Kanes, em 31.12.19

benoit-gauzere-WGxJfYvEQ_w-unsplash.jpg

Imagem: Benoit Gauzere

 

Antes de me levantarem o dedo, é só para dizer que eu também me incluo como palerma nas palavras que irei escrever.

 

A verdade é que quem me estiver a ler neste momento, pelo menos a maioria, vai estar a fazê-lo através de um aparelho produzido por uma marca que compactua com trabalho infatil. Claro que esse trabalho não é na Europa nem nos Estados Unidos, os nossos filhos têm direitos humanos! No entanto, os filhos dos outros não, e o facto de darmos um euro ou um pacote de arroz enquanto tiramos uma selfie permite-nos ignorar os direitos humanos dos filhos dos outros.

 

Ficamos muito chocados com o filho que ajuda o pai que é carpinteiro mas gastamos milhares de euros com gadgets e carros com pinta (ainda me hão-de dizer onde é que um Tesla é bonito, mas admito que gostos não se discutem) mesmo sabendo que parte da laboração teve mão-de-obra infantil. Sim, porque nós sabemos, e estas coisas são notícia de roda-pé - quando são. São aquele género de notícias que gente evoluída, solidária e atenta aos problemas do mundo (pena que seja do seu pequeno mundo) não lê e muito menos pensa para 2020.

 

Ignoramos aquilo que está à frente dos nossos olhos a troco de um falso conforto e ainda falamos de questões ambientais e escolha consciente! O mundo não pode contar com tartufos que defendem o ambiente e uma pseudo-capacidade evolutiva e depois assobiam para o lado quando descobrimos que alguns dos gigantes tecnológicos e não só usam crianças para produzir artigos ao preço da chuva que são adquiridos por nós a preço de ouro! Boicotamos as "padarias portuguesas" deste mundo mas não boicotamos as "apples" porque dá status, mesmo que uma outra empresa de telemóveis nos tenha enviado alguns para utilizarmos e que em alguns casos até são melhores! Casos destes não são raros nas nossas empresas, por exemplo, onde gestores preferem o status à eficiência. Estou a escrever num "mac", podem atirar as vossas pedras.

 

E porque é Natal (sim, escrevi isto no Natal), enquanto estiverem a trocar mensagens do vosso automóvel que "anda sozinho" ou a partir de um telemóvel de "ponta" à mesa da ceia, não vos fica mal pensar nisto... Ou talvez fique, pelo menos não esperem muitos "likes" quando partilharem este presente. Terão mais quando partilharem aquele que vocês pensam que é único mas milhões têm igual. É uma questão de pensarem na prioridade. E pronto assim incluo uma linha para este artigo ter qualquer coisa relacionada com o final do ano.

 

Em jeito de conclusão, não se pede que se acabem com estes gigantes, pede-se acima de tudo mais Responsabilidade Social que não pode vir só das grandes corporações. Essa Responsabilidade Social está em cada um de nós e pode começar na forma como fazemos as nossas escolhas e como também elas influenciam muitas práticas e os próprios mercados. Nada como pensar nisto para 2020!

 

Feliz 2020, que já ninguém se lembra do Natal que foi há pouco mais de cinco dias...

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor




Sardinhas em Lata


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



subscrever feeds



Mensagens

Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB