Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pensar o Dia do Trabalhador!

por Robinson Kanes, em 01.05.19

Happy-International-Workers-Day.jpg

Créditos: https://www.newsbugz.com/happy-international-workers-day-2018/

 

Depois deste artigo e também deste ainda estou vivo... É possível que não seja interpelado porque são temas desconfortáveis e onde nem todos querem estar presentes ou então é porque as duas pessoas que acompanham este espaço devem estar ainda a gozar as férias que estes feriados permitiram...

 

Por falar em férias... Hoje é o dia do trabalhador! Já estou a ouvir aquela música do PCP "ta ta ta ta ta ta ta... ta ta ta taaaa taaaa taaaa... ta ta ta ta ta ta ta... ta ta ta tara tara tara taraaaaa". O PCP e companhia que não devem andar contentes pois têm andado a perder o monopólio dos sindicatos e por este andar, se isto começa a chegar a sério aos sindicatos do Estado lá se vai o dinheiro que os delegados sindicais recebem desse mesmo Estado, ou seja, dos nossos impostos - outro tabu à portuguesa! 

 

Estamos a assistir a uma transformação nos sindicatos, uma espécie de coletes amarelos sindicais e que os coletes vermelhos adoram chamar de populistas porque não precisam de partidos nem de organizações de esquerda ou direita para se sentarem à mesa das negociações laborais! Uma blockchain sindical que dispensa intermediários que nem sempre estão a vender o melhor serviço, quer a um lado quer a outro.

 

O que eu espero deste dia do trabalhador é que as pessoas parem para pensar. Que se discuta o futuro do trabalho e os impactes da revolução tecnológica no mesmo! Já existem organizações, umas mais em segredo que outras, (e não é teoria da conspiração) estão a preparar uma revolução que passará pelo despedimento de muitos colaboradores que serão substituídos por máquinas! Até aqui nada de novo, resta saber como é que o mercado vai absorver esses mesmos trabalhadores e quais as medidas para mitigar tais efeitos - honestamente, a nossa sociedade não está minimamente preparada e já deveria ter parado para pensar nisso! Dou um exemplo simples e que até se tem falado muito: camionistas! Camionistas deste mundo, já ouviram falar de camiões autónomos? Acabam-se as greves num ápice!

 

Espero também que ao invés de manifestações de indivíduos com boina preta ou vermelha (e não são Comandos), indivíduos barbudos, indivíduos que ainda usam camisa verde água ou com quadrados de múltiplas cores e ainda indivíduos que só sabem gritar "povo unido jamais será vencido" se pare para pensar em situações reais como a flexibilidade laboral; o bem-estar no trabalho; o aumento da produtividade alicerçada no bem-estar dos colaboradores e em sistemas eficazes de promoção do mérito e afastamento da mediocridade. Quero que se pense na dicotomia vida pessoal e trabalho e, porque não, nas organizações que têm um colaborador contratado mas têm 30 estagiários patrocinados pelas universidades e escolas profissionais portuguesas. Dá que pensar, tendo em conta que não prejudicam só os trabalhadores (trabalhadores com muitas aspas) mas também o mercado na figura dos concorrentes que não conseguem baixar os preços a um nível pornográfico.

 

Espero que neste dia do trabalhador se pense nisto tudo e em muito mais... Espero que pensemos naqueles que trabalham para que não andemos com lixo até ao pescoço; naqueles que nos estarão a servir no café ou no restaurante enquanto gastamos neste primeiro dia de Maio metade do ordenado num almoço, que pensemos naqueles que abastecem as nossas bombas de combustível, que nos atendem e aturam os nossos ressabiamentos no retalho... Que pensemos em todos esses, mais do que em exigir que Presidente da República e Primeiro Ministro façam parar uma cimeira para dar os parabéns aos iniciados do cascalheiro porque o clube ganhou a taça da liga da freguesia de São Pedro de Penaferrim! Pensemos naqueles que trabalharão no feriado mas não receberão um euro a mais por isso... 

 

Pensemos em todos esses, pensemos em nós e na educação que queremos para os nossos filhos, os futuros trabalhadores e líderes deste país... 

 

P.S.: Pensemos também na malta do Sapo que hoje está aqui a tomar conta disto... E que também atura cada uma deste espaço que enfim...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


32 comentários

Imagem de perfil

MJP a 01.05.2019

Boa tarde!
Parabéns pela reflexão!
Pessoalmente, "incomoda-me" a designação "colaborador" que tem vindo, sistematicamente, a substituir "trabalhador"...
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 01.05.2019

Boa tarde e obrigado pela visita.

Acredite que até fui gentil, poderia ter falado em "headcount" e até capital ou recurso humano. Eu prefiro pessoas... Poderia ser também associado, ou algo do género.

Imagem de perfil

MJP a 01.05.2019

Boa tarde!
Não me referia ao uso que o Robinson fez do termo... referia-me ao "peso" que o "léxico" adquiriu na sociedade...
Para mim, obviamente, são pessoas... e serão, sempre!!! (independentemente da profissão que desempenham ou do grau de instrução...)
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 01.05.2019

Sem dúvida que estou de acordo, até porque, o termo trabalhador em algumas situações até já parece ser depreciativo - e isso não é bom.
Imagem de perfil

MJP a 01.05.2019

É verdade!... mas... precisamente, por isso, me "incomoda" que o termo "colaborador" seja usado para o "branquear" (quando, na verdade, só muda a terminologia... porque, muitos, continuam a não ser respeitados e reconhecidos como "pessoas",que são!)
Imagem de perfil

Sarin a 01.05.2019

Concordo, MJP!

Uso o tema colaborador quando a empresa vê no trabalhador um parceiro e o trabalhador colabora realmente com a empresa. Conheço poucos colaboradores.

Conheço muitos trabalhadores. Gente que trabalha duro em profissões várias e que, mesmo assim, não têm voz. É para estes que surgem os sindicatos.

E depois conheço muitos empregados, poucos pessoalmente. Os sindicalistas passam a empregados quando deixam de trabalhar ao lado daqueles que dizem representar. Os vereadores e deputados também.
Imagem de perfil

MJP a 01.05.2019

Concordo com o que dizes...
Entristece-me pensar que existem "sindicalistas" que não honram as suas responsabilidades e que defraudam as expectativas dos trabalhadores... que se tornam "funcionários" de um qualquer sindicato...
Fui dirigente sindical durante 20 anos, a ocupar o meu posto de trabalho (como qualquer outro colega trabalhador) e sempre encarei esta "tarefa extra" como uma enorme responsabilidade...
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 01.05.2019

O sindicalismo perdeu a sua essência... Deixou-se levar pelo "partido" ou por um passado longínquo e esqueceu as mudanças que entretanto se verificaram...
Imagem de perfil

MJP a 01.05.2019

Percebo o que quer dizer... e não me revejo no "sindicalismo das centrais (sindicais)"!
Não sou, nem nunca fui, filiada em qualquer partido! No sindicato, onde fui dirigente, havia profissionais de todos os quadrantes partidários... sempre houve "liberdade de expressão" (razão porque lá estive 20 anos)... sempre encarei o sindicalismo na perspectiva da defesa da profissão e, obviamente, das condições de trabalho dos profissionais...independentemente da força política que estava no poder...
Imagem de perfil

Sarin a 01.05.2019

Não fui sindicalista, mas estive estou e provavelmente estarei sempre, embora com interregnos, ligada ao associativismo. E os interregnos deveram-se a desencanto com o egoísmo e o desinteresse daqueles por quem damos tempo e força e vontade. Imagino como te doerá.
Imagem de perfil

MJP a 01.05.2019

Sim... dói muito... ouvimos muito "desaforo"... há muito oportunismo, falta de respeito e de escrúpulos... Ser sindicalista é "lutar com"... nunca, "lutar por"!!! Há quem pense que os sindicatos são "prestadores de serviços"... basta pagar uma quota mensal e "tá feito"!!!...
Imagem de perfil

Sarin a 01.05.2019

Por isso eu vocifero contra o sindicalismo de carreira e por isso vocifero contra os que dizem mal do sindicalismo por ser sindicalismo :)
Imagem de perfil

MJP a 01.05.2019

Não existe "sindicalismo de carreira"!!!... isso é outra coisa qualquer... mas não é, de todo, SINDICALISMO!!!
Imagem de perfil

Sarin a 01.05.2019

Tens razão, deveria ter colocado aspas :)
(Aqui entre nós, uso aspas para citações; nestes casos uso o itálico - mas são tão poucos os blogues que permitem o RTF nos comentários... e por isso muitas vezes não "italico" nem "aspo")
Imagem de perfil

MJP a 01.05.2019

Eu percebi o que querias dizer!
Imagem de perfil

Sarin a 01.05.2019

Robinson, uma notinha: o problema não estará apenas no não se pensar o binómio trabalho - vida pessoal, mas também no pouco se fazer quando nele se pensa. Há discursos e estudos e comissões... mas do lado de cá ninguém exige, com excepção daqueles elementos considerados tão bons que podem negociar para si, ou dos sindicatos que negoceiam para o colectivo.


Os nossos impostos pagam muita coisa indevidamente - mas os funcionários públicos trabalham para o público, para todos nós, e entre eles estão os administradores como estão os funcionários que tiram o lixo das ruas onde passamos. Pensar este tabu neste dia também é importante ;)
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 01.05.2019

Discursos, estudos e comissões e fica-se nesse ponto... Fica giro nos comentários e nas entrevistas ou nos pequenos grupos de "gestores" de RH que pululam entre duas a três publicações da nossa praça...

Não falei dos FP, mas sim dos delegados sindicais da FP. Também não me esqueci dos senhores do lixo (ou melhor "S"enhores): "espero que pensemos naqueles que trabalham para que não andemos com lixo até ao pescoço"... Ninguém dá por eles, excepto quando existem greves ou pausas que nos mostram a dificuldade que é em colocar o lixo no caixote.

Imagem de perfil

Sarin a 01.05.2019

Talvez não tenha sido clara - o meu abordar dos impostos não foi nem adenda nem contraditório a algo, foi apenas uma achega ao tabu ;)

Mas não nos iludamos com essa história da carreira de delegado sindical - o que nos novos sindicatos não se paga a delegados paga-se a advogados. E o patronato dos motoristas de matérias perigosas ter apelado ao Governo não foi manobra de desespero - alguns desses advogados serão os mesmos que escreveram as leis para governos vários. Parece-me nada haver de inocente nestas manobras, mas com o tempo veremos.
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 01.05.2019

Sim, vivemos num país de tabus e assim se vão camuflando tantas e tantas coisas.

Actualmente, os trabalhadores ou colaboradores, como preferir, tornaram-se mais atentos e perceberam que têm de se munir com novos instrumentos para atingir determinadas reivindicações. Como encontram nos "sindicatos tradicionais" uma falta de atenção e um sem número de entraves (e todos sabemos o motivo) procuram munir-se de novas ferramentas. É aqui que entram os advogados e não só.

Também muitos destes novos actores encontram aqui um mercado atraente quer em termos de notoriedade quer em termos de encaixe financeiro - na verdade, se os resultados forem alcançados e o equilíbrio entre trabalhadores e patronato for conseguido, porque não? Veremos...
Imagem de perfil

Sarin a 01.05.2019

Nada tenho contra a livre-iniciativa ou a contratação de advogados para tal serviço.

Tenho, e muito, contra a promiscuidade que há entre advogados e políticos e outros poderes vários.

Se questão de compasso e avental ou apenas de capital, não sei. Mas ela é notória :(
Talvez (...) que não atinja estes novos sindicatos, daí eu esperar para ver.
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 02.05.2019

"Tenho, e muito, contra a promiscuidade que há entre advogados e políticos e outros poderes vários."

A propósito dos "vários", hoje acordei com mais uma promiscuidade política e um dos grandes poderes instalados... Vai perceber do que falo :-)
Imagem de perfil

Sarin a 02.05.2019

Espero vir a perceber, mas nas poucas notícias que hoje li ainda não vi nada :s

Confio que falará disso entretanto :))
Imagem de perfil

Maria Araújo a 08.05.2019

" Ninguém dá por eles, excepto quando existem greves ou pausas que nos mostram a dificuldade que é em colocar o lixo no caixote"

Eu dou por eles, e aprecio as suas funções, até porque aqui na cidade, trabalham ao domingo, também.
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 10.05.2019

Braga nem é das piores nesse aspecto :-)
Imagem de perfil

Vagueando a 01.05.2019

Na política não se discute o que vai acontecer ao trabalho feito por pessoas, mas estas já sentem esses efeitos.
Não vejo como se possa regular o bem estar do trabalhador com a vida familiar quando o interesse das empresas é fazer com que o seu trabalhador produza o máximo (e o máximo é exigir mais) com a vida familiar quando o conceito de família também está a mudar.
O que me parece é que efectivamente a larga maioria dos seres humanos vai ser descartáveis para trabalhar. Contudo, parece-me que serão necessários para consumir.
Será que se assistirá a uma super classe de super ricos (que terão o poder do conhecimento de como usá-lo e quiçá, a imortalidade) e um exército de indigentes?
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 02.05.2019

A política, sobretudo por cá é reactiva... E actualmente reactiva consoante as redes sociais e os media... Isso acaba sempre como todos sabemos.

Eu penso que é possível e bons exemplos não faltam, agora não sejamos ingénuos - as empresas existem para facturar e, de facto, ainda bem que assim é.

Essa inquietação que coloca é interessante - se não tivermos consumidores, do que vale produzir. E isso a acontecer, o que poderá causar? Se por um lado alguém tem o "poder", por outro existe alguém que está vulnerável e se poderá submeter ou também inquietar... Esta é uma visão mais pessimista, no entanto, não é descartável.

Obrigado pela visita ;-)
Imagem de perfil

Rita a 07.05.2019

Tudo grandes reflexões, especialmente: "se pare para pensar em situações reais como a flexibilidade laboral; o bem-estar no trabalho; o aumento da produtividade alicerçada no bem-estar dos colaboradores e em sistemas eficazes de promoção do mérito e afastamento da mediocridade. Quero que se pense na dicotomia vida pessoal e trabalho e, porque não, nas organizações que têm um colaborador contratado mas têm 30 estagiários patrocinados pelas universidades e escolas profissionais portuguesas. Dá que pensar, tendo em conta que não prejudicam só os trabalhadores (trabalhadores com muitas aspas) mas também o mercado na figura dos concorrentes que não conseguem baixar os preços a um nível pornográfico."

Imagem de perfil

Robinson Kanes a 07.05.2019

;-)

Pouco se faz ainda nestes âmbitos.

Comentar



Mais sobre mim

foto do autor





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog





Mensagens

Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB