Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




image64.jpg

 Fonte da Imagem: http://alfarrabio.di.uminho.pt/arqevo/arqetnoevo.html

 

 

Rio de Onor para o Futuro

 

Uma economia mais humana procura outro modo de fazer economia, outro modo de instalar vida nos territórios, surgindo aqui a questão da materialidade que acaba também por ser um meio, Não se desvincula das relações sociais e culturais e vai buscar formas de auto-governação o que lhe dá também uma dimensão política (França Filho, citado por Estivill).

 

É daqui que devem partir as comunidades do futuro. Rio de Onor é hoje uma vila museu, uma vila que habita na memória de alguns interessados pela temática antropológica. No entanto, Rio de Onor pode ser também numa óptica sistémica e policêntrica (Laville, 2013) um exemplo para o futuro - e para desenvolver no futuro - quer no território da própria vila, quer servindo como inspiração para outras, com os devidos ajustes que até a História já se encarregou de fazer (17).

Os Rios de Onor do futuro terão de incorporar a visão macaronésica defendida por Amaro, mas também ser uma alternativa e não um ataque à economia dominante, apresentando-se como uma academia/economia doméstica através do “doar” sem grandes contrapartidas mas mais afectiva. A grande história da humanidade foi sempre neste ramo da economia e não no capitalismo (Polanyi: 2000). À visão da Macaronésia já desenvolvida, importa não somente defender esta, é importante aliar a questão da sua sobrevivência. É neste contexto que Estivill defende sete pontos fundamentais para o sucesso destas iniciativas:

 

  1. Articulação entre a dimensão económica e social;

  2. O nascimento da “organização” tem de ser parte do processo e não um entusiasmo do momento, que se perde ao fim de alguns dias;

  3. A importância dos fundadores, terem alguma experiência em trabalhos colectivos ou em gestão de equipas;

  4. Enraizamento territorial com correspondência às necessidades dos locais e que projectem mais a terra que a organização em si (o exemplo galaico português é um mau exemplo que poderia ser revisto para o bem das terras da raia);

  5. O triunfo do geral face ao particular – numa sociedade cada vez mais individualista este aspecto é fundamental.;

  6. Liderança. Esta é uma das questões-chave. Uma liderança participativa e democrática, é o garante de sucesso para toda e qualquer organização;

  7. Capacidade de adaptação: num mundo que muda a cada segundo, quem não conseguir acompanhar a mudança, está condenado a afogar-se no passado.

 

Com este conjunto de factores a trabalhar entre si, podemos efectivamente olhar para comunidades de sucesso e que poderão ser os "Rios de Onor" do futuro.

 

 

17. Seria hoje impensável que as mulheres fossem afastadas do conselho, somente pela questão de género, num país como Portugal.

 

Continua...

 

O Falso Comunitarismo e as Aldeias Comunitárias do Norte de Portugal - Rio de Onor (1)

O Falso Comunitarismo e as Aldeias Comunitárias do Norte de Portugal - Rio de Onor (2)

O Falso Comunitarismo e as Aldeias Comunitárias do Norte de Portugal - Rio de Onor (3)

O Falso Comunitarismo e as Aldeias Comunitárias do Norte de Portugal - Rio de Onor (4)

O Falso Comunitarismo e as Aldeias Comunitárias do Norte de Portugal - Rio de Onor (5)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


11 comentários

Imagem de perfil

De P. P. a 26.04.2018 às 12:17

Muito interessante.
Obrigado pela partilha.
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 26.04.2018 às 15:19

Obrigado eu... Pelo interesse :-)

Abraço,
Imagem de perfil

De Mamã Silvestre a 26.04.2018 às 15:59

Sempre com textos interessantes.
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 26.04.2018 às 16:58

Obrigado :-)
Imagem de perfil

De cheia a 26.04.2018 às 19:54

Mais um bom contributo, para um mundo melhor.
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 26.04.2018 às 20:06

Obrigado, Caríssimo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.04.2018 às 23:12

"Doar sem grandes contrapartidas, mas mais afectivas".
Seria o ideal, num mundo egoísta, tão virado para si mesmo.

As iniciativas 2 , 4 e 7 são, na minha opinião, fundamentais...mas eu não entendo nada disto, porém, gosto de ler este seus textos.
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 26.04.2018 às 23:12

Valha-me Deus, não fiz o login, sou eu a anónima.



Beijinho
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 27.04.2018 às 08:53

Claro que entende. Isto de complexo tem pouco. A prova disso está nos pontos que focou :)

Muito obrigado pelas suas palavras.
Imagem de perfil

De HD a 27.04.2018 às 19:39

Bela viola :-)
Continua com a contribuição e visibilidade para esta iniciativa :-)
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 27.04.2018 às 21:21

A fazer por isso :-)

Obrigado pela força!

Comentar



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Mensagens

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB