Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Leitura do Dia: Education at a Glance 2018!

por Robinson Kanes, em 13.09.18

image.jpg

Créditos https://www.irishtimes.com/news/science/the-reason-why-modern-teaching-methods-don-t-work-1.2115219

 

É só mais um estudo... Um estudo que nunca se poderá dizer que é infalível - mas também não é só irmos atrás da comunicação social e esperar que sejam estes a dar-nos as respostas.

 

Também não é a ter pena de quem trabalha 20 anos e "só" aufere 1700 euros ilíquidos por mês que podemos ter pena de uma classe. Ver como vi professores a queixarem-se da triste sorte é no mínimo hilariante, vale-nos o facto de que ninguém se lembrou daqueles "extras" que também surgem no recibo de vencimento e aumentam os salários. Tenhamos também pena de quem (não são todos, de facto) tem trabalho garantido para a vida ou pode sempre abandonar o mesmo e procurar melhor (mas nem sempre o faz).

 

A educação em Portugal tem girado em torno das reinvindicações da classe dos professores, contudo, este estudo alerta para áreas que são bem mais importantes, nomeadamente: os gastos com a educação "vs" retorno e impacte da mesma. Não alerta, no entanto, para o próprio modelo de educação que, em muitas situações, está obsoleto e completamente à margem das necessidades de uma sociedade pós-moderna. Esses assuntos ninguém parece querer discutir porque, muito provavelmente, levariam a grandes mudanças que colocariam muitos professores (não todos) num patamar de total incapacidade para o serviço. Este meu comentário, todavia, não invalida que ainda se preservem métodos antigos que funcionam, nomeadamente a disciplina e o método cientifico.

 

Finalmente, o que se está a passar com os professores, é o facto de um grupo que em tempos foi uma elite, estar agora a ser nivelado com os parâmetros ditos normais, ou seja, mais uma profissão, com a sua devida importância, mas nem mais nem menos que as outras... E sempre que isso acontece, a contestação é inevitável...

 

Podem ler o estudo aqui

 

Boas leituras...

Autoria e outros dados (tags, etc)


23 comentários

Imagem de perfil

De Marta Elle a 13.09.2018 às 18:39

A profissão de professor é considerada das mais stressantes, numa lista da qual fazem parte polícias, mineiros, médicos...
Já pensaste no quanto é puxado estar responsável por turmas de crianças, algumas delas sem noções básicas de educação, higiene, etc. ?
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 14.09.2018 às 09:02

Como é o trabalho de um repórter, de um "social worker", de um operador de "call center", de um empregado de mesa, de um técnico de emergência médica, de um taxista, de um organizador de eventos, de um empresário em nome individual, um executivo, um militar operacional e por aí adiante e, digamos que em termos de direitos, nenhum se equipara a um professor... E sim, de facto é stressante, mas está longe de ser o único...

Segundo a Forbes, a profissão de professor nem aparece no TOP 10, valha lá o que isso possa valer...
Imagem de perfil

De HD a 13.09.2018 às 20:53

Quando se atualizar o modelo de educação... já não existirão essas noções de rendimento :-D
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 14.09.2018 às 09:02

E já não falta muito...
Imagem de perfil

De cheia a 13.09.2018 às 22:41

A educação é o motor da nação. A profissão de professor tem de ser ajustada às novas tecnologias, como já aconteceu nos outros setores, nalguns casos, com dolorosas dores.
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 14.09.2018 às 09:02

Não poderei dizer melhor...
Imagem de perfil

De O ultimo fecha a porta a 13.09.2018 às 23:40

Os nossos temas estão alinhados.
Sobre a polémica já espelhei aqui a minha opinião e no meu post de ontem tb exprimo o que penso. Há coisas na vida de professor más e vulneráveis e outras que não lhes reconheço razão.
O grave é que os sindicatos nos media apenas falam dos pontos em que não reconheço razão.
A indisciplina dos alunos, a extensão dos programas, o bullying e outros problemas nas escolas não são falados. porquê? está-se à espera que surja outro video do "dá-me o telemovel já" para os professores das ecolas "reais" exporem os seus desafios??

Ah, isso não dá para recolher quotas para o sindicato ...
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 14.09.2018 às 09:03

A reivindicação é sempre a mesma... Sempre a mesma...
Imagem de perfil

De Lady a 14.09.2018 às 17:36

Tema quente, muito quente. É sempre frustrante a perda de regalias, sim, são regalias que não existem noutros setores. De facto não é uma profissão fácil, principalmente quando não se sabe, se e onde vai ser colocado, aturar alunos e por vezes os pais , tenho todo o respeito e dou todo o valor aos professores, mas muitas das contestações que fazem são a minha (e da maioria) realidade e dá que pensar ;). Marina
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 15.09.2018 às 09:30

Dá muito que pensar :-)
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 15.09.2018 às 23:25

As entidades sindicais têm de fazer alguma coisa, mas, pelo menos em tempos passados, o foco era para quem estava bem, e no topo.
Uma profissão que já foi respeitada, perdeu credibilidade muito pelo abuso de uma minoria que fazia dela um emprego, não uma vocação.
Concordo que o ensino tem muito de obsoleto mas há quem use as ferramentas que tem para fazer do ensino uma aprendizagem para,a vida.
Quanto ao que se passa, estivesse eu no seu lugar(professores), quereria exactamente o que eles pedem: o descongelamento da carreira.
Bom fim-de-semana
Imagem de perfil

De P. P. a 16.09.2018 às 23:29

E assim continua a ser, Maria.
Tenho uma amiga, QA que ainda aufere tanto quanto um contratado. Eu, entrei para QZP em 2002, QA em 2009 e, continuo no 2.º.
Mas não é o vencimento o que mais me importa. Preferia nunca ter passado pelos cancros dos pais, o Alzheimer da avó e ter o vencimento de um contratado. Aliás, nem faço parte daqueles que se distingue destes na sala de professores ou seja lá onde for.
Em foco, estão sempre os do topo. Nós, jamais lá chegaremos.
Concordo com o que escreve. Sem dúvida que "Uma profissão que já foi respeitada, perdeu credibilidade muito pelo abuso de uma minoria que fazia dela um emprego, não uma vocação." Quantas, influenciados por essa minoria, incluindo familiares, argumentam a nosso respeito... Diferentes realidades.
Quanto ao estudo em anexo, já surgiram várias opiniões controversas.
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 17.09.2018 às 10:16

Descongelamento da carreira... Eu defendo mais a progressão por mérito :-)

Boa semana :-)

P.S: entidades sindicais têm a sua agenda bem definida e nem sempre passa pelo desenvolvimento ou inovação das estruturas mas sim pelo protelar de situações que actualmente não são admissíveis.
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 17.09.2018 às 12:32

Estou de acordo com a progressão por mérito, mas quem já tem muitos anos de serviço e continua a dar muito de si, e conheço-os, Robinson, algumas direcções das escolas sabem quem têm, são sempre os mesmos sacrificados que como loucos e vêem as suas carreiras paradas no tempo.
A classe está a envelhecer, já não se vêem jovens professores, já não se respira sangue novo, como outrora, com novos métodos, novas ideias.
Sinceramente, Robinson e sei que vai matar-me, muitos professores e qualquer trabalhador do público e/ou do privado devia ter a reforma aos 63 anos, para não dizer aos 60.
Não é que sejam velhos, nada disso, porque ainda há muita genica, sim, mas para cuidar dos netos.
E as reformas deveriam ser revistas, devia haver uma patamar equilibrado..
Há pessoas que vivem demasiado bem do valor que auferem, algumas como se estivessem no activo, e isso não estou, de todo, de acordo.
E eu nem sou amigo do dinheiro, embora precise dele, como todos.
Beijinho
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 17.09.2018 às 12:34

corrijo:

" são sempre os mesmos sacrificados, trabalham como loucos..."
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 17.09.2018 às 15:18

Isso já pode ser uma questão de falta de equidade ou injustiça. Existem mecanismos que controlam essas situações, mas estamos num país onde o mérito nem sempre é valorizado. Tem de partir de todos... E também temos de ser realistas: nem todos podem (até porque não é possível) chegar ao topo da carreira... Se a muitos não agrada, podem sempre procurar alternativas. É duro escrever isto, mas é a realidade e é assim que tem de funcionar.

"Sinceramente, Robinson e sei que vai matar-me, muitos professores e qualquer trabalhador do público e/ou do privado devia ter a reforma aos 63 anos, para não dizer aos 60."

Só não a mato porque acrescentou "e/ou do privado" :-) - temos é de perceber se isso é sustentável ou como pode ser... Além de que, não são raros os casos em que temos reformas prematuras e os indivíduos continuam a exercer o cargo.

"Não é que sejam velhos, nada disso, porque ainda há muita genica, sim, mas para cuidar dos netos."

Concordo, mas isso implica uma mudança social tremenda... Já nem falo dos custos económicos. Mais que os avós a tomarem conta dos netos, defendo tempo para os pais cuidarem dos filhos.

Beijinho :-)



Imagem de perfil

De José da Xã a 16.09.2018 às 00:22

Os professores sempre foram armas de arremesso entre governos e sindicatos.
E nem uns nem outros estão preocupados realmente com esta classe. Apenas se preocupam com as questões políticas associadas.
Quanto ao tempo de serviço os professores têm razão.
Não vale a pena dizer algo diferente. Mas porquê só agora voltarem à batalha?
Cheira-me que há aqui outros interesses...
Bom domingo.
Imagem de perfil

De P. P. a 16.09.2018 às 23:34

Concordo com o teu 1.º parágrafo. Por essa razão, tento pensar por mim, avaliar o que vejo, recorrer à minha experiência pessoal.
Na luta entre gatos, muitos tachos estão em causa e sempre a política. Preocupações reais para com professores e alunos? Nada disso. Aliás, em algumas escolas, já recebemos os representantes sindicais com "cá vem este! Toda a gente calada e deixamo-lo distribuir os papéis".
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 17.09.2018 às 12:34

Ui!
Há muito que se ouve isso.
Imagem de perfil

De P. P. a 17.09.2018 às 15:01

Como sempre, eis a Maria com a sua sensatez.
Esta Sr.a é ao meu estilo. Diz o que está correto como o incorreto.
Bjs, Maria.
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 18.09.2018 às 23:57

Senhora, (in)sensato?
Por favor, nada de me tratar de senhora.
Cota na idade, mas não no resto.
Aliás, convivo com pessoas mais novas e enquanto não perder o tino e tiver saúde, vivo o que gosto e com quem gosto.


Imagem de perfil

De P. P. a 20.09.2018 às 01:05


Receei que ficasse ofendida caso não utilizasse o "sr.ª" :)
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 20.09.2018 às 20:08

Eu?!
E pode tratar-me por tu, sem qualquer problema.
Eu não o faço porque não consigo.
Beijinho

Comentar



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Mensagens

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB