Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Hellofriend - Uma "Rede Social" em Blockchain...

por Robinson Kanes, em 23.05.19

1_aF6wfKMlgMmf55ssIKPjVg.png

Créditos: https://medium.com/joinhellofriend/announcing-hellofriends-community-engagement-program-proof-of-friendship-28c8c47092d8

 

Este artigo deveria começar com uma descrição do que é "blockchain", no entanto, dada a complexidade do tema não é de todo o local ideal, além de que o grande objectivo do mesmo é chegar à necessidade e não propriamente ao processo.

 

Redes sociais como o "Facebook", por exemplo, estão apenas preocupadas em gerar dados e capturar insights para que estes possam ser rentáveis, mais uma vez a título de exemplo, em publicidade. O "Facebook", como outras redes sociais estão pouca interessadas na verdadeira interacção entre indivíduos, chegando a ser uma espécie de paradoxo. No entanto, e porque existem indivíduos que ainda pensam, e de uma forma empresarial, existe a "Hellofriend" que não é mais do que uma rede social que tem por base blockchain.

 

Mas em que difere a "Hellofriend" de outras redes sociais? A "Hellofriend" não grava e muito menos utiliza (é o que nos dizem) os dados dos seus utilizadores! Tal leva-nos à grande questão... E como é que gera revenue? A "Hellofriend" é paga - paga quando a interacção tem lugar! Talvez soe estranho para a maioria das pessoas, embora eu seja defensor que, se utilizamos algo, devemos pagar.  

 

Esta rede social, vive basicamente da promoção e concretização da interacção entre os indivíduos/amigos! Procura efectivamente servir de plataforma para a promoção de redes sociais no mundo real, sendo uma espécie de facilitador de contactos e de relações! Entremos mais a fundo no funcionamento da rede... Cada membro pode ser um facilitador capaz de organizar um sem número de actividades, desde festas, encontros em cafés até viagens em grupo! Por sua vez, este facilitador factura um valor aos participantes e a rede social recebe 10% de comissão - simples, não é? Ou seja, quanto mais vezes os indivíduos estiverem longe da rede social, melhor é para a mesma e além disso ainda retira daí proveitos! Por norma, os valores procuram, sobretudo, suportar a organização e os custos inerentes.

 

A utilização de blockchain é importante na medida em que além de eliminar qualquer espécie de advertising  protege os dados e a fiabilidade dos utilizadores. A "presença" de blockchain permite também a utilização de tokens e que os pagamentos sejam feitos em criptomoeda.

 

Em resumo, se a ideia é óptima, porque olhando à oferta o é efectivamente, tudo isto tem um lado interessante e social: também nos faz pensar no porquê de terem que existir este género de plataformas para promover a interacção entre seres-humanos...

 

Vejamos se terá o sucesso esperado...

Mais informações sobre a Hellofriend aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)


30 comentários

Imagem de perfil

Sarin a 23.05.2019

Basicamente, em vez de enviar uma sms aos amigos a dizer "às 21h30 na esplanada", cobramos para dizermos o mesmo a pessoas que nunca vimos. Cobramos, se estiverem com vontade de pagar.

Pela descrição, não prevê alternativa para um dos factores de sucesso das redes: a comunicação à distância.
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 23.05.2019

Era esse o pensamento que queria suscitar... A questão que coloco é, será isto o futuro? E sendo o futuro, será isto um mal menor? E arranjar amigos à força?

Aqui o factor de sucesso não é o importante, mas sim o processo... Além de que o factor de sucesso das redes sociais é outro e não passa pela comunicação à distância :-)
Imagem de perfil

Sarin a 23.05.2019

As redes sociais têm sucesso graças a vários factores - a comunicação à distância um deles: na década anterior, as famílias e os amigos ligavam-se em rede para manter o contacto simultâneo através de vários fusos horários. 2 factores. A deslocalização da rede para o umbigo foi depois :))


Este processo não será tão violento como um FB, parece-me - a etiqueta diz que é incorrecto recusar amizade a um conhecido, a um vizinho, e se for familiar valham-nos os deuses! Neste HF é como no poker, vai a jogo quem quer.

A questão, para mim, não é ser esta ou outra - é a preponderância que têm. Mas esta é uma discussão velha.
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 23.05.2019

As redes sociais exploram (e bem do ponto de vista de negócio) uma das maiores necessidades humanas - sobretudo na atualidade: a aceitação/validação dos outros... Esse é o mote... Depois existem outros, nomeadamente, e passo a expressão, a bisbilhotice. Para manter o contacto, o Skype faz isso :-)

Imagem de perfil

Sarin a 23.05.2019

Não se consegue falar em simultâneo com 5 fusos horários :) As redes sociais permitem a difusão simultânea à distância.


Como disse, a curiosidade e a necessidade de exibição vieram depois, foram consequência e não causa do sucesso ;)
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 23.05.2019

Isso não implica que os indivíduos leiam/escutem a mensagem ao mesmo tempo... Era aí que queria chegar. E, mais uma vez, no Skype também o consigo.

Discordo do último parágrafo... Não culpemos as redes sociais por características que são intrinsecamente humanas. Necessidade de exibição e curiosidade já existiam há muito, só foram colocadas numa plataforma virtual... A consequência, entre outras, quando muito, foi o raio de acção. Se eu tivesse que montar uma rede social, e na avaliação do mercado, era um dos factores que teria imediatamente em conta e não propriamente no campo da consequência.
Imagem de perfil

Sarin a 23.05.2019

Robinson, não responsabilizei e menos culpei as redes, não percebo onde leu tal - o que afirmei e afirmo é que as redes foram criadas para facilitar a difusão de mensagem à distância e em simultâneo, não como meio para satisfazer curiosidade e vaidade.
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 23.05.2019

Não interprete as palavras tanto à letra :)

Entendo o seu ponto de vista, mas não partilho dessa opinião. Talvez uma ou outra, ou quando os Zuckbergs deste mundo ainda estam na residência universitária.
Aqui discordamos, pronto :)))
Imagem de perfil

Sarin a 23.05.2019

O Robinson usa-as, tenho de as interpretar - nem sentido literal nem figura de estilo têm cabimento quando me atribuem aquilo que não digo ;)


As redes sociais têm mais de 20 anos. Acompanhá-las tem sido desconcertante, a evolução a divergi-las para objectivos distintos da sua criação. A especialização, a secundarização do social, a omnipresença... consequências da evolução do que nasceu para ser rede. :))

Talvez este HF venha satisfazer um nicho que já não dispensa a tecnologia mas para o qual socializar prevalece sobre emitir. :)
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 23.05.2019

Mas sabe que a língua é rica e não podemos, sobretudo na nossa, tirar logo uma conclusão precipitada. :). Mas reformulo, já o fiz... Características humanas não são consequência das redes sociais.

Uma rede que se transfomou e se tornou rentável. Passou do quarto para o mundo... O Facebook é só uma das últimas.

Obrigado por esta discussão ( no sentido positivo da palavra) :))))
Imagem de perfil

Sarin a 23.05.2019

Robinson, sejamos claros: eu não tirei conclusões precipitadas, o R. escreveu que eu de alguma forma atribuía às redes aquilo que considera "características humanas". Não o escrevi nem o penso.
Afirmei desde o início que as redes foram criadas com um objectivo (e falo de um período de tempo específico situado na primeira parte destes mais de 20 anos, cf escrevi), e que o seu uso desenvolveu novos objectivos.
Os objectivos não são características humanas, mas são determinados em função de características evidenciadas na utilização das redes. Que não nasceram para satisfazer tais características.

Como disse, esta discussão tem mais de 15 anos :))


Tenho muito gosto em discutir - uma discussão é, por maioria de razão, um debate de ideias, e o tal "sentido negativo" não é discussão mas zaragata improdutiva ;)
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 23.05.2019

E pelos vistos ainda não tem solução à vista... Nós somos o exemplo. Mas agora sou eu que peço clareza pois o seu discurso levou-me a entender isso... Demasiado focados nas letras e menos nos conteúdos :)

Mas olhe que não associei objectivos a características humanas... Também depende como olhamos para as RS, o MSN também poderia ser ou até a intranet de algumas organizações.

Sem zaragatas... :)))
Imagem de perfil

Sarin a 23.05.2019

Sobre a tecnologia blockchain, temos a questão do consumo e da capacidade de computação - se uma das mais valias é a segurança dos dados, presumo que cada utilizador estará a criar frases do código, o que exigirá um pouco mais do que um smartphone, não?
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 23.05.2019

É pesado, literalmente... Frases e fases, embora tenha de assumir que o meu interesse por blockchain está mais na "autenticidade" e rastreio das aquisições... A Bitcliq é um exemplo de empresa que aposta nessa área.

Neste caso em concreto, penso que não é preciso mais quem smartphone. Pode ser que nos surja aqui alguém com um conhecimento mais aprofundado da matéria :-)
Imagem de perfil

Sarin a 23.05.2019

Aguardemos, então.

Porque a experiência que tenho com bc é de alto consumo de capacidade computacional - muitos telemóveis do mercado ficariam ko numa semana :)
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 23.05.2019

Sim - embora eu tema mais em termos de consumo de energia eléctrica e em termos legais.
Ainda é uma tecnologia recente, até porque, se formos a ver, a blockchain já existe fora do virtual...

E não estou a falar apenas de blockchain como "bitcoin".

Venham eles :-)
Imagem de perfil

Sarin a 23.05.2019

Gerar código aleatoriamente e descarregar é um processo que exige elevada capacidade computacional ou então resulta tão moroso que não justifica o processo - o resultado é, em ambos os casos, bloquear o equipamento a outros usos :/

Perante isto, a energia acaba por ser secundária :s
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 23.05.2019

Olhe que não... Olhe que não... :-)
Não estará a considerar apenas o "POW"? Acho que estamos a olhar para diferentes campos de Blockchain.

A energia nunca será secundária - ou melhor poderá deixar de ser um problema num curto espaço de tempo. Outro exemplo que, em algumas situações poderá ser preocupante: os registos imutáveis! Isso pode causar problemas.
Imagem de perfil

Sarin a 23.05.2019

Estamos a falar de segurança.. o PoW parece ser o preferido exactamente por ser, dos três protocolos, o mais aleatório.
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 23.05.2019

É um deles, não é único, mas é bastante consensual. Gosto especialmente desta área por motivos de qualidade, tracking e smart contracts. Não sou informático, pelo que, pormenores muito técnicos escapam-me.
Imagem de perfil

MJP a 23.05.2019

Olá R.!

Não tenho (nem alguma vez tive) conta em qualquer rede social (nem sinto, qualquer, necessidade!)... a única "coisa virtual" onde participo é aqui na blogosfera (e... é algo muito recente)...

Faz-me confusão ver pessoas que se dizem "amigas", que vivem no mesmo prédio, passarem meses sem se ver... mas... passarem várias horas, por dia, a interagir nas redes sociais!!!

Dia Feliz!
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 23.05.2019

Olá MJ,

Pessoal só tenho uma, aliás... se é que se pode dizer que o LinkedIn é pessoal.

As demais são utilizadas por mim com outros intuitos. Para mim, e sublinho, para mim, é pura perda de tempo.

A tua observação é muito pertinente... É estranho, simplesmente estranho.

Uma noite tranquila,
Imagem de perfil

MJP a 23.05.2019

Obrigada, R.!
Uma noite tranquila para ti, também!
Imagem de perfil

cheia a 23.05.2019

Mal vai a humanidade, quando precisa de redes sociais, para validarem os seus membros!
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 23.05.2019

Curto e grosso, mas também certeiro.
Imagem de perfil

O ultimo fecha a porta a 25.05.2019

não conhecia esta rede social, mas sendo a pagar não deve ter grande adesão.
o facebook e instagram precisam de utilizadores gratuitos para as marcas (clientes) poderem ter audiência para os seus produtos e campanhas.
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 26.05.2019

Vamos ver... Com o marketing certo... Em Portugal, o país onde tudo tem de ser grátis, mesmo que se gastem milhares sem pestanejar em carros e "gadgets", não terá por certo... Mas acredito que pode criar algumas dinâmicas, mesmo a pagar... Até porque vai bem para lá do que pretendem Facebook e similares... A "Hellofriend" não quer trabalhar com marcas.

Será interessante ver no que isto vai dar.
Imagem de perfil

José da Xã a 28.05.2019

Companheiro,

prefiro o contacto pessoal.
As redes sociais apenas servem como feira de vaidades.
Abraço.
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 29.05.2019

É uma opinião, é uma opinião.

Abraço,

Comentar



Mais sobre mim

foto do autor





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog





Mensagens

Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB