Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




E é Isto o Amor!

por Robinson Kanes, em 30.10.18

IMG_3982.JPG

Le Baiser, Auguste Rodin - Musée Rodin

Fonte: Robinson Kanes

 

Os seres-humanos não foram feitos para estar toda a vida com a mesma pessoa! Enquanto não percebermos isso, não evoluíremos enquanto pessoas e amantes.

Tenho dito.

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Imagem de perfil

De Rita PN a 30.10.2018 às 07:46

Não foram, efetivamente. Mas também não foram feitos para estar com um sem fim de outros seres humanos: os saltitões. A meu ver, se os primeiros não evoluem, tão pouco os segundos, estejamos a falar em termos pessoais, sociais, valores, personalidade... na verdade, este segundo caso, de tão estudado, chega quase sempre às mesmas conclusões: quebrar regras morais por prazer, ou colmatar carências e vazios interiores. Sejamos correntes na matéria e nem 8 nem 80.

Creio eu, que me considero leiga no assunto, que o ser humano necessita de relações emocionais porque é essa a sua natureza. Podendo, elas, as relações, existirem por amor, por carência, por simples afecto, por companhia, ou apenas porque sim, como se sabe. Mas no que diz respeito ao amor, não creio que existam muitos ao longo da vida. Não verdade, julgo que existe o primeiro e o outro que a dado momento se sente que o é. Os intermédios ou posteriores, percebemos, após ter sentido os atrás referidos, que eram um qualquer outro estágio dentro de nós.

O ser humano evolui em sociedade e não sozinho. Evolui da partilha, do relacionar-se, do aprende consigo e com os outros, evolui de acordo com o ambiente e estímulos a que está sujeito, evolui com carinho, mas também com os dissabores. Não só da estabilidade se faz o Homem, o caos é tantas vezes necessário para que dele nasçam estrelas.

O ser humano não fica com uma só pessoa para o resto da vida, fisicamente. Mas pode ficar com alguém, do lado de dentro...
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 03.11.2018 às 23:05

Não estava a pensar nos "saltitões", mas olha que também muitos desses "saltitões" não o são só porque sim... Há algo de mais complexo por detrás. Penso que está longe daquilo que afirmei...

E porque não pode o amor existir várias vezes ao longo da vida? É que o amor tão depressa pode surgir como desaparecer... Depende também da definição que cada um dá ao amor, ou não? :-)

Mesmo do lado de dentro, acho que muitas vezes sucede porque as portas não são fechadas... Será, no entanto, que se nos fossem tiradas muitas das convenções sociais que herdámos neste âmbito (sobretudo com influência religiosa) o discurso não poderia ser diferente?

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Mensagens

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



subscrever feeds




Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB