Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




As Criancinhas que Morrem e Não Têm Sonhos...

por Robinson Kanes, em 24.05.17

IMG_2257.jpg

Bartolomé Estéban Murillo - Crianças Comendo Uvas e Melão, (Alte Pinakothek)

Fonte da Imagem: Própria

 

Deve, portanto,  cada um por sua vez descer à habitação comum dos outros e habituar-se a observar as trevas. Com efeito, uma vez habituados, sereis mil vezes melhores do que os que lá estão e reconhecereis  cada imagem.

Platão, in "República"

 

 

As criancinhas que morreram em Manchester colocaram o mundo a pensar em como é possível que se matem crianças num concerto, onde algumas até estão a realizar o sonho de uma vida. Como é possível? É a questão que todos colocam...

 

Lamento essas mortes como lamento quaisquer outras, mas o ódio e tristeza de muitos coloca o foco nas crianças que morreram. Por serem crianças, por serem jovens, por terem tantos sonhos e por estarem a realizar um deles que não era mais que ver um concerto. É legítimo, é um sonho...

 

Contudo...

 

E as criancinhas dos países do Sudoeste Asiático, da América do Sul, de África e até de países como na Turquia, qual imagem com que a personagem Mevlut de "Estranheza em Mim" (Orhan Pamuk) se deparou aquando da venda de Booza. A imagem de assistir a crianças que vivem fechadas em apartamentos a fabricar brinquedos, peças de roupa e calçado para muitas marcas que muitos de nós compramos... Às nossas criancinhas?

 

E as criancinhas que ficaram sem pai e/ou sem mãe porque foram mortos pela guerra? Criancinhas que nunca souberam o que era paz.

 

E as criancinhas que mal conseguem andar e começam a trabalhar para ajudar a família ou que então são escravizadas? 

 

E as criancinhas que não querem ficar fechadas em casa a viver no medo e arriscam brincar entre as crateras das bombas?

 

E as criancinhas que dão à costa ou andam a boiar? Quantos sonhos se perderam nas ondas que as arrastaram às areias do mediterrâneo e não só? São as mesmas areias onde muitos de nós vamos passar férias, com as nossas... Criancinhas...

 

E as criancinhas vitimas da guerra que aos 10-14 anos falam como adultos? Que demonstram uma frieza de adultos e guardam uma tristeza profunda por viverem como vivem? Criancinhas que nos fazem envergonhar e pensar como é que um discurso tão evoluído daqueles cabe em tão poucos anos de vida!

 

E as criancinhas que aos 12 anos sabem o que é disparar uma AK 47 e armar uma granada?

 

E as criancinhas que sufocam com gases tóxicos ou são contaminadas com urânio empobrecido?

 

E as criancinhas que são feitas em pedaços porque estavam a brincar na rua e a última coisa que ouviram foi o “click” da mina anti-pessoal que as enviou pelo ar e desfez as mesmas em pedaços?

 

E as criancinhas que sobrevivem a tudo isso e são transportadas para um hospital até o céu lhes cair em cima, porque lá de cima alguém o fez cair sob a forma de uma bomba?

 

E as criancinhas que, apesar de tudo isso, ainda conseguem ter um sorriso e não pedir nada?

 

E as criancinhas que, ao contrário das nossas, provavelmente nunca saberão o significado da palavra sonhar?...

Autoria e outros dados (tags, etc)


47 comentários

Imagem de perfil

Robinson Kanes a 24.05.2017

No seio político, falar de crianças é algo que toca os eleitores, sobretudo em Portugal onde a "infantocracia" é latente.

No seio das populações, como referi à Ana, tem a ver sobretudo com a sensação de que poderia ter acontecido com as mesmas… Com os filhos das mesmas. Então nós, que temos medo de tudo e mais alguma coisa.

Uma coisa é visualizar as imagens televisivas outra é pensar que afinal aquelas situações não estão confinadas numas fronteiras distantes… Mas quando começamos a ver determinadas imagens mesmo dentro da nossa "casa", talvez pensemos de forma diferente.

Também é interessante que a culpa vai sempre cair nos mesmos. Sem sabermos quem foram os autores já estamos a "bater" nos muçulmanos. O que não falta são "pseudo-comentadores" a espalhar esse ódio. Hoje em dia dá-se demasiada importância ao que meia dúzia de indivíduos dizem, mesmo sem terem qualquer formação nas áreas e conhecimento. Carregam um fardo de parcialidade tremendo. O público tem de ser mais inteligente e avaliar… Questionar…

Quem teve azar no meio de tudo isto foi o Roger Moore que não teve o destaque devido. Os "palradores" do tudo e do nada, tiveram matéria mais que suficiente para falar… Caso contrário, o Sir Moore "descobriria" que de repente toda a gente gostava dele, como acontece sempre que alguém morre. Não se fala da pessoa, mas de repente somos invadidos com um discurso de admiração.
Imagem de perfil

Rita PN a 24.05.2017

Em política, tudo o que fala ao coração toca. Mas, como é sabido, palavras são só palavras. Os actos dizem exatamente o contrário. E usar crianças, pobrezinhos, vítimas de violência etc... é um marketing que a mim me repugna.
(E agora lembrei-me da Cristãs quando disse que vestia calças de ganga e botas para ir aos bairros sociais. Não sei se existe uma indumentária para visitas a bairros sociais, ou se tem que se descer do pedestal para lá se entrar e vestir-me de acordo com "os mais carenciados"). Bom mas isto foi um à parte.

A situação de Manchester podia ter acontecido com as crianças das nossas casas e familias. Tudo certo. A minha irmã tem 14 anos e vai a concertos como o de Manchester. Podia ter sido ela. Mas também podia ser ela a passar fome a sofrer todas as atrocidades que pelo mundo fora acontecem. Aliás, não estamos livres disso. Basta alguém querer fazer acontecer. Se é para pensar da porta para dentro, que se pense no global. E não só na situação da "visinha". (Desculpem-me os mais sensíveis).

A culpa recai efetivamente nos mesmos. Acabando por lhes dar ainda mais força. Não é por acaso que o Daesh reivindica todo e qualquer ataque, quer seja ou não da sua autoria.
Existem lobos solitários. Existe quem aproveite a oportunidade para levar a cabo a sua vingança, seja o motivo qual for. Existem radicais não muçulmanos. Existe. Extremistas cegos no seio da Europa, à esquerda e à direita. Existem loucos. Existem milhares e um casos. O que é facto é que o terrorismo está na moda, porque nós assim o fizemos ser. E como tal, ele vai ganhando cada vez mais força.
Agora não se esqueçam que existem dezenas de formas de terrorismo e que nós, Europa, também o fazemos.

Quanto ao Roger Moore, lá está, depois de morto todo o artista é bom...
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 24.05.2017

Em política tudo o que parece é :-)

Esse foi um episódio lamentável de quem não percebe minimamente o que está a fazer. É alguém que vive completamente ao lado da realidade, num círculo burocrático e nada mais. Posso falar abertamente pois não tenho nenhuma cor política. Mas olha que é apenas mais uma pessoa entre tantas outras.

Dizemos que o mundo está cada vez mais pequeno, mas distanciamo-nos cada vez mais da realidade e do nosso vizinho :-)

Se existem, embora terrorismo hoje seja apenas associado ao Islão… É um pouco como aqueles que dizem que o conceito de "raça superior" foi "descoberto" pelos nazis, quando afinal já tinha bases naqueles que também eles procuraram eliminar… Paradoxal, no mínimo.

Comentar



Mais sobre mim

foto do autor




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sardinhas em Lata

Todas as Terças, aqui! https://sardinhasemlata.blogs.sapo.pt/

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog





Mensagens







Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB