Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A Floresta: Portugal e a Costa Rica.

por Robinson Kanes, em 10.10.19

photo-1534366254013-c4f3d48960e8.jpeg

Imagem: Lisa Kessler

 

A Costa Rica é conhecida pela sua flora, nomeadamente as suas florestas tropicais, pela fauna e claro, pelas bananas. No entanto, a sede de lucro e total inexistência de fiscalização devastou grande parte das florestas do país até tempos recentes.

 

Em Portugal, que também se pode orgulhar da pouca floresta que lhe resta e também das bananas da Madeira, o cenário não foi diferente - se por um lado a destruição da floresta se dá para o crescimento do eucalipto e do imobiliário (e muito pouco de fala do imobiliário), por outro, foi mais longe que a Costa Rica e especializou-se na indústria do fogo - na reactiva e não na preventiva.

 

No entanto, o que a Costa Rica nos pode ensinar é o facto de ter encontrado na floresta uma fonte de rendimento, não só em termos ambientais mas também de ecoturismo - o turismo em Portugal continua a ser pensado em massa e para o retorno fácil e rápido, normalmente por parte dos suspeitos do costume - aumentar alojamento, promover os monumentos do costume e encher cidades como Lisboa e Porto, sem esquecer as regiões da Madeira e do Algarve, gentrificação a todo o custo e despreocupação com os exemplso que cidades como Barcelona nos dão. Enquanto isto, os incêndios vão destruindo e desertificando o país sem que alguém se preocupe com isso, até em termos turísticos. Continuamos a não rentabilizar os nossos Parques Naturais e basta atravessarmos a fronteira para aferir das diferenças, quer em termos de controlo e preservação quer em termos de geração de revenue para o próprio Estado e para as populações.

 

Na Costa Rica, por exemplo, foi criada uma Comissão Nacional da Floresta, não só para controlar e reduzir a emissão de licenciamentos que poderiam ser nocivos para a mesma como também para a salvaguarda e "policiamento". Esta comissão geriu também a gestão de um fundo financiado por taxas ambientais que têm em vista a preservação do ambiente, taxas essas que não são desviadas para outras áreas mas sim para a redução da probeza e conservação da natureza em áreas rurais e florestais. A Costa Rica encarou a floresta como um meio de dinamizar o ecoturismo, conservar a fauna e flora, reduzir o CO2, permitir a retenção de água e até utilizar a mesma para o desenvolvimento de fármacos e medicinas naturais, portanto, uma verdadeira indústria com estratégia a longo prazo.


Para se ter uma clara ideia, o fundo ajudou à criação de sensivelmente 18 000 postos de trabalho directos e 30 000 indirectos! Todavia, o grande resultado parece também ser a forma como estas medidas tiveram impacte no aumento do Produto Interno Bruto (PIB) sobretudo devido à actividade turística nestas áreas. O turismo é um dos pesos pesados no PIB da Costa Rica e isso deve-se às políticas entretanto aplicadas.

 

Em Portugal e em tantos outros países, bem podemos aprender com o exemplo da Costa Rica que, não sendo perfeito, nos pode dar uma clara ideia de como podemos voltar a ter um Portugal verde e que tem na floresta uma das suas mais-valias, não só em termos industriais mas também em termos turísticos. Contudo, isso implica apostar em estratégias, envolver outros actores e acima de tudo apostar na preservação e na prevenção - será que estamos dispostos a depenar a indústria reactiva dos incêndios em prol de uma indústria proactiva e geradora de benefícios ambientais, sociais e económicos e onde cada euro aplicado gera retorno ao invés dos euros que são queimados com o combate?

Autoria e outros dados (tags, etc)


22 comentários

Imagem de perfil

Psicogata a 10.10.2019

"Continuamos a não rentabilizar os nossos Parques Naturais"
Tão verdade, temos tanto potencial, especialmente no interior e não se faz nada, nada, nem para preservar, nem para dinamizar.
Há imenso potencial turístico em cada recanto de Portugal, infelizmente é desvalorizado e o pouco que se faz é feito por pessoas particulares que se empenham e se reinventam para competir com o turismo de massa apoiado por fundos e Governos.
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 10.10.2019

Olá! De volta? Pensei que já tinhas abandonado... :-(
Tenho de te voltar a seguir :-)

Os Parques Naturais, salvo raras excepções são uma tristeza de se ver tal é a falta de dinamismo... Nessa guerra que falas já eu andei, quer em termos ambientais, sociais e culturais - perdi todas as guerras. A política, a política...
Imagem de perfil

Psicogata a 10.10.2019

Fiz só uma paragem :)

A política arrasa tantas ideias boas e derrota tantos projetos :(
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 10.10.2019

Então... "Welcome back, soldier" :-)

A quem o dizes... A quem o dizes...
Imagem de perfil

Luísa de Sousa a 10.10.2019

Devíamos aprender com estes exemplos, como a Costa Rica!!!

É como o Robinson tão bem escreveu: "... o turismo em Portugal continua a ser pensado em massa e para o retorno fácil e rápido, normalmente por parte dos suspeitos do costume - aumentar alojamento, promover os monumentos do costume e encher cidades ..."

Mas dá trabalho seguir os bons exemplos!

Gostei muito do post!

Beijinhos
Dia Feliz!
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 10.10.2019

Devemos aprender mesmo... Até porque a Europa tende a ignorar muito do que se faz pelo mundo, excepto se for nos EUA.

O Turismo em Portugal deveria ter em conta os maus exemplos de outros países e não o temos feito, pelo contrário, até o temos seguido. Isto não quer dizer que não esteja de acordo com algumas políticas e com os bons resultados.

Obrigado e um beijo,
Imagem de perfil

MJP a 10.10.2019

Bom dia, R.! :-)

"será que estamos dispostos a depenar a indústria reactiva dos incêndios em prol de uma indústria proactiva e geradora de benefícios ambientais, sociais e económicos e onde cada euro aplicado gera retorno ao invés dos euros que são queimados com o combate?"
(espero que, algum dia, estejamos!!!)

Beijo
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 10.10.2019

Hi MJ,

A verdade é que a indústria do fogo tem muitos actores... Vejo em Portugal o que ouvi (e com factos apontados) da boca de um amigo que tenho na Sicília. Lá não é/foi diferente do que se está a passar por aqui, no entanto, por lá, muitos já são os que dizem basta (não posso dizer "chega" que os adeptos da liberdade ditatorial ainda pensam outras coisas...).

Quando estivermos será tarde... Já é.

Beijo,
Imagem de perfil

Calimero a 10.10.2019

Tinhamos tanto a ganhar como estes bom exemplos..

Temos (ainda) zonas tao previligiadas que podíamos fazer bons investimentos..


Esperamos que possa fazer ainda consiga fazer..

Obrigda pela partilha
beijinho


Imagem de perfil

Robinson Kanes a 10.10.2019

Eu espero que ainda possamos, mas o cenário não está agradável. Vamos lutar!

Obrigado e um beijo,
Imagem de perfil

Folhasdeluar a 10.10.2019

Já vi um documentário sobre a Costa Rica e o seu projecto de protecção da natureza e turismo ambiental. Parece que por cá ainda não se percebeu bem que o turista ambiental é, por norma, um turista culto e com dinheiro. A massificação do turismo a que estamos a assistir e que já levou a protestos em Barcelona,(como disse), em Veneza e em Florença. Este tipo de turismo só interessa a restaurantes e ao alojamento local. Portugal tem que promover o turismo de natureza. Certa vez estivemos( eu e a I.) num turismo rural, pertença de um holandês, e nós éramos os únicos portugueses, os outros eram todos holandeses. E porquê? Porque o dono promovia o seu turismo em feiras de turismo na Holanda. É este tipo de iniciativa que é preciso incentivar aos operadores portugueses.
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 10.10.2019

Culto, com dinheiro, educado e que percebe como tratar a natureza... Que paga mais se souber que está a proteger o ambiente, mesmo que seja para dormir numa tenda.

É preciso incentivar e tornar este turismo lucrativo, o que nem sempre é pela falta de atractivos. Não posso ter uma casa no meio da montanha se não disponho de meios complementares de animação.

O TER, como todos sabemos, serviu e ainda vai servindo para muitos arranjarem as casas lá na terra :-)

Conheço bem Barcelona, preferi ir por aí, pois é rara a semana que não aborde essa questão com as pessoas que lá "deixei". A verdade é que este sentimento acerca de Barcelona até já chega a Tarragona!
Imagem de perfil

cheia a 10.10.2019

Primeiro, teríamos de acabar com as máfias, que vivem dos incêndios.
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 11.10.2019

Algum dia tem de ser... É preciso ter apoio da sociedade e da alta esfera... Isso é um começo: diz-lhe alguém que já ganhou e perdeu guerras com a "máfia".
Imagem de perfil

Maria Araújo a 11.10.2019

Está a fazer dois anos que tivemos Portugal a arder no Outono.
Por vezes, acho que estes seus textos deviam ser notícia de jornal, talvez num cantinho do escritor/ leitor .
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 11.10.2019

Foi por isso mesmo... Eu não me esqueci :-)

Não sei se tenho talento para tal... :-(
Imagem de perfil

Maria Araújo a 11.10.2019

Vozes como a sua tem talento,sim.
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 11.10.2019

Obrigado, Maria. Muito obrigado :-)
Imagem de perfil

O ultimo fecha a porta a 12.10.2019

Por cá temos a fonte dos fundos europeus que vão enchendo alguns bolsos e é preciso justificar a sua necessidade. as florestas são muito desvalorizadas. constantemente incendiadas, sem punição à altura.
Imagem de perfil

Robinson Kanes a 12.10.2019

É melhor nem falar disso... :-)

Comentar



Mais sobre mim

foto do autor





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog





Mensagens

Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB