Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Quando as Minorias São a Maioria...

por Robinson Kanes, em 02.03.17

Untitled.png

Juan José Gárate Clavero , O Banquete Interrompido (Museu Carmen Thyssen)

 

Dizia Lenine que as minorias têm sempre razão. Penso que tal figura histórica se regozijaria imenso com alguns episódios a que assistimos actualmente. Ontem, num jantar realizado entre amigos, não consegui fugir ao tema e dei comigo numa conversa sobre comentários em redes sociais. O que me faz escrever este artigo, no dia de hoje, está relacionado com o facto de até já existirem queixas de uma associação que dá pelo de SOS Racismo.

 

Coloco uma questão: dizer que “pretos” e “gays” ganham óscares é crime? Não elogio o modo em como o comentário foi feito, de facto, mas é motivo para tanto alarido? Que faria a associação SOS Racismo numa estação de caminhos-de-ferro alemã onde indivíduos, por norma, não alemães, são abordados pela “Polizei” de uma forma menos amistosa e são convidados a mostrar a identificação? Teria espaço para tanta acção? E quando é perfeitamente normal ir numa carruagem na República Checa e só ao indivíduo turco ser solicitada a identificação? E eu nem tenho aspecto de eslavo...

 

Que diria a associação SOS Racismo pelo facto de eu ter pedido a indivíduos de raça negra (poderia ser qualquer outra) alguma contenção, numa situação de clara violação da lei e ter sido ofendido com as palavras “não ouçam esse C... ele é branco”? Será que posso apresentar uma queixa por racismo com o apoio desta associação? Se sim, seria interessante perceber os trâmites, mas é claro, o meu caso não seria mediático. Em jeito de nota, a maioria dos indivíduos presentes nessa situação moderou o comportamento e até pediu desculpa aos “lesados”.

 

Sinto-me confortável para falar sobre estas matérias, tenho amigos pretos, brancos, amarelos, árabes, judeus, chineses, cor-de-rosa, azuis, gays, heterossexuais e com eles já trabalhei, apoiei e fui apoiado. Em relação a pretos, árabes, judeus, gays e tantos outros já partilhei muitas experiências e até uma mesa e muitos abraços.... pelo que, poupem-me ao politicamente correcto.

 

O que temo hoje em dia, é na transformação que se faz de episódios sem dimensão em autênticos crimes contra a humanidade! O que temo hoje em dia é uma ditadura das redes sociais e do politicamente correcto onde a maioria que expressar a sua opinião rapidamente é exterminada pela minoria “coitadinha”. Se há uma coisa que o genocídio no Ruanda nos ensinou é que, se protegemos demasiado uma minoria e, quando as bases dessa protecção falham, vamos ter uma grande revolta da maioria.

 

Porque é que se dá importância a um fadista (que nem é brilhante) e ninguém se revolta contra os impostos não cobrados e que estão em offshores? Porque não se dá importância aos preços proibitivos dos combustíveis? Porque é que não se questiona que um interveniente nas negociações da TAP (ao serviço do Governo e "pro bono", lembram-se?) aquando da privatização seja agora indicado para um alto cargo nessa mesma instituição?  Porque é que se faz a apologia de políticos que se venderam por um bilhete para um jogo de futebol? Perde-se demasiado tempo neste país de comadres a falar do que não interessa, a atirar chavões que depois não têm conteúdo, mas quando o assunto é o bem comum...

 

Para mim são todos cidadãos, iguais perante a lei, independentemente das orientações sexuais ou da raça e acredito que se a nossa Constituição fosse olhada como o deveria ser, e não somente para reivindicar direitos de alguns sobre a asfixia de outros, talvez muitas associações deixassem de ser necessárias. Mas quem invoca a Constituição são sobretudo os cidadãos e é a inoperância prática destes que provoca estes conflitos.

 

Encerro com uma citação de uma publicação extremamente actual e que nos pode fazer reflectir,  o "Regresso ao Admirável Mundo Novo" de Aldous Huxley - aqui numa fase mais triste e desencantada face ao "Admirável Mundo Novo - e que dizia que  "a liberdade é um grande bem, a tolerância uma grande virtude e a arregimentação uma grande infelicidade"... 

 

Fonte da Imagem: Própria.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

gorilla-suit.jpg 

Existe agora, mais uma moda, no LinkedIn, em que os excelentes profissionais que temos por este país e pelo mundo desafiam todos os utilizadores da sua rede, e não só, para algo verdadeiramente profissional e gerador de conclusões importantíssimas para o desenvolvimento das pessoas e das organizações. De facto, quem não tem LinkedIn que crie já uma conta e procure imediatamente ligar-se a estes senhores.

 

Mas o que fazem estes indivíduos? Simples, colocam duas ou mais fotografias e pedem aos demais utilizadores que lhes sugiram aquela que deve surgir numa determinada publicação."Vejam como sou importante, vou aparecer naquela revista que tem mais de... 20 assinaturas".Não é complicado, sobretudo se quisermos escolher algo forçado... já se procurarem algo mais natural, desejo-vos sorte.

 

Temos a versão risonha, altamente bem trabalhada e muitas vezes sem rugas de expressão. Também temos a versão séria, altamente profissional e sempre, mas sempre, com os braços cruzados, ou com as mãos bem juntas.  Existe ainda uma outra opção, nomeadamente, as mãos ligeiramente abertas com as pontas dos dedos a tocarem-se. Temos também, o rosto para o lado e o rosto a encarar quem visualiza. Só não temos é o rosto a trabalhar...

 

A quantidade de pessoas que participa é deveras impressionante. Os palpites são vários, e no fim... aquele indivíduo que quer mostrar ser uma pessoa decidida, valente e com jeito para o negócio, nem maturidade e nem capacidade crítica e analítica tem para escolher a sua própria "imagem". E quando isso acontece... como é que um dia poderá tomar decisões mais difíceis quando nem a sua fotografia para uma publicação sabe escolher. Pelo menos é assim que eu encaro tal tomada de posição.

 

Actualmente, num mundo de tanta exposição, onde é tão difícil separar o menino do coro do gabarola, mas também definir um e outro, sugiro que muitos se escondam, pois já dizia Vergílio Ferreira que “as desgraças não são para se verem, e é por isso que existem as casas de banho”.

 

Em suma, andamos todos a brincar ao profissional, mas o que queremos é um emprego, uns trabalham para isso, outros promovem-se para tal...

 

Fonte da Imagem: https://bossip.com/975637/random-ridiculousness-zoo-employee-dressed-in-gorilla-suit-shot-with-tranquilizer-dart-when-mistaken-for-real-escaped-primate-43081/

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

IMG_7667.jpg

 

O dia 16 de Julho de 2016 foi um dia com uma certa alegria, mas também com o seu "quê" de tristeza. A doce Lia, aquele talento de quatro patas do qual falei no último post, foi finalmente adoptada/recrutada.

 

No entanto, e como em qualquer recrutamento, não é fácil conseguir o lugar. Tentem seguir os conselhos de muitos "pseudo-gurus" da área que nos ensinam a elaborar um bom curriculum vitae, uma boa carta de motivação, a fazer um bom networking ou mesmo a cultivar a arte do personal branding. Sempre a mesma conversa e perdoem-me a intransigência... baseada sempre nos mesmos conceitos, muitas das ocasiões... por pessoas que nunca concorreram a um emprego.

 

Mas a Lia - sim... pisámos o risco e escolhemos um nome - conseguiu uns tutores que não valorizaram a técnica, nomeadamente uma base de formação em obediência básica que lhe proporcionamos, mas sim as suas qualidades como verdadeira companhia: instinto protector, simpatia, inteligência, carinho, dedicação e gratidão, ou seja... simplesmente a Lia, como ela é! Ainda escrevo este artigo com um sentimento de culpa, na medida em que três semanas por cá foram realmente uma mais-valia nas nossas vidas, quer a nível pessoal quer mesmo a nível profissional.

 

Um dos processos de recrutamento da Lia visou um casal que pretendia um "cão de raça", hoje em dia é fundamental - um cão de raça... o prolongamento da ostentação de ter um bom carro, uma boa casa e de impressionar os amigos. Na entrevista, o primeiro comentário: "é... pequena". Normal, uma expectativa defraudada, mas nada de assustador... O segundo comentário: "é 30% pastora alemã e 70% rafeira" - nada mais errado pelo que nem merece argumentação. Ou seja, na cabeça do Robinson, um pensamento: "jamais cometeria o erro de aconselhar a Lia a esta gente". O pior foi quando a miúda do Robinson se sai com esta e diz algo como: "a cadela não sei, mas o vosso comportamento está a ser 30% humano".

 

Acabou? Não, no dia seguinte a famosa e formal "mensagem automática": "gostámos muito da cadela mas não reúne o perfil pretendido". Confesso que, para quem sempre procurou emprego pela via da candidatura e por acreditar que o seu trabalho fala por si, não deveria ter ficado indiferente... já perdi a conta à quantidade de respostas que tive deste género... aliás, desisti depois das 4000. Não reúne o perfil pretendido... caramba, depois de passar a vida a ouvir e a ler isto em relação à minha pessoa só faltava mesmo ouvir tamanha aberração em relação a uma cadela. É perante isto que me recordo sempre de Behlen quando nos diz "que o homem, é por natureza uma criatura em perigo".

 

Em suma, só lamentei que neste processo de recrutamento se tenha valorizado um pseudo-status ao invés das qualidades da candidata e da sua capacidade de surpreender e se tornar uma companhia verdadeiramente genuína e dedicada, até porque percebemos que... se tivéssemos utilizado, com uma certa má fé, o networking do cão que a acompanhava, um pastor alemão puro, muito provavelmente a Lia teria sido logo ali recrutada (não, não seria pelos motivos que expliquei acima).

 

Obrigado Lia, pelo que nos ensinaste e pela honra que nos deste, sem esquecer o impagável favor de nos teres dispensado três semanas da tua carreira e do teu know-how. Talvez o maior arrependimento tenha sido o facto de não termos retido o teu talento e aturar espécies que são só 30% humanas.

 

P.S.1: não temos redes sociais de cariz pessoal, ou seja, tivemos a ajuda de um centro veterinário e de uma escola de treino... nem imaginam a quantidade de pseudo-solidários que apareceram a mostrar interesse para o show off virtual mas nunca se dignaram a dar seguimento ao "ai que linda, eu quero, contem comigo"...

 

P.S. 2: a Lia foi adoptada por um casal simpático com idades acima dos 65 anos. Não foram as redes sociais, mas as relações de vizinhança da minha mãe que fizerem com que tudo acontecesse (a pensar). O casal adoptou a Lia sem sequer a ver e sabendo de algumas maleitas que iriam requerer acompanhamento durante umas semanas/meses. Hoje, a Lia está "gorda como um pote" e é feliz. Conseguiu a proeza de alegrar aquele simpático casal e... conseguir que uma das filhas que os visita ao fim de semana, que tem uma fobia a cães "milenar", se comporte como uma miúda de 5 anos a brincar com um cão.

 

Fonte da Imagem: Própria

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Contrata-se Velha...

por Robinson Kanes, em 02.11.16

AAEAAQAAAAAAAAjUAAAAJDZmNWY0ODY2LWIwNzAtNGU4My05M2

 

Quem é que ainda não viu o “último grito” do LinkedIn? Até está em português! Mais uma daquelas situações... virais.

 

Eu já tive oportunidade de ver o anúncio (acredito também que estejamos perante um golpe publicitário) que procura contratar uma “velhota”.

 

Muitos têm sido, então na área dos recursos humanos e da gestão são aos "magotes", aqueles que se têm esmerado em partilhas e exaltado tal iniciativa.

 

Eu também gostei, dar trabalho aos mais velhos é óptimo, aliás os mais jovens tendem a esquecer que um dia também vão lá ter mas, como tudo... só pensamos que vamos morrer quando lá chegamos.

 

No entanto, também me apercebi que a grande maioria dos profissionais em tamanho regozijo, excepto alguns indivíduos mais atentos, se esqueceu da violação clara da lei que ali está patente, senão vejamos: tem de ser uma senhora, então não pode ser um senhor? Desigualdade de género. Acima dos 60, vamos discriminar os mais jovens? Afinal, são quem tem a taxa de desemprego mais alta, sobretudo em Portugal e também na Europa. E, não menos interessante, a senhora tem de ser, e passo a citar, “aposentada”. Parece-me bem, no entanto também me parece que aquilo que se pretende é alguém que venha a auferir um salário out of the box, literalmente out of the box da segurança social e das finanças.

 

Soa a brincadeira, mesmo este meu texto é uma forma de brincar um pouco com estes temas, no entanto, numa sociedade onde a superficialidade ganha terreno diariamente, tendemos a esquecer que quem apregoa o bem, nem sempre à sociedade convém.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

AAEAAQAAAAAAAAeSAAAAJDE4YzA1NjE5LTM2NjQtNDM0YS05MW

 

O expoente das redes sociais em contexto online tem sido alvo de múltiplas análises, não só do ponto de vista mercantil (não é disso que falarei) mas também social... social, na medida em que tem consequências nos indivíduos e sobretudo no modo como estes podem se afectados por uma espécie de falácia no processo de democratização. Tentarei não abrir demasiado o espectro e cingir-me, por exemplo, ao LinkedIn e ao mercado de trabalho.

 

Ainda tempo para uma nota: não foram as redes sociais que tiveram impactes e consequentemente alteraram o modo de vida em muitas sociedades... foram também os indivíduos que provocaram transformações nas mesmas - culpar ou elogiar este género de plataformas tendo apenas como base os aspectos técnicos das mesmas é falacioso, até porque quem controla os conteúdos são os utilizadores, sobretudo ao nível das publicações e das motivações.

 

Do ponto de vista da sociedade, e numa visão antropológica que tem como base as pessoas e até a própria Economia Social e Solidária, se os “utópicos” destas plataformas defendem que, com estas se abriu o leque de oportunidades para os mais desfavorecidos, também é verdade que aqueles que ocupam uma melhor posição social e económica na sociedade adquiriram um meio que lhes dá maiores e melhores oportunidades no mundo das redes sociais online. Em relação aos primeiros, factores como a idade, o rendimento, a literacia, o nível de inglês (aqui uma realidade interessante, pois é fácil perceber quais as línguas dominantes) a incapacidade motora ou cognitiva e a localização (mais periférica ou não) têm um efeito dramático no modo como esse, apelidado, processo de democratização se dá.

 

Contudo, muito do discurso ainda passa por afirmar que com as redes sociais é possível promover o empowerment e a força colectiva/cidadania que desafia o sistema e combate a desigualdade. Sim, também é, mas também é preciso um conjunto de valores e conhecimento que nem sempre estão presentes.

 

Mas vejamos, uma das mais-valias é sem dúvida a hipótese de, em canais como o LinkedIn e não só (o YouTube é outro exemplo), ser possível aceder a conteúdos educativos low cost e até, mais eficientes que conteúdos pagos e prestados por instituições offline - é um facto de que nem tudo é negativo e permite que aqueles que não podem pagar para aprender possam conseguir algo sem afectar a sua auto-estima e vida futura. Estará contudo, nomeadamente o mercado de trabalho, apto a reconhecer muitas dessas qualificações informais? E como é que este mercado filtra essas mesmas capacidades perante aspectos educacionais e técnicos mais formais? Estará um potencial recrutador disposto a desenvolver um processo de tal modo trabalhoso, mas por sua vez desafiante (e de uma riqueza humana enorme) ao ponto de desvendar estas diferentes oportunidades? Numa era em que o facilitismo ganha algum destaque ainda podemos, e devemos, ficar esperançados.

 

Um outro ponto é a questão social propriamente dita - é possível (e cada vez mais possível) criar uma imagem, ou vender a mesma, e com isso obter uma espécie de imagem/mobilidade social nem sempre baseada em factos verídicos. Em alguns casos, estamos perante uma forma de colmatar os constrangimentos económicos, sociais e humanos de ascender socialmente/profissionalmente com um capital cultural e social que mais facilmente é ludibriável. É possível criar uma imagem totalmente falsa e obter os louros de uma presença online direccionada para determinado objectivo.

 

Do ponto de vista profissional e da pirâmide social, as redes sociais exercem, em muitas culturas, uma tamanha pressão sobre os indivíduos para que usem as mesmas (mais uma vez, o online só transpôs as regras). Este estado da arte justifica-se pelo facto dos indivíduos ficarem sujeitos a uma situação mais vulnerável ou até de serem confrontados com uma posição de desigualdade face aos demais. São várias as pessoas com quem tenho conversado que referem ter certas redes sociais online (e até offline), sobretudo profissionais, por uma questão de obrigação/pressão.

 

Mas o processo e os limites democráticos das redes sociais online, acabam por não ser diferentes das redes sociais offline. Quantas opiniões, gostos e formas de vida não são, todos os dias, colocadas em causa por aqueles cujo acesso a estas redes é mais facilmente proporcionado? Um exemplo está relacionado com as relações laborais e com a própria posição no mercado laboral: existe uma clara tendência para que indivíduos com algum “poder” (ou sensação de tal) se associem a outros e com isso criem redes de influência que não só criam pequenos domínios de opinião, mas que também acabam por afastar de grupos, debates e até da nova Ágora indivíduos de posições mais baixas ou cujo capital de favorecimento não vai de encontro a certos parâmetros.

 

Se por um lado o acesso é democrático, pelo outro cria-se um afastamento e até um nefasto sentimento de inferioridade por parte daqueles que encontram nas redes sociais mais entraves à livre-expressão das suas ideias do que propriamente uma porta aberta para adquirirem conhecimentos, cultivar a aprendizagem e criarem redes de contactos que lhes permitam vingar social e profissionalmente. A não ser que só procurem uma namorada no Facebook.

 

Uma nota positiva para um case study relacionado com a realidade chilena (Haynes, N. Forthcoming. Social Media in Northern Chile. London: UCL Press), onde o conceito de solidariedade (que em nada está relacionado com aquele que escutamos todos os dias) está bem vincado na sociedade. Neste caso, as redes sociais são um óptimo canal de partilha e apoio entre os cidadãos mais desfavorecidos. Foi "permitida" a ascensão de indivíduos e grupos que, na pobreza, encontraram uma forma de demonstrar que nem tudo tem de ser mau e que em muitos aspectos são adquiridas competências, forças e comportamentos que são um verdadeiro exemplo para aqueles que julgam viver fora dela ou que, efectivamente, vivem em situações mais desafogadas. Toda esta matéria, trabalhada e transposta para as redes sociais, criou uma espécie de corrente que valoriza aqueles que menos têm, mas mais que isso, valoriza a aprendizagem e as competências que os tornam capazes de assumir posições ou desafios que exigem capacidades humanas, sociais e até técnicas que nenhuma escola de gestão poderá ensinar.

 

Fonte da Imagem: http://socialmedia.lbl.gov/wp-content/uploads/sites/24/2015/07/Empty-Beakers-960-Final1.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog





Mensagens

Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB