Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Praga de conteúdos brasileiros...

por Robinson Kanes, em 30.04.19

crise-economica.jpg

Créditos: https://www.bussoladoinvestidor.com.br/onde-foi-que-eu-errei/

 

 

Já tinha este artigo pronto há algum tempo mas... Anda por aqui a maturar no sentido de que não venha a ser entendido como xenófobo, pois a Democracia actual censura tudo aquilo que não segue os parâmetros defendidos por esta ou por aquela moda... Todavia, as mais recentes notícias sobre a Universidade de Lisboa em relação aos estudantes brasileiros fizeram-me acrescentar uns pontos e fazer sair as minhas palavras.

 

Antes de surgirem os defensores dos bons costumes, sobretudo aqueles que defendem as minorias mas não moram nem querem morar ao lado das mesmas, deixem-me dizer que tenho vários amigos brasileiros (desde proprietários de fazendas maiores que Portugal até pessoas que vivem/viveram em favelas), já estive no Brasil e longe de mim adoptar um discurso xenófobo. Qualquer pessoa com dois dedos de testa rapidamente vai perceber onde quero chegar. Falei de amigos brasileiros? Ainda são piores que eu quando dizem que em Lisboa os brasileiros são uma verdadeira "praga". Tomei também a liberdade de consultar alguns brasileiros acerca deste tema no sentido de perceber se a minha visão não poderia estar deturpada.

 

Nos últimos meses tenho assistido a um proliferar, sobretudo a nível cultural, de um sem número de produtos culturais brasileiros, muitos deles de má qualidade! Robinson, lá estás tu a ser mau! Não estou na medida em que, como disse, já estive no Brasil e pelos amigos que por lá tenho vou tendo noção de algumas realidades e muito do que consumimos por cá nem no Brasil é conhecido! É um hype e vai passar, mas até lá...

 

São peças de teatro, concertos, artistas que nos são impingidos, músicas carregadas de vernáculo (experimente um português fazer o mesmo...), peças e músicas a incitar à violência e outro género de comportamentos menos... bons. São comentadores carregados de parcialidade no ataque a Bolsonaro e a aspectos culturais portugueses que nem os mesmos conhecem. É proibido criticar um Caetano Veloso, mesmo que utilize um discurso e pratique outra coisa.

 

A pergunta que eu faço e que muitos brasileiros também fazem, é questionar o porquê de termos esta invasão de conteúdos que nos chegam através de editoras, produtoras e media? E sendo o Brasil um país tão rico culturalmente porque é que nem sempre nos chega o que esse país tem de melhor? E porque é que os artistas internacionais como Madonna (ainda estou para descobrir quem tem pago esta fantasia por cá - e espero que não sejam os meus impostos) quando se referem àquilo que de melhor descobriram em Portugal foram conteúdos... brasileiros?

 

Com tanta coisa boa que também temos por cá, com tanta coisa boa que existe no Brasil, na Europa e no resto do Mundo, porque é que nos continuam a ser impingidos conteúdos de fraquíssima qualidade quando existe tanto valor por esse país, por esse mundo? Basta viajar por aí, e fugindo ao tema, para perceber aquilo que não nos chega. Tal não é acolhido e e nem sempre é por uma questão de vendas - é por boicote de editoras e de outros indivíduos que têm o poder de controlar a cultura em Portugal - país onde culturamente oscilamos entre conteúdos de terceira, outros intelectualmente estúpidos e outros que ninguém percebe mas que parecem dar um "ar de importante" se dissermos que estamos encantados.

 

São também muitos dos meus amigos brasileiros que brincam ao dizer que muitas destas personagens só têm sucesso em Portugal, porque no Brasil jamais o teriam... Quiçá... Haja paciência, pois até no Brasil, os próprios brasileiros são os primeiros a brincar estas situações! Por cá, a brigada dos bons costumes volta ao ataque, sobretudo quando apoiada por uma outra brigada cultural e jornalística que tem de viver na Europa porque no Brasil não é bem vinda, tal é a superioridade intelectual que tais personagens se arrogam de possuir.

 

Em relação à faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, cuidado com os sensacionalismos. Aquela mensagem de xenófobo pouco tem e não incita à violência, é apenas uma metáfora. Mais do que perceber o porquê de tal mensagem, parece mais fácil passar ao ataque - dá-se uma vista de olhos pelo que diz a maioria e vamos a tomar uma posição sem qualquer sentido... Vivemos em tempos que não se pode brincar ou dizer algo que vá contra um certo status quo imposto por meia dúzia! 

 

Finalmente, e apoiado em António Moreira Antunes, recentemente envolvido num escândalo que ainda ninguém percebeu porquê, tenho o máximo respeito pelos brasileiros, mas isso não quer dizer que estejam acima da crítica.

Autoria e outros dados (tags, etc)

18311720_zrNLE.jpeg

Créditos: https://www.vortexmag.net/15-fantasticas-curiosidades-sobre-o-25-de-abril-de-1974/

 

 

A resposta ao título deste artigo parece difícil mas, vendo bem as coisas, não é assim tão complicada. Vejamos:

 

Os jovens não querem saber do 25 de Abril porque também não se conseguem rever em festejos/celebrações arcaícas e completamente fora dos nossos tempos. Desfiles militares obsoletos, celebrações formais e altamente protocolares numa Assembleia da República que vive cada vez mais longe dos cidadãos.

 

Os jovens não querem saber dos 25 de Abril porque também não percebem a força que têm. Se por um lado caiu um regime ditatorial, a Democracia portuguesa ainda está longe de fazer acreditar que é possível mudar algo - qualquer um percebe que quem não estiver relacionado com a política ou com um ou outro corporativismo não tem qualquer poder. Para fazer algo em Portugal é preciso vender a alma ao diabo ou então comprar alguém e mesmo assim esperar ter sorte. Ainda temos um Estado paternalista que se arroga no direito de pensar e fazer pelos outros. Em Portugal, a censura e o exílio continuam a existir, de forma menos violenta, mas a existir.

 

Os jovens não querem saber do 25 de Abril porque ao olharem para aqueles que agora celebram esse acontecimento deparam-se com um paradoxo: muitos daqueles que agora batem palmas foram indivíduos do regime, basta olhar para o Presidente da República, mas não só. Não é segredo que Marcelo já se colocava em bicos de pés para seguir o legado de Salazar e de Marcello Caetano. Como Marcelo tantos outros partidários de um antigo regime por aí pululam como neo-democratas.

 

Os jovens não querem saber do 25 de Abril pois quando olham para a Assembleia da República encontram indivíduos que ainda hoje ninguém percebe como é que escaparam a condenações por pedofilia, corrupção e outros crimes hediondos! Ninguém percebe como é que quem fala de liberdade, justiça e direitos não  olha a meios para destruir a res publica em benefício pessoal ou então coloca a família inteira no Governo ou na admnistração pública.

 

Os jovens não querem saber do 25 de Abril porque, na noite desse mesmo dia, em 2019 (em 2019!) a televisão estatal (RTP1 - paga por todos para alguns) apresenta um programa de homenagem a "Abril" e a "Zeca Afonso" com artistas da pior qualidade, uma banda que ainda toca em ritmos dos anos 50 e as mesmas figuras de sempre (sim, ainda me custa perceber, não tendo televisão, porque é que tenho de pagar a presença de Carlos Alberto Moniz e outros na televisão do Estado). Sempre os mesmos num Coliseu dos Recreios às moscas, com indivíduos bafientos, um Júlio Isidro desactualizado e uma Sílvia Alberto sem perceber bem o que é que lá está a fazer e até se dá ao luxo de cometer a gaffe de que antes do 25 de Abril a disparidade salarial entre homens e mulheres era uma realidade, como se após 1974 as coisas tivessem mudado assim tanto! Porque é que com tantos valores em Portugal, a RTP continua a promover a mediocriade e sempre as mesmas figuras?

 

Os jovens não querem saber do 25 de Abril porque chegaram à conclusão que a diferença entre uma certa esquerda governante e a governação anterior a esse dia de 1974 não é assim tão diferente. 

 

Os jovens não querem saber do 25 de Abril porque essa esquerda libertadora afinal só não se transforma nos porcos de Orwell porque não teve espaço para tal. Refiro-me à esquerda que critica o capitalismo mas não se inibe de adquirir bens produzidos pelo mesmo e de aprender em escolas capitalistas. É a mesma esquerda que apoia regimes como a Coreia do Norte e a Venezuela.

 

Os jovens não querem saber do 25 de Abril porque se deparam sempre com as mesmas referências políticas e em tantas outras áreas, referências essas que marcam de tal forma a agenda que se tem a sensação de que não é possível fazer nada - daqui à ditadura é um pequeno passo.

 

Os jovens não querem saber do 25 de Abril, porque patrocinou uma Constituição completamente à esquerda, com cidadãos de primeira e cidadãos de segunda - uma constituição que proíbe a extrema-direita mas não proíbe a extrema-esquerda. Basta assistir a desfiles da segunda para perceber que a distância é muito ténue ou praticamente não existe.

 

Os jovens não querem saber do 25 de Abril que, embora tendo sido benéfico, apenas existiu porque os militares estavam numa situação desconfortável e o povo não se uniu (Povo unido jamais será vencido, por cá, tem muito que se lhe diga). Os jovens já sabem disso e também sabem que os aclamados heróis da revolução não foram aqueles que a fizeram mas o que se aproveitaram da mesma até à sua morte. Podemos falar da família Soares e de outras.

 

Os jovens não querem saber do 25 de Abril porque, por mais que trabalhem, nunca terão reconhecimento pelo seu esforço e pelo seu trabalho, bem pelo contrário! Tantos que conheci que tiveram de emigrar porque já não aguentavam tanto esforço e espezinhamento diário de uma certa mentalidade vigente que se arroga no direito de tudo saber e de tudo controlar. Quantos vi emigrarem porque desistiram do seu país cansados de recebr 500 euros por trabalho de 5000 enquanto outros recebiam 10000 por trabalho de 500.

 

Finalmente, os jovens não querem saber do 25 de Abril porque o escândalo "Ballet Rose" é um rol de crimes hediondos e que envergonhariam qualquer país. Crimes que continuam a ser abafados e muitos dos que já morreram e outros que continuam vivos vão passar impunes - desde altos dirigentes da Igreja, monárquicos, republicanos, empresários e políticos! Muito se falou do caso Casa Pia, e do "Ballet Rose"?

 

Não é assim tão complicado perceber porque é que os jovens se estão a borrifar para o 25 de Abril!

Autoria e outros dados (tags, etc)

1_4AqHYD88Iz8rmHfweNXu2w@2x.jpeg

Créditos: https://medium.com/swlh/stop-working-start-thinking-e2a643c11b86

 

 

Recentemente o eco revelou um relatório da OIT que apontava para o facto de 36% dos trabalhadores a nível mundial trabalharem em excesso. Vejamos, estes relatórios são baseados nas informações que se conseguem, ou seja, trabalho legal, declarado e não escravo - podemos sempre imaginar o que estes relatórios não alcançam.

 

No caso português muito se tem falado - não faltam revistas, comentadores que cultivam o networking, gestores de recursos humanos e não só, que apregoam uma coisa e fazem outra ou então que assumem como obra sua copy-paste de directivas que são emanadas pelas multinacionais para as quais trabalham. Não são raras as situações em que essas directivas constam nos relatórios e nas visitas dos headquarters mas não no dia-a-dia dos demais trabalhadores. Se por um lado já temos muitos gestores que merecem tal designação, ainda temos muitos que vivem no tempo das Descobertas.

 

Fala-se bastante, os amigos distribuem prémios uns entre os outros (não existe só uma maçonaria),  mas os resultados não surgem e continuamos a trabalhar muito e a produzir pouco! Continuamos com a mentalidade de que, mais do que uma produção e organização dos recursos, importa o tempo e a presença. Em Portugal é mais fácil criar manobras de diversão para uma chefia (envio de emails sem interesse ou movimento de caos) do que propriamente convencer a mesma por intermédio dos bons resultados. Isto ainda acontece no Portugal moderno do século XXI. Depois temos outros factores que é a dificuldade em penalizar os maus colaboradores ou então em gerir as chamadas "cunhas", muitas vezes recrutadas por imposição de outrem ou pelo próprio e com as consequências que as mesmas têm. 

 

Existem, contudo, questões que é preciso colocar e têm de ser estudadas por todos:

  • Porque é que trabalhamos tantas horas e produzimos tão pouco?
  • Porque é que não cultivamos uma cultura de mérito? Até porque muitas são as vezes em que produzimos mas não existe eco de achievement
  • Porque é que não criamos espaços de partilha? E quando os criamos rapidamente saímos da discussão, damos a volta por trás e fazemos "valer a nossa"? Ou então acabamos com a discussão e resolve-se autoritariamente.
  • Porque é que a culpa é sempre dos gestores? Mesmo em muitos outros colaboradores existe uma lógica de que ser bom passa por trabalhar horas e mais horas? Muitos são os motivos: insatisfação familiar (inclui marido e filhos), ausência de hobbies e de um sentido de vida, mentalidade tacanha e tantas outras...
  • Estamos dispostos a abdicar de muitos serviços que nos são oferecidos fora de horas e em dias de descanso para muitos dos cidadãos? Existem alguns que são de todo impossíveis, mas os demais?
  • Está o país preparado para proporcionar a mesma oferta a quem trabalha fora dos "picos" e a flexibilizar o trabalho? (um conselho, se forem a uma entrevista questionem sempre o recrutador acerca do que é flexibilidade). 
  • Estamos dispostos a pagar mais por um produto/serviço oferecido por uma organização que reconhece os seus trabalhadores, lhes dá condições e oferece qualidade final ao respectivo produto/serviço?

 

E tantas perguntas que podemos colocar, no entanto, deixei de ir a muitos encontros de recursos humanos em Portugal porque, a título de exemplo, em questões tão básicas como objectivos de produção a pergunta que atormentava muitos profissionais da área era a necessidade de perceber como é que se "picava o ponto" se as pessoas não tinham horário (sei do que falo, pois embora tendo também uma das vertentes da minha formação nessa área, não exerço como profissional da mesma).

 

Deste modo é complicado ir mais além, até porque, e já escrevi sobre isso, se uma coisa tão simples como um "obrigado" tende a ser algo muito difícil de dizer, não vá ser dado alguma espécie de poder a quem o ouve e isso ser uma ameaça a quem o diz. Quando os créditos, a competição (não saudável), a mentalidade mísera e provincina, a impunidade, a ausência de pensamento crítco por parte de outrem, e claro, uma mãozinha parental e estatal são sempre uma presença, é natural que a vontade de evoluir também seja pouco e assim o status quo permaneça inalterável.

Autoria e outros dados (tags, etc)

E porque hoje é o dia da Terra...

por Robinson Kanes, em 22.04.19

85be005f-846e-4c65-b59e-a48d57331b95.jpeg

Créditos: Daniel Muller/Greenpeace - https://earthjournalism.net/stories/copy_of_philippines-and-pacific-island-countries-step-up-battle-against-plastic-pollution-in-the-pacific-ocean

 

E porque hoje é o dia da Terra, e porque também hoje, começo a ficar descrente na atitude do ser-humano para salvar o planea, junto a minha voz à Earth Day Network e às Nações Unidas e partilho algumas recomendações e deixo algumas mensagens... Apesar de todas as dificuldades, tento manter o meu pessimismo optimista.

 

 

  1. Junte-se a um parque local, rio ou praia limpa (em Portugal não é fácil a não ser que estejamos ligados às associações e grupos do costume, mas nada como tentar, só isso também poderá mudar as coisas).
  2. Use, produtos de limpeza não tóxicos ecológicos (leia bem os rótulos).
  3. Substituir as lâmpadas incandescentes ineficientes com lâmpadas fluorescentes compactas ou LED eficientes. 
  4. Pratique o car-sharing, ande de bicicleta, utilize os transportes públicos ou adquira veículos automóveis mais amigos do ambiente.
  5. Mantenha seus pneus com a pressão correcta e consiga melhores consumos. 
  6. Mude o filtro de ar do seu carro regularmente.
  7. Use o Skype, WebEx ou outro software ao invés de viajar.
  8. Reduza o uso de plásticos descartáveis, especialmente plásticos de uso único, como garrafas e sacos.
  9. Recicle! Recicle! Recicle! Reduza o lixo em 10%. É pouco mas é um começo com grande impacte.
  10. Doe as suas roupas velhas e bens domésticos. Compre bens usados.
  11. Use toalhas de pano em vez de papel.
  12. Mude a facturação em papela para facturação online. 
  13. Leia os documentos online e não os imprima. Imprima frente e verso.
  14. Convença as autoridades públicas locais a optarem por bens reutilizáveis.
  15. Utilize garrafas reutilizáveis ​​para água, e canecas reutilizáveis ​​para o café. Faça o mesmo para os sacos das compras.
  16. Compre comida produzida localmente para reduzir a distância do produtor à mesa. Compre nos mercados ou fomente o desenvolvimento de cooperativas.
  17. Compre alimentos orgânicos para manter seu corpo e o ambiente livre de pesticidas tóxicos. Apoie os agricultores e empresas que utilizam ingredientes orgânicos.
  18. Adira a um grupo de farm-share.
  19. Reduza o consumo de carne para reduzir as emissões de carbono dos produtores de gado.
  20. Transforme o seu lixo da cozinha em fertilizante (compostagem).
  21. Utilize o duche e por períodos mais curtos.
  22. Nas torneiras, coloque sistemas de retenção.
  23. Escolha plantas resistentes à seca em áreas secas. Regue apenas de manhã e/ou fim da tarde.
  24. Lave a roupa com programas curtos e utilize água fria.
  25. Forme uma “equipa verde” no seu trabalho de modo a encontrar formas rentáveis ​​para conservar os recursos e promover a sustentabilidade.
  26. Ofereça-se-se para um grupo ambiental local.
  27. Retire plantas invasoras do jardim e substitua as mesmas por plantas autóctenes.
  28. Ligue e desligue os equipamentos electrónicos quando que não estiverem a uso.
  29. Desligue as luzes quando sair de uma divisão.
  30. Instale painéis solares.
  31. Utilize as escadas em vez do elevador para economizar energia (e fazer desporto).
  32. "Rentabilize" o termóstato do aquecedor abaixo de dois graus no inverno e até dois graus no verão para reduzir a sua pegada de carbono.
  33. Baixe a temperatura do seu aquecedor de água.
  34. Utilize eletrodomésticos e equipamentos electrónicos eficientes em termos energéticos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_20190420_115127.jpgImagem: Robinson Kanes

 

A Páscoa é uma boa época para reunir a família, para pensar e reflectir sobre um sem número de coisas sem que, para isso, seja necessário ser católico. Aliás, num país de católicos a grande maioria sabe que a Páscoa existe porque é significado de doces e presentes (para os miúdos) e de uns dias de descanso (para os adultos). 

 

Mas a Páscoa é também a altura ideal para ouvir boa música nas igrejas e em tantas outras salas de espectáculos (sim, algumas igrejas também são salas de espectáculos e desta vez não estou a ser irónico nem cínico). Boa música, falo da "Paixão segundo São Mateus (BWV 244)" de Bach, melhor, de Johann Sebastian Bach, porque os Bach foram mais que muitos.

Ouvir esta longa composição é talvez a oportunidade ideal para se pensar no verdadeiro espírito da Páscoa e talvez, metafóricamente, aplicar esse mesmo espírito à realidade - e para isso não é preciso ser-se religioso. Eu recomendo a audição, mesmo que me chamem pedante... Mas lamento informar que Bach, cá por casa, é um senhor e cuja obra completa tem aqui uma representação.

 

Se não gostam de Bach, sempre podem ficar com uma das obras-primas da música contemporânea moderna, o "Agnus Dei Adagio" de Samuel Barber - já todos devem ter ouvido, quanto mais não fosse, no filme "Apocalipse Now" - se não ouviram uma nem viram o outro, devo dizer-vos que o mundo vos anda a passar ao lado e vão por mim que eu não existo (não tenho facebook nem instagram).

Para ler em época de Páscoa, talvez a sugestão passe pelo "Anticristo" de Nietzsche - estou a ser provocador, eu sei... Mas leiam também este meu artigo, sempre é mais descontraído.

 

Feliz Páscoa... E quem quiser, e estiver por Leuven, passe por aqui para mais um "Paasfeesten"...

 

Tot binnenkort!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Netanyahu e o Discurso da Vergonha!

por Robinson Kanes, em 19.04.19

dd1587c665ed4e0e8a214716907b02c1_18.jpg

Créditos: https://www.aljazeera.com/news/2016/02/israeli-forces-kill-young-palestinian-woman-hebron-160213113005302.html

 

Os Estados Unidos não irão responder, perante o Tribunal Penal Internacional (TPI) por crimes de guerra no Afeganistão - caberá a cada norte-americano envergonhar-se desse facto. Quem não perdeu tempo a pronunciar-se foi Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro israelita. Netanyahu, vem enaltecer esta decisão pois trata-se de uma oportunidade única de ver o seu país ilibado do terrorismo de Estado que Israel comete sobre a Palestina - isto sem querer ilibar algumas práticas violentas também levadas a cabo pelos palestinianos.

 

Para Israel, pois é em nome de Israel que Netanyahu fala, o TPI parece querer implicar com as democracias, como se um país democrático dentro de portas, mas que se comporta como um genocida fora delas, pudesse dispensar os tribunais de direitos humanos. O outro facto apontado é o de que, tanto Estados Unidos como Israel, não são membros do TPI. Eu também não sou membro de nenhum tribunal mas isso não significa que não seja chamado à justiça. O que Netanyahu quer dizer é que os seus soldados podem abater crianças (só porque sim) que isso não tem qualquer impacte negativo na medida em que Israel se julga impune a toda e qualquer lei! Mas o que terá a dizer Netanyahu das democracias árabes que, para ele, são um antro de terroristas? Com que cara continuará a criticar países como o Irão ou até a Arábia Saudita? Afinal são países, nomeadamente o Irão, onde também existem eleições democráticas.

 

Temo que Netanyahu não possa ser sequer apelidado de terrorista, pois custa perceber as suas motivações e o seu discurso, pelo que, não quero cair no erro de tecer um elogio ao apelidar o mesmo de terrorista.

 

Mas vejamos, e em jeito de conclusão... Será que o primeiro-ministro israelita é contra os julgamentos de Nuremberga? Será que o primeiro-ministro israelita defende que as condenações emitidas contra os nazis não deveriam ter ocorrido? Afinal a Alemanha de Hitler não estava sujeita ao escrutínio de entidades como o TPI!

 

Finalmente, Netanyahu esquece-se de que quando aponta o dedo a outros regimes, também estes pensam exactamente como ele. Netanyahu precisa dos Estados Unidos, caso contrário, Israel desaparece do mapa no dia seguinte, no entanto, não tem de se comportar como um ditador e muito menos assumir uma sensação de impunidade que envergonha qualquer democracia e qualquer cidadão israelita. Se ainda hoje existem indivíduos que negam um facto concreto que foi o Holocausto, tal também se deve ao efeito cópia que uma nação como Israel demonstrou ao longo dos anos.

 

Na verdade, Netanyahu voltou a ganhar as eleições... Mas custa-me acreditar, até pelo que conheço de Israel e de muitos israelitas, que os cidadãos daquele país se revejam nestas palavras e neste sentimento.

 

Infelizmente, não é só em Portugal que faltam verdadeiros HOMENS, e em Israel o legado Yitzhak Rabin e Shimon Peres parece estar cada vez mais entregue àqueles que pensam como o radical que assassinou o primeiro!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quando o Barril de Pólvora afinal tem Gasolina!

por Robinson Kanes, em 18.04.19

greve-motoristas-matérias-perigosas-2.jpg

Créditos: https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/respostas-rapidas-quais-os-efeitos-da-suspensao-do-abastecimento-de-combustiveis-434468

 

Os camionistas que transportam matérias perigosas passaram a ser aquilo a que se chama "umas valentes bestas". Não sou favorável às greves, muito menos a sindicatos, no entanto, também não sou favorável a esta crescente demonização de quem se revolta: enfermeiros, camionistas, empregados de call center, médicos e outros demais. Existe uma excepção para os professores e para muitos actores do sector público - resta perceber porquê!

 

Ao invés de andarmos a defender um Governo e uma Presidência que gerem o país de acordo com o barómetro da popularidade e das redes sociais, temos de perceber o porquê destes protestos. Temos de separar o sindicalismo, que tem um objectivo que não é o bem dos trabalhadores, das reais necessidades destes.

 

Temos também de perceber este silêncio, quase criminoso do PCP e BE que, desde que circulam pelos corredores do poder, foram contra tudo aquilo que apregoavam e defendiam antes de ocuparem esse mesmo poder - estou longe de partilhar das filosofias obsoletas e das máscaras de intelectualidade de esquina destes partidos, no entanto, qualquer indivíduo consegue perceber que estamos perante duas falácias da Democracia e qualquer voto nestes partidos é apenas assinar por baixo: eu sou estúpido e gosto de ser!

 

Temos de perceber que, mais uma vez, tanto Governo como Presidência não sabem gerir crises e muito menos prever as mesmas - assistimos a discursos e sorrisos que já não enganam ninguém que vão mascarando tanta incompetência na gestão de cargos públicos - a única prioriade são as selfies, o mediatismo, a injecção de dinheiro em bancos e a gestão de impostos, alguns deles ilegais segundo as leis nacionais e europeias. Em tempos de crise o discurso estudado e tendo em vist a popularidade não resolve nada - é preciso agir e falar depois, coisa difícil num país cheio de comentadores mas sem verdadeiros políticos.

 

Temos de perceber porque é que não existe um oleoduto para o aeroporto de Lisboa, o único da sua "dimensão" sem um - um investimento que até é barato, pois 10 milhões face a 150 a 200 camiões por dia a circular está longe de ser um valor elevado. Porque é que ainda não se discutiu? Não sou entendido na matéria mas temos todos o direito de saber a viabilidade.

 

E finalmente, mais do que demonizar os camionistas, eu procuraria enaltecer o trabalho destes homens que todos os dias garantem que nada nos falte! São aquelas profissões que não têm LinkedIn, que não pululam por esta e por aquela revista mas que são fundamentais para o nosso quotidiano - até porque... acredito eu, seria mais fácil substituir todos os maus gestores em Portugal do que estes homens que carregam, diariamente, uma bomba às costas. Se uma coisa estes momentos nos ensinam é que todos somos indispensáveis e todos merecemos o mesmo respeito.

 

P.S: Entretanto morreram 29 pessoas num acidente com um autocarro na Madeira - não dá "selfies" e "likes" nas redes sociais, mas era bom também pensarmos nisso...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Notre-Dame, das Cinzas Renascerá...

por Robinson Kanes, em 17.04.19

IMG_0002.jpg

 

Imagem: Robinson Kanes

Notre-Dame... Lembras-te de Paris? Lembras-te da nossa primeira viagem àquela cidade que nem nos apaixonou muito naquele Março em que celebrávamos os teus anos?

 

Recordo-me que logo após termos chegado de Orly e termos pousado as malas no nosso apartamento do Marais, a primeira observação foi: "vamos a Notre-Dame". Lembras-te do fascínio, de vermos aquela catedral que preencheu os nossos livros de história e que não descansámos enquanto não a visitámos, fechando o círculo das grandes catedrais francesas - onde incluímos Reims e Rouen. Lembras-te dos regressos e dos fins de tarde naquele jardim, onde fotografávamos os ratos e, de perto, observávamos as cores da catedral ao pôr do sol?

 

Ontem, durante a viagem de carro, assistia a outro pôr do sol quando ouvi a notícia na rádio. Corri para o ginásio e pedi para que mudassem um dos televisores para as notícias e foi aí que vi um dos tesouros mais belos da Humanidade em chamas. 

 

Sabemos que estas catedrais foram construídas com o sangue de muitos que perderam tudo para que uma Igreja ávida de poder e assente em dialética de esquina pudesse mostrar a sua força, contudo, não podemos ficar indiferentes à arquitectura, à história e a todo um passado que esta catedral foi enfrentando: guerras, pilhagens, fome, epidemias e tantas outras catástrofes.

 

Sabemos que em França o povo exige e os políticos são mais responsáveis, sabemos que delegam também o poder da reconstrução no povo e não assumem paternalismos com promessas que não podem cumprir, não querem as tragédias para limpar a imagem e tirar fotografias onde humilham o seu povo com, e repito, paternalismos que fazem lembrar anos de ditadura.

 

Sabemos que Notre-Dame vai renascer das cinzas e nós lá estaremos, bem perto, naquele jardim... a apreciar aquele beleza extraordinária e aquele pedaço de identidade cultural.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Traga as pipocas e junte a família! Amanhã, quando chegar ao trabalho também se vai sentir parte do grupo de malta "fixe" que vê séries a "bombar"!

Com os cumprimentos da Agência da ONU para os refugiados!

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Natal nunca mais será o mesmo!

por Robinson Kanes, em 11.04.19

IMG_20190303_170305.jpgCréditos: Robinson Kanes

 

Crianças que esperam pelo presente! Pais que gastam um orçamento de Estado em prendas como se isso colmatasse a vossa ausência o resto do ano? Malta que procura naquela noite de 24 para 25 a paz por intermédio de um bem de consumo?

 

 

Lamento informar-vos mas o "Pai Natal" apareceu morto numa rua da Corunha por estes dias. Ao que tudo indica poderá ter sido assassinado por alguém a mando da Amazon ou do Alibaba. Todavia, algumas fontes confirmaram que a morte se deveu a causas naturais. Outros relatos apontam que foi atingido por um 737-800 da Ryanair carregado de ingleses para Tenerife! São muitos também aqueles que alegam ao facto do figado não ter resistido a tanta Coca-Cola. Há ainda quem diga que foi uma das renas que se cansou de não receber ordenado há mais de seis meses. E finalmente, há quem jure a pés juntos que pode ser um adepto do Deportivo que saiu do "Riazor" embriagado e chateado porque não conseguiu umas tapas e queijo galego às 11 da noite.

 

 

A verdade é que o "Pai Natal" morreu e nada será como dantes...

 

 

Entretanto, nas escolas portuguesas e laicas, já se celebram missas pascais pedindo a Cristo que volte em Dezembro com um saco cheio de prendas e assim possa substituir São Nicolau - o Vaticano é que entretanto já emitiu um comunicado de imprensa dizendo que os presentes de Cristo são para consumo interno e não vão alterar uma lei com 2019 anos! 

 

 

Marcelo Rebelo de Sousa também já se pronunciou e lamentou a morte desta individualidade tendo fretado um avião carregado de jornalistas para estar presente no funeral que se realizará na Lapónia. Da parte do Governo estará o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva que ficará por essas terras depois de dizer que quem se preocupa com a corrupção (atribuir cargos públicos a familiares, porque sim, é corrupção) é parolo. Não consta que volte a Portugal.

 

 

Em suma, temos de assumir que a magia do Natal se perdeu, mas ainda vamos tendo alguns "batatoons" que por aí pululam... Podia ser pior.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



subscrever feeds



Mensagens

Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB