Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Resposta a Gustavo Carona...

por Robinson Kanes, em 30.10.20

O pior das humilhações é que fazem quem as sofre sentir-se culpado

Javier Cercas, in "As Leis da Fronteira"

 

Caro Gustavo,

 

Não tenho dúvidas de que será um médico intensivista de topo e estou certo que se necessitasse dos seus cuidados estaria nas melhores mãos. No entanto, e talvez pela exposição pública que foi adquirindo, até porque escrever uns livros e tirar umas fotografias com uns pretinhos passa sempre a mensagem de que somos uns heróis, gente de bem e com talento, deve ter achado que poderia ser um embaixador da classe médica em Portugal, uma espécie de Buescu da medicina.

 

Não obstante, a última campanha mediática que tentou fazer passar, peca por ser tardia, nomeadamente em termos de impacte. Vir afirmar a sua exaustão, dizer às pessoas para ficarem em casa (só falta a fotografia deitado no teclado) já não tem o eco que teve em tempos. Se olhar para países como Itália, Espanha, Bélgica, Alemanha e França, essa partilha já tem mais consequências negativas que positivas - chegou tarde. Além disso, esse discurso (errado) passa a imagem de que até hoje a classe médica (e não só médica) levava uma vida tranquila, o que não é verdade e se quiser exemplos disso também lhos posso dar. Estar exausto é mais do que comum em tantas outras profissões onde não existem corporativismos, salários garantidos ao fim do mês e pagamento de horas extraordinárias ao fim de somente 35 horas de trabalho. Muitos gostariam de escrever livros e colocar licenças para tirar fotografias com os pretinhos, mas andam exaustos todos os dias do ano, todas as épocas, com ou sem vírus.

 

Também me espanta ver um médico a chamar imbecis e anormais a "negacionistas", "relativistas" e todos os outros que não colocam o SARS-CoV-2 como a doença que nos matará a todos. A título de exemplo, passar a mensagem de que o pneumologista descarrega toda a sua fúria no doente que fuma, parece-me contraproducente. Também para um médico, não me parece a melhor forma de criar empatia e abordar os potenciais pacientes. Eu entendo que explorar o mediatismo e entrar no rol dos grandes heróis nacionais contra o vírus pode levar a estes excessos, mas... Em suma, se alguma vez geriu uma equipa, sabe que não é a chamar imbecis e anormais aos seus que vai conseguir resultados, espero que não o faça quando anda por outras paragens em missões "humanitárias"... Lembre-se também que são esses imbecis e anormais que necessitam de cuidados médicos mas que por seu turno os pagam por intermédio dos seus impostos e do seu trabalho e são esses indivíduos que não são mais excepcionais que o resto de nós que fornecem exemplos impressionantes dos nossos momentos mais sublimes como seres humanos, como tão bem descreve Sapolsky. E, pela sua experiência, sabe que se não existir economia em funcionamento, também não existem impostos que paguem a um médico.

 

Aproveito também para o recordar, até porque também colabora(ou) com os Médicos sem Fronteiras, que a saúde-mental e o bem-estar também são saúde, algo que o Gustavo parece ignorar. Antes da especialidade, terá com toda a certeza abordado esta temática na sua formação, talvez uma reciclagem possa ajudar. Isso e gestão de pânico e catástrofes... Lembro-lhe que a política é importante, tem uma vísão holística que ouve todos os lados (ou deveria) e toma decisões de acordo. Por muito que não goste de como a política por vezes é gerida, esperemos que nunca a decisão e gestão perante uma catástrofe passe por uma única entidade/corporação, lamento desapontá-lo. Aliás, como eu, deve saber que a própria Organização Mundial de Saúde (OMS) é uma organização política e não médica que quer comparar a actuação contra o vírus na Europa e não só com a actuação localizada contra o ébola numa determinada região africana.

 

Deixe-me também dizer-lhe que me espanta, e até poderá ter as suas razões, que no dia 18 de Setembro de 2020, defenda eventos de massas como o Avante e outras manifestações similares e aponte que o risco maior se encontra nas pequenas reuniões familiares. Ainda hoje estamos à espera desses estudos. Espanta-me ainda mais que no dia de ontem, 29 de Outubro, surja de repente com um discurso ligeiramente diferente. Portanto, deixemos que as pessoas se juntem em eventos de massas mas ai daquele que ousar visitar a mãe! 

 

Lamento também desapontá-lo quando implicitamente nos diz que a ciência não se questiona e muito menos ela própria é aberta a toda e qualquer "novidade". Não sei em que meios se move, mas uma das coisas que faz a ciência avançar é a constante formulação de novas ideias e abanões ao status quo. Temo até que, se assim não fosse, a leucotomia pré-frontal, idealizada pelo seu colega Egas Moniz, ainda fosse uma prática corrente. A ciência é sempre aberta a novas ideias? Não precisarei de lhe responder... Até porque se assim fosse, não estávamos a confinar (pela primeira vez na História) pessoas saudáveis e a basear-nos em modelos aplicados no passado em contexto totalmente diferentes.

 

Utilizar um programa de televisão e o meio mediático que lhe permitiu ser mais conhecido do que propriamente a exercer o seu trabalho, não me parece de bom tom. É público que não nutro simpatia pela televisão em Portugal, mas adoptar um comportamento que até é cultural em Portugal de, e passo a expressão, de cuspir no prato onde se come é, no mínimo deselegante, sobretudo quando tornamos isso público, partilhamos os detalhes e utilizamos o acto como forma de auto-promoção. Tem passado demasiado tempo a fazer vídeos na internet, programas de rádio, artigos em todos os jornais e mais alguns, a aparecer na televisão e por certo menos tempo em contacto com pessoas. É feio e não lhe fica bem, e sim, com tudo isso para lá do trabalho que se exerce, acredito que fique exausto.

 

E como em tempo outro actor da saúde fez, Fernando Nobre, poupe-me o discurso da catástrofe lá fora, para defender as suas convicções. Não terei a sua experiência, mas também sei o que são pessoas a tombar sem assistência. Também sei o que é a fome, e também tenho fotografias ao lado dos pretinhos, ou melhor, tenho dos pretinhos apenas, os verdadeiros heróis no meio disto tudo. Sei, como não o faço em organizações onde a viagem, a comida e tudo o resto está incluído. Sai tudo do meu bolso, porque assim faço questão,inclusive quando estou longe e faço "donativos" pontuais. Com toda a certeza terá aproveitado o lucro das vendas dos seus livros para também o fazer...

 

Provavelmente este texto nunca lhe chegará, não sou propriamente conhecido na praça e no pouco que sou, e pelo que aqui escrevo, tenho mais inimigos que amigos além de que até o próprio texto vai contra o seu video que esta plataforma teve o gosto de partilhar. Também não chegará a todos aqueles que leram o seu video "perturbador" e "catastrófico", mas espero sinceramente que outros cheguem para desmistificar este "show off".

 

Espero que cumpra bem o seu trabalho, exausto ou não e acima de tudo, sejamos positivos e tenhamos todos os cuidados sem parar o Mundo, isso é fundamental... O Gustavo, parece-me que está demasiado exaltado e em pânico e isso nunca é bom para gerir uma catástrofe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Saint-Malo, a cidade pirata...

por Robinson Kanes, em 29.10.20

saint_malo_france.jpgImagens: Robinson Kanes

 

Estamos já na Bretanha... Apressámos a saída do Mont-Saint-Michel porque esta paragem tinha de ser efectivamente bem degustada. As bicicletas também já pedem para sair do carro e percorrer um pouco da Bretanha, assim se fizeram os 51km até Pléneuf-Val-André. Todavia, no périplo em duas rodas, a "descoberta" mais interessante foi sem dúvida o "Cimetière de bateaux de Quelmer" onde repousa mais de uma dezena de barcos abandonados e que dão uma imagem pitoresca da zona, sem esquecer que representam muita da história dos pescadores de Saint-Malo. Temos tempo para ficar, além de que Paris, será o próximo destino - e depois de umas cinco idas em lazer a Paris, cada uma se torna mais especial à medida em que vamos conhecendo mais a cidade. E pensar que a capital de França não me fascinou na primeira visita.

 

Saint-Malo é aquela cidade carregada de histórias e de lendas, não poderia ficar para trás. Para lá da pirataria, estava na nossa memória a difícil tomada (e destruição) aquando do desembarque na Normandia. A fuga dos alemães para a Bretanha e a excelente localização e fortificação da cidade acabaram por tornar Saint-Malo um campo de batalha e com enormes baixas para ambos os lados.

saint_malo (1).jpg

A chegada a Saint-Malo começa com um crepe. Um lado mais turístico, embora mereça bem a pena antes de um jantar de peixe e frutos do mar, tão valorizados nas costas bretã e normanda. Por falar em lado mais turístico, também não resistimos aos Gwelladous na Maison Guella que já leva 100 anos de existência. O crepe dá-nos alguma energia para percorrermos os quase 2 km de muralhas e apreciar não só a cidade intramuros mas também o mar e as suas praias. Amante de cidades portuárias e portos, não descanso enquanto não volto a abandonar a cidade e a percorrer uma área mais industrial da mesma.

saint_malo_france (1).jpg

 

Mas é impossível ficar fora das muralhas por muito mais tempo, é preciso não deixar fugir a alma de Chateaubriand que vive ainda encarcerada na Grand Bé. A Grand Bé e Petit Bé são as duas ilhas que confrontam a cidade e que nos colocam a imaginar os tempos em que piratas atacavam e defendiam a cidade ou, regressando aos tempos modernos, visualizar os soldados alemães no desespero a disparar peças de artilharia contra os libertadores da França. Imaginamos a azáfama e o medo pelas ruas românico-góticas e como se terá perdido um património de incalculável valor aquando dessas batalhas. 

saint_malo (2).jpg

Falamos em batalhas, por isso Fort National (1689) não poderia ficar para trás, é um daqueles pedaços de história e com uma localização única e panorâmica de Saint-Malo e de toda a zona envolvente. É a imagem da cidade corsária, é onde poderá estar bem guardada toda a sua essência, toda a sua história.

saint-malo_france.jpg

Sentamo-nos... As ruas estreitas e as imponente muralhas amplificam as vozes, a cidade tem vida e convida a viver... O sol está a despedir-se e provavelmente um dos melhores locais para apreciar um dos mais belos espectáculos do mundo, sempre grátis e que se repete todos os dias, é a Plage du Sillon, por muitos considerada a mais bela de França. Todavia, e porque a cidade a isso se presta, não deixamos de percorrer as areias e sentir a fria água na Plage de l´Éventail (com uma vista deslumbrante para o Fort National), na Plage du Môle (com uma vista espectacular para Dinard) e como não poderia deixar de ser, a Plage de Bon Secours com vistas para Dinard e para as ilhas Bé. Dinard, na outra margem do Rio Rance, foi uma das outras posições defendidas pelos alemães quase até ao último homem.

saint-malo_france (1).jpg

E como em cidade de piratas, há que ser um Jack Sparrow, nada como devorar as boas iguarias de Saint-Malo e ficar duas horas à convesa com alguém que não conhecemos de lado nenhum mas que parece ter vivido a invasão alemã e depois a libertação, tal é a precisão com que nos relata os factos e fala orgulhosamente deste bastião onde também se destaca Catedral, o "Chatêau" e claro, a Maison des Poètes et des Écrivains - esta última por mero apontamento e curiosidade.

saint_malo.jpg

Vamos descansar, segue-se uma pequena viagem de 400 km com muitas paragens até Paris: em Rennes para estar com amigos, em Laval, Le Mans e Chartres (porque sim) e inclusive num pequeno café à beira da estrada que serve café Delta entre Dreux e Versalles

 

Honfleur, uma cidade portuária

Atrás de Marcel Proust em Cabourg

A pacata e firme Caen

Bayeux: uma jóia normanda

Normandia: um dia de homenagem

O Mont-Saint-Michel

Autoria e outros dados (tags, etc)

Faz-me "espéce"...

por Robinson Kanes, em 28.10.20

funny-fails-army-10-free-wallpaper.jpg

Créditos:https://funnypicture.org/funny-fails-army-10-free-wallpaper.html#.X5lAnVP7RhE

 

Apenas os bárbaros entre nós, sabem o que são. Os civilizados têm consciência do que podem ser e são por isso incapazes de saber o que, para fins práticos e sociais, realmente são - esqueceram-se  de como extraem da sua experiência atómica total , uma personalidade.

Aldous Huxley, in "Sem Olhos em Gaza"

 

Recordo-me de Ana Bola, para também eu dizer que... "faz-me espéce"... Mas afinal o que é que me faz "espece"?

Faz-me "espéce" ouvir alguns indivíduos da nossa praça, apelidarem Rui Pinto de ladrão em plena audiência perante um juiz. Indivíduos, que defendem autênticos criminosos com trânsito em julgado, e passo a expressão, estão enterrados até às orelhas e também eles envolvidos em esquemas de lavagem de dinheiro, fraude e corrupção - os que se julgam intocáveis. Isto é mais ou menos o mesmo que termos o Alves dos Reis (e esse ainda tinha nível e graça) chamar ladrão e fazer-se de vítima ao indivíduo que roubou um bolo na "Sacolinha" em Oeiras. Oeiras e roubo é mau exemplo, eu sei... Juro que quando escrevi isto não pensei em Isaltino a roubar um palmier recheado enquanto fumava um charuto e transportava um copo de Rémy Martin. Até porque o letrado e desenvolvido povo eleitor de Oeiras aprovaria de imediato.

 

Faz-me "espéce", sempre que Marcelo tenta não deixar passar uma para aparecer e lhe corre mal, ofuscar-se durante uns dias. Do ponto de vista da comunicação é uma jogada de mestre, não pode é ser um hábito sob pena de até o mais incauto perceber a jogada. E quem diria que os mamilos mais conhecidos do país não seriam os da Érica Fontes ou da Joana Amaral Dias e muito menos os de Alberto João Jardim, mas os de Marcelo. Quando a história desmistificar um dos piores presidentes, a imagem que ficará, será sem dúvida a perna cruzada e o "olhar" matador para a câmera enquanto se administra uma vacina e claro... os calções azuis desbotados. Claro que Marcelo nem pensa nas câmeras, é mera coincidência.

 

Faz-me "espéce" também que Marcelo, a propósito da morte de Vicente Jorge Silva, tenha espaço de comentário num jornal, nomeadamente o "Público" e onde além da apologia a um grande amigo e de toda uma classe que o sustenta, ainda consegue transformar o jornal numa espécie de obra-prima da imprensa tais são os elogios rasgados ao mesmo. Vestir a pele de ardina-mor não lhe fica bem sendo Presidente (de papagaio-mor diz-se que...), mas todos sabemos como é dependente da comunicação social e da imprensa para existir. Uma mão cheia de nada, precisa sempre de muletas para sobreviver e até ser eleito presidente. E depois ainda menosprezam o Tino de Rans, o Trump e o Tiririca.

 

Faz-me "espéce" ver os arautos dos Direitos Humanos, da verdade e da mais alta moral, serem caras de organizações geridas por fundos estatais de países que desprezam completamente esses mesmos direitos e até têm, no seu território, campos de concentração. São esses estados que inclusive ignoram as atrocidades cometidas contra algumas das bandeiras desses indivíduos: homossexualidade, violência sobre as mulheres e indivíduos de outros credos e raças - a polícia matar um preto nos Estados Unidos é um crime hediondo, já noutras paragens será cultural? São também essas organizações que estão envolvidas em escândalos que não lembram a ninguém e têm prejudicado o erário público, ou seja, todos nós. Não que eu possa até ter algo contra as mesmas, mas... Querer algo e o seu contrário. Afinal em Portugal S.A., tudo se vende e tudo se compra.

 

Faz-me "espéce" ver o que o Bloco de Esquerda votou contra o Orçamento de Estado. Ver que as sondagens estão a atirar Marisa Matias para o fundo da tabela, por certo, terá tido influência. Ou então já a pensar numa próxima legislatura, o Bloco quer afastar-se para não sofrer as consequências. Faz-me "espece", mas não me espanta, afinal é o Bloco de Esquerda, o partido esganiçado que se cala e tudo consente quando se arranja um "tachito".

 

Faz-me "espéce" que o PCP (partido totalitarista e supostamente não admitido no seio da União Europeia) ainda controle as decisões neste país. Uma minoria, a par de muitos sindicatos, sobretudo ligados ao funcionalismo público, que é um autêntico cancro e tem atrasado o desenvolvimento do país. Espero que alguém aprenda alguma coisa com os Açores!

 

Faz-me "espéce" ver os deputados não-inscritos, independentes aprovarem (abstenção é consentir que) o Orçamento de Estado. Será que a senhora que ninguém conhece e ex-deputada do PAN e a senhora Katar Moreira já estão a apostar em serem candidatas "independentes" pelo PS num futuro próximo? Infelizmente, ao contrário do que aconteceu com o Ciudadanos em Espanha, os novos movimentos cheios de gente de boa vontade, acabam vendidos ao sistema vigente, o shake ao status quo rapidamente é abandonado. Que o diga Fernando Nobre e outros tantos...

 

Faz-me "espéce" que um indivíduo não possa estar num funeral de um ente querido que até era um tipo odiável e que só levaria 20 pessoas mas se for para ir ao Avante, à Fórmula 1 ou às festas do regime já possa conviver com mais de 10 000 pessoas. O vírus é chique e gosta de croquetes, show-off e desporto motorizado mas não gosta de jantares em família, funerais e casórios. Aliás, casórios até gosta se tiverem muita gente e forem de malta de bem na praça, um pouco como as festas de aniversário da Padeira de Aljubarrota (da Malveira?) em espaços públicos da Câmara Municipal de Lisboa.

 

Faz-me "espéce", num país tão pequeno, tanto ódio e interesse em Donald Trump mas ao mesmo tempo pactuar com atrocidades que não lembram a alguns dos piores ditadores do Mundo. Falar do Trump fica bem, mostra-se que se sabe (sabe?) muito da realidade norte-americana e não se perde o emprego nem os amigos.

 

E para terminar, toda a minha consideração e respeito pelos agentes da autoridade que irão controlar as entradas e saídas dos concelhos durante os próximos dias. Com tanta excepção, tanta desinformação e afins, temo que não vá ser uma tarefa fácil. Ainda vamos ver fotografias/montagens como as que temos visto de médicos e enfermeiros, com agentes esgotados com a cabeça deitada no volante.

 

Faz-me "espéce", pronto...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sardinhada com Giuseppe...

por Robinson Kanes, em 27.10.20

roma_italia_italy.jpg

Imagem: Robinson Kanes

 

Mais uma terça-feira, e mais uma passagem pelo SardinhaSemLata. Hoje vamos à península itálica, onde partilhamos duas histórias que mostram um outro lado da crise, talvez aquele que daqui a uns anos poderá ter tido mais óbitos que o vírus. É só irem por aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Another view of the crisis...

por Robinson Kanes, em 27.10.20

corriere_della_sera_21_10_carabinieri.jpggiuseppe_treviso_corriere_della_sera.jpg

Photos: Corriere della Sera (Carabinieri (photo 01) e Elena Tonon (photo 02) )

 

Everything returns, things, and words go in a circle, sometimes they cross the whole world, in a circle, then they meet, touch, and close something

Sándor Márai, in "The Candles Burn till the End".

 


The other side of the crisis shows us that panic does not only lies in hospitals... The other side of the crisis shows us that the media landscape is not only restricted to violence or selfies in search of the viral moment. The other side of the crisis also shows us that, as was predictable, the hype of the "Black Lives Matter" in its worldwide expression is gone. And it is on this other side of the crisis that we also find the "good" police, the ones who save lives, show great humanity, and do not always have the desired visibility - the anonymous heroes who do not need prizes, only a small recognition from all of us.

 

When reading the "Corriere della Sera", I found the highlight given to the "Arma Dei Carabinieri" called to react to a suicide attempt. The image speaks for itself. A certain carelessness of the Carabinieri also speaks for itself and shows the whole of humanity, but also the vulnerability with which we live today. This image shows us the desperate need for order, the need to look deeply into the consequences of exaggerated confinement, and it also speaks to us of humanity... In a while, we will know the number of the deaths and the real extra costs of SARS-CoV-2, and there we will make a balance which, I hope, will not be as tragic or more tragic than the pandemic itself.

 

And it is on this turbulent path that the same newspaper because not everything viral is bad, shared the picture of Mr. Giuseppe in his jacket. Perhaps this image will never be in a World Press Photo edition, it is not part of the elite of the great photographers, but it will certainly be the image or one of the images, that sums up the spirit of all the small entrepreneurs, from the most recent to the oldest and all their discouragement at seeing all the work and commitment of a life collapse, without yet understanding the reasons of. The taxpayers lean on those who receive the value of that investment/work. Perhaps for Giuseppe, it is even the opportunity to retire and live the life he has not lived until now... Maybe it can also be the end of his life, an assumption in the face of suicide, the confession that the existence is not worth as Camus would say. Giuseppe could be a serious candidate to be on a roof with two more Carabinieri.


The "andrà tutto bene" was born in a cheerful and lively country that genuinely faced the pandemic as something temporary and with that was an example (and cheap copy) to so many others... However, the Italians have already come to the conclusion that not everything "va bene" and the human, social and economic bill came in force and with much interest.


These two images, in turn, contrasted with an image also from Italy, where a nurse published a selfie with the marks or injuries of her mask. The result was not so successful here, with an Italy tired of social networking heroes, of photos for personal branding, and against an exaltation that only a few are truly committed. As if this were not common to so many other professions and not only in times of crisis without forgetting the risk of salaries not being paid for lack of funds.

 

In this show of visual and noisy cocktails, maybe we can see Giuseppe and "la Dona" from the roof, sharing a beautiful "Risoto di Radicchio" and a Prosecco. I have no doubt that the Treviggian "Chef" will delight the Roman lady, celebrating perhaps new times, new hope, and a more balanced world. The rest, and quoting Vergílio Ferreira, is a tragedy and we hope that it will not be seen, not least because that is why there are toilets... And not the roofs.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alterações Climáticas? That's a fact Jack!

por Robinson Kanes, em 26.10.20

frederic_noy_00282258_web.jpg

Créditos: Frédéric Noy - Panos Pictures

 

Não são as grandes ideias que os outros tiveram, mas as pequenas coisas que só a ti te ocorrem.

Haruki Murakami, in "Sputnik Meu Amor"

 

Uma das situações que fez parar as alterações climáticas foi a temática do SARS-CoV-2, pelo menos é a ideia com que ficamos e onde já nem o publicitário "how dare you" de uma jovem sueca tem eco. Previsível, numa campanha que teria os dias contados pelo simples facto de não ter um plano a longo-prazo e procurar apenas um rápido impacte. 

 

No entanto, a realidade nem sempre é a que encontramos nas notícias e na verdade, com o "apoio" do Fórum Económico Mundial (FEM) foi possível aferir que talvez o actual vírus seja o menor dos nossos problemas, e como dizem os americanos "that's a fact Jack", vejamos:

 

Em 2030 (daqui a 9 anos, portanto), o degelo contiuará de tal forma que o nível do mar irá subir cerca de 20cm (US Global Change Research Program - USGCRP). Todos sabemos as consequências deste facto, sobretudo para países com costa oceânica. No Golfo do México já são actualmente 60cm (Center for Science Education) e ao qual se juntam as tempestades cada vez mais severas, bem como no Noroeste dos Estados Unidos, onde estas (desde Janeiro de 2020) já são mais de 25 (USGCRP).

 

Todavia, não é preciso viajar 9 anos no tempo para chegar à conclusão que, e ainda falando em águas oceânicas, 90% dos recifes de coral estão ameaçados e 60% em estado de ameaça grave (National Oceanic and Atmospheric Administration).

 

Viajemos para terra e encaremos o facto de que a redução da área arável já atirou 100 milhões de pessoas para a pobreza extrema (Banco Mundial). 100 milhões de novos pobres, coloquemos as coisas desta forma. Em terra também chegámos à conclusão que as mortes devido às alterações climáticas aumentam por ano em 250 000 (Organização Mundial de Saúde - OMS). Não são 250 000 mortes, mas mais 250 000! A OMS é a mesma organização que nos quis ver todos fechados em casa por causa do Coronavírus e ainda as mortes estavam bem longe deste número.

 

Neste contexto, países como o Bangladesh, Tailândia, Vietname e outros, continuam e continuarão a sofrer um aumento das tempestades e consequentes inundações que provocam migrações em massa (Climate Central). Todos sabemos como o aumento da capacidade de carga vai levar a que outros conflitos possam surgir, inclusive com países vizinhos. Se tivermos em conta que actualmente 140 milhões de pessoas já se encontram deslocadas devido à insegurança alimentar, falta de água e fenómenos extremos (Banco Mundial), podemos imaginar o futuro.

 

Também ainda não é necessário viajar mais uns anos para chegar à conclusão que 8% da população mundial sofreu no último ano uma redução na disponibilidade de água potável (Intergovernmental Panel on Climate Change - IPCC) e que o Ártico também já tira férias e no Verão fica sem gelo (Arctic Council) - o Ártico no Verão fica sem gelo, sublinho... Já falei em tempos da gravidade desta situação.

 

Mas viajemos agora 19 anos e vamos até 2040. 19 anos é já amanhã, pelo que é já amanhã também que o mundo irá superar o limite dos 1,5ºC de aumento de temperatura imposto pelo Acordo de Paris (IPCC). É uma espécie de diferença entre um bife mal passado e um bem passado. Mas podemos deixar a grelha e passar ao forno, pois em 2050 a previsão é de que 2000 milhões da população mundial sofra com temperaturas na ordem dos 60º durante mais de 10% do ano (The Future We Choose - Surviving the Climate Crisis por Christina Figueres e Tom Rivett-Carnac). Em suma, não iremos precisar de máscaras para nos proteger de vírus mas sim da poluição extrema.

 

Se uma das coisas que as previsões em relação às alterações climáticas nos têm mostrado é que muitas vezes falham... Falham porque o que está previsto para daqui a 100 anos pode acontecer já amanhã. E é por isso que as previsões para 2100 apontam já para uma subida da temperatura na ordem dos 4ºC, sobretudo nas latitudes mais a norte (IPCC). Não estamos a regular o esquentador, 4ºC é uma coisa demasiado séria e com consequências no nível do mar: só a título de exemplo, a Flórida passará a ser uma coisa do passado, os recifes de coral desaprecerão e as consequências ao nível da fauna e flora marinha serão mais que desastrosas (United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization - UNESCO). No ar e em terra uma vasta maioria dos insectos terão desaparecido e além das consequências em vários outras áreas - também as colheitas sofrerão pela falta de polinização (Biological Conservation). Falar em cataclismo é pouco, deixemo-nos de palavras bonitas.

 

Palavras bonitas não poderão livrar ninguém da seca extrema que afectará 40% do planeta (Proceedings of the National Academy of Sciences - PNAS) e a título de exemplo significará que uma área equivalente ao Estado do Massachussets irá arder por ano nos Estados Unidos (United States Environmental Protection Agency - EPA) aliás, os recentes incêndios na Califórnia, no Colorado, na Autrália e na Sibéria já mostram essa triste realidade. E tão pouco se fala deles... Estranhamente.

 

E finalmente, porque até nos toca de forma séria, o sul de Portugal e Espanha estará transformado num autêntico deserto, provocando carências alimentares e falta de água de uma gravidade extrema (Science) e acrescento até as migrações que daí advirão. Mário Lino parecia estar certo quando nos dizia que bastava atravessar a ponte e chegar à margem sul para estar no deserto. Temo é que em pouco tempo baste atravessar o Mondego.

 

Mais do que estar fechados em casa, no shopping ou a pensarmos no nosso umbigo (com o coronavírus, o egoísmo tornou-se uma doença) é altura de pararmos para pensar,  de deixarmos de ser refractários à verdade e sensíveis apenas a estímulos artificiais sob pena de não nos sabermos governar, como escreveria Tagore. É tempo de termos ideias e acima de tudo exercermos a nossa cidadania.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O virus é democrático mas parece ser o único...

por Robinson Kanes, em 23.10.20

235866_RGB-981x1024.jpgCréditos: Caglecartoons.com, The Netherlands, March 6, 2020 | By Joep Bertrams

 

 

A certeza com que agimos hoje pode parecer medonha não só para as gerações futuras, mas também para os nossos "eus" futuros.

Robert Sapolsky, in "Comportamento"

 

Até o dia dos mortos se finou... Não acredito que uma romaria aos cemitérios possa fazer grande diferença no facto de gostarmos de alguém, está morto e pronto, não obstante, reconheço quem tem nesta prática e nesta forma de lidar com a morte uma visão diferente da minha e que está tão enraizada na nossa sociedade e costumes e que vai muito para além da crença católica. Todavia, este constante ataque ao cidadão que faz por sobreviver e cumprir o pouco que ainda lhe resta de liberdade começa a ser assustador - e pensar que em tempos alguém foi tão criticado por "querer" congelar a Democracia por seis meses.

 

Vejamos, todos aqueles que nos cortam a vida social, humana, cultural e profissional, são os mesmos que no Verão não hesitaram em (e sempre com o jornalismo medíocre atrás) mostrar-se na praia, fins-de-semana seguidos e chamando todos para o ajuntamento parolo habitual do Verão. São os mesmos que não hesitaram em jantar nos restaurantes da praça para português pobre que come uma sopinha ver. São também os mesmos que permitiram ajuntamentos como o 1º de Maio, várias manifestações da direita à esquerda e o grande acontecimento de 2020 que foi a festa do Avante. Não paga impostos, utiliza o erário público, utiliza mão de obra a custo zero e ainda recebe este prémio, enquanto os outros encerram empresas. São os mesmos que se congratularam com a Fórmula 1 no Algarve e permitem uma multidão num fim-de-semana e proibem o cidadão comum de velar os mortos ou estar em família no outro. São os mesmos que encheram o campo pequeno mal o vírus saiu do confinamento e parece ter dito "bem, vou-me embora, vou partir naquela estrada". O vírus é democrático, mas começo a crer que Portugal não...

 

Começa também a ser em demasia o pânico que é gerado nas televisões e jornais - e já lá vão seis meses. Basta! Basta! Basta! As pessoas estão cansadas e assustadas e estou em crer que muitos dos media que embarcam nesta lógica perceberam que três meses de lockdown fazem maravilhas pelas audiências e também pela destruição da inteligência dos cidadãos. Basta de termos matemáticos; profissionais de saúde;  físicos; filósofos; "comentadeiros"; "viradores de frangos" e mais um sem número de indivíduos que procuram destaque a todo o custo e todos os dias nos apresentam modelos e teorias completamente descabidas de base cientifica ou assentes em modelos ultrapassados e que só aumentam o pânico, deixem de ser "wannabes" e concentrem-se no essencial. Isto não é uma guerra como nos querem fazer crer e muito menos o fim do Mundo. É, sem dúvida, um aviso à nossa sociedade, mas sobretudo pela forma como somos "geridos", "controlados" e claro, como nos comportamos. Existem muitas soluções, a economia não pode parar! Mas a Irlanda confinou! Sim, e vejam como economicamente e laboralmente se organizou. Vejam um website de ofertas de emprego naquele país ou tentem ver como se está a comportar o tecido empresarial e percebam que tem mais dinâmica e ofertas de emprego (com qualidade) que um Portugal em tempos áureos!

 

Começa também a ser cansativo ter uma Organização Mundial de Saúde (OMS) e por cá uma Direcção Geral da Saúde (DGS) que um dia nos dizem que a máscara é para utilizar e no outro já não! Que às nove da manhã nos dizem que o contágio não se dá por contacto com superfícies a à tarde já nos diz que afinal todo o cuidado é pouco. É uma OMS que privilegiou os confinamentos mas agora volta atrás... Para o caso de alguém se ter olvidado, a OMS, legalmente, não é uma organização cientifica e muito menos médica, é uma organização política, é essa a sua base!

 

Também não podemos ter confiança total do lado da saúde (não estou a afirmar que não devemos escutar e seguir os conselhos), pelo simples facto de não ter uma visão holística da sociedade, da economia e do Mundo, e é aí que o poder político e cívico tem de mostrar que pode ouvir, acatar, mas exercer uma espécie de gestão da situação do que lhe chega. Também não podemos ter sociedades médicas a afirmarem que os melhores não estão a ser ouvidos em detrimento de outros que provavelmente se movimentam melhor no plano mediático e político. Passámos demasiado tempo no Verão a apanhar sol na praia, sejamos consistentes nas mensagens e nos alertas.

 

Todos sabemos que os números estão a ser "martelados", não tenhamos ilusões, mas mesmo assim, não podemos deixar de viver, não podemos parar a economia e muito menos destruir o que temos de nosso, já nem como cidadãos mas como pessoas! Não façam isso e não deixem que isso vos seja feito.

 

O Mundo do pânico pandémico (e não escrevi da pandemia) está, entre as gotas da chuva a transformar-se. Existem conflitos a eclodir por todo o Mundo, muitos deles pela liberdade de países e povos outros somente a aproveitarem a baixa atenção mediática a outros temas. É terrorífico ver que por cá, inclusive em espaços de blogues e artigos de opinião ainda se defende, aproveitando a embalagem da pandemia, um regime maoista que desenvolve campos de concentração! Existem, como na Nigéria, Colômbia, Chile e outras nações, ataques coordenados a quem diz não: na Nigéria as autoridades antes de abaterem manifestantes pela Liberdade que só estavam concentrados pacificamente, tiveram o cuidado de preparar o terreno, afastando testemunhas com zonas de contenção, retirando câmeras e limpando a zona! Estes são os testemunhos mais violentos, mas também sabemos como Portugal é um país perfeito para "abater" quem diz não!

 

Respeitemos os outros, tenhamos todos os cuidados exigidos para não multiplicar a propagação do vírus, mas acima de tudo não deixemos de viver e não embarquemos numa espécie de suicídio colectivo. Mais do que morrer de medo e desprovido de qualquer personalidade, importa sim saber como reagir face à adversidade e apostar numa mudança que tem de acontecer, e nesse aspecto, o vírus é uma grande oportunidade de nos tornarmos melhores em muitos campos, embora, infelizmente, em muitos territórios, não seja uma prioridade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

The Mont-Saint-Michel

por Robinson Kanes, em 23.10.20

mont-saint-michel.jpg

Pictures: Robinson Kanes 

 

At the mouth of the Couesnon lies one of the classics of any journey through Normandy and Brittany: the Mont-Saint-Michel. After Ponts and a long adventure laden with emotions, you need to chill out a bit.

 

The Mont-Saint-Michel is really impressive, the long distance already shows itself in all its splendour, I even believe that it is there that it shows all its beauty and magnificence always wrapped in a tenuous magic mist. We stopped the car dozens of times until we reached our destination.

mont-saint-michel (1).jpg

The bay, is something amazing and is only 8000 years old (until then everything had been covered with ice). It's fantastic... Unfortunately the time doesn't allow us to leave the car behind and go on our bikes, we have tasks in Saint-Malo and we want to make the most of it to explore the "présalés" - covered by high tides but which are a fantastic landscape and even agricultural landmark. We want to take the chance to cross a part of the estuary and we know how dangerous that can be. Every year it is necessary to rescue a large number of people who do not watch out for the rising tides and only by helicopter can they be removed. Unfortunately, we are not at the equinox to enjoy the great descent of the tides.

mont-saint-michel (2).jpg

It's fantastic, it's amazing to hear and see all those birds, because if the seagulls dominate the island. If we roam the fields, we will find a countless number of species that will leave us fascinated.

 

We walk through the quicksand (and a lot of caution in these lands) and we forget that it is possible to enter the "fortress" and go through the narrow alleys and visit the Abbey. But it becomes difficult... Even on the island our eyes look for everything that happens around it and it becomes a kind of central control room to observing nature. It's marvelous...

mont-saint-michel (3).jpg

We notice something we had witnessed in childhood... The cars are far away which allows us to preserve the place.However, the interior is full of visitors which sometimes makes the experience boring, but we have to accept, in fact it is a stratospheric place.

mont-saint-michel (4).jpg

We walk along the walls and we can't stand the weight of the architecture, so we are forced to go out, put our feet back on the sands and enjoy... We try to stop time, we wait for the "tramonto" and we don't want to leave. The light of the island becomes unique and everything that surrounds it seems to begin to gain a new dimension. That's where we stay, plunged in sand and water taking part in one of the most beautiful Nature performances and of Earth life itself.

Honfleur, a fishing town

Looking for Marcel Proust in Cabourg

The peaceful and firm Caen

Bayeux, a Norman Jewel

Normandy: a tribute day

Autoria e outros dados (tags, etc)

Les Divas du Taguerabt

por Robinson Kanes, em 22.10.20

taguerabt.jpg

Créditos: https://mk2films.com/en/film/taguerabt-divas/

 

 

A sabedoria só nos chega quando não serve para nada.

Gabriel Garcia Marquéz, in "O Amor nos Tempos de Cólera"

 

Em Portugal, ficou famoso um indivíduo que deu a ópera como morta e constantemente faz questão de reforçar essa temática. Compreendo as palavras do mesmo, o Ser alpinista que bebendo da vontade das elites pseudo-intelectuais e que estranhamente ocupa o espaço radiofónico sem ter qualquer dicção poderá encontrar na realidade nacional um São Carlos deprimido sempre com os mesmos espectadores, uma maioria a convite ou que simplesmente não paga e uma outra que só vai à ópera porque sim.

 

Todavia, Portalegre e Lisboa não são o centro do mundo e a cultura não se adquire com uma viagem aqui ou acolá para preencher CV, pelo que, caminhemos até à terra que viu Camus nascer. Foi através da Ópera National de Paris que ficou famosa a construção de uma sala de ópera em Argel com capacidade para 1400 pessoas.Estamos a falar de Argel, capital de um país sem grande tradição operática mas de uma riqueza cultural imensa. Foi também neste contexto que no passado mês de Setembro saiu para a rua o pequeno documentário de Karim Moussaoui, "Les Divas du Taguerabt".

 

Moussaoui partiu em busca de uma espécie de ópera ancestral, das mulheres que cantam nas grutas melodias que encantam e seduzem todos aqueles que escutam estas vozes com atenção. E encontrou-as... Encontrou-as e descobriu um opíparo Património da Humanidade que, sem dúvida, também terá o seu lugar na nova sala de Argel.

 

Neste imenso país, de ancestrais tradições, de nascimento, passagem e queda de muitos impérios, Moussaoui deu a conhecer ao Mundo as vozes da terra, as vozes do Norte de África, um cântico feminino de valor incalculável e que pode ser apresentado lado-a-lado com qualquer ópera, com qualquer outro espectáculo até, prova de que, por muito que queiramos porque é "cool", existem coisas que não poderemos destruir, mesmo julgando-nos grandes (e só mesmo isso) no nosso pequeno rectângulo. É importante perceber que também todos os dias são compostas novas óperas, novas peças e não são somente as mais conhecidas que marcam a agenda que queremos destruir - argumentar contra isto, é seguir um discurso "ovelhoa" encomendado entre uma cerveja artesanal e um prato vegan em bares do Bairro Alto. 

 

Vejam o documentário, são só 15 minutos e está no Youtube e deixem-se encantar por estas Senhoras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Mont-Saint-Michel...

por Robinson Kanes, em 21.10.20

mont-saint-michel.jpg

Imagens: Robinson Kanes 

 

Na Foz do Couesnon, reside um dos clássicos de qualquer passagem pela Normandia e pela Bretanha: o Mont-Saint-Michel. Depois de Ponts e de uma longa  aventura carregada de emoções, é preciso descontrair um pouco.

 

O Mont-Saint-Michel é deveras imponente, a longa distância já se mostra em todo o seu esplendor, acredito até que é aí que mostra toda a sua beleza e imponência sempre envolvido numa ténue névoa mágica. Paramos o carro dezenas de vezes até chegar ao destino.

mont-saint-michel (1).jpg

A baía, é algo de assombroso e só tem 8000 anos (até lá havia estado tudo coberto de gelo). É fantástico... Infelizmente o tempo não nos permite deixar o carro para trás e seguir de bicicleta, temos afazeres em Saint-Malo e queremos aproveitar ao máximo para explorar os "prés-salés" - cobertos pelas marés altas mas que são um marco paisagístico e até agrícola fantástico. Queremos arriscar até atravessar uma parte do estuário e sabemos como isso também pode ser perigoso. Todos os anos é necessário resgatar um sem número de pessoas que não acautelam a subida das marés e só de helicóptero podem ser retiradas. Infelizmente, não estamos no equinócio para apreciar a grande descida das marés.

mont-saint-michel (2).jpg

É fantástico, é mirífico ouvir e ver todas aquelas aves, porque se as gaivotas dominam a ilha. Se deambularmos pelos campos, encontraremos um sem número de espécies que nos deixarão fascinados.

 

Andamos, percorremos os terrenos movediços (e muita cautela nestes terrenos) e esquecemo-nos que é possível entrar na "fortaleza" e percorrer as estreitas ruelas e visitar a Abadia. Mas torna-se difícil... Mesmo na ilha os nossos olhos procuram tudo aquilo que acontece à volta da mesma e esta transforma-se numa espécie de posto de comando para a observação da Natureza. É maravilhoso...

mont-saint-michel (3).jpg

Reparamos em algo que havíamos presenciado na infância... Os carros estão afastados o que permite preservar o lugar. Todavia, o interior está repleto de visitantes o que por vezes torna a experiência menos boa, mas temos de aceitar, de facto é um local estratosférico.

mont-saint-michel (4).jpg

Percorremos as muralhas e não suportamos o peso da arquitectura, pelo que somos obrigados a sair, a voltar a colocar os pés nas areias e a apreciar... Tentamos que o tempo pare, esperamos pelo "tramonto" e não queremos vir embora. A luz da ilha torna-se única e tudo o que a envolve parece começar a adquirir uma nova dimensão. É por aí que ficamos, mergulhados na areia e na água tomando parte num dos mais belos espectáculos da Natureza e da própria vida terrestre.

 

Honfleur, uma cidade portuária

Atrás de Marcel Proust em Cabourg

A pacata e firme Caen

Bayeux: uma jóia normanda

Normandia: um dia de homenagem

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Instagram



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sardinhas em Lata

Todas as Terças, aqui! https://sardinhasemlata.blogs.sapo.pt/

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


subscrever feeds




Mensagens







Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB