Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

La Dolce Vita!

por Robinson Kanes, em 21.07.17

 

dolcevita.jpg

 Fonte da Imagem: http://www.hotel-r.net/hu/dolcevita

 

Uma sexta-feira e está na hora de entrar no fim de semana com um ritmo menos acelerado, até porque esta semana os artigos foram bastante sérios... 

 

Poderia sugerir coisas tranquilizadoras mas não me parece que os "Olhos de Água" de Alves Redol ou mais uma leitura de "Crónica de Uma Morte Anunciada" de Gabriel Garcia Marquéz possam acalmar o espírito, apesar de terem sido as minhas leituras desta semana. Provavelmente senti-me na pele de um dos gémeos Vicario ("Crónica de uma Morte Anunciada") quando escrevi o artigo de terça-feira. No entanto, este fim de semana pede algo tranquilo...

 

A minha sugestão (e sim, sei que nasci muitos anos depois para me interessar por estas coisas) é o filme "La Dolce Vita" de Frederico Fellini, com Marcelo Mastroiani, Anita Ekberg e a bela Anouk Aimée. Filme italiano, se possível para ver sem legendas e com tempo, pois tem a duração de quase três horas.

 

É um filme ao estilo de Fellini e que conta a história de uma semana na vida Marcello Rubinni, um jornalista de revistas cor-de-rosa, que procura a felicidade na bela Roma. Aborda sobretudo a questão da vulgaridade, dos valores, da felicidade camuflada das elites artísticas e financeiras, das diferentes personagens (mulheres) na vida de Marcello e como isso, para o mesmo, é uma total demonstração das dificuldades em realizar essa felicidade. Neo-Realista, é um filme que conquistou uma Palma de Ouro em Cannes e deu lugar ao "nascimento" do conceito paparazzo. Foi também um filme censurado em muitos países e pela própria Igreja Católica, aliás, o início do filme deixa logo antever esse sentimento. Quem viu "Cinema Paradiso" vai-se recordar de algumas cenas... Abaixo deixo dois vídeos que marcaram o filme, aliás, a cena na "Fontana di Trevi" tornou-se uma referência! Vide o vídeo abaixo:

Uma curiosidade: consta que Anita Ekberg não teve qualquer problema em passar horas na água a filmar esta cena, por sua vez, Marcello Mastroiani lamentou-se profundamente por diversas vezes e só a Vodka o fez aguentar a água fria.

 

Finalmente a banda sonora, do grande Nino Rota, é também uma referência... Sobretudo para os amantes do estilo e que o colocam ao lado de Morricone e Piovanni como um dos meus preferidos. Deixo-vos também uma sonoridade, é impossível não reconhecer este som...

É a sugestão ideal para reflectir e pensar se "La Dolce Vita" não é algo tão simples, mas que continuamos a ignorar do alto da nossa pseudo-importância e da nossa ânsia de viver numa lógica de egoísmo, influência e até de nos sentirmos perdidos no nosso mundo que julgamos controlar. No que depender de mim, mal ou bem, procurarei sempre "La Dolce Vita".

 

Bom fim de semana...

 

Dois artigos que merecem a leitura dos comentários, aqui e aqui. Obrigado a todos.

 

 Cena Final de "La Dolce Vita" - Quem vir o filme vai perceber o impacte da mesma.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Da Bordeira ao Amado...

por Robinson Kanes, em 14.07.17

IMG_3379.jpg

 Fonte das Imagens: Própria

 

De volta à Costa Vicentina, imaginem deixar a Praia de Vale Figueiras e fazerem uns meros 16km para sul, pela EN268 e depois pela Estrada da Praia e chegarem à Praia da Bordeira, também conhecida como Praia da Carrapateira pela proximidade com a Carrapateira e por também ser aí a foz da Ribeira com o mesmo nome. Podem sempre fazer o percurso a pé ou de bicicleta que são apenas 11km.

 

Nesta zona, depois de uma visita pelas localidades da Bordeira e da Carrapateira, nada como seguir em direcção à praia e a partir daí fazer o caminho da Estrada da Praia até à Praia do Amado. Deixem o carro e peguem na bicicleta ou vão a pé, pois serão dos 3,5km mais bonitos e pitorescos que algum dia farão! Recomendo vivamente e é não-negociável, além de que têm passadiços com miradouros que vos permitem ir descansando.

IMG_3344.jpg

É neste troço que começamos a sentir a Costa Vicentina verdadeiramente, onde rocha e mar tendem a ser mais austeros e a trazerem-nos já um pouco dos cheiros do Cabo de S. Vicente.

 

Após a Praia da Bordeira, surge-nos a Praia da Zimbreirinha, e é aqui que as portas se abrem para um mundo novo, para todo o expoente da Costa Vicentina e para um local encantadoramente inóspito. Ao longe ainda conseguimos observar a Arrifana, como se a paisagem insistisse em manter diante dos nossos olhos tão belo lugar. Infelizmente, já não é possível apreciar o Portinho da Zimbreirinha e o seu ancoradouro pelafita devido a uma derrocada.

 

Como é bom caminhar ou pedalar e observar as diferentes cores da rocha e do mar que alterna entre o verde água e o azul escuro das águas profundas. Como é bom sentir o vento do atlântico, suave mas ao mesmo tempo com força suficiente para nos fazer respeitar aquele mar donde outrora arriscamos sair em pequenas cascas de noz à conquista do Mundo! Lembro-me agora dos "Navegadores" de Sophia:

 

Esses que desenharam os mapas da surpresa

Contornando os cabos e dando nome às ilhas

E por entre brilhos espelhos e distâncias

Por entre aéreas brumas irisadas

Em extáticas manhãs solenes e paradas

No breve instante eterno surpreenderam

O arcaico sorrir do mar recém criado

Andresen, Sophia de Mello Breyner "Navegadores", Poemas Dispersos

 

De regresso a terra, voltar à caminhada ou sentir aquele vento enquanto nos deslocamos de bicicleta, é algo mágico mas também um verdadeiro postal. O difícil vai ser fazer o caminho sem parar de 50m em 50m.

IMG_3368.jpg

Um dos pontos altos deste passeio é a Praia do Portinho do Forno que, além de ser um pequeno porto e o mas antigo da Carrapateira, é também um ponto de encontro para os entusiastas do Todo-o-Terreno (TT), motorizado ou não. Não é incomum vermos pequenos grupos de praticantes de BTT, jipes ou motas de TT. Todavia, aqui podemos parar e contemplar a paisagem imaginando tempos passados em que os barcos atracavam e se carregavam os burros que deveriam levar o resultado da faina para a lota da Carrapateira. Também é aqui que o "puzzle" de diferentes tonalidades da água torna este lugar tão especial. Podem sempre aproveitar e beber um refresco ou até almoçar no restaurante que aí se encontra. 

IMG_3385.jpgE como o caminho se faz caminhando, nada como continuar um percurso que já não queremos que acabe, até porque já vemos a Praia do Amado ao fundo e ficamos com aquele misto de encanto e fadiga mas em que percebemos que afinal não estamos assim tão cansados e queremos que o momento não termine. Uma das formas de prolongar o mesmo será trazer um bom piquenique, ou como se utiliza no Brasil, um convescote. A oportunidade de apreciar uma refeição leve num local destes, nem em muitos dos melhores restaurantes do mundo! 

IMG_3381.jpg

Levantemo-nos pois e sigamos em direcção à riqueza geológica e faunística da Praia do Amado, sem esquecer a flora que a tornam num dos locais mais importantes ao nível da preservação de habitats! Um outro habitat muito importante é o dos surfistas, pois é considerada uma das melhores praias a nível europeu para a prática desta modalidade. Esta já é uma praia mais movimentada, pois é escolhida por muitos veraneantes e por empresas de animação turística.

 

Cansados? Porque não voltar para trás e voltar a fazer o mesmo caminho? Eu fá-lo-ia, além de que o fim de semana, para quem o goza, está mesmo aí à porta! Não deixem de ir à Carrapateira e à Bordeira, são duas localidades fantásticas, de boas gentes e que vos proporcionam uma experiência singular onde o campo convive pacificamente e numa harmonia singular com o mar.

IMG_3392.jpg 

Como estão no Parque Natural do Sudoeste Alenteja e Costa Vicentina, não se esqueçam do "Código de Conduta e Boas Práticas"pois estão num Parque Natural. Pode ser descarregado aqui.

 

Bom fim de semana. Voltarei na terça-feira!

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

IMG_20170706_083051.jpg

Fonte da Imagem: Própria

 

Amanhã andarei ausente, ou melhor, vou andar noutras paragens deste mundo que é a blogolândia...

 

Também não irei estar agarrado ao ferro! Contudo, nem só o ferro nos inspira, pelo que aponto para algumas sugestões a ter em conta para o fim de semana e para a semana!

 

Terminada a obra "Uma Fenda na Muralha" de Alves Redol,  pergunto: como é que com tanto filme já realizado, ainda não se fez um filme baseado nesta obra? O argumento está praticamente feito e a mestria de Redol é latente. Se este livro chega a Hollywood temos filme para óscares, bem melhor que o "Perfect Storm" de Wolfgang Petersen. Foi esse o motivo que me fez arrancar  para a "Barca dos Sete Lemes", também de Redol. Deixei a Nazaré com o arrais "Zé Diabo" de "Uma Fenda na Muralha" e rumei ao não menos árduo Ribatejo! Ao cabo de 100 páginas, posso dizer que não me arrependo minimamente, ou não fosse o neo-realismo uma das minhas correntes de eleição. O modo como Redol olha para estas gentes é de uma proximidade e carácter etnológico surpreendentes. Num discurso simples mas aritisticamente talhado faz-nos questionar e admirar uma realidade que não tem assim tantos anos e não é diferente de muitas que encontramos nos dias de hoje.

 

Para um passeio, porque não a Praia de Vale Figueiras, a Praia da Arrifana ou até a Praia da Amoreira? Sigam os artigos já publicados clicando nas mesmas.

 

Uma música para o fim de semana? Talvez inspirado pelo filme que vou sugerir, recomendo o albúm "La Sublime Porte - Voix d'Istambul" de Jordi Savall. A música otomana, arménia e judaíca conjugam-se em notas e ritmos que nos vão transportar para a época em que o Palácio de Topkapi (Istambul) era um dos mais movimentados e a sua corte uma das mais poderosas do mundo! É de facto uma obra fascinante e que nos faz crescer, aprender e sonhar! Perfeito seria ficar numa das varandas do palácio a contemplar o Bósforo e a ouvir estas sonoridades...

 

Finalmente, um filme! Cinema turco, "Babam ve Oglum / Meu Pai e Meu Filho": devo dizer-vos que é um filme que me encantou desde o início porque nos leva de Istambul para Izmir e traz-me saudades daqueles 30 dias em que fui turco. No entanto, o filme  de Çagan Irmak começa trágicamente com uma morte no parto e leva-nos à Turquia dos anos 70-80, e dos seus golpes militares. Do filho que regressa a casa do pai e que agora traz também consigo o seu próprio filho! A luta e o reencontro entre pai, filho e neto, bem como algumas pequenas passagens que nos dão algumas lições de vida na relação entre parentes tão próximos. É claríssimo ao longo do filme alma turca, sobretudo daqueles que vivem fora de Istambul, da aspereza (muitas vezes exterior apenas) dos homens e da sensibilidade, carinho e doçura das mulheres daquela região, as gargalhadas de Nuran são um dos melhores exemplos. Mais não conto, vejam por vocês próprios, o filme existe com legendas em inglês se procurarem por aí... Uma nota para a banda sonora que deu o prémio de revelação do ano 2006 nos "World Soundtrack Awards" a Evanthia Reboutsika.

 

Bom fim de semana ou Bom trabalho...

 

Uma nota do disco "La Sublime Porte - Voix d'Istambul"

 (Aguarda Resolução de Problemas por parte do Sapo)

O trailer em inglês de "Babam ve Oglum"

(Aguarda Resolução de Problemas por parte do Sapo) 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Mundo Que Não Pára mas que nos Pára.

por Robinson Kanes, em 23.06.17

IMG_2992.jpg

 Fonte da Imagem: Própria.

 

Uma das coisas acerca da qual mais se tem ouvido falar nos últimos dias é a questão do seguir em frente e de que o mundo não pára. Entendo, até porque se existe pessoa que não fica à espera que as coisas se resolvam e coloca  mãos-à-obra sou eu - mesmo que por vezes não abone a meu favor. 

 

No entanto, será que não podemos parar um pouco? Isto a propósito daqueles que afirmam (e com toda a razão) de que não podemos pensar muito nos que morreram nos incêndios ou até em outras situações e que temos de avançar sem nos fixarmos muito nisso... Levinas dizia que nos  consolamos "como se pudessemos escapar à morte [e que] a vida pública não se quer deixar perturbar pela morte que considera como uma falta de tacto". De facto o mundo não pára, sobretudo se estivermos envolvidos directamente numa situação não existe tempo para grandes lamentações mas sim uma necessidade imediata de agir, mas agir bem! A vida pública não quer perder tempo com a morte e com o fim - com o fim da utilidade de outrem nos destinos do mundo... "A vida continua", diz o povo. 

 

Mas também existe o outro lado. O mundo também pode parar, ou melhor, nós podemos parar, sobretudo aqueles que podem agora fazer um luto e reflectir sobre esta situação já que, infelizmente, outros estão ainda nas operações e não podem fazer esse luto vendo-se obrigados a adiar o mesmo.

 

Três dias de luto! Pelo menos esses três dias deveriam fazer-nos reflectir. Reflectir sem os espalhafatos mediáticos acerca da tragédia que começou no Sábado. Acredito até, que seja demasiado prematuro a declaração imediata de "Luto Nacional" pois, efectivamente no quadro dos desenvolvimentos e da cabeça dos indivíduos, a intenção do mesmo tende a ser completamente desvanecida. Bandeiras a meia-haste, um ou outro acto mais protocolar, mas o luto não é feito. Esse tempo tem de ser fora da agitação dos factos...

 

Por experiência pessoal, profissional e até no quadro de vida de muitos que conheci, encaro o luto como fundamental: o tempo para digerir é fundamental, o tempo para reflectir é fundamental, o tempo de atirar tudo pelo ar é imperial. E nem me foco no luto com cariz mais religioso, porque "mesmo os homens sem evangelho têm o seu Monte das Oliveiras", como defendia Camus no seu Mito de Sísifo. Mesmo aqueles que se encontram a trabalhar no combate precisarão desse tempo mais tarde. Até numa situação de guerra é preciso parar e fazer um luto e a ausência desse luto acaba por ter consequências no longo prazo e aqui exemplos não faltam - o stress pós-traumático de guerra é um exemplo e não é somente o reflexo dos acontecimentos na vida de quem combateu, mas também a ausência de um luto bem feito. 

 

Até no amor o luto é essencial para que todas as portas possam ficar bem fechadas e todas as pontas bem atadas, sob pena de um dia mais tarde isso nos abalar, trazer dissabores ou afectar o nosso estado de alma.

 

Talvez não possamos parar o mundo, todavia, parece-me capital que não deixemos que o mundo nos pare sob pena de termos uma digestão mal feita e cujos resultados só sentem ao fim de algumas horas...

 

Por hábito, à sexta-feira deixo algumas sugestões, mas admito que não é uma semana para grandes euforias, pelo menos por aqui... Todavia, deixo uma sugestão literária:  "Pensar", um livro com 671 pensamentos de Vergílio Ferreira. É aquele livro no qual podemos tirar algumas pequenas lições acerca do mundo e acerca de nós, sobretudo vindo de alguém que era um dos mais atentos observadores desse mesmo mundo e cujas inquietações são hoje tão actuais. E que falta nos faz parar um pouco e... Pensar. 

 

Não há espécie humana. Há cada indivíduo de per si que envolve a espécie e o mundo. Mas num montão de cadáveres, que é que significa cada um dos mortos? Porque então ele é mesmo elemento da espécie e uns tantos a mais ou a menos são uma fracção mínima que se despreza para as contas gerais. E é aí que deverias talvez pensar-te mais para te pensares menos.

 

Vergílio Ferreira, in "Pensar"... 

 Bom fim de semana...

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_8151.jpg

Fonte das Imagens: Própria. 

 

Um dos monumentos que mais se destaca na paisagem lisboeta, sobretudo a oriente, é a Igreja de Santa Engrácia, mais conhecida por Panteão Nacional (desde 1916) - Panteão Nacional, por aí se encontrarem os túmulos de algumas das mais importantes figuras da nação: Almeida Garrett, João de Deus, Manuel de Arriaga, Sidónio Pais, Guerra Junqueiro, Teófilo Braga, Óscar Carmona, Aquilino Ribeiro, Humberto Delgado, Amália Rodrigues, Sophia de Mello Breyner Andresen e Eusébio.

IMG_8162.JPG

A história da Igreja de Santa Engrácia é interessante também na medida em que é a originária da expressão "obras de Santa Engrácia". A história tem início em 1568, aquando da intenção, por parte da Infanta D. Maria, de construir esta igreja. Contudo, em 1681 a igreja foi arrasada por uma tempestadade que obrigou à sua reconstrução no ano seguinte. Todavia, os trabalhos demoraram tanto tempo que só ficaram efectivamente concluídos em 1966.

 

É celebre também uma outra "história", e que até está contemplada nos registos paroquiais: o "Desacato de Santa Engrácia". Conta a história que um cristão-novo, Simão Pires Solis, em 1630, roubou o relicário da igreja e foi denunciado ao Santo Ofício, acabando por ser condenado à fogueira! Conta ainda a história que, antes de morrer e ao passar junto à igreja, lhe lançou uma maldição: "É tão certo morrer inocente como as obras nunca mais acabarem!“. Na verdade, Simão sempre declarou a sua inocência e só mais tarde o verdadeiro assaltante foi conhecido. Simão deambulava pela zona à noite mas nunca dissera o porquê devido ao facto de se ter enamorado por uma jovem freira do Mosteiro de Santa Clara com a qual pretendia fugir. Interessante a história de amor que indirectamente acaba por ter neste monumento uma justa homenagem à paixão entre um cristão-novo e uma noviça.

IMG_8153.jpg

O monumento em si, é de uma beleza sem igual, não só pela inspiração na Igreja de São Pedro (Roma), como também pelo Barroco (destaque para os mármores coloridos) e pelas vistas que permite sobre a cidade e arredores. Subir ao terraço é um verdadeiro gáudio - até lá podemos apreciar o interior da Igreja e culminar a subida com as vistas exteriores... Aqui, e penso que a mártir Santa Engrácia não se importará que nos percamos, qual Simão Pires Solis e a sua amada, podemos sempre envolver-nos em apaixonados beijos e juras de amor enquanto apreciamos uma das mais belas vistas da cidade com a nossa cara-metade... Não fosse Lisboa uma cidade romântica.

IMG_8195.JPG 

Se forem à Terça-Feira ou ao Sábado, não se esqueçam também de sentir uma das mais antigas e tradicionais feiras da cidade: a Feira da Ladra.

IMG_7916.jpg

 Para mais informações, como horários, localização e preços, podem consultar o website do monumento aqui.

 

Bom fim-de-semana!

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Vila e a Praia da Arrifana.

por Robinson Kanes, em 09.06.17

IMG_3229.JPG

 Fonte das Imagens: Própria

 

Para quê fugir de Aljezur? Lembram-se aqui? A comida é boa, as pessoas são simpáticas e o ambiente é óptimo. Por isso, porque não descobrir um dos tesouros de Portugal e do Mundo? A cerca de 10km fica a Praia da Arrifana. A Praia da Arrifana é considerada uma daquelas praias que vai estar na moda, espero, no entanto, que a Capacidade de Carga (ver definição abaixo) seja acautelada.

 

De Aljezur à Praia da Arrifana o caminho, por bicicleta, a pé ou de carro é fantástico. A pé conseguimos caminhar mais perto do mar e refrescar o corpo com a brisa marítima. Para ser perfeito nada como fazer o percurso da Praia do Monte Clérigo, onde podemos apreciar a Praia da Amoreira (ver hiperligação acima) noutra perspectiva, e seguir em direcção à Arrifana. No total são cerca de 15km que podem ser reduzidos para metade se o automóvel ficar no Monte Clérigo.

 

IMG_3268.JPG

De carro vamos pelo campo e aí refrescamos o olhar com a companhia do gado e de cães pastores que por ali deambulam e nos fazem parar para umas "festas". Além disso, posto que a panorâmica é mais limitada, alimentamos a expectativa da chegada.

 

Chegamos à Arrifana e temos a sensação de estar a sentir o Mediterrâneo, que já não fica longe. O atlântico ali tem outra força, muito por culpa da baía que protege a praia de ventos e ondas mais tenebrosos. É também nesta povoação que se encontra a famosa “Pedra da Agulha”, localizada no topo sul da praia. A vila piscatória é isso mesmo, uma fotografia viva do mediterrâneo.

 

Mas... Chegar à Arrifana e não sentir o cheiro a peixe grelhado é o mesmo que ir a Lisboa e não comer um pastel de nata ou visitar os Jerónimos. O cheiro dos sargos, do carapau da costa, do pargo e dos robalos fazem as delícias de quem gosta de comer um bom peixe. Façam amizades, comprem até o peixe, sobretudo em época baixa, e acabem a degustar uma destas iguarias na casa de algum pescador...

 

IMG_3233.JPG

 

Mas antes vamos à praia e, mais que sentir as águas cristalinas que chegam a fazer lembrar as Caraíbas (só que estas mais bonitas), é fundamental apreciar a panorâmica da praia. Uma verdadeira beleza! Rapidamente se percebe porque é que a natureza decidiu criar tal refúgio natural.

 

Mas caminhemos mais um pouco pela povoação e vamos chegar à Fortaleza da Arrifana (datada de 1635).Paremos e respiremos antes de entrar... É que somos imediatamente transportados para outra dimensão e para uma das mais belas vistas do mundo! Contemplemos, apreciemos a Ponta da Atalaia (onde se encontra um valiosíssimo Ribat Muçulmano (com um cemitério com 900 anos de valor inigualável) e a Praia de Vale Figueira (lá iremos).

IMG_3237.JPG

É impossível não ficar de pé a sentir a brisa marítima no rosto. É impossível deixarmos que os nossos olhos não tomem o controlo da nossa vontade e vagueiem perdidos pelo horizonte. A fortaleza envolve-nos também com a sua história de luta contra o mar e contra o desprezo de muitos durante anos a fio, desde a Marinha ao Ministério das Finanças e um sem número de entidades que não lhe reconheceram o valor histórico. Hoje está recuperada e, mais uma vez, é um miradouro e uma infraestrutura de valor singular. Cada pedra, cada rocha que a sustém é uma prova viva da luta da rocha contra o mar.

 

O mar lá em baixo, as vistas de cortar a respiração continuam a fazer-nos deambular e, nem mesmo, o cheiro do sargo grelhado nos afasta desse isolamento uno com a natureza. Deixamos que em nós os versos de Sophia se entranhem no espírito e nessa comunhão com o mar:

 

As ondas quebravam uma a uma

Eu estava só com a areia e com a espuma

Do mar que cantava só para mim.

 

IMG_3254.JPG

As gaivotas chamam a nossa atenção, é preciso assar o sargo. Paramos no restaurante que se encontra junto à fortaleza e provamos um branco alentejano. Abastecidos de frescura e do sabor do Alentejo, percorremos caminho até perto do pequeno porto de abrigo. É aí que nos espera o peixe grelhado e a companhia inesquecível que farão deste dia, mais um dia especial e único.

IMG_3236.JPG

Notas:

  • Capacidade de Carga Turística: Segunto a Organização Mundial de Turismo, a Capacida de Carga Turística é o número máximo de pessoas que podem visitar determinado local turístico, sem afectar o meio físico, económico ou sociocultural e sem reduzir de forma inaceitável a qualidade da experiência dos visitantes.
  • Nunca esqueçam o "Código de Conduta e Boas Práticas"pois estão num Parque Natural. Pode ser descarregado aqui.
  • Interessante e precioso documento acerca do "Ribat Muçulmano" pode ser descarregado aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fim de Semana o Cão e o Ribatejo!

por Robinson Kanes, em 07.04.17

IMG_0422.JPG

Fonte das Imagens: Própria 

 

Com o fim de semana à porta, vem também a limpeza e o engomar. A isto, alia-se o limpar o carro, escovar o cão e...

 

Contudo, ultimamente denotei um pormenor. Tenho o hábito, sempre que estou a passar a ferro, de ouvir música. Isso não é novo. No entanto, tenho-me deparado que existem músicas que confortam mais o meu cão que outras. Por exemplo, reparei que Mozart não é o estilo do canídeo (excepto o Requiem). Todavia, se ouvir Rachmaninoff ou até Tchaikovsky o senhor da casa fica mais sereno e até parece apreciar as composições. Mas não é só música clássica! Uma das paixões do príncipe, e também minha, é Diana Krall... Acredito que esta noite, entre ferro e limpezas, vou ser acompanhado pelas "Quiet Nights" - não é inédito, é um clássico de Bossa Nova de 1963 e com o título original de "Corcovado" - com a autoria do Mestre Jobim. Contudo, na voz desta senhora, tudo é tão... mágico... (sugiro a compra do CD a quem o possa fazer, pois o leque de composições merece bem a pena).

 

Uma sugestão para o fim de semana? Quem não for em romaria à praia pode sempre ir até ao Ribatejo - e este a dar-lhe com o Ribatejo - parece-me ser uma escolha óptima. Se acham que não, vejam as imagens e estas nem são nada distantes de Lisboa.

 

IMG_0342.JPG

 

Talvez tenha uma relação especial com este território, sobretudo com as suas gentes e com a proximidade que nos é trazida com a terra, com os animais, com o trabalho árduo mas apaixonado, com algum marialvismo e garra bem ribatejanos... é bom olhar a corrente do Tejo, o ar do Sorraia e ao longe apreciar o desfile de cabeças de gado ou então das cegonhas com o seu "tac tac tac tac"...

 IMG_0375.JPG

(ao fundo, uma Garça Real)

 

Numa semana onde a Humanidade perdeu mais um pouco daquilo que lhe dá nome, parece ser uma oportunidade para relaxar e aproveitar as "Quiet Nights" do Ribatejo, agradecendo o barulho das aves nocturnas ao invés do som da morte...

 

Bom fim de semana...

 

As "Quiet Nights"...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB