Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

 

 

IMG_20170706_083051.jpg

Fonte da Imagem: Própria

 

Amanhã andarei ausente, ou melhor, vou andar noutras paragens deste mundo que é a blogolândia...

 

Também não irei estar agarrado ao ferro! Contudo, nem só o ferro nos inspira, pelo que aponto para algumas sugestões a ter em conta para o fim de semana e para a semana!

 

Terminada a obra "Uma Fenda na Muralha" de Alves Redol,  pergunto: como é que com tanto filme já realizado, ainda não se fez um filme baseado nesta obra? O argumento está praticamente feito e a mestria de Redol é latente. Se este livro chega a Hollywood temos filme para óscares, bem melhor que o "Perfect Storm" de Wolfgang Petersen. Foi esse o motivo que me fez arrancar  para a "Barca dos Sete Lemes", também de Redol. Deixei a Nazaré com o arrais "Zé Diabo" de "Uma Fenda na Muralha" e rumei ao não menos árduo Ribatejo! Ao cabo de 100 páginas, posso dizer que não me arrependo minimamente, ou não fosse o neo-realismo uma das minhas correntes de eleição. O modo como Redol olha para estas gentes é de uma proximidade e carácter etnológico surpreendentes. Num discurso simples mas aritisticamente talhado faz-nos questionar e admirar uma realidade que não tem assim tantos anos e não é diferente de muitas que encontramos nos dias de hoje.

 

Para um passeio, porque não a Praia de Vale Figueiras, a Praia da Arrifana ou até a Praia da Amoreira? Sigam os artigos já publicados clicando nas mesmas.

 

Uma música para o fim de semana? Talvez inspirado pelo filme que vou sugerir, recomendo o albúm "La Sublime Porte - Voix d'Istambul" de Jordi Savall. A música otomana, arménia e judaíca conjugam-se em notas e ritmos que nos vão transportar para a época em que o Palácio de Topkapi (Istambul) era um dos mais movimentados e a sua corte uma das mais poderosas do mundo! É de facto uma obra fascinante e que nos faz crescer, aprender e sonhar! Perfeito seria ficar numa das varandas do palácio a contemplar o Bósforo e a ouvir estas sonoridades...

 

Finalmente, um filme! Cinema turco, "Babam ve Oglum / Meu Pai e Meu Filho": devo dizer-vos que é um filme que me encantou desde o início porque nos leva de Istambul para Izmir e traz-me saudades daqueles 30 dias em que fui turco. No entanto, o filme  de Çagan Irmak começa trágicamente com uma morte no parto e leva-nos à Turquia dos anos 70-80, e dos seus golpes militares. Do filho que regressa a casa do pai e que agora traz também consigo o seu próprio filho! A luta e o reencontro entre pai, filho e neto, bem como algumas pequenas passagens que nos dão algumas lições de vida na relação entre parentes tão próximos. É claríssimo ao longo do filme alma turca, sobretudo daqueles que vivem fora de Istambul, da aspereza (muitas vezes exterior apenas) dos homens e da sensibilidade, carinho e doçura das mulheres daquela região, as gargalhadas de Nuran são um dos melhores exemplos. Mais não conto, vejam por vocês próprios, o filme existe com legendas em inglês se procurarem por aí... Uma nota para a banda sonora que deu o prémio de revelação do ano 2006 nos "World Soundtrack Awards" a Evanthia Reboutsika.

 

Bom fim de semana ou Bom trabalho...

 

Uma nota do disco "La Sublime Porte - Voix d'Istambul"

 (Aguarda Resolução de Problemas por parte do Sapo)

O trailer em inglês de "Babam ve Oglum"

(Aguarda Resolução de Problemas por parte do Sapo) 

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_20170630_092216.jpg

Fonte da Imagem: Própria 

 

É sexta-feira e lá vou ter de regressar ao ferro. Levantar pesos e ser o rei do ginásio? Não! Ser mesmo o rei do ferro de engomar! Três calças, umas 6 camisas, duas t-shirts, duas toalhas de mesa, guardanapos e mais umas coisas. Lamento... Não passo roupa interior e por vezes nem lençóis! Há vida para além do ferro...

 

E, como sempre que passo a ferro, surgem-me sempre algumas ideias. Por exemplo, e sabendo vós que me considero mediterrânico por excelência (excepto no trabalho), vou ter a companhia de um dos meus guilty pleasures, nomeadamente música italiana (eu sei, não se pode ser perfeito)! Tenho um gosto especial por música italiana e espanhola... Decidi assim que, quem me vai acompanhar vai ser a napolitana e giríssima Simona Molinari! Destaco duas músicas, até porque uma delas tem outro dos meus artistas de eleição, o norte-americano Peter Cincotti. A primeira, "Dr Jekyll Mr Hyde" (2013), um dueto super animado e que convida à dança e a muitos sorrisos! A outra, "Egocentrica" (2019), vincadamente actual e com a voz de Molinari  em todo o seu esplendor. Esta senhora é um espanto!

 

Como vem aí o fim de semana, e como o Verão não é só praia, porque não uma leitura? Actualmente encontro-me a ler "Uma Fenda na Muralha" de Alves Redol. Ao fim de 179 páginas, posso dizer que me fez reencontrar o espírito da Nazaré e voltar a sentir uma paixão especial por aquele lugar! A Nazaré, do ponto de vista etnológico teve um grande significado para mim, sobretudo por influência do grande Professor Trindade e da forma espectacular (ou este não fosse nazareno) com que falava daquela sociedade matriarcal! Lançou, aliás, um livro “A Nazaré dos Pescadores – Identidade e Transformação de uma Comunidade Marítima”. Foi o Professor Trindade que me apresentou a obra de Jan Brogger, "Pescadores e pés-calçados", uma viagem a mundo real e duro daquela comunidade! Mas voltemos a Alves Redol que, nesta obra, nos transporta para a luta e vida dos "embarcadiços", do medo, do pânico e dos desafios em terra... O neo-realismo português no seu expoente máximo e de uma intensidade apaixonante, ou não fosse um filho de Vila Franca de Xira! A ler, sem dúvida... Até nos dá lições de liderança, que tanto se fala, mas tanto escasseia:

 

Mais do que os outros, menos no medo para fora, porque para dentro todos os homens são iguais. Quando digo «vamos à vante!» apetece-me dizer «vamos para terra» […] Ser arrais é bom, mas sem esta coisa danada de não poder chamar um camarada para junto de mim e dizer-lhe também o que sinto.

Alves Redol, in   "Uma Fenda na Muralha"

 

Bom fim de semana...

 

Ah! A Simona...

Simona Molinari e Peter Cincotti - Dr. Jekyll Mr. Hyde

 Simona Molinari - Egocentrica

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um Fim de Semana La Bohéme

por Robinson Kanes, em 28.04.17

IMG_3158.JPG

Fonte das Imagens: Própria

 

 

Não é bem a vida que faz falta - só aquilo que a  faz viver.

Vergílio Ferreira  in  "Para Sempre"

 

Já há algum tempo que não falo de sugestões para o fim de semana. Talvez por tédio, talvez porque outros temas se descobrem, talvez por... apatia.

 

Lembrei-me de recomendar uma ópera, uma das minhas grandes paixões, uma ópera verdadeira, simples e até contestada, sobretudo o seu compositor (Giacomo Puccini), por ter escolhido como personagens principais figuras do povo.

 

Sou seguidor confesso de Puccini e, La Bohéme é talvez uma daquelas óperas mágicas. Pode não agradar a muitos pseudo-intelectuais que a acusam de ser uma ópera de povo, uma ópera básica no seu argumento... talvez por ser uma Ópera verdadeira que fala do verdadeiro amor e da realidade como ela é... talvez, por isso, não seja do agrado dessa pseudo-elite.

 

Tive oportunidade, e a honra, de assistir a esta ópera ao vivo, em Praga, mais precisamente no Národiní Divadlo (Teatro Nacional). Mais honra tive de, ao sair, encontrar a neve a cobrir de branco aquela noite escura de Novembro e a most Legií. A neve é uma constante nesta peça... aliás, é ela que acompanha a chegada de Mimi e apadrinha também o seu desespero quando se sente perdida sem Rodolfo. É a queda de neve e o frio que lá foram embalam Mimi quando se despede de Rodolfo e dos seus amigos: Marcello, Colline, Schaunard e a bela Musetta. Devo dizer-vos que beijar apaixonadamente a minha miúda depois daquela ópera, ali mesmo em cima da ponte, naquela noite fria de Praga, é um momento que ainda não esqueci... sobretudo porque eu me encontrava vestido como um praticante de trail e ela como uma princesa, qual Turandot...

IMG_3694.jpg

Esta é uma ópera na Paris de 1830, dominada pela pobreza, pela fome e pelo frio... é uma ópera da vida como ela é, do amor real, de vidas perdidas e deambulantes nas grandes cidades, da pobreza, do quotidiano... sem magia, sem a beleza dos grandes palácios. Não encanta os pedantes, muito menos encanta quem almeja um dia ser uma elite. Mas acredito, que encanta todos os outros, desde os mais pobres às verdadeiras elites.

 

O amor e a simplicidade de Mimi, admito, comovem-me ao longo de toda a obra... e destaco Mirella Freni como a minha intérprete preferida neste papel. Confesso que uma das minhas grandes surpresas foi o papel de Musetta, brilhantemente interpretado em Praga por Marie Fajtová e com especial destaque para a interpretação de "Quando m'en vo". A forma como Mimi se apresenta com "Se mi chiamano Mimi" é algo de único... bem como Rodolfo com o seu "Che gelida manina" e "Oh soave fanciulla".

 

Deixo-vos a ópera completa, aliás, até é a versão em DVD que tenho em casa com a Mirella Freni e uma das minhas preferidas (existem outras mais recentes e com tradução, ou então podem ouvir apenas). Aos que estão sozinhos, deixem-se envolver e quem sabe a Mimi vos entre pela porta, ou o Rodolfo... aos que estão acompanhados, pois que se deixem contagiar pelo carisma de Rodolfo e pela pureza de Mimi, talvez porque como dizia Delhomme, "a eternidade do instante é a sua profundeza, não a sua extensão".

 

Bom fim de Semana

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Boa Páscoa e Esqueçam as Cruzes!

por Robinson Kanes, em 13.04.17

Untitled.png

Michelangelo Merisi da Caravaggio, A Deposição de Cristo (Museus do Vaticano)
Fonte da Imagem: Própria

 

Pois é, católicos e não católicos e... católicos não praticantes que é a mesma coisa que não católicos mas com o lado bom de ser católico quando dá jeito, especialmente nos feriados.

 

Vem aí a Páscoa e, embora não vá muito à Igreja, confesso que esta época vale sobretudo pelo facto de podermos reflectir e estar com a família ou com aqueles de quem gostamos. Também tendo a pensar no crucificado que nasceu há 2017 anos e nos insistem em dizer que morreu por nós. Se morreu por nós não deve ter servido de muito, até porque o que não falta são cruzes por ocupar e outras tantas que foram sendo ocupadas. 

 

Mas a Páscoa é sobretudo isso e, embora não esteja por terras portuguesas, devo dizer que pode ser um tempo para telefornarmos àquelas pessoas de quem gostamos ou que já nem telefonamos há séculos... eu sei que isso se faz no Natal, mas... porque não na Páscoa? Será porque nesta época não se dão presentes ou porque aquela mensagem não tem impacte:

 

 

 A família Martins deseja a todos os seus amigos uma santa e feliz Páscoa, pois estamos sempre a pensar em vocês, mas só conseguimos comunicar convosco quando aproveitamos a mensagem de felicidades da mãe do Carlos e direccionamos para todos os contactos. Que continuem a ter um bom ano, no Natal, como vossos amigos que somos voltaremos ao contacto.

 

Aproveitem a Páscoa como qualquer outra época, aproveitem-na e vivam-na intensamente. Não pensem tanto na cruz e pensem no modo como o crucificado se pôs a andar e ninguém deu por ele, aliás, até hoje não lhe encontraram o rasto... acredito que terá pensado, certamente, que tinha carregado a sua cruz e que cada qual agora que carregasse a sua - "já me tramasteis muito, mas a mim não me tramais mais".

 

Feliz Páscoa... e até segunda...

 

E a melhor banda sonora para a Páscoa não podia deixar de ser a obra-prima de J. S. Bach: "A Paixão Segundo S. Mateus", bem a propósito. Vale cada minuto das quase 3 horas de duração... mesmo para quem não gosta.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fim de Semana o Cão e o Ribatejo!

por Robinson Kanes, em 07.04.17

IMG_0422.JPG

Fonte das Imagens: Própria 

 

Com o fim de semana à porta, vem também a limpeza e o engomar. A isto, alia-se o limpar o carro, escovar o cão e...

 

Contudo, ultimamente denotei um pormenor. Tenho o hábito, sempre que estou a passar a ferro, de ouvir música. Isso não é novo. No entanto, tenho-me deparado que existem músicas que confortam mais o meu cão que outras. Por exemplo, reparei que Mozart não é o estilo do canídeo (excepto o Requiem). Todavia, se ouvir Rachmaninoff ou até Tchaikovsky o senhor da casa fica mais sereno e até parece apreciar as composições. Mas não é só música clássica! Uma das paixões do príncipe, e também minha, é Diana Krall... Acredito que esta noite, entre ferro e limpezas, vou ser acompanhado pelas "Quiet Nights" - não é inédito, é um clássico de Bossa Nova de 1963 e com o título original de "Corcovado" - com a autoria do Mestre Jobim. Contudo, na voz desta senhora, tudo é tão... mágico... (sugiro a compra do CD a quem o possa fazer, pois o leque de composições merece bem a pena).

 

Uma sugestão para o fim de semana? Quem não for em romaria à praia pode sempre ir até ao Ribatejo - e este a dar-lhe com o Ribatejo - parece-me ser uma escolha óptima. Se acham que não, vejam as imagens e estas nem são nada distantes de Lisboa.

 

IMG_0342.JPG

 

Talvez tenha uma relação especial com este território, sobretudo com as suas gentes e com a proximidade que nos é trazida com a terra, com os animais, com o trabalho árduo mas apaixonado, com algum marialvismo e garra bem ribatejanos... é bom olhar a corrente do Tejo, o ar do Sorraia e ao longe apreciar o desfile de cabeças de gado ou então das cegonhas com o seu "tac tac tac tac"...

 IMG_0375.JPG

(ao fundo, uma Garça Real)

 

Numa semana onde a Humanidade perdeu mais um pouco daquilo que lhe dá nome, parece ser uma oportunidade para relaxar e aproveitar as "Quiet Nights" do Ribatejo, agradecendo o barulho das aves nocturnas ao invés do som da morte...

 

Bom fim de semana...

 

As "Quiet Nights"...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um Fim de Semana Com o Felix!

por Robinson Kanes, em 31.03.17

Untitled.png

 

Almada Negreiros, Sem Título (Colecção Privada)
Fonte da Imagem: Própria

 

 

No momento em que escrevo este texto encontro-me numa turbulência (não é metáfora) daquelas em que até os “palradores” do costume se calaram. Mas senti que devia escrever, será que começo a sentir o peso da responsabilidade para com quem ainda perde algum tempo a ler-me?

 

Como é sexta-feira, (ou vai ser porque estou a escrever isto numa quinta-feira) é o dia em que falo de algumas coisas que me agradam, que me deixam contente e de bem com a vida - para trás Satanás, hoje nada me farás pois o Senhor é o meu Pastor!

 

Esta quinta-feira, pela manhã, que afinal é sexta-feira, dei comigo a percorrer a ponte Vasco da Gama e a usufruir de uma sonoridade que, quem fosse ao meu lado, julgaria que na minha humilde viatura se ouvia AC/DC ou Rolling Stones, mas não... estava a “curtir uma bela de uma malha” de Mendelssohn, mais propriamente “Die Hebriden” também conhecida como "Fingal's Cave". Se acrescentar Opus 26 acham que soará muito a pedante da Antena 2?

 

Surgiu por acaso... num CD de clássicos que tenho no carro. E não é que soube mesmo bem atravessar o Tejo qual falua em busca de amêijoa ilegal! O Pastor Alemão que ia atrás adorou, aliás, contemplou o Tejo, como é seu hábito, naquele ar nobre e distinto que tal figura arrogante teima em não perder. Não lhe conhecia a faceta de Mendelssohn, devo confessar... talvez seja por partilharem a nacionalidade.

 

O poema sinfónico, embora dedicado ao Principe da Prússia e apresentado em Londres durante o ano de 1832, não é mais que uma abertura de homenagem à Gruta de Fingal, em Staffa, uma das ilhas Hébridas Interiores na costa da Escócia. 

 

Uma leitura para o fim de semana? O “Inverno do Nosso Descontentamento” de Steinbeck, bastante actual quando muita gente parece nem sequer questionar os valores que regem a vida em sociedade, em família e até do ponto de vista do indivíduo... onde vale tudo por um salário, pelo pagamento de um empréstimo ou simplesmente por um show off bacoco. Ler este livro é viver muito do que se encontra no nosso quotidiano.

 

 

Na pobreza é invejosa. Na riqueza pode ser arrogante. O Dinheiro não altera a doença, apenas os sintomas. John Steinbeck, in "O Inverno do Nosso Descontentamento".

 

Bom fim de semana e vão ver o Almada Negreiros à Gulbenkian!

 

Ah! O Felix, e logo com a London Symphony e o Mestre Sir John Eliot Gardiner:

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fim de Semana de um Estranho no Paraíso...

por Robinson Kanes, em 24.03.17

IMG_0370.JPG

 Fonte das Imagens: Própria

 

Tinha vontade de falar de Londres, sobretudo porque tinha “pessoas” no Parlamento, mas... será que vale mesmo a pena? Não. Até porque hoje já todos regressaram aos trabalhos e só o “sensacionalismo” de uns ainda está focado na temática. E além disso, a história, neste caso, é de quem a vive... falem da Síria, de África, da Ásia, ou até de certas coisas que envergonhariam o próprio Satanás. Estou religioso, de facto...

 

Mas é fim de semana e já não falava aqui um pouco das limpezas e do estar agarrado ao ferro e à tábua. Também vai ter de ser...

 

Entretanto descobri que perder em média 45 a 60 minutos a preparar uma carta de apresentação bem bonita e um CV adequado à posição não traz resultados. Diz-me o marketing que pelo menos em cada 10, um cai! E em cada 500 ou 1000 não cair nenhum? Talvez porque o produto nem seja visto ou o “marketeer” é mau. Todavia, no que toca a este aspecto quero continuar firme como o Ethan Hawley de Steinbeck.

 

Para o fim de semana sugiro que vejam um filme bem adequado à semana que passou e aos tempos actuais... não, não é o Exterminador Implacável (embora pudesse ser, se nos lembrarmos da inteligência artificial). É o “Homem Elefante” de David Lynch, revi esta semana... se há um filme brilhante deste realizador é este! Uma história de dignidade humana que não deixa ninguém indiferente... à diferença. Além do excelente realizador (nem sempre...) ajoelhem-se perante Anthony Hopkins, John Gielgud, John Hurt e Anne Bancroft! O filme é de 1980 mas a preto e branco para dar mais enfâse ao cenário Vitoriano e à história. Deveria ser uma visualização obrigatória...

 

Se me é permitido, uma música... uma música que traz Borodin para o palco, pois a melodia é do mesmo, foi herdada deste compositor para posteriormente ser interpretada no musical “Kismet”. Confesso-vos que cantada pelo Tony (não é o Carreira) consegue projectar um halo de sensações múltiplas, sobretudo para aqueles que se sentem... estranhos no paraíso (talvez como John Merrick, o Homem Elefante, quiçá...). Tony Bennett pode ser música de velho, mas é dos meus preferidos, além disso foi o único que conseguiu fazer a Lady Gaga cantar alguma coisa com nexo e aproveitar a boa voz que a mesma tem.

 

 

E hoje há jackpot! E uma “passeata”? Vamos ao Ribatejo? Os “piquininos” já nasceram...

 

IMG_0372.JPG

 

Bom fim de semana...

 

O Homem Elefante (trailer... um trailer dos bons...)

 

Tony Bennett - "Stranger in Paradise" 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Mundo Envia-nos Lixo e Nós Damos-lhe Música!

por Robinson Kanes, em 15.03.17

Untitled.png

Fonte das Imagens: Orquesta de Reciclados de Cateura

 

No seguimento de um artigo muito interessante que tive oportunidade de ler (http://quimeraseutopias.blogs.sapo.pt/do-lixo-para-a-boca-38578) e que me chocou profundamente, aproveito esta minha exposição, não só para divulgar o mesmo – posto que a comunicação social em Portugal prefere virar o foco para o futebol e para o fútil – mas também para abordar uma iniciativa que é um verdadeiro exemplo de como se pode sair do lixo... ainda tive esperança de ver aquele artigo em destaque...

 

Cateura, no Paraguai, é a maior lixeira daquele país, aliás, é considerada uma zona inabitável face à degradação que aí se encontra e ao elevadíssimo risco de cheia. Inabitável... mas local de residência para 2500 famílias!

 

0c2f2c_e5e7546a109849b6bc0b23b206f01add.jpgFoi entre esta degradação que um indivíduo encontrou uma forma de criar valor acrescentado... valor acrescentado numa lixeira. Começou por fazer instrumentos com o próprio lixo e o resultado foi que um grupo de crianças completamente esquecidas pela sociedade se transformaram em artistas e deram origem à “Landfil Harmonic” ou, menos sonante mas mais genuíno, a “Orquesta de Reciclados de Cateura”.

 

O lema da orquestra é algo extraordinário e ao mesmo tempo provocador: “O Mundo envia-nos lixo e nós damos-lhe música”. Num só projecto temos uma lição ambiental, uma lição educacional e uma lição social. Do atelier, porque existe um atelier, saem todos os instrumentos feitos à base de... lixo... são esses instrumentos que vão acompanhando um grupo de crianças na sua educação e viagens pelo mundo, crianças perdidas e entregues a uma sorte que... de sorte tem pouco.

 

Lembro-me de ter partilhado esta temática com muita gente (sobretudo da área social e ambiental em Portugal) que, simplesmente, olhou para mim com um desprezo tal que me fez pensar onde estaria a lixeira... se em Cateura, se numa mentalidade triste e tacanha que habita na cabeça de muitos portugueses que se orgulham de ter dado mundos ao Mundo, mas cuja cabeça e visão não vai além do seu pequeno quintal.

0c2f2c_00516ebe0d624abfa5b24f45fd2fe22c.jpg

 

Todo este projecto começou sem apoios do Estado, afinal falamos de pobreza em Portugal, mas não sabemos realmente o que é ser pobre. Hoje, além de vários prémios (inclusive para um documentário) e apoios de vários mecenas esta orquestra é um verdadeiro sucesso. Mas há países onde alguns indivíduos, que se dizem homens e mulheres de terreno, ou os apóstolos da felicidade, cujo suícidio é iminente se ficam sem o relógio de marca, se riem e exclamam: “instrumentos de lixo, que estupidez!”.

 

Talvez a música que nos chegue desta orquestra possa inspirar muitos que andam por aí, numa lixeira diária... e se esquecem que... mesmo com talas nos olhos, cavalos e burros caminham em frente... talvez a inspiração possa vir do texto de Agustina em “Fanny Owen” porque muito provavelmente “ as grandes obras nascem assim: dum sujo porto, entre fezes e urina”.

 

Um pequeno vídeo, resumo da "Orquesta de Reciclados de Cateura"

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Chopin e as Limpezas...

por Robinson Kanes, em 28.01.17

Untitled.png

Eugène Delacroix, Retrato de Frédéric Chopin/Fryderyk Chopin (Museu do Louvre)

 

Hoje é Sábado... pensei em não vir escrever mas quando cheguei ontem a casa deu-me uma tremenda vontade de limpar o pó e aspirar. É daquelas coisas às quais não se resiste, é algo tão... bom!

 

Mangas arregaçadas e uma ida ao móvel para encontrar a banda sonora! E agora que me caiam os pseudo-melómanos, os intelectuais vanguardistas e todos os outros que me queiram achincalhar numa qualquer calçada deste país... escolhi Chopin, nomeadamente os concertos para Piano nº1 e nº2... maldito povo que fazes uso de Chopin para limpar o pó, mas... a música afinal não é democrática?

 

Sim, Chopin pode ser uma fantástica escolha para acompanhar a limpeza do pó da casa! Mas no meio de toda aquele momento cavalheiresco de faxina algo me fez sentar no sofá e ficar a ouvir... o Concerto nº2.

 

Nisto, dou comigo a “levitar” e deu-me uma enorme vontade de perceber a origem do mesmo. Fui descobrir que o Concerto nº2 era afinal o Concerto nº1! Sim, na verdade, este concerto foi composto primeiro que o Concerto nº1 de Chopin aos 20 anos, mais precisamente em 1830! Foi neste ano que, perante a opressão russa do Czar Nicolau I, Chopin foi obrigado a deixar Varsóvia (a 10 km da sua terra natal Zelazowa Wola) e a ir para Viena, seguindo-se Paris. Aliás, foi uma espécie de desorganização de Chopin, nas viagens entre Varsóvia, Viena e Paris que, levou à “confusão” na atribuição dos números aos concertos.

 

Se, por um lado, pelos pseudo-especialistas, os concertos para piano de Chopin não são considerados a sua obra-prima, por outro devo dizer que o contexto em que, desta vez, escutei tamanha obra me criou uma identificação particular com a sonoridade e acima de tudo com a história que rodeou a mesma...

 

Após a partida de Varsóvia, Chopin disse: “Maldito seja o momento da minha partida” e, enquanto os seus eram esmagados disse também, já em 1831 “Oh meu Deus, vocês estão aí e, mesmo assim, não se vingam”...

 

Bem a propósito... e pronto, perdoem-me este momento à Antena 2, mas no "bairro" também se pode gostar do que é bom...

 

Fonte da Imagem: Própria. 

Deixo o Concerto para quem não tiver mais nada que fazer este fim de semana...  a conduzir a orquestra o grande André Previn e o ainda maior (ao piano) Arthur Rubinstein, com 87 anos e quase cego... nada mau.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Jorge Miguel" e Eu.

por Robinson Kanes, em 26.12.16

 

IMG_4919.JPG

 

Acabei de receber um telefonema e, do outro lado, perguntam:

 

-Sabes quem morreu?

-O Mário Soares? – Perguntei eu.

Do outro lado, a resposta crua e dura:

-Não! O George Michael!

 

Confesso que não procurei notícias, para mim basta-me a notícia da morte e... não fosse ter escrito recentemente um texto sobre Bowie, provavelmente não estaria a escrever este... confesso que abomino os escritos imediatos que surgem após a morte de alguém... desconfio, muito seriamente, que existem pessoas que já têm textos escritos para a morte deste e daquele indivíduo e contam ansiosamente o tempo para os publicar, tal como os "humoristas". Por vezes, ainda o indivíduo está a “fechar os olhos” e já estão a sair artigos e opiniões...

 

Hoje, e durante os próximos dias, George Michael vai ter mais fãs do que alguma vez teve, chega a hora de todos, especialmente as pseudo-celebridades, dizerem que adoravam o senhor.

 

Conheci o “Jorge Miguel” tarde... a minha irmã era altamente viciada no senhor, sobretudo durante os anos 80. Mas... durante os anos 80, era eu um miúdo sem qualquer sensibilidade para essas coisas, aliás, não poderia mesmo e a Rua Sésamo era o meu passatempo (graças a Deus que em Portugal não existiam Telteubbies).

 

Foi, efectivamente, em meados dos anos 90, que ouvindo os discos dos Wham (todos temos as nossas pedras no sapato e... quem nunca fez figuras tristes a dançar o “Wake Me Up Before You Gogo” que atire a primeira pedra”) lá fui entrando no universo deste senhor.

 

O apogeu deu-se quando ouvi “Jesus to a Child” e especialmente o “You Have Been Loved”. Numa época de miúdo armado em galã, ouvir esta última e passear pela escola de “peito feito” com a mais desejada da turma... a mistura não poderia ter sido melhor. 

 

Songs From The Last Century” e, mais recentemente, “Symphonica” fizeram-me apreciar, não só as músicas deste senhor, mas a voz (lembram-se que foi o único músico que, após a morte de Freddy Mercury, reuniu consenso entre os fãs de Queen, para o substituir?). Ainda hoje, sinto que vou pegar no último e deixar que ecoe pela sala... afinal, estas coisas têm de ser recordadas com alegria.

 

 

People

You can never change the way they feel

Better let them do just what they will

For they will

If you let them

Steal your heart from you

People

Will always make a lover feel a fool

But you knew I loved you

We could have shown them all

We should have seen love through

(Kissing a Fool do álbum “Faith”)

 

Num mundo, onde as referências, sobretudo na música, vão sendo menos, estas perdas fazem-nos pensar... não na morte dos mesmos em si, afinal a morte faz parte da vida, mas em como vão sendo cada vez menos os bons artistas e como o futuro não é propriamente recheado de qualidade no que a esta temática concerne. 

 

O Jorge Miguel vai continuando por aqui... bem vivo, em cada música, em cada disco e cd que vai girar vezes sem fim, fazendo companhia a outros grandes mestres.

 

Fonte da Imagem: Própria.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



subscrever feeds




Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB