Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


O Calvário da União!

por Robinson Kanes, em 28.03.17

Untitled1.png

 

 Jacopo Bassano, O Caminho Para o Calvário (The National Gallery)

Fonte da Imagem: Própria

 

Existe algo que sempre me inquietou no seio da União Europeia e que são, nada mais nada menos, que os partidos antieuropeístas!

 

Sun Tzu, no capítulo sobre os Pontos Fortes e os Pontos Fracos dizia: “não repitas tácticas que deram uma vitória, deixa antes que os teus métodos sejam ditados pela infinita variedade das circunstâncias”. Quero acreditar que é por isto que partidos com assento no Parlamento Europeu gritam pelo fim da União Europeia mas de lá não arredam pé.

 

Tenho muitas criticas à União Europeia, sobretudo em alguns moldes que a sustentam bem como pela falta de liderança e competência que tende a apresentar nos seus líderes. Contudo, a Europa, ou melhor... a União Europeia continua a ser dos locais mais aprazíveis da terra para se viver e essa é uma realidade inegável!

 

Se podemos e devemos mudar a União Europeia? Sim, façamo-lo e rápido, mas sabotar esta instituição levando a mesma à sua extinção é no mínimo caricato... e sou dos primeiros a admitir uma profunda crise nesta instituição.

 

Poder-me-ão explicar que ter assento parlamentar na União Europeia é uma forma de defender valores deste ou daquele movimento mas... e tomemos um exemplo simples, fará sentido que eu me encontre a trabalhar numa organização que me paga o salário e me dá benefícios singulares e depois venha manifestar-me contra o fim desta, porque simplesmente tem de acabar?

 

Uma das maiores lições da União Europeia e que prova a superioridade desta sobre extremismos de esquerda e de direita é a forma como aceita estes mesmos extremismos no seu seio, mesmo sabendo que tais extremismos podem ser o seu fim. São estes extremismos que criticam a Presidência de Trump, mas procuram, diariamente, acabar com esta instituição. São estes extremismos que alertam para um renascer do fascismo mas praticam o comunismo elevado ao expoente máximo do totalitarismo e vice-versa.

 

O actual bode expiatório é a moeda única e ao invés de se articularem políticas monetárias que levem a uma saída da crise o objectivo é a destruição e, mais uma vez, cito Sun Tzu: "por isso, na guerra, deve evitar-se o que é forte e atacar o que é fraco”.

 

Talvez o fim último destes movimentos não seja a paz interna nem externa mas sim o caos e o alimento de uma elite que procura o seu espaço para governar a seu bel-prazer, contudo sem uma solidez que dê garantias de sucesso e estabilidade, já dizia Sun Tzu, agora no capítulo dedicado ao estabelecimento de planos: “toda a guerra é baseada no engano”. Estes espectáculos distratores são um sublinhar das palavras do sábio.

 

No caso português, continuamos a deixar passar situações gravíssimas e também a beneficiar das mesmas, quer do ponto de vista da justiça, quer do ponto de vista social, democrático e legal, mas como sempre... a culpa está lá fora, em Bruxelas. Está lá fora em Bruxelas, porque continua a enviar dinheiro a rodos, mas agora quer algo em troca e isso é algo para o qual ainda não estamos talhados... “Mas um reino que foi destruído nunca pode renascer, nem podem os mortos ser ressuscitados”, também o disse Sun Tzu no capítulo dedicado ao ataque com fogo.

 

E nós, continuaremos a permitir a destruição do reino só porque continuamos adstritos a uma sede de poder e de dinheiro? E estaremos preparados para viver com as dificuldades inerentes a uma saída do Euro e até da União Europeia? Mais do que nunca, os discursos libertadores e "amigos" do povo são dotados de uma falta de competência dos seus arautos e colocam-nos alerta para aquela igualdade, e agoro recorro a Orwell, em que todos são iguais, mas uns serão mais que os outros...

Autoria e outros dados (tags, etc)


54 comentários

Imagem de perfil

De Chic'Ana a 28.03.2017 às 11:43

Sincreamente acho que se deveria proteger aquilo que tantos anos se demorou a edificar, mas infelizmente, destrói-se num ápice...
Beijinhos
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 11:58

Tendemos a não aprender com a História… a fragilidade nesse conhecimento, a delegação de todos os aspectos da cidadania em grupos organizados de interesses partidários com os quais o povo não se identifica e algum egoísmo levam a este "status quo".

Espero que os cidadãos consigam alcançar estas situações, todavia continua-se a perder muito tempo com futilidades e, em tempos de crise, é preciso parar para pensar, para reflectir… antes que seja tarde demais.
Imagem de perfil

De Chic'Ana a 28.03.2017 às 12:00

Infelizmente o tempo para parar e pensar é cada vez mais escasso, vivemos quase como um rebanho bem organizado em que cada um vai encarreirado e não foge da fila, quer para novas ações ou pensamentos..
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 12:09

Agora deixo uma provocação: mas não somos todos tão para a frente? Não somos tão egocêntricos e esclarecidos, os melhores da "nossa aldeia"? Como é que podemos andar tão distraídos… :-)
Imagem de perfil

De Chic'Ana a 28.03.2017 às 12:16

Devería ser assim, deveria.. mas não é!
Imagem de perfil

De Cecília a 28.03.2017 às 11:51

isto deve ser da gravidez esta dispersão de pensamento é que mal cheguei a " ... gritam pelo fim da União Europeia mas de lá não arredam pé." já não li bem o resto porque só ouvia o " money" dos pink floyd

Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 12:01

ahahaha, boa!
Eu acrescentaria o Purcell com o seu "When I Am Laid in Earth".
Imagem de perfil

De Cecília a 28.03.2017 às 12:07

recuso-me a " atirar" purcell para tal arena!
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 12:11

Atire, o senhor era inglês e além disso um barroco dos "sete costados"...
Imagem de perfil

De Cecília a 28.03.2017 às 12:12

mas é que eu gosto muito do período barroco.

e não atiro barrocos a bacocos

Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 12:14

Olhe que há quem diga que o barroco foi um período bacoco :-)
Imagem de perfil

De Cecília a 28.03.2017 às 12:15

de inteligente e bacoco, todos temos um pouco
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 16:25

E de barroco...
Imagem de perfil

De Marta Elle a 28.03.2017 às 12:08

Espero que não desfaçam a União Europeia. Não estou a ver o que é que os países ganham com isso, mesmo os mais ricos.
Tenho ideia que muitos turistas pensam duas vezes se tiverem que voltar a cambiar o dinheiro.
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 12:11

Se o problema fosse somente os câmbios dos turistas, não poderíamos estar mal…

Infelizmente, é mais que isso...
Imagem de perfil

De Marta Elle a 28.03.2017 às 16:18

Sim, claro, mas o cidadão comum nota mais o óbvio.
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 16:27

Sim, de facto… mas sem o estrutural, o óbvio nem existe :-)
Imagem de perfil

De m-M a 28.03.2017 às 12:38

Sim!
Atualizá-la.
Moderniza-la!
É mandatário para que se mantenha viva, relevante e aspirável!

Beijinho,
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 16:25

Nem mais!
Beijinho
Sem imagem de perfil

De luis costa a 28.03.2017 às 13:59

Mais uma discussão que faz falta os lideres da politica mas não só são muito muito fracos é precisa gente melhor.
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 16:26

E anda aí tão boa gente esquecida...
Imagem de perfil

De a mãe dos PP's a 28.03.2017 às 14:31

Outros tempos... nada seguros, nada firmes...
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 16:26

Estranho paradoxo, pois nunca esteve o mundo tão evoluído como hoje...
Imagem de perfil

De fashion a 28.03.2017 às 15:41

Esperemos que as coisas sejam feitas, sempre, com refexão e ponderação. Excelente texto,como sempre. beijinhos
Imagem de perfil

De Rita a 28.03.2017 às 16:51

Infelizmente é sempre mais fácil mandar abaixo, destruir ou criticar que reformar, construir, consertar... :/
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 17:18

Existem outros interesses… o cair da UE pode ser a oportunidade para grandes extremismos.
Imagem de perfil

De Rita a 28.03.2017 às 17:51

Pois, o que é assustador só de pensar.
Imagem de perfil

De HD a 28.03.2017 às 18:44

Todos querem reformas, mas ninguém sabe bem como fazê-las ;p
Será mais fácil... deixá-la ruir?
Penso que não. Mais fácil é continuar a criticar :D
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 20:26

Todos querem reformas mas ninguém quer assumir a liderança, a ideia e o compromisso. Diz antes assim… :-)
Imagem de perfil

De HD a 28.03.2017 às 20:51

Tenho de concordar. Fizeste o alinhamento ideal ;p
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 20:53

Agora fiquei honrado, depois do "raspanete" de ontem! Grato Sir!
Imagem de perfil

De HD a 28.03.2017 às 20:59

Não foi admoestação, foi um pedinchando de acessibilidade cultural ahahahahha
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 21:00

ahahahahahahahah

Levei logo uma esfrega do meu CEO ahahahahaha
Imagem de perfil

De HD a 28.03.2017 às 21:02

Ahahahahah :D
CEO later sir ;p
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 21:04

Já fiz uma revisão dos "standards" não voltará a suceder. :-)
Imagem de perfil

De HD a 28.03.2017 às 21:08

Quanto a isso, iremos ver ;p
Imagem de perfil

De Rita PN a 28.03.2017 às 20:53

Maior coincidência seria impossível...
Como ambos já verificámos, o meu post de hoje resume parte do teu.

Já li e reli o texto algumas vezes e continuo sem saber muito bem por onde começar. Talvez me limite a mais uma frase de Sun Tzu:
"A estratégia sem tática é o caminho mais lento para a vitória. Tática sem estratégia é o ruído antes da derrota."

Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 28.03.2017 às 20:55

E o Sun Tzu que já está tão lá para trás, mas continua a ser tão necessário… para o bem e para o mal.
Imagem de perfil

De Rita PN a 28.03.2017 às 22:05

Bem verdade! As velhas maximas, embora apelidadas de velhas, permanecem quase sempre atuais pela universalidade que encerram. Por outro lado, tudo na vida é cíclico. O que ontem foi verdade, depois de amanhã poderá vir novamente a ser. Os conflitos, a desintegração, a união, as crises, as catástrofes naturais e humanas... Tudo tem o seu ciclo de vida.
(Só a estupidez humana parece ser uma constante.)

O que está a acontecer presentemente na Europa, não é fruto de ontem. Tão pouco de hoje. Deriva de um ciclo prestes a fechar-se e que urge em ser renovado.
(Também as maçãs podres caem das árvores, abrindo espaço para que novas possam nascer).

É um tema demasiado complexo é preocupante. As consequências de uma eventual desintegração da União Europeia não são de todo benéficas para a maioria dos países. Em alguns casos diria mesmo arrasadoras.
E será que queremos mesmo isso?
Será mais fácil uma ruptura radical do que a cedência e abertura ao entendimento e cooperação?


A propósito de ciclos:




Ciclicamente
Nem tudo o que foi deixou, efetivamente de ser.
A noite que nasceu e morreu, retornou.
A hora ida depressa voltou.
O mundo girou, no mesmo sentido
Da rotatividade dos dias do calendário
De quem não vive em linha reta,
Paralela
À sua real existência.

Redondamente enganado
Exilidado
No viver mundano e redondo
De um ciclo já viciado
Vê ciclicamente
Alterarem-se as estações,
Quatro quartos de emoções,
Por ele experimentados
Esperança, suor, decadência e lágrimas
Retornados.

Assim se nasce
Assim se vive
Assim se envelhece
E assim se morre
Ciclicamente em vida.

Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 29.03.2017 às 12:09

Talvez por isso, o passado (em alguns aspectos) não tem de ser coisa do… passado. O passado ensina-nos, a fazer melhor, a não repetir os mesmos erros, a aperfeiçoar, a ser melhor…

Sim, estas questões são cíclicas. O que está a acontecer, eu considero que seja novo, pois a Europa nunca esteve tão unida como hoje, praticamente como uma federação com tantos actores. O problema reside nos problemas que enfrenta e esses não são novos e estão estudados há séculos…

Quando nada há a fazer, fazer ruir e começar de novo pode ser a melhor solução, é mesmo a melhor em muitos casos… mas há tanto para fazer e depois? Temos o exemplo de Farage no Reino Unido… alimentou uma polémica, conseguiu moldar a cabeça dos eleitores e na hora de actuar, quando era mais preciso… demitiu-se. Hoje, no Reino Unido corre uma notícia que esse mesmo indivíduo no seu "show" (sim porque hoje tudo é show até colocar as mãos na massa) dá conta de que se o Brexit não for sucedido ou enfrentar dificuldades, emigra… ou seja deixa o Reino Unido… é isto que queremos?
Imagem de perfil

De Rita PN a 29.03.2017 às 13:31

"O que está a acontecer, eu considero que seja novo, pois a Europa nunca esteve tão unida como hoje, praticamente como uma federação com tantos actores." - Bom, isto é uma espada de dois gumes. Se por um lado é verdade que a união foi sendo consolidada ao longo dos tempos, o facto de o número de autores ter vindo a aumentar pode não ser tão positivo assim. Quantas mais cabeças, mais ideias. Ideias essas que nem sempre seguem a mesma corrente. E quando uma diverge, inevitavelmente, há sempre quem a siga, porque com ela concorda, apesar de nunca se ter manifestado antes. E o rio, que era único, bifurca. Adiante, bifurca novamente, porque assim lhe foi permitido. Porque as margens não são tão incontestáveis assim, não são imotáveis, não são vitalícias e sofrem transformações ao longo dos tempos. E quando começas a verificar que dentro de uma união, se estão a criar grupos distintos, a coisa não vai correr bem. Não vão remar todos para o mesmo lado, porque foram abertos outros canais.

(quem diria que eu vinha discutir politiquices publicamente... nem me sabia tão visionária de certas questões ahahaha)

Adiante...
As medidas, culturas, deologias, crenças, políticas, formas de estar e de governar são parte integrante do ADN de cada país. Por mais que se tente uniformizar a coisa, sabemos de antemão que é utópico. Até porque, e aqui temos outra ponta da mesma espada, o apelo e o trabalho feito no sentido dessa mesma união é, por vezes, forçado. E quando se vai contra o que está enraizado na sociedade e nas políticas partidárias de um dado país, para se tentar impor visões, ideias e medidas que vigoram e são defendidas por outros países, a revolução tem início. Mais pacifica ou mais exaltada, mas ela existe sempre.
Agora vejamos, temos os países Gurus da Europa e temos os seus subordinados, que perante acusações, declarações, medidas contraditórias e por vezes discriminatórias não se calam. E aqui das duas uma, ou perdem os mais fracos, ou os mais fortes batem com a porta e os pequenos que se governem.
É claro que todos os resgates financeiros que têm sido feitos a Portugal, Espanha e Grécia, para não ir mais adiante, não são do agrado dos demais. São culpa da má gestão política e financeira de cada país. Ora, também não vamos andar constantemente a reboque dos outros, certo? Qualquer coisa de muito urgente tem que ser feita. Se não temos o mesmo poder económico para estar ao nível dos maiores, também não nos afundemos, gastando aquilo que não temos, apenas por fogo de vista, ou desviando para belo proveito. (E não vamos falar de corrupção outra vez. Porque as notícias vindas público ultimamente são motivo para vergonha alheia e para desacritação nacional. Como não ter os pais da Europa piursos com os seus filhos?)

Enfim... isto dá aqui pano para... mortalhas?
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 29.03.2017 às 16:54

Um dos erros da União foi ter pensado que a Europa poderia ser os Estados Unidos da América (EUA). Esse foi um erro e, em alguns sectores, continua a sê-lo. Mesmo nos EUA não é fácil gerir essa situação e a única vez em que um Estado quis a independência ocorreu uma Guerra Civil.

A diversidade é boa, depende é como se pode gerir. Não é fácil sentar à mesma mesa dois países ou mais que há 10 anos, por exemplo, estiveram em guerra. Não, mas aí está o segredo de uma boa política, de uma boa gestão. As políticas têm de ser analisadas tendo em conta o todo mas também observado algumas especificidades económicas, culturais, políticas e por aí adiante. É também preciso que exista uma liderança e confiança fortes, o que não tem vindo a acontecer. E não, se no mesmo navio, apesar das nossas diferenças, não estivermos todos na mesma sintonia, as coisas não acabam bem. Grupos de pressão nunca poderemos evitar, essa é a questão, portanto o segredo está na gestão. Se é preciso fazer uma assimilação de países mais lenta? Talvez.

No caso dos países do sul, não entendo porque não existe uma maior união, por exemplo. Portugal está longe de Espanha (e já nem falo dos outros países). Sempre que estou em Espanha perguntam-nos porque somos tão fechados… eu digo a brincar que ainda temos traumas por resolver…

Agora se me falares em políticas que estão a ser seguidas por países como a Polónia e a Hungria que chocam com os valores e políticas da União, aí sim, serão necessárias medidas. E já não vamos falar dos ventos que se levantam sempre que se fala de uma potencial adesão da Turquia.

Rever o modelo é fundamental, caso contrário, temos de pensar a União Europeia de outra forma e isso que deve ser equacionado… até porque muitas políticas comuns têm resultados bastante abaixo do esperado, por exemplo as políticas de emprego e livre-circulação.

Estás lá! Ainda te vou ver num palanque a gritar por uma mudança! :-)

Imagem de perfil

De Rita PN a 29.03.2017 às 18:03

Li há pouco uma observação exatamente nesse sentido, onde se dizia que havia quem tivesse interesse em que se formasse algo como os Estados Unidos da Europa.

"A diversidade é boa, depende é como se pode gerir." Verdade. Mas... diversidade a mais pode dar aso a subnúcleos demasiado heterógeneos.
Bem ou mal comparado, imagina uma empresa com muita gente a trabalhar, onde existem departamentos distintos, mas dentro desses departamentos continuas a ter muita gente a fazer o mesmo trabalho. O que é que acontece? Uma maior propensão a erros e falhas. Por outro lado, se dentro desses departamentos houver organização as coisas funcionam bem melhor, no entanto, se continuarem a existir funcionários a mais, a dispersão e o conflito de ideias será inevitável. Isto para dizer que quantas mais pessoas, mais difícil é seguir uma linhagem homogénea. Então, o segredo para um bom funcionamento dessa empresa será ter somente o número de pessoas necessário a cada departamento, sendo que apenas serão atribuídas a cada uma delas funções singulares, supervisionadas por um responsável. Responsável esse que terá uma palavra a dizer sobre todas elas e deverá promover o espírito de equipa e o debate de ideias de x em x dias sem, no entanto, permitir que as ideias de uns possam colidir e interferir com o trabalho dos demais.
(não sei se consegui passar a ideia de forma transparente através desta comparação).

E aqui vamos de encontro à tua interrogação "Grupos de pressão nunca poderemos evitar, essa é a questão, portanto o segredo está na gestão. Se é preciso fazer uma assimilação de países mais lenta? Talvez."

Gostei do somos fechado porque "temos traumas por resolver". Excelente metáfora essa!

Só se levantam ventos relativamente à Turquia porque existe um choque de culturas, ideias, políticas, etc, etc, etc. Portanto, voltamos à mesma questão. Até que ponto devem os países subjugar-se à vontade dos Gurus. Até que ponto se deverá forçar a uniformização. Uma coisa são sinergias outra coisa são imposições. (Digo eu que não percebo nada disto).

"Rever o modelo é fundamental, caso contrário, temos de pensar a União Europeia de outra forma e isso que deve ser equacionado… até porque muitas políticas comuns têm resultados bastante abaixo do esperado, por exemplo as políticas de emprego e livre-circulação." - Aqui disseste tu muito... se até as políticas comuns têm resultados muito a baixo do esperado, então alguma coisa está efetivamente a falhar.

ahahahahah te garanto que não. Eu nem gosto de expressar pontos de vista a roçar a política publicamente. Na verdade, o que percebo eu disso? Pouco ou nada. Limito-me a olhar com os meus olhos e a aprender com o que os olhar dos outros me ensina.




Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 31.03.2017 às 16:10

Concordo, por isso se fala tanto em diversidade, mas é tão complicado encontrar quem saiba gerir a diversidade…

Se tens muita gente a fazer o mesmo trabalho, depende… ou existe gente a mais, ou então, mais uma vez, é uma falha de gestão. Todavia, o erro é uma constante, seja com muitas ou com poucas pessoas.

Eu aqui não colocaria tanto o foco nas pessoas, mas sim nas culturas, aproximando-me do caso europeu. Existem, por exemplo na União, culturas que viveram séculos de costas voltadas e com diferentes formas de encararem, entre outras coisas, a política e a economia. Foi, e continua a ser, um dos objectivos da União Europeia garantir essa uniformização ou pelo menos aproximação, mas não é fácil… é preciso, no entanto, tentar. Eu percebi a tua ideia, embora confesse que aqui estou preso a uma questão mais política, económica e cultural, diferente de um contexto "corporate". Isso seria interessante do ponto de vista dos organismos e da própria estrutura burocrática da União.

Não acredito que seja uma questão de "gurus", ou talvez não entenda as tuas palavras… acho que é mais uma questão dos mais "fortes" face aos mais "fracos". Os interesses são diferentes e a forma de agir também. No caso português, por exemplo, não podemos almejar (ou não queremos) acompanhar o ritmo de empreendedorismo da Alemanha e isso é logo o início de um conflito. As palavras do holandês Dijsselbloem (pegando aqui numa situação recente) transmitem isso… a ideia de que não andamos todos à mesma velocidade. Cooperação em sectores estratégicos? Mas aí corremos o risco de ter uma fragmentação que também seja prejudicial… é uma discussão interessante.

Já é muito… existissem mais cidadãos como tu e outros e talvez a "Europa" estivesse mais bem preparada para ultrapassar os diferentes desafios.
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 29.03.2017 às 12:10

Ups!

Faltou a poesia… parabéns pela forma como ligaste as tuas palavras a uma situação política e social em concreto. No fundo, é um exemplo de que as artes não são nada de insuperável, de que só estão ao nível do entendimento de alguns… (não tirando a qualidade, que é excelente, de quem escreveu).

Parabéns!
Imagem de perfil

De Rita PN a 29.03.2017 às 13:39

Entrei pela parte dos ciclos e lembrei-me que tinha escrito isso faz tempo. Não é daqueles de que me orgulho, mas tem uma mensagem interessante para quem a souber interpretar. Para além disso, e como tu próprio referiste, é aplicável a várias áreas, entre as quais a política.

Sabes, eu vejo a arte não como uma porta de fuga à realidade, mas como uma porta d entrada para outra dimensão da realidade. No fundo, os fundamentos estão lá. Seja numa pintura, numa escultura, num poema, num romance, no teatro, na música... São formas representativas de diferentes realidades que, para mentes mais abrangentes, se podem estender a muitas mais.
No fundo, quanta arte nasceu com o intuito de chamar a atenção para determinadas causas? Tanta...

Eu só não consigo disciplinar o meu pensamento e raciocínio. eu começo a escrever ou a falar e fluem ideias, que na sua rebeldia querem sair cá pra fora todas aos mesmo tempo para se fazerem ouvir, suavemente, no exterior.
Tenho um anarquia dentro da cabeça Robinson, qual guerra civil!
Isto é incomodativo, porque não consigo desligar o botão... nem a dormir.
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 29.03.2017 às 16:57

Sim, a Arte foi durante muitos anos o motor que influenciou a Humanidade, aliás, se sabemos muito do que está para trás à Arte o devemos. Ver a Arte, mesmo que democrática, só alcançável por meia-dúzia de espíritos iluminados e distante da realidade é um erro crasso e que se paga bem caro… gosto muito de tudo o que meta "Artes" mas "pseudo-intelectualices" forçadas, dispenso.

Continua a pensar… fazem falta pensadores!
Imagem de perfil

De Rita PN a 29.03.2017 às 17:06

"gosto muito de tudo o que meta "Artes" mas "pseudo-intelectualices" forçadas, dispenso." - Tema das elites que antevê o teu post sobre cultura e a tentativa forçada de fecho em si mesma. É por aí?

Às vezes dava-me um jeitão tirar umas férias dos meus pensamentos, acredita. Dias como aquele em que escrevi a "Inquietude"...

Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 29.03.2017 às 19:05

Também...

De vez em quando também faz bem...

Comentar


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB