Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Falar de Bowie e da Morte...

por Robinson Kanes, em 19.12.16

david-bowie-1.jpg

 

 

Agora que os ventos estão mais calmos e em que tudo já se escreveu sobre David Bowie - que ficaria feliz ao perceber que afinal tem o quádruplo dos fãs que pensava - escrevo eu quando pouco falta para o primeiro aniversário da sua morte. Sobretudo porque, sempre que morre alguém, tenho a sensação de que já existem rascunhos prestes a serem publicados para não se perder a corrida das lamentações e com isso os holofotes.

 

De repente fiquei a saber que poderia ter falado de "Absolute Beginners", de "Ziggy Stardust" ou de outros temas com tanta gente que eu pensava não conhecer muito da vida e obra deste senhor... possivelmente não as conheciam mesmo. Nada que no prazo de um dia umas pesquisas na internet não resolvessem e... a cada aniversário lá virá mais uma colectânea para o lembrar.

 

Bowie, apesar de ter trabalhado uma vida inteira e de, por isso, ter sido reconhecido também em vida, teve de morrer para chegar a número um nos Estados Unidos. Isto faz-nos pensar um pouco... afinal, quer queiramos, quer não, as conquistas, os prémios e os reconhecimentos depois de mortos de nada valem para os artistas. “Vou ser reconhecido pelo meu trabalho... fantástico!... mas estou morto e, mesmo que até na minha fé esteja a visualizar tudo o que se passa na terra, convenhamos, de pouco ou nada me serve”. Somos nós, sobreviventes (por mais algum tempo), que podemos lucrar e transportar para aí um pouco a nossa crença de imortalidade.

 

Falou-se muito de David Bowie, sobretudo em termos de aprendizagem organizacional, de como era inovador, diferente e até de como a sua atitude se reflectiu numa carreira que se prolongou por várias décadas. David Bowie foi sempre ele próprio e a “única” coisa que teve de inovador foi isso mesmo: ser ele próprio. David Bowie não cedeu às muitas inovações (absurdas) de que o mundo musical foi sendo alvo nos últimos anos. Aproveitou como ninguém a tecnologia, mas jamais se deixou contagiar pelo muito lixo musical que foi sendo produzido. Podemos nesse aspecto continuar a falar de inovação? Claro que sim! Também isto é ser inovador – cada vez mais...

 

Outra descoberta: a apropriação da morte de Bowie por todos nós - “o meu Bowie”; “quando ouvia a música do Bowie”; “foi um cd do Bowie que...”; “como vai ser sem a música do Bowie” (interessante que também descobri no decorrer deste ano que a maioria dos portugueses e não só tem dificuldade em pronunciar o nome do senhor).

 

Tudo isto é interessante, e eu aí também sou apanhado na teia, mas esquecemos que o Bowie era uma pessoa e não pensamos muito nisso. Não pensamos muito no lado de lá... na família, no próprio (afinal morreu)... Não conseguimos ir mais além do “eu” que aqui também ganha destaque. É lugar comum falar em sociedade individualista, mas não vamos ao encontro dos focos desse mesmo individualismo. Não me alongo muito nesta matéria, deixo-a para os especialistas.

 

Finalmente, falar da morte de Bowie é também, passe a redundância, falar de... morte! Bowie é um cidadão da Idade Média. Ou melhor, é gente da Idade Média, pois o conceito de cidadania nessa época, com a queda do Império Romano do Ocidente, ficou um pouco marginalizado. Bowie soube preparar a sua morte com discrição - convidou a senhora da foice, sentou-a à mesa e discutiram todos os preparos para a festa que se seguiria. Uma das coisas em que a nossa sociedade não evoluiu, pelo contrário, foi a questão da morte. Talvez por perda de fé; talvez pelo simples facto do homem estar entregue a si próprio; talvez porque nos julgamos imortais; talvez porque perdemos aquele ente querido mas acreditamos poder viver eternamente porque a medicina nos vai salvar... até ao dia em que corremos o risco de morrer “velhinhos”. E quando a morte nos pisca o olho, temos um medo terrível e lutamos com todas as nossas forças, pois ainda há esperança de sermos salvos, mesmo quando não somos mais que um vegetal condenado a essa mesma morte.

 

Bowie foi gente da idade média, basta ler Ariés para perceber em que medida, naquela época, a Ocidente, o cerimonial da morte era preparado: morrer fazia parte da vida e a aproximação da morte era como que celebrada. Era o próprio moribundo que, apercebendo-se da aproximação do fim, preparava todo o cerimonial. Não existiam pontas soltas, quer em termos de heranças, quer em termos de palavras ou gestos. Havia tempo para serenamente discutir as questões da morte, não só entre o moribundo e os médicos da morte, mas também entre o moribundo e todos aqueles que o rodeavam. Segundo Ariés a morte era uma cerimónia pública e organizada e mais importante que isso, a simplicidade com que os ritos da mesma eram aceites e cumpridos, sem qualquer drama ou emoção excessiva. Fugir da morte, esconder o moribundo é uma prática recente do início do século XX.

 

Bowie não teve medo da morte. Preparou-a aliás, com um sorriso no rosto e trabalhou em parceria com ela no sentido de deixar tudo finalizado apesar de possivelmente ter travado uma luta interior que nos é desconhecida. Quantos clientes com esta postura não adoraria ter a morte?

 

No entanto, não esqueçamos... isto não é coisa que se faça cinco minutos antes de termos aquele AVC que nos vai levar de vez... este é um projecto também de vida, pois a serenidade da morte tem a ver com a serenidade da vida, caso contrário teremos aquilo a que Sartre chamava de “viver” e não a “aventura” (da vida) que só existia quando pudesse ser contada e acrescento eu, realmente sentida...

 

Talvez uma das maiores lições e inovações de Bowie tenha sido essa: a morte é normal, faz parte da vida e, fazendo parte dessa vida, também nós, “pseudo-imortais”, temos de estar preparados para a receber. Foi essa a última grande inovação de Bowie, ser gente da Idade Média em pleno século XXI.

 

Fonte da Imagem: http://thefashiontag.com/2016/01/13/david-bowie-a-style-icon/

Autoria e outros dados (tags, etc)


9 comentários

Imagem de perfil

De Chic'Ana a 19.12.2016 às 16:29

Realmente é impressionante. Um grande Senhor, que sofreu, que sorriu, que chorou, que viveu e que essecialmente soube aceitar a morte como algo integrante..
Beijinhos
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 19.12.2016 às 18:19

Obrigado pelo comentário.
Como outros, não era perfeito e teve comportamentos mais ou menos... mas nesta temática e no modo como geriu tudo isso, é sem dúvida um interessante "case study".
Imagem de perfil

De HD a 19.12.2016 às 20:16

Concordo contigo.
As mesmas pessoas que diziam que não tinha nada mais para dar desde os anos 90, são aquelas que o homenagearam como um Deus da música...
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 20.12.2016 às 15:15

Por norma é sempre assim... foram aqueles que disseram que sempre gostaram de Bowie aquando da sua morte... fica sempre bem.
Imagem de perfil

De HD a 20.12.2016 às 21:49

A conveniência do costume :)
Sem imagem de perfil

De Carlos a 19.12.2016 às 23:05

Não era fâ...mas gostava de algumas músicas!
O que mais me arrepiou à morte dele foi a forma como a preparou. Poucos são capazes de friamente prepararem a forma como querem que seja após o ultimo suspiro e ele conseguiu!
Perdeu-se um dos grandes e todos sabemos que raros são os que cá andam com igual e enorme talento!
Abraço
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 20.12.2016 às 15:16

Boa observação... embora, creio que o ponto final na vida não tenha sido de um modo frio. Talvez de um modo sereno e até bem mais tranquilo do que qualquer um de nós possa pensar.
Imagem de perfil

De Maria Mocha a 19.12.2016 às 23:47

O Bowie é daqueles seres humanos que se imortalizaram em vida.

Comentar



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
CRD7-BFJD-IWHB-ZXDB